terça-feira, julho 18, 2017

AFRODITE, STRAVINSKY, DRUCKER, RIPPER, MARIA JOÃO, MARTHA ANGERICH & APRENDER A APRENDER

A JACA & A BOTIJA - Aquela jaqueira florida infincada na calçada duma esquina, nunca chamara tanto atenção. Servira sempre apenas para roubos furtivos de necessitados, mesmo sob protesto dos moradores da vizinhança que se achavam donos dela, combatendo sob vigilância rigorosa e armada hostil contra quem se arvorasse atacá-la. Um dia lá não lembro quando, apareceu um fruto de grandes proporções, arregalando olhos e arrepiando noticiários locais e nacionais, até prospectar todo tipo de estudiosos, fanáticos e religiosos advenos, todos voltados para santificá-la e torná-la patrimônio da humanidade. Acontece que ao aboticar as vistas com aquela aberração, Tomé foi acometido duma paralisia de ficar de queijo caído e escorrendo baba pela boca de lavar o peito, guardados, pés, chão abaixo, formando poças imensas. Logo ele apreciador de prediletos bagos de jacas inchadas, fosse dura, mole, até da manteiga trazida doutras localidades. Por dias ele ali, até sair do embotamento depois duma paralisia demorada de passar dias sem comer nem beber, muito menos dormir, com aquela maravilha crescendo no juízo, dele ficar obcecado, sem conseguir desgrudar todos os sentidos daquilo que seria o maior de todos os prêmios de sua conquista. Antes dessa morbidez que o acometera, dizia ele nunca ter tido problemas intestinais, nem tosse alguma, afora ter sempre uma tesão infalível de garanhão priápico, justo por ser costumeiro comedor da Artocarpus integrifolia L, da família Moraceae, que, segundo ele, exímio atrepador de vencer mais de vinte e cinco metros na busca pelo alimento predileto, como inventor de lendas as mais cabeludas a respeito de suas propriedades medicinais. Ao tentar se aproximar para furtá-la, grande era a sua fome, logo se deparou com políticos, padres, pastores, gurus, fiéis, beatos e curiosos que santificavam aquela extravagância, privando sua captura e o seu pronto abastecimento. Dias indômitos armando estratagemas em complicados planos para tomá-la pra si, perseguindo inarredável por um momento propício, sempre nada exitosa por não saírem de perto um mínimo centímetro da maior vigiada, pra que o fruto agora sagrado não fosse surrupiado por mãos inescrupulosas. Passaram-se mais dias e lá inexoráveis permaneciam romeiros vindos de todas as partes do país para confirmar aquele inusitado acontecimento, chegando-se ao ponto de boatos sobre curas e milagres obrados só por estar na presença ou mesmo ao tocá-la, o que era absolutamente proibido, mas recalcitrantes conseguiam mediante descuido da tropa protetora. Bastava fazer menção de tocar aquele símbolo sacrossanto da natureza, novos anúncios de salvações curativas alardeavam por todo canto. Uma semana já se passara e nada dele conseguir seu intento, quinze dias, um mês e ele lá, sem comer, beber ou dormir, já enlouquecendo com a jaca crescendo ainda mais no seu quengo. Certa feita, ele se aproveitou de uma cerimônia em que a multidão ajoelhou-se de olhos fechados num louvor de gratidão aos céus por tão maravilhoso espetáculo, ele zarpou, pegou a dita pesadíssima de quase nem conseguir arrastá-la, saiu embolando ladeira abaixo, até sumir de ninguém saber como se dera o sumiço nem o paradeiro. Um escândalo de convocar todas as forças armadas e especiais numa comitiva perseguidora no encalço do desplante. Com o sumiço logo caiu uma chuva com raios e trovões nunca vistos, a terra começou a tremer, as águas invadiram as ruas, o tempo parou, as coisas perderam sentido e tudo poderia acontecer a qualquer momento, sinais estes identificados como efeitos da ignomínia praticada. Escapando da perseguição, Tomé se escondeu no sótão duma casa amaldiçoada que ninguém se atreveria a se aproximar, imobilizado para não denunciar que estava ali, nem ousou rasgar a jaca e comê-la, não, manteve-se quieto, torando aço para nenhuma alma de outro nem ser vivente de nariz intrometido aparecessem ali. De madrugada quando todos já roncavam o cansaço da marcha, morrendo de fome e com a baba escorrendo pelo peitoril, ele armou-se um facão e tascou na jaca. Desferido golpe restou inútil, o que o fez catar uma foice e com repetidos golpes de tantas foiçadas, e como estava no meio da maior escuridão, findou decepando o polegar e o indicador da mão esquerda, três dedos de cada pé que serviam de apara para maior forçada, afora talhos nos braços de quase perder uma orelha e o bico do nariz, enfim, depois de muitas tentativas na casca dura, conseguiu fissurá-la e abri-la, qual não foi seu espanto ao constatar que ao invés de bagos, dentro dela havia moedas e ouro. Oxe! Num acredito! Quanto mais esquartejava a jaca, mais ouro e moedas apareciam. Não era uma jaca, era uma botija. Danou-se! Ele não queria ouro nem riqueza, queria bagos pra comer. De que serviriam moedas e barras de ouro se estava faminto. Não podia sair pela cidade com moedas estranhas nem oferecendo barras de ouro, assim do nada, logo desconfiariam e ele findaria preso por escamotear um pretenso patrimônio histórico. Mesmo assim ele mordeu as moedas e as barras, chega doer os dentes pelo esforço de tentar comê-las, perdeu alguns deles com as mordidas, findando quase banguelo. De nada serviam, não havia como matar sua fome. Ele se agoniava, debatia-se, reclamava da vida até cair duro de sono e faminto. Uns seis meses depois de buscas por todos os cafundós da redondeza, lembraram que faltava o palacete assombrado. Foram lá e sentiram logo cheiro de jaca no ar. Reviraram tudo, até encontrar no sótão, tanto a jaca como Tomé, completamente desfigurados. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA DE DRUCKER
[...] A “literacia” significava tradicionalmente o conhecimento do conteído de determinados temas, por exemplo, efetuar multiplicações ou possuir um pouco de conhecimento da história da América. Mas a sociedade do conhecimento (pós-capitalista) necessita de conhecimento processual – algo que as escolas raramente tentaram ensinar. Na sociedade do conhecimento, as pessoas têm de aprender a aprender. [...].
Trecho extraído da obra A sociedade pós-capítalista (Pioneira, 1999), do economista, professor, escritor e consultor austríaco Peter Drucker (1909-2005), abordando historicamente sobre a sociedade capitalista, política e conhecimento, sob a perspectiva do capital, da terra e do trabalho na sociedade atual que exige a mudança de paradigma e de mentalidade diante das novas realidades econômicas e sociais. Veja mais aqui.

Veja mais sobre:
Não era pra ser, nem foi, Entre a vida e a morte de Nathalie Sarraute, a música de Galina Ustvolskaya, Aquarium World de Takashi Amano, o ativismo de Emmeline Parnkhurst, Zakarella de Carlos Alberto Santos, a pintura de Paul-Émile Chabas & as gravuras de ean-Frédéric Maximilien de Waldeck aqui.

E mais:
Trova & Trovadorismo aqui.
A literatura de João Ubaldo Ribeiro aqui & aqui.
Quase meio dia, A estrutura das revoluções científicas de Thomas Kuhn, Não morra antes de morrer de Yevgeny Yevtushenko, Os amores amarelos de Tristan Corbière, A consciência da mulher de Leilah Assumpção, a música de Debussy & Sandrine Piau, o cinema de Eric Rohmer & Françoise Fabian, a pintura de Hyacinthe Rigaud & Vittorio Polidori, a fotografia de Dian Hanson & Eric Kroll aqui.
A poesia de Yevgeny Yevtushenko, a Psicanálise de Freud, o teatro de Leilah Assumpção, a pintura de Hyacinthe Rigaud, a música de Rachmaninoff & Segueira Costa, Ailson Campos & muito mais aqui.
Zé Ripe entre amigos & pé de serra aqui.
Dia Branco & outras dicas Tataritaritatá aqui.
O trabalho do antropólogo de Roberto Cardoso de Oliveira, Monções de Sérgio Buarque de Holanda, a poesia de música de Carlos Gomes, O poeta dramático de Karl Georg Büchner, o cinema de Alfred E. Green & Carmen Miranda, a arte de William Orpen, a pintura de Ivan Gregorewitch Olinsky & Charles-Antoine Coypel aqui.
Sorria, Canto geral de Pablo Neruda, A desobediência civil de Henry Thoreau, O feijão & o sonho de Orígenes Lessa, A revolução na América do Sul de Marcelo Soares música de Sebastião Tapajós, a pintura de Amedeo Modigliani, Monteiro Lobato & Brincarte do Nitolino aqui.
A crise na América Latina de Emir Sader, No colo do pai de Hanif Kureishi, Viagem nas primeiras horas de Wole Soyinka, Técnica teatral de Erwin Piscator, a música de Stelvio Massi & Joan Collins, a gravura de Václav Hollar, a pintura de Carl Kricheldorf & Isaac Lazarus Israels aqui.
O direito à informação e qual informação, A formação social da mente de Lev Vygotsky, O retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde, a poesia de Manuel Bandeira, a pintura de Vincent van Gogh & a música de Gonzaguinha aqui.
As funduras profundas do coração de uma mulher, A arte de amar de Erich Fromm, A poesia de Paul Verlaine, Cem poemas de amor de Ledo Ivo, a música de Debussy & Isao Tomita, Lula Queiroga, a pintura de Cornelia Schleime & Fabius Lorenzi aqui.
Mãe é mãe & deus proteja a minha, a sua, a nossa & o da mãe-joana & e das mães (do guarda, do juiz de futebol e dos políticos) que são coitadas, Inteligência emocional de John Gottman, a literatura de Máximo Gorki, a poesia de Jorge Tufic, a música de Caetano Veloso, a pintura de Lena Gal & Gustav Klimt, Travesuras de mãe de Denise Fraga & a arte de Luciah Lopez aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

APRENDER A APRENDER
[...] Enquanto a memorização permanece a forma dominante de aprendizagem em muitas salas de aula e instituições corporativas, há um reconhecimento crescente de que a finalidade central da educação deve ser valorizar as pessoas no sentido de se encarregarem elas próprias da construção do significado das experiências que vivem. [...] As ramificações que advêm do aprender a compreender a natureza do conhecimento e a natureza da aprendizagem significativa, não só valorizam o indivíduo tornando-o mais eficiente na aquisição e produção do conhecimento, mas também contribuem para a sua autoestima e sentido de controle sobre a própria vida. Os tempos atuais são tempos revolucionários, e ajudar as pessoas a aprender a aprender é uma ideia que se impõe.
Trecho introdutório da obra Aprender a aprender (Platano, 1997), dos professores do Departamento de Educação da Cornell University, Joseph D. Novak e D. Bob Gowin. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje é dia de especiais com o compositor, pianista e maestro russo Igor Stravinsky (1882-1971): Rite orf Spring & Symphonis of Winds; da pianista portuguesa naturalizada brasileira, Maria João Pires: Concerto para piano nº 17 de Mozart & Sonata nº 32, op. 111, de Beethoven; do compositor, professor e regente João Guilherme Ripper: Canntiga e Desafio & Jogos Sinfônicos; e da pianista argentina Martha Angerich: Concerto nº 1 in E minor, op. 11, de Chopin & Concerto nº 3 de Rachmaninoff. Para conferir é só ligar o som e curtir.

COCO CHANEL & IGOR STRAVINSKY
O filme Coco Chanel & Igor Stravinsky (2009), dirigido por Jan Kouten, conta a história do envolvimento entre a estilista francesa Gabrielle Coco Chanel (1883-1971) e o  compositor, pianista e maestro russo Igor Stravinsky (1882-1971), ela devotada a seu trabalho e apaixonada pelo charmoso e bem sucedido Arthur Boy Capel, comparece ao Théâtre des Champs-Élysées, onde Stravisnky mostra pela primeira vez o seu terceiro bailado "A Sagração da Primavera". Ela se encanta pela música, mas o público vaia a obra considerando-a revolucionária e moderna demais para seu tempo não deixando sequer a obra terminar e originando uma sessão de pancadaria geral. Sete anos mais tarde, Coco e Igor se reencontram em situações opostas. Ela agora é uma estilista famosa, rica e respeitada, e vive a dor da morte de Boy, enquanto ele vive em exílio na França após a Revolução Russa. A atração entre os dois é imediata e ela o convida para se hospedar em sua casa de campo para compor; ele aceita e muda-se com a mulher e filhos. Um intenso romance então se inicia entre os dois artistas na fase mais criativa de suas carreiras. O destaque fica por conta da atuação da atriz francesa Anna Mouglalis. Veja mais aqui, aqui e aqui.

CULTO À DEUSA AFRODITE
Esculturas representando a deusa do amor, da beleza e da sexualidade na antiga religião grega, Afrodite, responsável pela perpetuação da vida, prazer e alegria. Influenciado pelos cultos da fenícia Astarte e da acádia Ishtar, ambas deusas do amor, o seu culto foi importado da Ásia para a Grécia Antiga. Na era romana ela passou a ser denominada de deusa Vênus. Veja mais aqui, aqui e aqui.

HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...