quinta-feira, maio 04, 2017

CINEMA MARGINAL DE SGANZERLA, A DIVA PETERS, VIOLETA DE TORREGROSA, FÁBIO MESQUITA & OS DIAS ESTÃO ASSIM

OS DIAS ESTÃO ASSIM – Imagem: arte do artista plástico Fábio R. Mesquita. - Naquela manhã ela perdeu a hora, às pressas vestiu-se como pode, ajeitando-se a cada passo até o ponto do ônibus, a condução acabou de sair. Tentou correr atrás, levou um tropicão da gota! Maldiz da vida, amaldiçoa sua sorte, uma ventania, saia na cabeça, todos viram: estava sem calcinha! Na pressa das passadas, deu uma escorregada na calçada, bunda no chão e lascão de sangreiro no meio da canela. Alguém recomendou: tome um banho de sal grosso e comigo ninguém pode pra se benzer, minha filha, do jeito que vai, você se estrepa! Capengando, foi pro trabalho a pé, era longe, mas dava pra chegar. Atrasada? Levou um carão do patrão, explicou miudamente sua desdita. Nos afazeres mal conseguia se concentrar, até a hora do almoço, sem fome, precisava provar de uns doces na padaria, fartou-se, voltou pro trabalho e enrolou nas tarefas fazendo de conta. Estava indisposta, mal-estar que lhe consumia por dentro, a final de semana fora da pesada, não sabia nem como findou viva, parecia mais que o mundo ia se acabar. Até que anoiteceu na porta de casa, chave na fechadura e abriu a porta, tudo escuro ao acionar o interruptor: porra! Esqueci de pagar a conta de energia. Ninguém merece. E agora? Perdeu o episódio da novela, justo no dia da descoberta das tramóias todas, ah, resta mais nada, faminta, sem graça, dormiu se abanando. Quando abriu os olhos era dia claro, que horas? Olhou no celular: 8:20hs. Porra! Fez o que pode e correu pro ponto do ônibus, acabou de sair. De novo, assim não dá. Um pedinte pede esmola, mandou se lascar! Chegou atrasada de novo, levou uns bregues do chefe, vergonha na cara, desculpas que não tinha mais, vista no canto do olho. Voltou ao trabalho, embatucou-se com a tarefa, meteu as mãos pelas pernas, atrapalhou-se toda, usou do charme pra pedir socorro, foi mal, o cara era gay e ficou com uma mão na frente e outra atrás. Hora do almoço, serviu-se do lanche com refrigerante e logo voltou pro emprego. Mal começou as tentativas de desembaraçar os problemas, o pudim lhe fez mal, idas e vindas à toalete: já tô ficando assada. Assim foi e não conseguiu desatar o nó do serviço, estava passando mal, pediu arrego e foi-se, tinha que ir à faculdade saber a nota da prova. No caminho, ouviu um psiu e mandou se catar. No mural das notas, não deu, pra recuperação, estudar dobrado todo assunto. O cinema é uma boa, ainda é cedo, fila quilométrica e tudo uma droga: o galã morreu no final e ela debulhando em lágrimas: que merda! Foi pra casa e se estapeou: esqueci de pagar a conta de novo. Fazer o que? Amanheceu menstruada – só faltava essa! -, absorvente que não dava, foi comprar na farmácia, perdeu a carteira: puta que pariu! Faz fiado? Não. Nem com jeitinho? Melhor ir trabalhar assim mesmo. Atrasada de novo? Tô de boi, porra! Pode voltar, está dispensada. Eita! E agora? Vou ser demitida mesmo, não tem mais jeito. Dois dias seguidas de atraso, vou ser mandada embora. Ficou zanzando na rua, ligou pra prima, não atendia, ficou olhando a vitrine das lojas, passou a manhã todinha quando bateu a fome e foi comer, preferiu um cachorro quente com caldo de cana, mas ao chegar ao estômago, maior revolução, correu pro mictório de quase não mais sair: eu me acabei pelo fundo feito panela. Que droga! Religou pra prima, nada de atender. Bateu pernas, conferiu promoções, melhor ir pra casa – cabeça mole essa minha! -, chegar cedo e procurar a carteira perdida e a revolver tudo botando a casa pelo avesso e de cabeça pra baixo, depois de horas: achou caída atrás do vaso sanitário. Procurou a conta da luz, pediu pra São Lunguinho e depois de revirar por horas todo monturo, achou e deu três saltos correndo pra loteria: já encerrou o expediente. Foi pro ponto pegar ônibus pra magazine tentar pagar no banco vinte e quatro horas, ao descer tudo escuro, esbarra num estranho, é um assalto, a bolsa com tudo dentro já era. Está perdida, sem documentos, sem telefone, desendinheirada, distante de casa, no meio do nada, sozinha e desprotegida, seguindo chorosa a esmo, pedindo socorro, ninguém ouve, ninguém conhecido por ali, desespero à flor da pele, até abordar o primeiro passante que solícito concede o seu telefone: prima, socorro! Onde você está? No paraíso? E eu no inferno! Socorro, prima. Não pode? Eu não tenho pra onde ir, desligou. Liga novamente: tais aonde, porra? Me socorre, por favor! Desligou novamente. Ela chora copiosamente. O estranho oferece ajuda, ela não sabe o que fazer. Ele a segura pelo braço e encaminha até o carro, saem. Ela não sabe pra onde vai, nem o que fazer. Num restaurante jantam, ela muda, hipnótica, nem ouve o que lhe diz, apenas mecanicamente garfo da comida à boca até esvaziar o prato. Um copo de bebida e ela sai da catatonia, desperta, olha o estranho e pede outro copo que lhe é servido gentilmente por ele. Levanta-se, pede licença, vai ao banheiro, se ajeita, cílios, pestanas, lábios, olheiras, vestes, se recompõe, tudo nos conformes pro flerte, volta pra mesa exibindo-se charmosa, vira outro copo, mais outro, três, quatro, a noite, o choro, gargalhadas, o vinho e pernas pro ar no mundo girando entre lembranças e fodas, remorsos e tô nem aí. Acordou, lugar estranho, nua e sem saber onde está. O que achou desta noite? – perguntou-lhe o gentil cavalheiro que lhe socorreu pro jantar. O que fiz? Você estava deprimida e, graças, liberou geral! Que horas são? 9:30hs. Que droga! Que foi? Vou ser despedida do emprego, estou atrasada. Relaxe, nem esquente, vamos comprar roupa de banho e vamos pra praia? Eu e você? Sim. Agora? Exatamente. Quer saber, tudo à merda! Vamos. O dia, tarde, noite e redemoinhos de acontecências, tudo um sonho, de quinta pra sexta havia esquecido a vida tacanha, bebidas, gargalhadas, sexo, músicas, drogas e noitadas sem fim. De sexta pra sábado, maior bacanal, nunca viu de perto tanto pênis por todo seu corpo! Um festival paudurescente pra abocanhar, pegar, se esfregar, se aninhar, sentar, babar, desbundar, umbigar, tudo no maior festejo: achei o maior balaio de rola! Tô sendo fodida por uma chuva de caralhos! Quanta pica dura, meu Deus do céu! Eu mereço! Isso é o céu! U-hu! Acordou completamente nua na areia da praia. Procurou pelos demais, deserto. Bateu agonia, todos os temores ao redor, saiu correndo sem direção, chorando nua pela estrada até ser interceptada pela polícia e levada pra delegacia. De tarde estava em casa enrolada num lençol fedorento, sem chaves pra entrar em casa, o porteiro avisou: porta arrombada, pertences roubados. Subiu e quando viu o vazio, sentou-se num canto da sala com todas as imagens rondando sua cabeça: o pai que não queria lhe ver nem pintada a ouro, a mãe proibida de ajudar, o irmão pau mandado, os parentes todos avalizando a atitude do pai de expulsá-la de casa afora, o namorado que se mandou depois de flagrá-la aos beijos com o primo dele, ninguém pra socorrer, amigos ou colegas da faculdade, tudo uns chatos de galocha, a prima que não deu as caras depois do telefonema, devia estar no bem-bom e nem ai pra ela que estava lascada de tudo, era a única mão que podia contar e não havia mais nada àquela hora, só com seu umbigo, desvalida, fodida e mal paga, cuspida e seviciada, abandonada de tudo, sem conciliar o sono. Ali ficou noite adentro, sem pregar os olhos. Na manhã seguinte, os comentários – que coisa! – acompanhavam a manchete do noticiário: jovem nua se mata ao pular do oitavo andar do prédio. Os dias estão assim. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

VIOLETA, A CARA DA INOCÊNCIA
QUADRO XI: E uma carta desde a cara toda da inocência (DESAPARECE O ECRÃ DE SOMBRAS. NO BANCO DE SEMPRE, LAURA LÊ UMA REVISTA. ENTÃO MARIAN APARECE RADIANTE.) MARIAN: Laura! Que alegria! Uma carta da Violeta! LAURA: A sério? Trá-la, por favor! Vamos lê-la já! (LEITURA EM VOZ “OFF” - COM A VOZ DE VIOLETA - , OU LEITURA DA CARTA DIRETA POR PARTE DE UMA DELAS, AS AMIGAS DE VIOLETA NÃO DEIXAM DE OUVIR, EMOCIONADAS, CADA UMA DAS FRASES ESCRITAS PELA SUA AMIGA: Queridas amigas Marian e Laura: Quero começar esta carta pedindo desculpas às duas. Bem, também a José Manuel. Sei que devia ter-vos escrito antes mas pensei que era melhor que passasse um tempo para assim ter melhores coisas que contar, coisas agradáveis e muito diferentes das que nos fizeram ir embora, à mamã e a mim. Sei também que não foi bom ter-me ido embora assim, sem me despedir, mas garanto-vos que foi tudo tão rápido que ainda não consigo acreditar no que me aconteceu. Bem, prometi a mim mesma, antes de escrever, não contar coisas tristes e vou tentar. Por isso digo-vos que a cidade onde vivo é muito mais pequena do que a vossa, mas também é bonita. Tem grandes parques e os edifícios não são tão altos nem há tantos carros. É melhor assim, não acham? A mamã e eu estamos num apartamento bastante especial. Não é nosso mas as pessoas que ali vivem e as amigas da mamã fazem com que nos sintamos realmente bem. Tem o nome de “Centro de Acolhimento” e nele vivem três famílias, e nenhuma delas tem aqui o seu papá. Agora até tenho, por um tempo, novas irmãs e irmãos. Quem o havia de dizer! Com o número de vezes que sonhei ter outro irmão! Comigo, neste apartamento, estão a Carmen, a Luisa, o António, a Inma e a Isabel. Parece que lhes fez bem. Nós unimo-nos muito. Talvez seja porque temos o mesmo problema. Não sei. De qualquer forma, sinto tanto a vossa falta! Vocês sim, é que teriam sido as minhas irmãs ideais! A mamã começou a trabalhar e está contente por isso. Eu estou num novo colégio e, como prometi à mamã que estudaria muito para ser alguém importante algum dia, as minhas novas professoras e professores parecem tê-lo notado e estão contentes comigo. Falei nele no início e, reconheço que não me esqueço dele nem por um instante. Que mal se deve ter sentido o José Manuel por esperar tanto! Esta é uma das coisas que mais me doeram junto com o fato de perder a vossa companhia. Mas asseguro-vos, minhas amigas, que vos tenho muito próximas de mim, pois aprendi a fechar os olhos e a sonhar com os três ao mesmo tempo. É assim sempre que quero. E é estupendo. Vocês querem ver-me? Tenho a certeza que sim. Eu não sei bem quanto tempo vamos levar até nos encontrarmos. A Mamã e eu temos que estar aqui, neste apartamento e nesta cidade bastante tempo, até que haja uma decisão judicial. Depois, provavelmente, verei o papá. Na melhor das hipótese ele leva-me de férias ou aos fins de semana para a nossa casa, no bairro. Ele continua a viver ali. De certeza que se sente sozinho. Sabem? Seria fantástico ter-vos muito próximas, sentir-vos a meu lado, poder abraçar-vos como naquele dia na escola. Lembram-se? Não se importarão muito que no próximo abraço incluamos também o José Manuel? Não quero terminar esta carta sem vos agradecer os encorajamentos que seguramente me enviaram, ainda que não tenham chegado aquí noticias vossas. Vocês não têm culpa. Não sabiam o meu endereço. Tampouco quero que contem a alguém onde a mamã e eu nos encontramos. Esse será o nosso segredo... O maior dos segredos! E agora, sim; agora quero terminar esta carta quanto antes para que não demore muito a chegar até às vossas mãos. Nela, e bem dentro do seu sobrescrito, quero enviar para vocês e para José Manuel uma grande parte dos meus abraços e das minhas caricias, e também outra parte de tudo quanto vejo e vivo nesta cidade pequenina, dos seus cheiros e das suas cores, de tudo o que ouço e falo neste sítio, tão longe do vosso e tão próximo, também. Escrever-vos-ei breve. Entretanto, para cada um, todos os beijinhos do mundo, Da vossa amiga, Violeta. (COM A LEITURA DA CARTA E DEPOIS DO ABRAÇO EMOCIONADO DE LAURA E MARIAN, CAI MUITO LENTAMENTE O PANO.)
Quadro XI -  E uma carta desde a cara toda da inocência, do drama teatral Violeta – a cara da inocência, do dramaturgo e professor espanhol José Cañas Torregrosa, contando a história de uma menina que vive em um apartamento da grande cidade, testemunhando as cenas mais severas da dolorosa realidade: um pai agredindo a mãe.

Veja mais sobre:
Credibilidade da imprensa brasileira, a literatura de Cervantes, a História da imprensa de Nelson Werneck Sodré, a Imprensa de Millôr Fernandes, a música de Eduardo Gudin, Beijo no asfalto de Nelson Rodrigues & a arte da jornalista Enki Bracaj aqui.

E mais:
Todo dia o Sol se põe para uma nova alvorada..., O homem unidimensional de Herbert Marcuse, a literatura de Amos Oz & Machado de Assis, a poesia de Safo, a música de Händel & Caroline Dale, o cinema de Blake Edwards & Audrey Hepburn, a arte de Keith Haring, o humor de Ronald Golias, a pintura de Frederic Edwin Church & François Gerard aqui.
Matizes, a poesia de Luís Vaz de Camões, a literatura de Jean de La Fontaine, O cartesianismo científico de Paulo Cesar Sandler, A lenda do Cavalo sem cabeça de Luís da Câmara Cascudo, Hécuba de Eurípedes, a música de Villa-Lobos & Celine Imbert, Clítia & a escultura de Hiram Powers, a arte de Esther Góes, o cinema de Woody Allen, Tiradas do Doro, a pintura de Hans Hassenteufel & Gustave Courbet aqui.
Brincarte do Nitolino, a literatura de Nélida Piñon, a música de Igor Stravinski, a poesia de Augusto dos Anjos, O antiteatro de Eugène Ionesco, o cinema de Graeme Clifford & Jessica Lange, a arte de Frances Farmer, a pintura de Joan Miró, As emoções de Suely Ribella, Papel no Varal & Ricardo Cabus aqui.
Freyaravi & o circo dos prazeres, Cultura de consumo pós-moderna de Mike Featherstone, Os contos brasileiros de Julieta de Godoy Ladeira, O kama sutra de Vātsyāyana, a música de Marisa Monte, a fotografia de Ralf Mohr, a pintura de Crystal Barbre & Luciah Lopez aqui.
Lualmaluz, De segunda a um ano de John Cage, Técnica e ciência de Jürgen Habermas. a História da literatura de Nelson Werneck Sodré, a música de Sally Seltmann, a performance de Marni Kotak, a pintura de Théodore Géricault, a escultura de George Kurjanowicz, a arte de Moisés Finalé & Luciah Lopez aqui.
Quando tudo é manhã do dia pra noite, A agonia da noite de Jorge Amado, a música de Bizet & Adriana Damato, o Folclore musical de Wagner Ribeiro, a pintura de Aleksandr Fayvisovich, Postuman bodies de r Judith Halbertam & Ira Livingstone, a fotografia de Christian Coigny & Bryan Thompson, a arte de Mirai Mizue & Luciah Lopez aqui.
Uma coisa quando outra, o pensamento de Marshall Berman, a literatura de Adolfo Casais Monteiro, Arquiteturas líquidas de Marcos Novak, a música de Tom Jobim & Maucha Adnet, Adriana Garambone, a pintura de Renie Britenbucher, a arte de Alyssa Monk & Luciah Lopez aqui.
Feliz aniversário: resiliência, perspectivas & festas, o pensamento de Paulo Freire, a literatura de Octavio Paz, A resiliência de Makilim Nunes Baptista, a música de Midori Goto, a pintura de Luis Crump, Babi Xavier, a arte de Fabrice Du Welz & Luciah Lopez aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

O CINEMA MARGINAL DE ROGÉRIO SGANZERLA
Hoje quero destacar o cinema marginal do ator e cineasta Rogério Sganzerla (1946-2004), começando pelo filme A mulher de todos (1969), estrelado pela lindíssima atriz e cineasta Helena Ignez; o interessante drama Sem essa aranha (1970); o documentário Tudo é Brasil (1997), o terceiro da trilogia sobre a visita de Orson Welles ao Brasil; o drama O signo do caos (2003) e o seu maior sucesso foi o romance policial Bandido da Luz Vermelha (1968), baseado na história dos crimes do assaltante João Acácio Pereira da Costa, que assaltava residências, realizava fugas ousadas e gastava dinheiro de forma extravagante, até ser encurralado e recorrer a medidas extremas, afora tantos outros que tive oportunidade de conferir no cinema.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: curtindo o talento musical da cantora lírica estadunidense, especialista em colaratura e repertório soprano leggero, Roberta Peters (1930-2017).
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...