quinta-feira, maio 11, 2017

KRISHNAMURTI, CABEÇA FEITA DE MORIN, NADAV KANDER, PERRON & CHAMEGO É BOM DEMAIS!

CHAMEGO É BOM, MAS DEPOIS... - Imagem: No pé do ouvido, xilogravura de Perron Ramos. - Ô compadre, o chamego é bom demais, né? Bote bão nisso, compadre. É, mas dá uma dor de cabeça dos diabos. Faz parte dos dividendos. Você compra o troço, vem tudo bonitinho e na melhor embalagem. Bota o dedo pra funcionar, tudo direitinho. Com o tempo, já sabe, né? Enguiça daqui, entorta dali, funciona na maciota, você arranca os cabelos e não adianta: só faz o que quer. Assim é a mulher, quer queira, quer não. Por isso digo: mulher consegue ser a melhor e a pior coisa de mundo, compadre! No começo é tudo nos ajeitados, carinhos, esfregados, pega aqui, pega acolá, tudo a maior satisfação. Quando o casório é firmado e o bruguelo nasce, aí a coisa empreta! Pense num ser mais cheia de direito e do beiço virado. Pode estar errada como for, mas quer estar certa na marra, de todo jeito. Se de um lado você tem cama, comida e roupa lavada, de outro tem que aguentar todas as xaropadas, TPM, implicâncias e choro de menino gasguento no maluvido. Pois é, compadre, mas ninguém deixa de chambregar, a gente só vê os marmanjos pinotando o pingolim na fulana, sarrando a sicrana, maior esfregado na beltrana, arrebanhando as outranas, no fim das contas dá uma superpopulação de filhos da puta no mundo, por isso que a vida está a maior desgraceira. Mas num é que é mesmo, compadre! O que tem de mãe solteira e filhos sem pais não está no gibi! Quem quer assumir paternidade de filho duma qualquer? Pronde você se vira é o maior chamegado, maior fodelança! Como é que pode? Ô compadre, estás vendo aquele ali? O filho bastardo do Coronel Leuterão? Sim, ele mesmo. Vixe, esse botou catinga em bosta! O coronel é um santo homem, probo, direito, coração bom até dizer basta; mas esse filho duma quenga, é um revestrés de gente ruim. É um porqueira mesmo, farrapeiro chega derrapa afrouxado no primeiro acocho. Pois é, filho de puta tira a mãe da culpa! Mas num é mesmo, o cara é talqualzinho, cuspido e cagado, o coronel. Como é que um homem tão bom como aquele dá uma pulada de cerca com uma desgraceira de mulher daquela, hem? É a safadeza, compadre, quando a mulher bota pra enfeitiçar o homem, não tem que dê jeito, o cabra vai feito hipnotizado se enterrar nos guardados dela. É, compadre, mulher é bicho que tem parte com o cão mesmo. Oxe, ainda um dia desse eu vi o Jaterlício, lembra dele? Lembro, um homem rico daquele, por causa de quenga, quebrou na junta. Pois é, morreu do coração. Foi mesmo? Mal enterraram o defunto e ele ressuscitou no outro dia mais rico do que antes. Como é que pode? Dizem que quando ele chegou no céu, São Pedro brecou porque chegou antes da hora e tinha que voltar. Só que ele negou fogo: voltar praquela miséria, volto não. Aí depois de muita conversa no pé do ouvido e de ver uns tridentes enfiados nos rabos dos condenados no inferno, entraram no acordo. Aí ele voltou com a maior fortuna e danou-se a obrar caridade a torto e a direito. Não me diga, compadre! É mesmo! E quando mais ele dava, mais ficava rico. Num brinca! Oxe! Dizem que o prazo de retornar pro santo tinha vencido e ele não tinha gastado a grana e teve de voltar outra vez. Foi mesmo? Aí quando ele encontrou com o pariceiro dele, o Genebaldo, conhece? Conheço aquele trambiqueiro e gigolô imprestável. Pois foi quem resolveu a bronca dele. Como assim? Jaterlício estava aflito e contou a história amiudada pro comparsa, sem saber o que fazer com tanto dinheiro, quanto mais filantropia, mais o dinheiro crescia e enricava, perigando findar no inferno ricaço se não desse conta do dinheiro de uma vez por todas. Eita! O que foi que ele fez? Seguiu o conselho do Genebaldo e arrumou uma reboculosa duma piniqueira, não deu dois tempos, a grana acabou-se na hora, dele buscar socorro no santo e nunca mais voltou! Danou-se! Deve de estar pendurado pelo rabo de cabeça pra baixo assando nos quintos do inferno! Virgem santa! Olha quem vai por ali, compadre? É o Totonho todo empenado. Aquilo é um traste, não pode ver um rabo de saia, perdido todo, só na boêmia e traçando mulher de zona. Disseram que ele estava morre mas num morre, num foi? Coisa ruim não vai assim, fica durando pra pagar os pecados. Dizem que foi porque ele se meteu com a mulher do Roseleno, catimbozeira macha que desacerta a vida de qualquer cristão. Oxe, esse Roseleno é um corno da gaia mole, a mulher enfeita com duas de quinhentos o dia todo, parece mais que na base do catimbó que o cara não enxerga, só o corno não vê e, ainda por cima, é metido a brabo. Quando ele quer dar uma de macho, ela dá uns bregues e ele fica murchinho com o rabo entre as pernas. Por que chamam ele de corno-senão? É que ele diz que ela apronte com ele direitinho, senão ele capa o pé-de-lã. Tudo dele é senão isso, senão aquilo. Corno senão. Vixe! Lá vai a belezura da filha de João Pistolão, como ela está ficando jeitosa, hem? Hum. Reboladeira, tinhosa, mulher bonita filha de pai brabo, é a casa da peste. É mesmo, porta do inferno escancarada chamando você pra torrar todinho. Mas olhando bem, uma mulher dessa não tem quem não perca a cabeça e caia na esparrela, né não? Homem, seu menino, por uma dessa eu deixaria o trubufu lá de casa na maior carreira, de nunca mais ver nem lembrança de mim nas fotos. É um caso sério, compadre. Se é, oxe! Elas engraçam e ficam toda manhosa e sonsa de deixar a gente doido, chamando a gente de banguelo, ora! Ah, comigo não! Quem tiver suas éguas novas que guarde, o garanhão aqui está pronto pra papar a primeira que der mole no saracoteado, caiu na risada, eu saçarico sem dó nem piedade e seja lá o que Deus quiser. Oxe, compadre, se aparecer uma rachadinha, eu meto as catanas, destá! Já emprenhei umas e muitas. Então, compadre, a conversa está boa, mas está na hora das obrigações. É, compadre, vamos embora que a gente não sabe o que diz nem o que faz. Inté mais ver, inté. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

A ILUSÃO DE SER DIFERENTE
Um ser humano é, psicologicamente, a humanidade inteira. Ele não só a representa: ele é a totalidade da espécie humana. Ele é essencialmente toda a psique da humanidade. Contra essa realidade, várias culturas impuseram a ilusão de que cada ser humano é diferente. Nessa ilusão a humanidade tem sido presa durante séculos, e essa ilusão acabou se tornando uma realidade. Se a pessoa observar de perto toda a estrutura psicológica de si mesma, descobrirá que, quando uma pessoa sofre, toda a humanidade sofre em graus variados. Se você é solitário, a humanidade inteira conhecerá essa solidão. A agonia, o ciúme, a inveja e o medo são conhecidos de todos. Portanto, psicologicamente, interiormente, uma pessoa é como a outra. Pode haver diferenças em termos físicos e biológicos; uma pessoa é alta, baixa, etc., mas, basicamente, uma pessoa é o representante de toda a humanidade. Assim, psicologicamente você é o mundo; você é responsável por toda a humanidade, e não por si mesmo como ser humano à parte, o que é uma ilusão psicológica... Se compreende todo o significado do fato de que uma pessoa é psicologicamente o mundo, então a responsabilidade se torna amor irresistível.
Trecho extraído do Letters to the Schools (1981 - vol I), do filósofo, escritor e educador indiano Jiddu Krishnamurti (1895-1986). Veja mais aqui, aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Conselho dum bebão na teibei, A História do Brasil de Cláudio Vieira, Gênero & violência de Heleieth Safiotti, A coluna social de Edu Krieger, a pintura de Salvador Dalí & Por um Brasil democrático de Emir Sader aqui.

E mais:
Cordel Tataritaritatá & livros infantis aqui.
Vamos aprumar a conversa, A arte de viver de Jiddu Krishnamurti, A arte de viver em paz de Pierre Weil, Ação cultural para a liberdade de Paulo Freire, a música de Heitor Villa-Lobos & Bidú Sayão, A grande arte de Rubem Fonseca, a poesia de Camilo José Cela, a pintura de Salvador Dali, O teatro na educação de Paulo Coelho, o cinema de Eduardo Coutinho & a escultura de Jean-Baptiste Carpeaux aqui.
O homem ao quadrado de Leon Eliachar aqui.
Brincarte do Nitolino, Hino ao Sol de Akhenaton, a música de Kitaro, Manifesto Pau Brasil de Oswald de Andrade, Medeia de Eurípedes, Belfagor de Nicolau Maquiavel, a poesia de Percy Bysse Shelley, Fundador de Nélida Piñon, Dicionário do Aurélio, o cinema de François Truffaut, a pintura de Otto Lingner & Nina Kozoriz aqui.
Quando não é na entrada é na saída, O autor como produtor de Walter Benjamin, Carna, A poesia pornográfica: de Gregorio de Matos a Glauco Mattoso, Linguística & Estilo, Fronteiriços de Anna Bella Geiger, a música de Andrea dos Guimarães, a xilogravura de Gilvan Samico, a arte de Matéria Incógnita & Wunderblogs aqui.
Crônica de amor por ela, Os 120 dias de Sodoma de Marquês de Sade, a poesia de Ana Cristina César, Teoria da Literatura de Rogel Samuel, a música de Roberto Carnevale, a pintura de Pablo Picasso, o teatro de Chris Wilkinson & Linda Marlowe, Dia da Prostituta, a arte de Claudia Andujar & Lygia Pape aqui.
Betúlia, a belezura e os restos nos confins do mundo, Uivo & Kadish de Allen Ginsberg, Evolução e sentido do teatro de Francis Fergusson, Porto calendário de Osório Alves de Castro, a pintura de Federico Beltrán Massés & Fayga Ostrower, a música de Consuelo de Paula, a arte de Claudia Andujar & Iemanjá, Mãe D’Água de Petrolina aqui.
Terra do que sou, vida que me cabe, Elogio da madrasta de Mario Vargas Llosa, a poesia de Thiago de Mello, Galalaus & Batorés de Mário Souto Maior, a música de Eduardo Ponti, A pintura de Shelley Bain & Natalia Goncharova, a fotografia de Yan Pierre, Taha Hassaballa Malasi, a arte de Rachel Mascarenhas & Ana Paula Pessoa aqui.
Domingo do que fui e não sou, O erotismo de Georges Bataille, a poesia de Federico Garcia Lorca, Os segredos da ficção de Raimundo Carrero, a música de Laurie Anderson, a pintura de Marta Nael & Cecily Brown, a xilogravura de MS, a arte de Benedict Olorunnisomo & Paula Valéria de Andrade aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A CABEÇA FEITA DE EDGAR MORIN
[...] Conhecer e pensar não significa chegar a uma verdade absolutamente curta, mas dialogar com a incerteza. [...] O desenvolvimento de uma democracia cognitiva só é possível com a reorganização do saber; e esta pede uma reforma do pensamento que permita não apenas isolar para conhecer, mas também ligar o que está isolado, e nela renasceriam, de uma nova maneira, as noções pulverizadas pelo esmagamento disciplinar: o ser humano, a natureza, o cosmo, a realidade [...].
Trecho extraído da obra A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento (Bertrand Brasil, 2004), do antropólogo, sociólogo e filósofo francês Edgar Morin. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: a arte do fotógrafo israelense Nadav Kander.
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...