segunda-feira, março 13, 2017

TODO DIA O PRIMEIRO PASSO...




TODO DIA O PRIMEIRO PASSO - O embalo dos sonhos constrói uma entre tantas metas, a escolha entre muitos objetivos: ser isso ou aquilo, ou. Qual? Este ou aquele, ou aqueloutro? Dúvidas permeiam sempre, mesmo assim, tem de se fazer alguma coisa na vida. Pitacos e simpatias se misturam, opções da muita, conselhos persuasivos, alguns sensatos, diversos nem tão simpáticos, o uso do discernimento. Chega a hora de dar o primeiro passo, senão sempre: a razão de levantar de manhã e ter algo pra fazer na ciência de que no reino do efêmero nada é definitivo, nada mais. É preciso fazer alguma coisa, executar uma tarefa, desenvolver projetos, empreender esforços para alcançar a meta e o sucesso pra ser feliz, ah, felicidade no garimpo das pepitas da recompensa, oh não se revele prêmio quimérico de uma grande ilusão. Agora é realizar: dar o primeiro passo. Esquecer quantos outros passos foram dados ao fracasso ou não levaram a lugar algum, ou às quedas e tropeços, às desistências e constatações de que se não deu certo, por certo, houve algum equívoco ou erros na travessia, algo do desleixe ou do despreparo. Agora não, ou se está pronto ou nada, ir em frente: pra quem vai há sempre o caminho da volta. Vale o desafio e a excitação, dúvidas e trajetos: quem faz pode desfazer ou refazer, ou deixar como está, se aprouver. É só começar, mesmo que não se saiba pra onde, a expectativa da chama entre armadilhas, resistências, obstáculos, árduos despenhadeiros à luz das possibilidades e limitações. É seguir até as fronteiras, sobrepujar precipícios: só sabe o acerto quem provou do errado e, quem sabe amanhã, um seja o outro e vice-versa. Vale a tentativa, ascender ou não é por conta do aprendizado, até mesmo diante da intolerância ao heterodoxo, mesmo quão paradoxal se pareça. Aonde vai, quem sabe, a andança é chegar lá, alhures, o que não significa o fim, pode ser o ponto de partida, a vez do recomeço: não há repouso pras novas satisfações. Ir adiante e além por mais difícil que seja, ao longe. Ao final, resultados e avaliações, depois do intermitente e culminante prazer, o vento apaga as pegadas e, ao invés do alívio da conquista, o vazio. Não era bem isso o que se queria e, à beira do desânimo, o que era o triunfo aos olhos, reduziu-se a nada. Pode ser tudo, ou não. É hora de recomeçar, rever a jornada é o que importa, o valor da caminhada seja pra onde for, não mais o destino que é apenas um passo e a lição: a cada passo a subida na escalada, a cada dia o cume de uma montanha. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

Curtindo as obras Fantasia (1997), Invariâncias (2003), Disposições Texturais (2003), Inserções I, II, III e IV (2005), Sincrofonia I e II (2004-2005), Pantominas I, II, III e IV (1997-2001), entre outras, do premiado compositor erudito, professor da UFPb e coordenador do Compomus, José Orlando Alves.

Veja mais sobre:
Carl Gustav Jung, Giórgos Seféris, Euclides da Cunha, Mario Vargas Llosa, Fito Páez, Cacaso, Anne Rice,Alexej von Jawlensky, Antônio Conselheiro, Flávio de Barros, Dana Delany & Big Shit Bôbras aqui.

E mais:
Sócrates & a sofística no pensamento grego aqui.
Pirangi, Rabelais, Máximo Gorki, Jocy de Oliveira, Cícero, Ítala Nandi, Patrice Chéreau, Konstantin Razumov, Kerry Fox, Tchello D´Barros & Família Eudemonista aqui.
A justiça & a injustiça aqui.
Violência aqui.
O pensamento de Demócrito de Abdera aqui.
Serviço Público & Nênia de Abril aqui.
O pensamento de Anaxágoras de Clazomena aqui.
Aprumando a conversa na volta da Teibei & lorotas prontas do Brasilsilsilsil aqui.
O pensamento de Empédocles de Agrigento aqui.
O pensamento de Zenão de Eléia aqui.
Do que foi pro que é quase nada, Friedrich Nietzsche, Vaughan Williams, Suzanne Valadon aqui.
Coisas do sentir que não são pra entender, Marco Túlio Cícero, Emil Nolde & Nivian Veloso aqui.
O que é de sonho quando real, Yukio Mishima, Marisa Rezende & David Alfaro Siqueiros aqui.
O beijo dela de sol na minha vida de lua, José Régio, Ceumar & Luciah Lopez aqui.
Gato escaldado pra se enturmar é um pé na frente e outro atrás, Sonya Bach, Mariana Beltrame & Umberto Boccioni aqui.
Odisseia de um curau no Oriente Médio & Alexej von Jawlensky aqui.
Fecamepa aqui.
Um verso desesperado de amor, Raymundo Alves de Souza & Programa Tataritaritatá aqui.
As cinzas de Gramsci, de Pier Paolo Pasolini aqui.
Epigramas de Goethe, Seminário de Lacan, Princípio do Prazer de Freud & Produtos CCE aqui.
Poema em linha reta & outros poemas de Fernando Pessoa aqui.
Tomás de Iriarte, Gerusa Leal & Programa Tataritaritatá aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

O premiado espetáculo Aquilo de que somos feitos (2000), da Lia Rodrigues Companhia de Danças, criação da coreógrafa e artista Lia Rodrigues, com música de Zeca Assumpção.

DESTAQUE: UN PAS DE TROIS, DE GILBERTO MENDONÇA TELES
Houve um reino qualquer e três sereias
Que afinavam seu canto na linguagem:
A virgem, a casada e a que passava seus dias na janela.
E havia a forma de sirene e silêncio, essas metades,
Renda de bilro, milongagem, força oculta e sem governo,
Latejantes nas têmporas do mito.
A primeira voltou à sua estância,
Leu Bandeira, fez versos, desnudou-se.
E, cumprindo o ritual, como sereia,
Foi banhar-se num rio de água doce.
A segunda voltou-se para o mar,
Tomou banho lustral de fevereiro,
Fez cirandas na area e ouviu lendas
Da lira pendurada no coqueiro.
A terceira me deu esta janela
Com desenho de peixe na vidraça.
E está acenando lá fo fundo
Do rio que não passa.
Un pas de trois, poema do livro Coreografia do Mito, extraído da obra Hora aberta: poemas reunidos (Vozes, 2003), do poeta, advogado e professor universitário de Teoria da Literatura e Literatura Brasileira, Gilberto Mendonça Teles. Veja mais aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte da modelo e atriz Belle Chere na fotografia de David Ngo.
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

DEDICATÓRIA
A edição de hoje é dedicada à amiga pedagoga especilista em Psicopedagogia e Funcionária Pública Maria Núbia Vítor de Souza.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.

HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...