quinta-feira, maio 25, 2017

APESAR DE TUDO DE DIDI-HUBERMAN, ESCULTURA DE HODGES BAILY, A ARTE DE KÊNIA BASTOS & ELOGIO AO CONTRIBUINTE

ELOGIO AO CONTRIBUINTE - Pra se livrar das broncas, cada um dos brasileiros e brasileiras desse nosso Brasilzão véio, arrevirado e de porteira escancarada, tem que pagar o pato. O dele e o dos outros. Sim, exatamente. E isso é compulsório, inescapável. Paga pra nascer, pra viver e até pra morrer – se morrer, menos um apenas, quem ficar que lasque, né? Tudo é ilegal se favorável pra gente; do contrário, tudo é ilegal. Afinal, lei, na vera, é só um pedaço de papel arrodiado de sanções por todo lado só pra foder a vida da gente. Pode conferir: a gente é engalobado a pagar até o que não se deve, quanto mais o dos outros que foram contemplados com as benesses de verbas públicas em empréstimos ou concessões do tipo 0800, frete FOB e a fundo perdido. Sim, isso e muito mais! Por exemplo: para azeitar engrenagens e disfuncionalidades burocráticas do serviço público ou privado, ôia pra quem for o birozado, senão a coisa emperra de quase desaparecer pra nunca mais o que era tido por direito adquirido e findou prescrito. Pra descongestionar o direito de ir e vir no trânsito ou rodovia qualquer, bola pro guarda ou patrulheiro, senão de um nada a gente vira de simples infrator com tudo nos trinques pra contraventor de todas as previsões penais na horinha. Duvida? Ah, não pague pra ver! Pois é, pra manter o negócio que seja, mantido pelos sacrifícios e tinos empreendedores, lembre-se: tocos pros fiscais de renda, da prefeitura e do que for do Fisco e afins, afora oficial de justiça e outras trepeças, senão a gente se vê lavrado em autos de infrações ou mandados de execução com penhora ou arresto, prontos para sermos incursos nas penas do desacato à autoridade com formação de quadrilha, sonegação e o diabo a quatro. Ué? Isso mesmo! Eles nos chantageiam e a gente que é o infrator. Isso sem falar nas suspeitas de gato na eletricidade, jacaré na água e toda fauna ilegal pra nos levar pro cúmulo das condenações, aí o troço embica de vira bundacanasca, porque tem de contar com honorários pros advogados que comem dos dois lados, agrado pras visitas policiais, doações para manutenção dos políticos nos cargos, afora impostos de toda sorte, todos nomeados de tributos como taxas, emolumentos, custas, guias de recolhimento, etc e tal, tudo a mesma coisa e só pra chamar a gente de besta e ficar caladinho, senão, senão. Fique logo carequinha de saber de cor e salteado: pra ser atendido pra saúde ou qualquer coisa do interesse da gente, propina a granel. Não se esqueça da gorjeta pro garçom. Pague-se por baixo dos panos, viu? Não teime, ou será aquela de mãos pro alto, sacou? Nem insista, senão verá o sol quadrado por desobediência civil. Tenha logo a ciência de que se for contra a gente, serão ágeis, meticulosos, inexoráveis, pronto a gente fodido por e por mil. Se for a favor, ah, tenha esperança, ela nunca morre mesmo que a gente bata as botas e deixe tudo pra arenga dos herdeiros ou pro erário público assim de graça. Não reclame, oh, pelamordedeus, não reclame! Procure do jeitinho e, se não der, valha-se de agiotas e livre-se o mais depressa deles. Oh, praga dessa, não é só mais uma. Ah, mas não se ofenda, oh, não se ofenda, nem adianta sair de armadura pela insegurança, pela crueldade, grosseria, aspereza, escárnio, violência institucional – esse é grosso que só papel de enrolar pregos, meu! Seja razoável, não seja pão-duro, há sempre quem se ache perversamente superior ali, a nos ver tão insignificante quanto indesejáveis, mesmo que passem por amáveis fora do trabalho ou invisível pomba-lesa no lar, mas ali, no cargo, no trono dele, ah, se transformam no maior algoz da humanidade, vez que entendem que são pagos para atrapalhar nossa vida, subjugando ao poder de ferrar com a gente arrebentando tudo com toda impostura. Ah, não se desaponte, saiba que só haverá facilidade pros que fazem parte da panelinha. Está dentro? Uma vez do lado de fora, nunca haverá lado de dentro pra privilégios, só pros a favor, os que se humilharam reduzidos a insetos, passaram no teste da goma e da fidelidade – mesmo que no dia seguinte troquem de chefe como quem tira a ceroula pro enrabamento e faça da gente penicos pras suas excreções. Mantenha a calma, não se inflame, oh não se aborreça, tente manter a sua vida decorosa e aprovada pela sociedade, sem nunca ter de pensar que não viveu como devia, mesmo que não tenha gordos salários nem amigos importantes, pelo menos assim a mordida do Leão é maior para torná-lo hipossuficiente! Não é bom? Pois é, já dizia Mateus 13:13, console-se, por isso quanto mais se ganha, menos se paga; e se for ricão é isento. Já imaginou? Pense assim: a vida não pode ficar melhor do que está, mesmo que se veja impotente em mudar ou vulnerável a qualquer ameaça miúda, ou mesmo vítima de estratagemas inimagináveis, que ao redor seja uma só catástrofe, que se ache passando pro provações que não são justas, privações medonhas e com a impressão de que tudo é surrupiado com práticas pouco honestas, ah, nem ligue, é tudo corrupção mesmo, abuso de autoridade, desvio de poder, se estivesse lá você faria o mesmo, não acha? Calma, não fique furioso, oh, não vire bicho, tente aprender a lidar com isso. Uma vez vencido, perdedor até morrer. Quem mandou? Mantenha-se na ilusão da estabilidade – a vida dá voltas. E como dá, hem? Leve em conta que a gente contribui para que tudo funcione, por bem ou mal, ou ao contrário do que se espera, o que fica de mesmo é a honradez de contribuir pra tudo isso que está aí, já pensou? Você também é responsável. E viva o contribuinte que somos todos nós! © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

APESAR DE TUDO DE GEORGES DIDI-HUBERMAN
[...] Não se pode falar do contato entre a imagem e o real sem falar de uma espécie de incêndio. Portanto, não se pode falar de imagens sem falar de cinzas. As imagens tomam parte do que os pobres mortais inventam para registrar seus tremores (de desejo e de temor) e suas próprias consumações. Portanto é absurdo, a partir de um ponto de vista antropológico, opor as imagens e as palavras, os livros de imagens e os livros a seco. Todos juntos formam, para cada um, um tesouro ou uma tumba da memória, seja esse tesouro um simples floco de neve ou essa memória esteja traçada sobre a areia antes que uma onda a dissolva. Sabemos que cada memória está sempre ameaçada pelo esquecimento, cada tesouro ameaçado pela pilhagem, cada tumba ameaçada pela profanação. Assim, cada vez que abrimos um livro — pouco importa que seja o Gênesis ou Os Cento e Vinte Dias de Sodoma —, talvez devêssemos nos reservar uns minutos para pensar nas condições que tenham tornado possível o simples milagre de que esse texto esteja aqui, diante de nós, que tenha chegado até nós. Há tantos obstáculos. Queimaram-se tantos livros e tantas bibliotecas12. E mesmo assim, cada vez que depomos nosso olhar sobre uma imagem, deveríamos pensar nas condições que impediram sua destruição, sua desaparição. Destruir imagens é tão fácil, têm sido sempre tão habitual [...] Nisto, pois, a imagem arde. Arde com o real do que, em um dado momento, se acercou (como se costuma dizer, nos jogos de adivinhações, “quente” quando “alguém se acerca do objeto escondido). Arde pelo desejo que a anima, pela intencionalidade que a estrutura, pela enunciação, inclusive a urgência que manifesta (como se costuma dizer “ardo de amor por você” ou “me consome a impaciência”). Arde pela destruição, pelo incêndio que quase a pulveriza, do qual escapou e cujo arquivo e possível imaginação é, por conseguinte, capaz de oferecer hoje. Arde pelo resplendor, isto é, pela possibilidade visual aberta por sua própria consumação: verdade valiosa mas passageira, posto que está destinada a apagar-se (como uma vela que nos ilumina mas que ao arder destrói a si mesma). Arde por seu intempestivo movimento, incapaz como é de deter-se no caminho (como se costuma dizer “queimar etapas”), capaz como é de bifurcar sempre, de ir bruscamente a outra parte (como se costuma dizer “queimar a cortesia”; despedir-se à francesa). Arde por sua audácia, quando faz com que todo retrocesso, toda retirada sejam impossíveis (como se costuma dizer queimar os navios”). Arde pela dor da qual provém e que procura todo aquele que dedica tempo para que se importe. Finalmente, a imagem arde pela memória, quer dizer que de todo modo arde , quando já não é mais que cinza: uma forma de dizer sua essencial vocação para a sobrevivência, apesar de tudo. Mas, para sabê-lo, para senti-lo, é preciso atrever-se, é preciso acercar o rosto à cinza. E soprar suavemente para que a brasa, sob as cinzas, volte a emitir seu calor, seu resplendor, seu perigo. Como se, da imagem cinza, elevara-se uma voz: “Não vês que ardo?”.
Trechos de Quando as imagens tocam o real (Eba/UFMG, 2012), do filósofo, historiador, crítico de arte e professor francês Georges Didi-Huberman, autor da obra Imagens apesar de tudo (KKYM, 2012), tratando sobre a ação de fotógrafos durante o processo de extermínio em Auschwitz-Birkenau, da qual destaco os trechos seguintes: [...] Para saber, há que imaginar [...] “Foi aqui”. O “foi” nos impede de esquecer o Outrora terrível dos campos, ele nos impede de acreditar que o presente só tem contas a prestar com o futuro. O “aqui” nos impede de mitificar ou sacralizar esse Outrora dos campos, o que significa distanciar e, de certo modo, se livrar dele. [...] Esta expressão denota a dilaceração: o tudo reenvia para o poder de condições históricas para as quais ainda não conseguimos encontrar resposta; o apesar resiste a esse poder unicamente pela potência heurística do singular. É um ‘clarão’ que rasga o céu quando tudo parece perdido [...] um cineasta que conhece melhor que ninguém – e não cessa de demonstrar, de desmontar – a manipulação e o ‘tratamento’ que as imagens técnicas fazem padecer o real? Isso é possível, isso é justamente necessário como o apesar de tudo é necessário para objetar algo – uma exceção – ao tudo. [...]. Veja mais aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Juramento, O passado e o futuro de Hannah Arendt, a poesia de Federico Garcia Lorca, Memorável viagem ao Brasil de Johan Nieuhof, a música de Gabriel Pareyon, a pintura de Leonid Afremov & Vera Rockline, a fotografia de Lionel Wendt, a arte de Rufino Tamayo & Sergio Ramirez aqui.

E mais:
Vamos aprumar a conversa, A Divina comédia de Dante Alighieri, Ensaios de Ralf Waldo Emerson, a música de Mikko Härkin, o teatro de Luigi Pirandello, Macunaíma de Mário de Andrade, a pintura de Mark Gertler & a arte de Guido Crepax aqui.
Os amores de Edneimar, a viúva negra, o cinema de Edward Yang & Elaine Jin, A pintura de Pino Daen & Norman Lindsay, a música de Iara Rennó & Tudo quanto pode o sonho, pode o amor provar aqui.
Se essa rua fosse minha, Manuscrito de Felipa de Adélia Prado, a música de Chiquinha Gonzaga & Clara Sverner, a arte de Luciah Lopez & Quem sabe a vida o amor que nos faz vivo aqui.
Quem vê cara, não vê coração, a música de Fany Solter, a fotografia de Jack Mitchell, a pintura de Fabien Clesse, a arte de Valmir Singh & Entre tombos & topadas a gente leva a vida aqui.
Erotismo & pornografria, o tamanho da hipocrisia, O Sartor Resartus de Thomas Carlyle, a poesia de Ferreira Gullar, a música de Maria Gadú, a gravura de Edmund Joseph Sullivan, a arte de Nadir Afonso & A alegria imensa para um, dois, ou mais, todos aqui.
A ansiedade, a depressão & a medicalização, a  literatura de José Cândido de Carvalho, a música de Schuman & Maria Clodes Jaguaribe, a arte de Shirley Paes Leme & Aldemir Martins, Na festa das vitrines, tudo é do umbigo e o bolso furado no âmago aqui.
E se vem ou vai, eu voou, a música de Jehane Saade, a arte de Manuel Pereira da Silva & Paula Rego aqui.
Festa do dia 8 de dezembro, lavando a jega, a poesia de Florbela Espanca, a escultura de Camille Claudel, a música de Alaíde Costa, a arte de Militão dos Santos & Tatiana Grinberg, Quando tudo se desapruma a farra é só pro desgoverno aqui.
O fulgor do amor, Caminhos cruzados de Érico Veríssimo, a música de Jorge Drexler, a arte de Luciah Lopez & O amor premia o final de semana aqui.
Fecamepa: quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
Cordel Tataritaritatá & livros infantis aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

QUASE TUDO & A ARTE KÊNIA BASTOS
Seu perfume 
é energia eminente,
sutileza
e conseqüência
dos seus traços
marcantes
Sua presença
inebria meus olhos
intensidade e ternura
emoção e milagre
a soma e a mistura
de uma louca
miragem
quase sonho
quase realidade
um pouco de tudo
até saudade
Quase tudo, poema da poeta, professora e artista visual/virtual Kênia Bastos.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Imagens: arte do escultor inglês Edward Hodges Baily (1788-1867).
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...