domingo, junho 21, 2015

A LENDA DO CURARE

 Imagem: desenho de J. Lanzelotti

Era uma vez um homem que morava sozinho, sem mulher, parentes ou amigos. Certo dia foi caçar e matou muita caça, entre a qual uma fêmea guariba. Chegando à casa, cuidou logo dos animais e moqueou a macaca, deixando-a no moquém para o dia seguinte. Depois foi dormir.
De madrugada levantou-se para ir caçar de novo. Mas, antes de partir, quis comer a guariba. Viu-a no moquém, toda pelada, de mãos retorcidas e dentes à mostra. O seu aspecto tirou-lhe o apetite, a tal ponto que o caçador falou consigo mesmo:
- Não sei porque, mas estou com fome e não me sinto capaz de comer esta fêmea macaco.
Deixou-a sobre o moquém e lá foi.
A tarde trouxe caça morte, tratou dela e comeu. Depois disse:
- Amanhã, de manhã, esta guariba não me escapa...
E foi dormir.
Mas, de manhã, pronto para ir à caça, olhou a fêmea pelada no moquém e perdeu o apetite. Depois disse:
- Essa macaca tem mocó! Toda vez que olho para ela, perco a fome. E é tão gorda e bonita!
E com um último olhar ao bicho que parecia gente, ajuntou:
- Tomara que ela vire mulher para mim!
Deixou-a sobre o moquém e partiu.
Quando, já muito tarde, voltou do mato, encontrou a comida pronta: carne cozida, caldo, beiju. Ficou muito admirado mas, cansado como estava, comeu logo e foi dormir para, no dia seguinte, muito cedo, ir pescar.
Logo que amanheceu, levantou-se e tocou para a pescaria. Ao regressar, encontrou a comida toda pronta, de novo. Ele ficou pasmo e perguntou a si mesmo:
- Quem será que todo o dia prepara a minha boia?
Ressabiado, tratou de averiguar. Procurou por toda a casa e quando foi ver a rede, encontrou nela uma mulher deitada.
- Oh lá! Quem és tu? -, perguntou ele assombrado.
- Então, não me conhece mais? Eu sou aquela guariba que deixaste sobre o moquém... não me querias para tua mulher?
O homem olhou para o moquém: estava vazio. Era mesmo a macaca que se tinha transformado em mulher. E achou-a bonita. Foi dormir com ela.
Alguns dias depois, convidou-a a fazer uma visita aos seus parentes. Ali, apresentou a mulher e voltaram para seu rancho.
Não demorou e a mulher convidou o maridoa fazer uma visa à casa dos parentes dela. O homem aceitou. Foram andando pelo mato até encontrar a maloca dos guaribas, na copa de altíssimo angelim.
- Vamos subir? -, disse ela. – Já está escurecendo.
Mas o homem não sabia trepar tão depressa como a mulher ela teve de ajuda-lo até que, por fim, chegaram no alto da árvore. Ambos foram muito bem recebidos e logo depois trataram de dormir.
Quando amanheceu, os guaribas começaram a cantar e a gritar. Saíram da casa deles e a mulher acompanhou-os, mas não regressaram. Ficou o homem sozinho na casa dos guaribas, sem poder descer. E assim passou muitos dias trepados no angelim.
Até que certa manhã passou por lá curumu, o urubu-rei, e perguntou:
- Que está fazendo sozinho aí? Até parece que estás preso!
Ele queixou-se:
- Os guaribas me trouxeram até aqui e depois me deixaram preso...
- Por que não desces? -, perguntou o curumu.
- Quero descer mas não posso; veja como é enorme esta árvore!
- Então espera um pouco que já vais descer.
Curumu fez um esforço e espirrou. Do seu bico saiu uma gosma que desceu até o chão e virou cipó.
- Agora podes descer... -, disse o urubu-rei.
Mas o homem teve medo, porque o catarro do urubu-rei não passava de um cipó muito fino. O homem queixou-se e o curumu respondeu:
- Tens razão. Espera um pouco que eu vou chamar outro que poderá ajudar melhor...
Dizendo isso, curumu voou para longe, foi chamar piano, o gavião real. Quando este chegou quis saber de tudo. O homem repetiu as palavras que tinha dito ao curumu.
- Então, queres descer daí? -, perguntou piano.
- Quero! -, confirmou o homem. – Mas tenho medo, porque não sei descer desta árvore tão alta.
- Então espera um pouco. Vou fazer um cipó grosso para te agarrares.
Piano tomou um fôlego e deu um grande espirro. A gosma de seu nariz espichou-se até o chão e virou cipó grosso. O homem, então, agarrou-se a ele e foi descendo devagar até chegar ao chão.
Antes de ir-se embora, o gavião real perguntou:
- Como é, homem? Não te queres vingar?
- Está claro que desejo vingar-me.
- Então, vou ensinar-te como se mata guariba. Vai procurar o cipó que chamam de flecha de piano. Arranca a raiz e raspa-a. Depois junta um pouco de água e passa tudo na peneira. Em seguida, põe essa água sobre o fogo e ferve-a até ficar grossa. Ao mesmo tempo, tira talas, aponta-as bem apontadas e passa nelas o veneno. Feito isso, põe as talas ao sol para secar e no dia seguinte podes ir à caça. Mas, antes de partires para o mato, tu invocas e dizes:
- Piano! Vamos embora! Vamos matar guariba!
O homem voltou para casa e fez tudo quanto o gavião real lhe havia ensinado. Uma tarde, ouviu os guaribas roncarem. Colocou urari na flecha e, chegando à beira do roçado, gritou:
- Piano! Vamos embora! Vamos matar guariba!
Não demorou e o gavião real veio. Voou na frente dele, espantando os guaribas, fazendo-os gritar para o homem os descobrisse com maior facilidade. Foi o que se deu. Chegando mais perto, o caçador matou o bando inteiro. Apenas escapou um guaribinha, um filho que depois cresceu e aumentou, para queles bichos não se acabarem de todo.
Foi assim que piano, o gavião real, ensinou os nossos antigos a fabricarem camani, que mais tarde os brancos chamaram de curare.

REFERÊNCIA
GALDUS, Herbet. Estórias e lendas dos índios. São Paulo: Edigraf, s/d.
FRIKEI, G. P. Jamáni. Revista do Museu Paulista, vol. VII, 267-269, São Paulo, 1953. Veja mais aqui.

Veja mais sobre:
Quando o beijo faz a festa aqui, aqui, aqui & aqui.

E mais:
Resiliência, perspectivas & festas: feliz aniversário, A prática libertadora de Paulo Freire, Liberdade da palavra de Octavio Paz, Resiliência em transtornos mentais de Makilim Nunes Baptista, a pintura de Luis Crump, a música de Midori Goto, Babi Xavier, a arte de Fabrice Du Welz & Luciah Lopez aqui.
Vamos aprumar a conversa: Primeira reunião, Ética pro novo milênio de Dalai Lama, Morte ao invasor de Gilvan Lemos, O despertar da primavera de Frank Wedekind, a pintura de Marc Chagall & Edgar Degas, a música de Toquinho, o cinema de Jean Cocteau & María Casares, a coreografia de Alonso Barros & a poesia de Valéria Tarelho aqui.
A arte de Frida Kahlo, a música de Alberto Nepomuceno & a poesia de Luciah López aqui.
A mulher & as relações de gênero aqui.
Palmares, uma cidade esta & Encontro dos palmarenses em Maceió aqui.
Fecamepa aqui.
A arte de Chico Buarque aqui.
Big Shit Bôbras, A miséria humana de Blaise Pascal, Os versos satânicos de Salman Rushdie, a poesia de Ludwig Uhland, a música de Paul McCartney, o cinema de Ridley Scott & Sean Young, Paulina Bonaparte & a escultura de Antonio Canova, a pintura de Andre Derain & Teatro cordel de Cesar Obeid aqui.
Infância, Imagem e Literatura: uma experiência psicossocial na comunidade do Jacaré – AL, As ilusões da pós-modernidade de Terry Eagleton, Primeiro caderno de memórias de Osamu Dazai, Bomba-meu-boi de Hermilo Borba Filho, a música de Jacques Offenbach, o cinema de Jean-Paul Rappeneau & Isabelle Adjani, a arte de Silvia Pontual, a pintua de Léon Bonnat & Kim Roberti aqui.
Se não vai de um jeito, vai de outro, A marcha da insensatez de Barbara Tuchman, a música de Kyung-Wha Chung, a pintura de Joan Miró & Eugène Leroy, Princípios da educação positiva de Lídia Natália Dobrianskyj Weber, a arte de Anna Dart & Eugene J. Martin, a fotografia de Faisal Iskandar & a poesia de Bárbara Lia, Revista Poética Brasileira & Mhario Lincoln aqui.
Palco da vida, A vida mística de Jesus de Harvey Spencer Lewis, A terceira mulher de Gilles Lipovetsky, Toda palavra de Viviane Mosé, a música de Andersen Viana, a pintura de Maria Szantho & Katia Kimieck, Roseli Rodrigues & Balé Teatro Guaíra, a arte de Maxime des Touches & Vavá Diehl aqui.
Do raiar do dia aos naufrágios crepusculares, História dos hebreus de Flavio Josefo, Sempre poesia de Helena Kolody, Metafísica do virtual real de Michael R. Heim, a música de Milton Nascimento & Fernando Brant, a fotografia de André Brito, Estilhaços da catarse de Carla Torrini, a pintura de Rollandry Silvério, a arte de George Grosz & Fernando Rosa aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Brincar para aprender aqui, aqui, aqui, aqui & aqui.
Fecamepa – quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
Cordel Tataritaritatá & livros infantis aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



ÍTALO CALVINO, WILLIAM BLAKE, WORDSWORTH, SUZANA ALBORNOZ, SOLIDARIEDADE & LIBRAS NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A QUEM INTERESSAR POSSA – Aprendi a ver na escuridão, a luz restava dentro de mim como um minúsculo pavio aceso, mostrando o fim do túnel ...