quarta-feira, setembro 30, 2020

A DANÇA DE TERPSÍCORE, ARMORIAL, TERRAMAR & FANATISMO

 

 


TRÍPTICO DGF – AQUELA DE... UMA HISTÓRIA E OUTRA... Para tudo que possa ocorrer ou já tenha acontecido, há sempre duas versões, afora os boatos e outros disse-me-disse sei lá se foi ou terá sido mesmo assim e assado, sacumé? Pois é, deu no que deu no Fecamepa. O que de vera é vigente já desde algum tempo atrás é a prática de um conservadorismo vetusto e fanático que me leva a impressão de que este filme eu já vi na história e ao vivo e em cores, vôte déjà vu! Quem não se lembra dos Torquemadas, dos Savanarolas, os do Templo do Povo de Jin Jones, o Templo Solar de Origas, a Verdade Suprema de Asahara, o Cerco de Waco do Koresh, ou os Mengele e Goering do Führer e outros “cumpridores de ordens” e muito mais e mais! Enfim, o que deixa claro que uma coisa é certa: a religião, desde os tempos mais remotos que levaram aos cruzados medievais e aos fundamentalistas atuais, passando pelo nazismo, kamikazes, macarthismo e Ku Klux Klan, fascismo, terrorismo e neonazismo, sempre se serviu de pretexto para perseguições, torturas e matanças. Suas bandeiras são as mesmas de sempre: racismo, misoginia, homofobia, machismo patriarcal e outras tão bem conhecidas do direitismo de agora, todas praticadas por intolerantes fanáticos e extremistas com sua encenação exaltada num púlpito voador a molestar, discriminar e excluir uns e outros, em nome de um Jesus só deles e tão poderoso acima do erro e do mal, a se considerarem para si a santidade e, para os seus, os detentores dos céus e da verdade, salvadores de devotados incondicionais e obedientes sectários, utilizando-se de quaisquer meios lícitos e, sobretudo, ilícitos, para impor a primazia da sua fé sobre todas. Pelo que sei desde menino, desdantigamente muitos combateram as aberrações destes arrogantes donos da verdade, a exemplo de Cícero em Roma, o antigo entusiasmo fanático pela aparição que captura a mente de Shaftesbury (1671-1713), Leibniz, Kant, Hegel, Voltaire, a obra Além do bem e do mal de Nietzsche, o caso Schreber de Freud, o buraco no Nome-do-Pai lacaniano, a Genealogia do fanatismo de Cioran, a Crítica da razão cínica de Sloterdijk, A paranoia da autodestruição de Enzensberger, Desistir de pensar? Nem pensar! de Hilton Japiassu, e O fanatismo religioso entre outros – breve ensaio (Espaço Acadêmico, 2002), do professor psicanalista Raymundo de Lima, que apresenta o método de doutrinação fanática do psicólogo francês J-M. Abgrael. Para quem esqueceu ou nunca ouviu sobre isto: Shazam! Então, nunca é demais levar em conta Voltaire: Quando o fanatismo gangrena o cérebro, a enfermidade é incurável. Ou Diderot: Do fanatismo à barbárie não há mais do que um passo. Ou ainda Nietzsche: As convicções são piores inimigas da verdade do que as mentiras. O fanatismo é a única forma de vontade que pode ser incutida nos fracos e nos tímidos. Para ficar só nisso, olho aberto & vamos lá! Prest’enção, gente!

 


DUAS: VOO NO ROKE DE TERRAMAR - (Imagem: Mapa de Terramar) - Aqui está muito difícil de respirar. Então, aproveitei um convite e voei para Terramar (que lugar é este?) Segundo o primeiro bildungsroman premiado O feiticeiro de Terramar (A Wizard of Earthsea - Arqueiro, 2016), da trilogia publicada pela escritora estadunidense Úrsula. K. Le Guin, é um Arquipelágo composto de centenas de ilhas, algumas desabitadas, outras constituindo importantes comunidades comerciais e agrícolas. Terramar é mais ou menos circular [...] uma grande variedade de culturas, indo da simplicidade dos montanheses de Gont à sofisticação dos moradores de Havnor, para não falar dos habitantes de Roke, para os quais a magia faz parte da vida cotidiana. [...] em todos os lugares é a cerimônia mágica na qual uma criança recebe seu nome. [...] Como toda magia do arquipélago se baseia no conhecimento do nome verdadeiro das coisas, quem conhece o verdadeiro nome de uma pessoa tem sobre ela poder de vida e morte. [...] Para a vida social normal, adota-se um nome de uso. A magia permeia todos os aspectos da vida em Terramar. [...] Em Roke, a magia não consiste simplesmente em encantar e enfeitiçar: é uma maneira de estudar e dominar o mundo, ou seja, uma filosofia e uma forma de sabedoria prática. [...]. Foi em Roke que me deram um impronunciável nome e lá o Mestre da Mão me disse: Você não deve mudar uma coisa que seja, um seixo, até saber qual bem e mal resultará daquele ato. O mundo está em Equilíbrio. O poder de um mago de Mudar ou de Invocar pode abalar o equilíbrio do mundo. É perigoso, este poder. Altamente perigoso. Ele deve caminhar junto do conhecimento e servir à necessidade. Acender uma vela é lançar uma sombra. Foi ali que pude desfrutar de um grande amor nos passos da longa dança...

 


TRÊS COMPASSOS DA LONGA DANÇA - Foi exatamente ali que celebrei a Longa Dança que se realiza na noite mais curta do ano e eu, por madrugadas infindas, acompanhei as pessoas que descem pelas ruas dançando ao som de tambores, flautas e gaitas, segui com o povo das Jangadas na dança universal que é o elo simbólico de união de todos que se encontram separados pelo mar, até a festa do Retorno do Sol cantando antigas canções e epopeias. Ali reapareceu Terpsícore que chegava do império Kargad, aquela mesma do livro de Heródoto e da prosa machadiana, ou da tela de William Frost ou a da Firedance de Van Renselar. Ela dançava solta Cristina Moura do Like an idiot e se transformava a cada rodopio na coreografia da Balangandança da Georgia Lengos e eu levado por sua onírica expressão me entregava aos seus feitiços, enquanto se desnudava entre nuvens e estrelas. O amor assim me dera e mais vivo que nunca amei além da conta. Até mais ver.

 

DESLOCAMENTOS ARMORIAIS

[...] Na relação entre dança e literatura, vimos as abordagens mais atuais sobre o corpo aparecerem com mais força quando o modo de a dança relacionarse com um texto prévio não tendia a estar subordinada aos conteúdos desse discurso anterior, mas deixava que seu próprio discurso se formulasse a partir da pesquisa corporal. [...].

Trecho extraído da tese de doutoramento Deslocamentos Armoriais: da afirmação épica do popular na “Nação Castanha” de Ariano Suassuna ao corpohistória do Grupo Grial, da professora e pesquisadora Roberta Ramos Marques, que serviu para a publicação do livro Deslocamentos armoriais: reflexões sobre política, literatura e dança armoriais (EdUFPE/Reviva, 2012), estudo sobre o Movimento Armorial, criado na década de 1970, pelo escritor paraibano Ariano Suassuna, reunindo reflexões sobre literatura, políticas públicas e danças armoriais, numa abordagem crítica do movimento, que tem ampla repercussão no imaginário cultural de Pernambuco e do Brasil, por meio de análise dos princípios estéticos e ideológicos, com reflexões críticas com base teórica nos Estudos Culturais. A partir da tríade política-literatura-dança, ela multiplica as discussões sobre o estatuto do corpo, sobre as relações entre arte e experimentação, e entre arte e intervenção social, aprofundando tanto as contradições inerentes ao projeto armorial – que teve como objetivo criar uma arte brasileira erudita, com base na cultura popular nordestina de raízes africana, indígena, ibérica e moura e, com isso, fortalecer a ideia de uma identidade cultural brasileira – quanto às formas que o legado desse projeto foram adquirindo em diversas representações posteriores. A obra traz ainda um apanhado histórico, discussões sobre as propostas estéticas e ideológicas, análises do discurso teórico e literário de Ariano Suassuna na construção de uma identidade brasileira e das tentativas de se realizar uma dança armorial. Veja mais aqui, aqui & aqui.


 


ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...