sábado, janeiro 20, 2018

BATESON, NEIDE ARCHANJO, HÉLIO JAGUARIBE, GOELDI, RAFAEL YUS, LYGIA FAGUNDES TELLES, CASCUDO, JAN CERNOS & GENESIS

POR TRÁS DE TODA APARÊNCIA HÁ SEMPRE UMA VIDA SECRETA – Imagem: arte do professor, gravurista e pintor tcheco Jan Cernos. - Por trás da boa aparência, há sempre uma vida secreta. Esse o tema da hora encetado pela tropa na mesa do bar. Claro, não pode faltar assunto. Cada um vai chegando com a novidade e o que parecia ser coisa de pouca monta, vai assumindo caráter de escândalo. Sempre assim. Quando o assunto não é futebol, o cardápio das conversas é sobrecarregado de enredamentos com temas como cornagens, gafes, seboseiras, afanagens e as mortes matadas ou morridas, sobretudo às terças que é dia de assunto renovado. Futebol é tema de acalorados debates todas as segundas, quartas, quintas e sextas, menos sábado e domingo, porque todo mundo vai fazer média com aquela que esquenta os pés todos os dias e noites, só carimbando com a turma na segunda pra zoar quem perdeu e vangloriar quem ganhou no jogo do fim de semana. Ufanismo e gozações, sempre regadas com insolentes pilhérias e desafiadores motejos para desancar o discordante de plantão. Logo, suscitam mexericos com anúncio do mais novo chifrado, da gostosona gaieira flagrada, dos micos dos alesados, dos roubos dos cofres públicos ou dos que foram torados pelas balas perdidas, ou que bateram as botas assim sem mais nem menos. Um dos mais preferidos é o prefeito: Aquele gigolô de viado, viciado nas apostas da porrinha e carteado, posando de falso moralista na primeira fila da missa. Ou de cada um dos vereadores: Aquele salafrário fidumaégua, mente que o cu apita, ainda bota a mulher quase nua pra desfilar pros ricaços pra arrancar grana deles! Aquilo é um fidapeste, vivia à custa das fodas da mãe! Isso quando não entra na roda a senhora esposa de uma autoridade local: Ela apareceu na varanda de babidol transparente, nuínha, cara de sonsa, descalça e tarada, é gaia, meu, a carne é fraca e homem é tudo cachorro: jogou o osso, se ferrou! É, meu, uma gaia destrói tudo. Quem segura a onda? Ninguém é Tomé para ser fechadura, a carne de casa também enjoa de quase ter que se virar no viagra pra poder traçar a obrigação da semana, né não? Semana ou mês? Tem que vá por semestre. Homem nenhum presta, tudo carrega a marca suja de freio na cueca, deixa o pingo do mijo na tampa da bacia do aparelho sanitário, chulé brabo, penteilheira catingosa, tudo é cafajeste, não tem um que se salve! Danou-se! Afora aqueles que, amostrados que só como eu, gostam de aparecer mais que o devido e carregados de soberba com florilégios, crestomatias e parnasos, quando não passam de poetastros fabricantes de pechisbeques, sacudindo loas de segunda mão por próprias. Peidam o plágio, quando não a apropriação indébita. Só amostramento e mais nada. É quando um gaiato – expondo uma camiseta com a inscrição: A terra gira em torno do Sol! Grande novidade, os cientistas só comprovaram o que os bêbados já sabiam – solta da sua: Todo mundo tem segredo! Ora, se tem. Quem tem a coragem de ser hipnotizado para contar o que tem de escondido, hem? Haja Freud. Ah, uma amiga minha mesmo já disse: Deus me livre de ser hipnotizada, quero que ninguém saiba meus segredos, são só meus. Imagine! Quem é capaz de contar uma perfídia, uma sabotagem, uma caída por cima do que era dos outros, hem? Tem gente que roubou com força e pensa que ninguém sabe, todo mundo sabendo, só brechando os pés dele. Os sabidos que pensam que todo mundo é besta, hem,hem. Pois é, cada um seus pavores e mistérios. Nada, basta tomar uma despranaveada e logo logo passa a chave e abre o cofre, de destampá-lo a depor tudinho que estava enterrado no maior dos esconderijos com não sei quantos cadeados e grades lá dentro há séculos. É, quando esborra não tem quem se segure, lava o remordimento, chega fica leve como se salvasse uma alma. Não tem jeito é segredo de morto, até quem sabe doi na memória, melhor esquecer. Nada, quando o pipoco dilata é estilhaço pra todo lado. Papo de morte, vamos mudar de assunto, homem. Vambora. Imagina só: quantos, tarde da noite, não estão rendendo homenagem pruma dessas beldades e morrendo numa punheta, hem? Rapaz, num é que a filha daquele cabra safado é bonita como a gota! E a daquele outro sovina, quando ela passa endoida o juízo e acelera as batidas do coração. Tudo provocação, essas danadas são pecado mesmo! Não tem aguente. Imagina, e a siririca das viúvas, ninfomaníacas e freiras, tudo morrendo na vela, arrá!? Ah eu lá. Uma dessa não cai do céu no meu colo. E nos fins de expedientes da repartição, hem, quando ajeitam o serão e só ficam eles dois, chefe e secretária, ou no escurinho de casa o patrão e a empregada quando a dona sai pras compras ou. E na hora do flagra? Não é o que você está pensando! Ridículo! Numa bocada dessa o cabra sabe: entra, só depois vê que é engano. Pois é, aprende a lição? Hem? Nada, não entende, mas gosta! Cai de cabeça: o amor sobre todas as coisas. Vai ver depois só o reboliço: um drama silencioso e triste. Coração não é terém que se dê confiança, terreno traiçoeiro. Inda mais quando quem pensa é o pingolim, aí tudo padece, né? Pois é, por trás de toda aparência há sempre uma vida secreta. Vamos simbora que já tá hora da onça beber água, gente! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá é dia de especial com a banda britânica de rock progressivo Genesis: Live Concert Turn It on again, Live whem in Rome & In The Cage Medley Afterglow & muito mais nos mais de 2 milhões de acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIA – [...] resultado da evolução de um processo profundamente afetado pela influencia decisiva de três fatores principais: a concentração urbana, a domesticação social do capitalismo e o progresso contínuo da tecnologia [...] O neo-humanismo, como um social-humanismo cientificamente lúcido e tecnologicamente eficaz, é tão improvável quanto indispensável e perfeitamente factível. Ter consciência desses aspectos é um passo dado em direção à sua instituição. Trechos extraídos de O humanismo na sociedade tecnológica de massas (Revista Brasileira, 2007), do advogado, sociólogo, escritor e cientista político Hélio Jaguaribe.

EDUCAÇÃO HOLÍSTICA – [...] a que envolve os alunos de maneira ativa nos processos de ensino/aprendizagem e a ter uma responsabilidade pessoal e coletiva, em que a relação professor/aluno tende a ser igualitária, aberta, dinâmica; o aluno é capacitado para que se aproxime criticamente de contextos culturais, sociais e políticos e enfatiza-se a conexão critica que pode ser desenvolvida entre a sala de aula e o mundo real. [...]. Texto extraído de Educação integral: uma educação holística para o século XXI (Artmed, 2002), do professor e pedagogo espanhol Rafael Yus. Veja mais aqui.

QUAL É A DE TUDO - [...] Um homem tinha um poderoso computador e queria saber se os computadores conseguiam pensar. Resolveu então perguntar-lhe, certamente em Fortran castiço: “Você conseguirá um dia raciocinar como um ser humano?” O computador zumbiu, fez alguns ruídos e piscou luzes, imprimindo por fim sua resposta numa folha de papel, como é hábito dessas máquinas. O homem correu para pegar o impresso, ondeu leu, impecavelmente datilografas, as seguintes palavras: “Isso me faz lembrar de uma história”. [...]. Texto do biólogo, pensador sistêmico, epistemólogo da comunicação e antropólogo inglês Gregory Bateson, extraído da obra Sabedoria incomum: conversa com pessoas notáveis (Cultrix, 1995) de Fritjof Capra. Veja mais aqui.

A CONFISSÃO DE LEONTINA – [...] Subimos a escada de caracol e entramos no quarto. Então fiquei sentada na cama. Ele riu e agradou meu queixo. Depois me deu um sabonete vere e avisou que o banheiro ficava ao lado. Não me envergonho de dizer que aprendi a tomar banho com o Rogério. Você tem que tomar banho todo dia e lavar bem as partes ele ensinou quando expliquei que em casa a gente só tamava banho de bacia em dia de festa porque nas outras vezes só lava o pé. E na casa da minha patroa ela não gostava que eu me lavasse pra não gastar água quente. Quando voltei do banheiro embrulhada na toalha ele me deu pra vestir uma cueca e uma camiseta com umas coisas escritas no peito. Perguntou se eu sabia ler isso daí que estava escrito e foi logo explicando que era tudo em inglês e repetiu e me fez repetir inglês inglês e Estados Unidos ele disse e ficou enxugando meu cabelo que pingava água. Já tinha estado por lá e isso escrito na camiseta queria dizer Eu não posso deixar de te amar. Ainda sou magra mas nesse tempo era mais magra ainda e aquela roupa ficou tão grande e fui me esconder na cama debaixo do lençol, ele riu e se deitou do meu lado. Você está com medo? Ele perguntou. Confessei que estava. Não tenha medo ele disse. É como beber um copo d’água. [...]. Foi com ele que aprendi isso de dizer que não tem problema. Nada de se aporrinhar que a vida assim acaba ficando uma puta aporrinhação ele repetia quando eu me quexava de alguma coisa. Não tem problema Joana. Não tem problema. Aprendi também a fazer amor e a fumar. Até hoje não consgui gostar de fumar. Comprava cigarro e ficava fumando porque todo mundo em nossa volta fumava e ficava esquisito eu não fumar. Mas dizer que gostava isso eu não gostava mesmo. Também fazia amor tudo direitinho para deixar ele contente mas sempre com uma tristeza que não sei até hoje explicar. Essa hora do amor foi sempre a mais sem graça de todas. Justo na hora de ir pra cama com ele já esperando eu inventava de fechar a torneira que deixei aberta ou ver se não tinha perdido minha carteira de dinheiro. Vem logo Joana que já estou quase dormindo o Rogério me chamava. Quando não tinha mais remédio então eu suspirava e ia com cara de boi indo pro matadouro. Me sentia melhor se tomava um bom copo de vinho mas era depois do fuque-fuqye que o Rogério cismava de beber. E de cantar a modinha do marinheiro. [...]. Trecho de A confissão de Leontina e fragmentos (Ediouro, 1996), da escritora premiada e membro da Academia Brasileira de Letras do Brasil e de Lisboa, Lygia Fagundes Telles. Veja mais aqui e aqui.

DOIS POEMAS - Ah, meu coração: Ah, meu coração / fluente atento apocalíptico resoluto / pleno de vícios / alegre formoso / e em forma de gota. / No amor tem seu reino: / exercício inquieto e longo / (de claro e lúcido desempenho) / invadindo o outro / mas invadindo-o de fato / além do tato do cansaço do medo / cavalgando-o como idéia / esporas leves / pernas rudes / Égua e cavalos / galope escancarado / à luz de outras janelas. / Porque se não agarra assim o outro / meu coração se perde / deixa-se ficar como coisa conclusa / vendo e tendo como urgente / um limite falso e amortizado. / Solidão de árvore / esperando o fruto. / Solidão de Lázaro / esperando o Cristo. / Solidão de alvo / esperando a seta. / Ave, poeta. Ontem: Ontem / noite alta / na cama desfeita / tua imagem me surpreendia / cravando um punhal doce / no meio do meu corpo / onde o desejo renascia. / Ninguém nos via / nem o sono / que diante da tua presença / bruscamente se evadia. / Ontem / noite alta / na cama desfeita / nasciam flores / nasciam flores. Poemas da poeta, advogada e psicóloga Neide Archanjo.

MOSTRANDO AS PRENDAS
Imagem: Três Mulheres (1945), xilogravura a cores sobre papel do desenhista, ilustrador, gravador e professor Oswaldo Goeldi (1895-1961).
Três moças receberam presentes muito bonitos: um anel, um par de brincos e uns sapatinhos de baile, todos de obra de luxo e vistosos. Um dia receberam elas uma visita e, para mostrar os presentes, chamando atenção sobre eles, imaginaram uma cena que foi assim: A mais velha apontando com o dedoonde brilhava o anel,incicou a sala: -Menina, venha  vai varrer esta sala! A do meio,sacudindo a cabeça e fazendo faiscar os brincos,completou: -Que sala suja! A ultima,ultima passando o pé no chão,concluía: -Neste canto já está limpo!Neste canto já está limpo! E as três mostraram as ricas prendas que tinham recebido.
Facécia extraída da obra Contos tradicionais do Brasil (Global, 2006), do historiador, antropólogo, advogado e jornalista Luís da Câmara Cascudo (1898-1986). Veja mais aqui e aqui.

Veja mais:
A felicidade era dela & ela pegou e me deu, o cinema de David Lynch & Anne Bancroft, a música de Elba Ramalho & a arte de Luciah Lopez aqui.
Ponte sobre águas turvas na Crônica de amor por ela, Lima Barreto, Luigi Pirandello, Dario Fo, Bigas Luna, Tracey Moffatt, Ana Terra, Aitana Sánchez, Rui Carruço, Consuelo de Paula, Ciberartes & André Lemos & Regine Limaverde aqui.
Frineia, Euclides da Cunha, Federico Fellini, Amedée Ernest Chausson, Ana Terra, Antonio Parreiras & Jean-Léon Gérôme aqui.
O Brasil de Caio Prado Júnior, A cultura brasileira de Manoel Diégues Júnior, Sociologia Crítica de Pedri Guareschi & Educação Comparada de Nicholas Hans aqui.
Ezra Pound, Graciliano Ramos, Miguel Torga, Leonardo Boff, Nelson Werneck Sodré, Otto Maria Carpeaux, Silvio Romero, Rogel Samuel, Raúl Castagnino, Oliveiros Litrento, Sindicalismo & Repressão de Paulo Meneses Profeta, Raimundo Carrero, Niraldo Farias & Sheila Maluf, Enaura Quixabeira, Ideograma de Haroldo de Campos, Linguística & Poética, Teoria da Literatura dos Formalistas Russos, Literaturas de Vanguarda de Guilhermo de Torre & Ecos deodorenses de Sebastião Heleno aqui.
Celso Furtado, Economia Popular de Cícero Péricles de Carvalho, Pensamento Econômico, Sociedades Sustentáveis & Questões Ambientais aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
&
Agenda de Eventos 35 anos de arte cidadã aqui.

ARTE DE JAN CERNOS
A arte do professor, gravurista e pintor tcheco Jan Cernos.
 

LILI & MAIAKOVSKI, VALIE EXPORT, RAIMUNDO MAGALHÃES JÚNIOR, JACINEIDE TRAVASSOS & ANCHIETA DALI

LILI, MULHER AMADA - Simples como um mugido, sou sem um vintém no bolso, faminto às andanças, sem teto: minha casa é a rua futurista n...