quinta-feira, janeiro 04, 2018

VIRILIO, GALIMBERTI, CONY, MANDELA, CLÁUDIO SANTORO, KLIMT, MILO MOIRÉ, MARIJA MIHAJLOVIC, NIELLY & ANDRÉA BORBA

UM LONGO CAMINHO PARA A LIBERDADE - Imagem: Mandela, da pintora de faca francesa Françoise Nielly. - No inventário da humanidade, algumas personalidades merecem ser destacadas de tempos em tempos por sua trajetória. Principalmente pelo fato de que neste ano se comemora o centenário de nascimento do advogado, líder rebelde, Presidente da África do Sul e Prêmio Nobel da Paz de 1993, Nelson Mandela (1918-2013), considerado o mais importante líder africano e pai da moderna nação sul-africana, nomeado popularmente como Tata (Pai) ou relacionado ao seu clã, Madiba. Ter durante a sua vida sacrificado a relação familiar e passar um longo período aprisionado em nome de uma causa, faz com que seja pertinente senão relevante a menção de registro. Ao se tornar advogado dos direitos humanos e líder da resistência não-violenta da juventude, após haver recusado a chefia da nobreza familiar tribal, seguindo para Joanesburgo para sua militância, tendo por consequência ser denunciado como terrorista comunista, até ser julgado por traição em 1962, tornando-se prisioneiro por 27 anos pelo regime de segregação racial do Apartheid, o sistema racista oficializado em 1948, naquele país. Libertado em 1990, manteve a luta e, por isso mesmo, passou a ser considerado modelo mundial de resistência. Por conta disso, foi agraciado por seu ativismo de mais de 250 prêmios e condecorações, além de ter sido contemplado pela Organização das Nações Unidas (ONU), dedicando o dia 18 de julho, como o Dia Internacional de Nelson Mandela, homenagem à luta mundial pela liberdade, pela justiça e pela democracia. Em sua autobiografia Um longo caminho para a liberdade (Planeta, 2012), ele dizia que Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor de sua pele, da sua origem ou da sua religião. Para odiar, é preciso aprender. E, se podem aprender a odiar, as pessoas também podem aprender a amar. Essa uma das suas célebres frases cultuadas. Além disso, nessa obra ele fala da infância rural e de suas atividades em Joanesburgo, o despertar para o combatente da liberdade, a luta da sua vida, a traição, a Pimpinela Negra, Rivónia, os anos negros e o despontar da esperança em Roblen Island, as conversações com o inimigo e, por fim, a liberdade, parte na qual ele assim se expressa: [...] A minha vida, como a da maioria dos xossas desse tempo, foi moldada pelos costumes, pelos rituais e pelos tabus. Eram o alfa e o ómega da nossa existência e nunca se punham em questão. Os homens percorriam o trilho que os antepassados tinham aberto; as mulheres levavam uma existência em tudo semelhante à que tinham vivido as suas mães. Sem que ninguém me explicasse, depressa aprendi as regras complexas que governam as relações entre os homens e as mulheres. Descobri que um homem não pode entrar numa casa onde uma mulher deu recentemente à luz e que uma mulher recém‑casada não pode entrar no kraal onde passará a viver sem antes se submeter a uma cerimónia pormenorizada. Aprendi também que negligenciar os antepassados traz má sorte e uma vida infeliz. Se alguém desonrasse os seus antepassados, a única maneira de assumir a necessária contrição passava pela consulta a um curandeiro tradicional ou a um ancião, o qual entrava em contacto com os antepassados para lhes apresentar as desculpas do faltoso. Para mim, todas estas crenças eram inteiramente naturais. [...]. Esta obra foi levada ao cinema, em 2013, dirigido por Justin Chadwick e roteiro de William Nicholson, retratando o longo caminho percorrido por Mandela, sua vida, seus enfrentamentos, o Massacre de Shaperville, o abandono de sua resistência pacífica partindo para a luta armada e da Lança da Nação, braço armado do Congresso Nacional Africano (ANC), toda luta pelos direitos do povo negro e a prisão em regime fechado. Decerto há que se levar em consideração o seu sacrifício e, ao mesmo tempo, o sofrimento que estavam ao seu lado e que foram, em nome da causa, também sacrificados. A História tem nos mostrado exemplos dessa natureza, lições que deveriam fazer parte do nosso presente. E se assim não o é, significa que devemos aprender com o passado para construirmos o futuro agora. Salve, salve, Mandela! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especiais com Canto de Amor e Paz, Sinfonia nº 5 e Concerto para Pianoforte e Orquestra nº 1, do compositor e maestro Cláudio Santoro; As quatro estações de Vivaldi & Trio Villa-Lobos da violinista sérvia Marija Mihajlovic & muito mais nos mais de 2 milhões de acessos ao blog. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIA - [...] minha oposição à guerra é uma oposição à essência da guerra na tecnologia, na sociedade, na filosofia da tecnologia, etc [...] Minha oposição não é uma oposição aos homens [...] não tenho reflexo racista. [...] Não sou contra os militares como as pessoas são contra os padres; sou contra a inteligência da guerra que escapa do político. [...] Creio que, de agora em diante se quisermos continuar com a tecnologia (e não penso que haverá uma regressão neolítica), precisamos pensar ‘instantaneamente’ a substância e o acidente. [...] hoje todo mundo deve trabalhar na tentativa de interpretação do enigma da tecnologia! Não acredito que cientistas encontrem a solução. É na autonomia de cada homem que essa reinterpretação das máquinas [...] deve se exercer – com risco de morte, porque não há tempo. Esta é minha posição. [...]. Trechos extraídos da obra Guerra pura: a militarização do cotidiano (Brasiliense, 1984), do filosofo, arquiteto, urbanista, pesquisador e polemista francês Paul Virilio. Veja mais aqui.

O SER HUMANO & A TÉCNICA - [...] Hoje, o pensamento da lógica binária implode novamente e é encontrado em transmissões de programas de perguntas e respostas – que acabam trazendo de reboque os noticiários –, nos exames escolares e, até mesmo, na universidade. Nem se aplica a alegação de que a técnica é boa ou ruim de acordo com o uso que dela se faz, porque o que nos modifica não é o bom ou mau uso, mas o simples fato de usarmos. O uso nos modifica. Falar com nossos amigos através de um chat significa sofrer uma transformação no modo de se relacionar, porque falar via chat é diferente de um encontro face a face. Se os nossos filhos veem televisão quatro ou mais horas por dia é inevitável que o seu modo de pensar, de sentir, mude. E isso, independentemente da qualidade dos programas, se bons ou ruins. Basta a exposição prolongada. [...] Mais uma vez sentimos que técnica não é um meio à disposição do homem, mas é o próprio ambiente no interior do qual o homem sofre modificações, no qual ela pode marcar aquele ponto absolutamente novo na história, talvez irreversível, onde a questão não é mais: “O que podemos fazer com a técnica”, mas “O que a técnica poderá fazer conosco”. Trechos extraídos da obra O ser humano na era da técnica (Unisinos, 2015), do filósofo, psicanalista e professor universitário Umberto Galimberti.

TEORIA GERAL DO QUASE - [...] Há mais de vinte anos, prometi a mim mesmo que, acontecesse o que acontecesse, aquele seria o último. Nada mais teria a dizer – se é que cheguei a dizer alguma coisa. Daí a repugnância em considerar este Quase memória como romance. Falta-lhe, entre outras coisas, a linguagem. Ela oscila, desgovernada, entre a crônica, a reportagem e, até mesmo, a ficção. Prefiso classificá-lo como “quase-romance” – que de fato o é. Além da linguagem, ospersonagens reais e irreais se misturam, improvavelmente, e, para piorar, alguns deles com os próprios nomes do registro civil. Uns e outros são fictícios. Repetindo o anti-herói da história, não existem coincidências, logo, as semelhanças, por serem coincidências, também não existem. No quase-quase de um quase-romance de uma quase-memória, adoto um dos lemas do personagem central deste livro, embora às avessas: amanhã não farei mais essas coisas. Trecho extraído da obra Quase memória, quase-romance (Companhia das Letras, 1995), do escritor, jornalista e membro da Academia Brasileira de Letras, Carlos Heitor Cony. Veja mais aqui e aqui.

PREÂMBULO DA SUPREMA FELICIDADE - Sou plebéia e pelos campos vou / descansa. / Acabo de rezar um terço, / tenho dez filhos e um homem / um único / cheio de vento e pudor. / Cada manhã me refaço / e simplesmente passo: / tanto verde, tanta cor! / Etéreos sonhos me infringem a consciência, / tétrica solidão eu expulso de mim mesma / gota a gota, todas as lágrimas me abandonam. / e eu simplesmente passo / por onde vou. Poema da poeta e jornalista Andréa Borba.

ARTE DE GUSTAV KLIMT
A arte do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt (1862-1918). Veja mais aqui, aqui e aqui.

Veja mais:
O que é de sonho quando real, a literatura de Yukio Mishima, a pintura de David Alfaro Siqueiros & a música de Marisa Rezende aqui.
O amor – Crônica de amor por ela, Rabindranath Tagore, Johannes Brahms, Virgilio, Thomas Hardy, Wong Kar-Wai, Marin Alsop, Maggie Cheung, Corina Chirila, Lenilda Luna, Antonio Rocco, Cultura Pós-Moderna & Commedia dell’arte aqui.
Nefertiti & Todo dia é dia da mulher aqui.
Keith Jarret, Carlos Saura, Christian Bernard, Isaac Newton, Casimiro de Abreu, Julio Hübner, Mia Maestro & A lenda criação no gênese africano aqui.
Por um novo dia, Herminio Bello de Carvalho, Ismael Nery, Brian Friel, Paolo Sorrentino, Julia Lemertz, J. R. Duran, Rachel Weisz, Iremar Marinho, Bruno Steinbach, O papel do professor e a sua formação na prática pedagógica aqui.
Paul Ricoeur & Fenomenologia, O Tao da Educação, Milton Nascimento, Psicodrama, Adriano Nunes, Roney Bunn, Direito & Trabalho aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
&
Agenda de Eventos 35 anos de arte cidadã aqui.

ARTE CONCEITUAL DE MILO MOIRÉ
A arte conceitual da artista suíça Milo Moiré. Veja mais aqui.
 

EMMA LAZARUS, NADINE GORDIMER, LAGERLÖF, YOURCENAR & JOAN RODRIGUEZ

    Ao som de Pavane por une infante défunte (1899), de Maurice Ravel , com a Orchestre National de France, sob a regência da maestrina fin...