quinta-feira, novembro 28, 2013

PIEDAD BONNETT, ADALGISA, BECKETT, SARLO, MONTAIGNE, COCTEAU & BIRITOALDO

 


A SOLIDÃO DE ADALGISA – Tributo para Adalgisa Nery (1905-1980) – Aquela menina de Laranjeiras brincava nos meus olhos infantis. Órfã de mãe, não simpatizava com a madrasta e foi logo interna no colégio de freiras, onde adquiriu o apelido de subversiva, sendo mais tarde expulsa. Na adolescência me preteriu pela primeira vez: casou-se e mais de uma década depois a vejo intelectual sofisticada numa vida trepidante, viagens e conflitos conjugais. Dos sete filhos, apenas dois sobreviveram. Para mim sempre fora a Berenice de A imaginária, aquela que enviuvou para se tornar economiária e, logo depois, os seus Poemas vieram público quando estava no Itamaraty. Pela segunda vez me preteriu e seguiu pela vida movimentada da diplomacia e artistas no México. Tornou-se logo embaixatriz plenipotenciária, com a Ordem da Águia Asteca pelas conferências sobre Juana Inés de la Cruz. Com a nova separação renegou sua obra, tornando-se jornalista altiva e caindo de cabeça na política socialista. Foi cassada pela ditadura militar, doou tudo aos filhos e viu-se pobre e desamparada, sem ter onde morar. Vi-lhe na Neblina, seu afeto e lealdade, internada voluntariamente numa casa de repouso para idosos, em Jacarepaguá. Em sua reclusão tornou-se A imaginária dos meus sonhos, por seus Mundos Oscilantes de Mulher Ausente. Quem era Og, não sabia, só de seus Cantos da Angústia e As Fronteiras da Quarta Dimensão. O seu Retrato sem Retoque, contava 22 menos 1, a Erosão da vida, e ela se foi para nunca mais. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

 


DITOS & DESDITOS - O sinal mais certo de sabedoria é a alegria... A melhor coisa do mundo é saber pertencer a si mesmo... Pensamento do jurista, filósofo, escritor e humanista francês Michel Eyquem de Montaigne (1533-1592), que nos seus Ensaios (Orbis, 1984), expressou que: Ninguém está livre de dizer asneiras: o mal consiste em dizê-las com pompa... Isto não se aplica a mim, que digo as minhas tolices tão naturalmente como as penso... Veja mais aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: Hoje, não tenho nenhuma obrigação, como cidadã, de ter coragem. No século XIX, manter a honra implicava em manter a coragem. Era melhor exagerá-la a estar ausente... É um mundo violento e ao mesmo tempo essa violência era uma virtude necessária. Hoje, considera-se desnecessária, porque na modernidade a afronta é vingada pela lógica das instituições. Não é vingança, mas Justiça... Pensamento da escritora e crítica literária argentina Beatriz Sarlo. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

 

DIÁRIO DA CURA – [...] A falta de boas maneiras é o sinal de um herói. [...] Estamos num período de tal individualismo que já não se fala de discípulos; fala-se de ladrões. [....] Dentro de duas semanas, apesar destas notas, não acreditarei mais no que estou vivenciando agora. É preciso deixar um rastro desta viagem que a memória esquece. É preciso, quando isso for impossível, escrever ou desenhar sem responder às solicitações românticas da dor, sem gostar do sofrimento como a música, amarrando uma caneta no pé se for preciso, ajudando os médicos que nada podem aprender com a preguiça [...]. Trechos extraídos da obra Opium: The Diary of His Cure (Peter Owen, 2001), do escritor, cineasta, dramaturgo, desenhista e ator surrealista francês, Jean Cocteau (1889-1963), que na obra Les Mariés de la Tour Eiffel (Nouvelle Revue Française, 1924) expressa: [...] Que uniforme posso usar para esconder meu coração pesado? É muito pesado. Isso sempre aparecerá. [...] Uma vez que estes mistérios me ultrapassam, fingimos ser os seus organizadores. [...]. Veja mais aqui e aqui.

 

TRILOGIA DE BECKETT – MOLLOY: [...] Não espere ser caçado para se esconder, esse sempre foi meu lema. [...] Sim, houve momentos em que esqueci não apenas quem eu era, mas também o que eu era, esqueci de ser. [...] Se há uma pergunta que temo e para a qual nunca fui capaz de inventar uma resposta satisfatória, é a pergunta: o que estou fazendo? [...] Pois em mim sempre existiram dois tolos, entre outros, um que não pede nada melhor do que ficar onde está e o outro imagina que a vida poderia ser um pouco menos horrível um pouco mais adiante. [...] Não querer dizer, não saber o que quer dizer, não ser capaz de dizer o que pensa que quer dizer, e nunca parar de dizer, ou quase nunca, é isso que deve ter em mente, mesmo em o calor da composição. [...] É tão bom saber para onde você está indo, nos estágios iniciais. Quase te livra do desejo de ir para lá. [...] Quando um homem numa floresta pensa que está avançando em linha reta, na verdade ele está andando em círculo, eu fiz o meu melhor para andar em círculo, na esperança de andar em linha reta. [...] Pois não saber nada não é nada, não querer saber nada da mesma forma, mas estar além de saber qualquer coisa, saber que você está além de saber qualquer coisa, é aí que a paz entra na alma do buscador indiferente. [...] Essa é uma das muitas razões pelas quais evito falar tanto quanto possível. Pois eu sempre digo muito ou pouco, o que é uma coisa terrível para um homem com uma paixão pela verdade como a minha. [...]. Trechos extraídos da obra Molloy (Biblioteca Azul, 2013), do dramaturgo e escritor irlandês Samuel Beckett (1906-1989). Na obra Malone Dies (Grove Pr, 1978), expressa que: [...] Nada é mais real do que nada. [...] Faço uma pausa para registrar que me sinto em uma forma extraordinária. Delírio talvez. [...] Mas eu sei o que é a escuridão, ela se acumula, engrossa e de repente explode e afoga tudo. [...] digamos, antes de prosseguir, que não perdôo ninguém. desejo a todos uma vida atroz no fogo do inferno gelado e nas execráveis gerações que virão. [...] Palavras e imagens correm em minha cabeça, perseguindo, voando, colidindo, fundindo-se, indefinidamente. Mas além desse tumulto há uma grande calma e uma grande indiferença, que nunca mais será perturbado por nada. [...]. Já na obra The Unnamable (Faber & Faber, 2010), expressa: [...] Você deve continuar. Eu não posso continuar. Eu continuarei. [...] Sim, na minha vida, já que devemos chamá-la assim, houve três coisas, a incapacidade de falar, a incapacidade de ficar em silêncio e a solidão, foi disso que tive que aproveitar ao máximo. [...] Infelizmente tenho medo, como sempre, de continuar. Pois continuar significa sair daqui, significa encontrar-me, perder-me, desaparecer e começar de novo, primeiro um estranho, depois, pouco a pouco, o mesmo de sempre, num outro lugar, onde direi que sempre estive, do qual nada saberei, sendo incapaz de ver, mover-me, pensar, falar, mas do qual pouco a pouco, apesar destas deficiências, começarei a saber alguma coisa, apenas o suficiente para que se torne o mesmo lugar de sempre, o mesmo que parece feito para mim e não me quer, que parece que quero e não quero, faça a sua escolha, que me vomita ou me engole, nunca saberei, que talvez seja apenas o interior do meu crânio distante onde antes eu vagava, agora estou imóvel, perdido pela pequenez, ou encostado nas paredes, com a cabeça, as mãos, os pés, as costas, e sempre murmurando minhas velhas histórias, minha velha história, como se fosse o primeira vez. [...] Sou todas essas palavras, todos esses estranhos, esse pó de palavras, sem chão para se estabelecerem, sem céu para se dispersarem, reunindo-se para dizer, fugindo um do outro para dizer, que eu sou eles, todos eles, aqueles que se fundem, os que se separam, os que nunca se encontram, e nada mais, sim, outra coisa, que sou algo bem diferente, uma coisa bem diferente, uma coisa sem palavras num lugar vazio, um lugar fechado, seco, frio e negro, onde nada se mexe, nada fala, e que eu ouço, e que procuro, como uma fera enjaulada nascida de feras enjauladas nascida de feras enjauladas nascida de feras enjauladas nascida em uma jaula e morta em uma jaula, nascida e depois morta, nascida em uma gaiola e depois morto em uma gaiola, em uma palavra como uma fera, em uma de suas palavras, como uma fera, e que eu procuro, como uma fera, com minhas poucas forças, uma fera, sem nada de seu resta apenas o medo e a fúria, não, a fúria passou, nada além do medo, nada de tudo o que lhe é devido a não ser o medo centuplicado, o medo da sua sombra, não, cego de nascença, do som então, se quiser, teremos isso, é preciso ter alguma coisa, é uma pena, mas aí está, medo do som, medo dos sons, dos sons das feras, dos sons dos homens, dos sons do dia e dos sons da noite, chega, medo dos sons tudo sons, mais ou menos, mais ou menos medo, todos os sons, só há um, contínuo, dia e noite, o que é, são passos indo e vindo, são vozes falando por um momento, são corpos tateando em sua direção, é o ar , são as coisas, é o ar entre as coisas, basta, que eu procuro, gosto, não, não gosto, como eu, do meu jeito, o que estou dizendo, à minha maneira, que procuro, o que faço Eu procuro agora, o que é, deve ser isso, só pode ser isso, o que é, o que pode ser, o que pode ser, o que eu procuro, não, o que eu ouço, eu ouço, agora vem de volta para mim, eles dizem que eu procuro o que ouço, eu os ouço, agora volta para mim, o que pode ser, e de onde pode vir, já que tudo está em silêncio aqui, e as paredes são grossas, e como eu consigo, sem sentir uma orelha em mim, ou uma cabeça, ou um corpo, ou uma alma, como eu consigo, fazer o que, como eu consigo, não está claro, querido, você diz que não está claro, alguma coisa é querer deixar claro, vou buscar, o que está querendo, deixar tudo claro, estou sempre buscando alguma coisa, é cansativo no final, e é só o começo. [...]. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

 

DOIS POEMAS - DE TEMPOS EM TEMPOS - A minha mãe gosta de ir a este café com lâmpadas sóbrias, pedir biscoitos de baunilha, beba sem pressa duas xícaras de chá preto como em um ato cerimonial. Eu a trouxe aqui, então, entregando minha tarde laboriosa a esse gesto filial. Através das enormes janelas vemos a vida pressionando lá fora enquanto falamos sobre dias passados E o ambiente morno do lugar sugere que a felicidade não passa disso. De repente, como se recuperasse palavras de um sonho ela diz: “É uma pena que tudo tenha um fim”. Ela diz isso com um leve sorriso, porque ela sabe que ser solene não combina com a tarde. (Minha mãe já tem setenta e quatro anos e ela já foi linda.) No fundo das xícaras o chá pinta seus signos. Eu não sei o que dizer. Olhamos a avenida, os rostos borrados dos transeuntes, as árvores que ficam em silêncio. A noite está caindo. UM ANTIGO CONTO - Os funcionários do hotel já conhecem a rotina: uma mulher chegando ao amanhecer ou numa tarde de domingo - sem bagagem distraído ainda humilhado fazendo um balanço. Chove no quarto dela, está sempre chovendo. E ela não traz nada com ela: nenhum guarda-chuva nem mesmo uma escova de dentes sem lâminas de barbear, sem Xanax. Os funcionários do hotel não ouvem os ecos vindos daquela sala: uma fogueira, uma canção amarga voltando à sua própria origem. Alguém está nos contando uma história antiga— alguém está chorando e rezando receber um par de asas. Poemas da poeta e dramaturga colombiana Piedad Bonnett.

 


QUANDO O CARA ERRA A PORTA DE ENTRADA, A SAÍDA É QUE SÃO ELAS!!!!!!!Biritoaldo endoidou de novo. A ultima paixão dele estava morta: a Amy Winehouse. Oxe, passou um tempo, muito tempo mesmo farol baixo, bandeira a meio pau, todo por fora macambúzio. Mas eu não te digo: foi só ele pôr as vistas numa beldade avolumada, do olho do cara vidrar e dele sair pela rua ensandecido aos gritos: é essa! É essa! É essa!!!!

- Que foi adoidado?

- Encontrei a deusa da minha vida!

- Quem é a sortuda?

- Essa aqui!

- Tu sabes quem é, desnaturado?

- Oxe, não quero nem saber! É ela que vou conquistar para realizar meu ninho matrimonial.

E foi atarantado com um bocado de foto tirada de revista atrás da Rebel Wilson no Super Fun  Night. Vai andar pouco, hem?
Veja mais dos despropósitos do Biritoaldo


Veja mais sobre:
Maria Callas, Psicodrama, Gestão de PME, Responsabilidade Civil & Acidentes de Trabalho aqui.

E mais:
Arte & Entrevista de Luciah Lopez aqui.
Psicologia Fenomenológica, Direito Constitucional, Autismo, Business & Marketing aqui.
Big Shit Bôbras, Zé Corninho & Mark Twain aqui.
Abigail’s Ghost, Psicologia Social, Direito Constitucional & União Estável aqui.
Betinho, Augusto de Campos, SpokFrevo Orquestra, Frevo & Rinaldo Lima, Tempo de Morrer, The Wall & Graça Carpes aqui.
O cinema no Brasil aqui.
Dois poemetos em prosa de amor pra ela aqui.
Agostinho, Psicodrama, Trabalhador Doméstico, Turismo & Meio Ambiente aqui.
Dois poemetos ginófagos pra felatriz aqui.
Discriminação Religiosa, Direito de Imagem, Direito de Arrependimento & Privacidade aqui.
A minissaia provocante dela aqui.
Princípio da probidade administrativa aqui.
O alvoroço dela na hora do prazer aqui.
Canção de Terra na arte de Rollandry Silvério aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Leitora Tataritaritatá!!!
Veja  mais aqui,  aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



E participe do Natal do Nitolino, conferindo aqui.


TAJA KRAMBERGER, LÍDIA JORGE, HILARY PUTNAM & NORDESTE

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Source (2014) e Upstream (2019), do grupo Dreisam – “ Triângulo perfeito, nada geométrico, ...