domingo, julho 08, 2012

JARAUTA, GERMAINE GREER, ALICIA MISRAHI, TARAS SHEVTCHENKO, DIVITO & LITERÓTICA

A PROVOCAÇÃO AGUDA DA PAIXÃO - Naquela manhã meus olhos flagraram o frêmito dos seios dela tremulando dentro da sua blusa decotada e ela sequer desconfiava o quanto a amava por inteiro, a desejava além da vida e da morte, a venerava além do querer e poder e persigo e persevero e a quero comigo para sempre e a todo momento. Ela a minha anfitriã que amo e ela pensa que não, insegura e dando o melhor de si só por dar e por amar num pirão que o meu mar engrossa e eu raspo a panela de todas as suas deliciosas emanações. O seu jeito lindo de ser era mais que sensacional com um encanto pronunciado na exibição daquelas duas frutas saborosas mexendo-se a cada movimentada de seu corpo nos afazeres domésticos. Ela inteiramente dedicada à labuta enquanto eu fazia juras silenciosas de amor e paixão por ela. Ela remexendo inocente e eu fazendo estréia da cobiça buscando os agasalhos do seu corpo. Havia poucas horas da nossa chegada, mas ela logo se dedicara às arrumações colocando suas vestes sumárias, provocando instantaneamente em mim o vuque-vique de seus caprichos corporais: era o tempo do cozimento e eu fervendo imaginando a nossa gangorra. E eu me deliciando qual voyer descarado imaginando suas curvas, remexidos, sensualidade, tudo dela ao meu dispor. Ali eu me continha fazendo um esforço danado para agarrá-la atrapalhando sua diligência. Mas, a cada olhadela, eu suava frio e tudo desembocava ventre abaixo se avolumando nas minhas partes baixas só para fazer-lhe um parque de diversão além do que eu podia dar. Era a explosão do amor na paixão mais medonha que eu já tivera oportunidade de viver. Era a paixão mais devastadora de todas. E ao lado de uma tesão que surgia inopinadamente para consagrá-la integralmente dona do meu coração. Com isso eu me insinuava aproximando-me o máximo que podia de sua dedicada atuação na limpeza da cozinha. Cada sacudidela dela no arremate das funções, mais eu me achegava lambendo os beiços e atacando sutilmente suas intimidades, roçando-lhe a nuca, as reentrâncias, o osso do mucumbu, enfeitiçando-lhe para arrancar os seus suspiros mais vibrantes e a deixá-la minando de emoção. Ela ainda sequer tinha a mínima idéia da minha mais absoluta paixão. Quanto mais amava, mais queria e queria. Era ela, sim, ela, tudo o que sempre quis e passaria a querer dali por diante. Com os meus ardis em pauta mais procurava domá-la nas intenções mais safadas a ponto de apoderar-me por inteiro de todo seu desejo, seu corpo e alma. Dominada, ela se entregava como quem se dar ao carrasco. E eu deliciosamente sorvia cada bocado de sua mais extremada emanação corpórea e anímica. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui, aquiaqui.

 


DITOS & DESDITOS - Ninguém pode cancelar o caos ou apagar aquele pano de fundo de silêncio que acompanha a experiência como boato. Nomear o momento de sua aparição, de sua exposição ao tempo, parece ser tarefa do poeta. Na linguagem, toda a matéria do visível é expressa, de seu aparecimento e morte, de seu mergulho no abismo do tempo. A arte é organizada como um discurso do incompleto, do não resolvido; é uma emancipação incessante do particular da totalidade. Na ordem dos fragmentos, o negativo é entendido como o laboratório de uma experimentação, cujo tempo não nos é dado prever. O espaço do alegórico, entendido como escrita e alusividade infinita, é também o espaço dos jogos linguísticos, das técnicas. Pensar no mito que habitamos, descrever suas estratégias narrativas, a lógica de suas formas de representação, é objeto de crítica. É na palavra ou na cor, na articulação da forma por meio de pausas, cesuras, suspensões, que a ausência se afirma. Existe um antes e depois do corpo. Um limite que é posteriormente corrigido e destruído para retornar a um zero inicial. Tudo o que é estranho está longe e uma viagem confortável nos associa alegremente a um lugar seguro. Escrever / desenhar – A etimologia grega bem expressa, graphein– são uma e a mesma coisa. O desenho tem uma magia adicional: preserva a memória, não das palavras, mas do boato antes das palavras e carrega dentro de si a marca do nosso corpo. Alguém escreve, projeta, até pensa, a partir das linguagens que nos precedem. Uma entropia peculiar da qual emergem nossos jogos lingüísticos, nossas idéias, nossos projetos. Pensamento do filósofo espanhol Francisco Jarauta. Veja mais aqui e aqui.

 

DE NOVO: Bibliotecas são reservatórios de força, graça e inteligência, lembretes de ordem, calma e continuidade, lagos de energia mental. Pensamento da escritora australiana Germaine Greer. Veja mais aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: Um olhar ou um sorriso de um estranho pode ser um grande momento. Muitos homens só querem paquerar ou ter uma aventura esporádica e nós é que erramos e, quando vemos um certo interesse, já pensamos que pode haver um relacionamento sério. Nesse sentido, o aprendiz de predador é cúmplice do homem. Nós mulheres não podemos nos empolgar demais com o amor e idealizá-lo porque esse raciocínio gera muita angústia. Apaixonar-se é o estado mais estúpido que existe. Na realidade, não se apaixona pela pessoa, mas pelo que ela pensa que é ou, pior ainda, pelo sentimento que o próprio estado produz. Pensamento da jornalista e escritora espanhola Alicia Misrahi.

 

OUTRA VEZ: Para que casar e fazer um homem infeliz quando se pode fazer feliz a muitos? Pensamento da atriz estadunidense Mae West (1893-1980). Veja mais aqui eaqui.

 

COMUNICAÇÃO POÉTICA – [...] É por isso que um poema parece falar de tudo e de nada, ao mesmo tempo. É por isso que um (bom) poema não se esgota: ele cria modelos de sensibilidade .É por isso que um poema, sendo um ser concreto de linguagem, parece o mais abstrato dos seres. [...] o interdito do signo novo perturbador (por apontar para uma nova ordem possível) que é igualado aos ruidosos signos da confusão, operação habitual do poder que exclui, para impedir o advento do poder que inclui – a liberdade criadora. [...] perseguir algolugar no tempo da produção poética, indiciado e anunciado - tais algas e sargaços para novas terras – por um canto-aroma longe, não tão distante que não pudesse ser sentido e ouvido no país que não era um grande país. Pela linguagem, romper a barreira da língua, embalsamadora de alguns belos cadáveres. [...].Trechos extraídos da obra O que é comunicação poética (Brasiliense, 1993), do poeta e professor Décio Pignatari (1927-2012). Veja mais aqui.

 

O QUE É - O problema com emergências é, disse ela, que eu sempre coloco minha melhor calcinha e nada acontece. [...]. Trecho extraído da obra Save Me the Waltz (Vintage, 2001), da escritora estadunidense Zelda Fitzgerald (1900-1948), esposa de F. Scott Fitzgerald, que no livro Dear Scott, Dearest Zelda: The Love Letters of F. Scott and Zelda Fitzgerald (St. Martin's, 2002), expressa: Desculpe-me por ser tão intelectual. Eu sei que você preferiria algo bonito, feminino e afetuoso. Eu te amo de qualquer maneira, mesmo que não haja nenhum eu ou qualquer amor ou mesmo qualquer vida - eu te amo. Veja mais aqui e aqui.

 

DOIS POEMAS - I - Corre água ate mar azul / Mas da aí, não sai: / Procura Kozak o seu destino, / Mas não acha nada. / Foi Kozak para traz do Sol posto, / Brinca mar com ondas, / Canta coração do Kozak, / Pensamento outro: / “Aonde vais, sem perguntares? / Para quem deixaste / Pai e mãe, que já são velhos / Namorada nova? / As pessoas não são aquelas, / Lá, no estrangeiro. / Viver com elas – vida dura, / Vida que não cura. / Não tens com quem chorar, / Nem trocar palavras. / Sentou -se Kozak de outro lado, / Brinca mar com ondas. / Pensou destino encontra, / Encontrou o luto. / No céu cegonhas / Regressam a casa. / Chora Kozak – os caminhos, / Cobertos com arbustos. II - É-me indiferente, se vou / Eu viver na Ucrânia, ou não / Se alguém se lembrará, ou esquecer-me-á / Na neve do exílio - / É-me mesmo indiferente. / Sem liberdade cresci entre os desconhecidos, / E, sem ser chorado pelos meus, / Sem liberdade, chorando, morrerei, / E tudo levarei comigo, / Nem uma pequena mancha deixarei / Na nossa gloriosa Ucrânia, / Na nossa - mas que não é a nossa terra. / E nem se lembrarão o pai com o filho, / Nem dirá ao filho: “Reza, / Reza, filho: pela Ucrânia / Que outrora foi torturada”. / É-me indiferente, se vai / Esse filho orar, ou não… / Mas não me é indiferente, / Como a Ucrânia é adormentada / Por pessoas más, mentirosas, e no fogo,/ Já roubada, a acordarão… / Oh, isso já não me é indiferente. Poemas do poeta ucraniano Taras Shevtchenko (1814-1861).

 

A ARTE DE DIVITO

A arte do escritor, desenhista e humorista argentino Guillermo Divito (1914-1969), fundador e diretor de Rico Tipo.

 

PROGRAMA DOMINGO ROMÂNTICO – O programa Domingo Romântico que vai ao ar todos os domingos, a partir das 10hs (horário de Brasilia), é comandado pela poeta e radialista Meimei Corrêa na Rádio Cidade, em Minas Gerais. Confira a programação deste domingo aqui. Na edição deste 08/07 do programa Domingo Romântico, uma produção da radialista e poeta Meimei Correa e apresentado por Luiz Alberto Machado, além de comemorar 2 mil membros parceiros no Grupo do Facebook, está com uma programação especial pra você, confira as atrações: Carl Off, Cecília Meirelles, Mercedes Sosa, Alberto Nepomuceno, Gustav Mahler, Ana Botafogo, Toquinho, Patativa de Assaré, Jean de La Fontaine, Laurindo Rabelo, Procópio Ferreira, Nara Leão e Tom Jobim, Cesar Camargo Mariano e Romero Lubambo, João Gilberto, Fagner, Maria Rita, Milton Nascimento, Violeta Parra, Chico Buarque, Moraes Moreira, Ringo Star, Os mutantes, Emilio Santiago, Adriana Calcanhoto, Cristina Motta, Leila Pinheiro, Lucinha Lins, Titãs, Cortney Love, Quinteto Violado, Gonzagão e Gonzaguinha, Claudia Leitte, Leoni, Paula Fernandes e Vitor Chaves & muito mais! Veja mais aqui.





Veja mais sobre:
Ginofagia aqui, aqui e aqui

E mais:
O presente na festa do amor aqui.
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Por você aqui.
Eros & Erotismo, Johnny Alf, Mário Souto Maior & o Dicionário da Cachaça, Ricardo Ramos, Max Frisch, Marcelo Piñeyro, Letícia Bretice, Frank Frazetta, Ricardo Paula, Pero Vaz Caminha, Gilmar Leite & Literatura Erótica aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa Tataritaritatá!
Art by Íris Nefelibata.
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




HUMBERTO MATURANA, SAMANTA SCHWEBLIN, NÚRIA AÑÓ & LÍVIA FALCÃO

    TRÍPTICO DQP: Sobrevivo... – Imagem: AcervoLAM: Antes do Verbo havia o antes e era Néstogas, a o som do Concert Barbakan Festival Brat...