domingo, junho 24, 2012

VINCENZO CONSOLO, TONI MORRISON, YVES MICHAUD, EDUARDO ALVES DA COSTA & LITERÓTICA

A PAIXÃO, USO & ABUSO - O olhar. E eu vejo o meu verso indeciso nas suas entremanhãs. Nas suas manhas vãs. E sou mais que herói na sua retina. A ponto que afina as necessidades e ela com vaidade me segura com toda travessura pr´eu não ir embora. Agora? Não, nunca, só ela que adunca acha que posso ir embora. É canção. E ouço. Função por todo meu osso. De dor e prazer eu canto. Rigor e lazer, seu manto. E ela me ouve mortal criatura como se eu tivesse a candura de enfeitiçá-la. Quando na sala ela está nua para que eu a possua até o final dos tempos. Toco seu corpo, sua pele macia. É puro conforto quando vasculho sua alvenaria. É perfume no ar. É o seu cheiro a me fazer levitar no seu ventre com seu grito ancestral entre os dentes e a vida caindo na sua face sorrindo o atlântico sol. É quando ela desmancha na minha boca ancha com o seu gosto singular: o meu verso incisivo a poetar na sua carne cunhã que usufruo com afã seu sabor de caju, maracujá, de abacaxi, de cajá, é quando ela foca e com a ponta da língua ela toca todos os meus poros, eu só revigoro e me rendo de paixão com ela estirada inteirinha na palma da minha mão. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui, aquiaqui.

 


DITOS & DESDITOS - Para descobrir a verdade sobre como os sonhos morrem, nunca se deve aceitar a palavra do sonhador. Andar feito um rótulo ambulante não me faz criar boa literatura. Se há um livro que você quer ler, mas não foi escrito ainda, então você deve escrevê-lo. Pensamento da escritora estadunidense e ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura de 1993, Toni Morrison. Veja mais aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: Das várias maneiras para se atingir o desastre, o jogo é a mais rápida, as mulheres, a mais agradável; e consultar economistas, a mais segura. Pensamento do político francês Georges de Pompidou (1911-1974).

 

VIOLÊNCIA - Há violência quando, numa situação de interação, um ou vários atores agem de maneira direta ou indireta, maciça ou esparsa, causando danos a uma ou várias pessoas em graus variáveis, seja na sua integridade física, seja em sua integridade moral, em suas posses, ou em suas participações simbólicas e culturais. [...] estudos recentes reconhecem, em laboratório, uma correlação entre observação da violência e agressão. Os estudos em meio real são menos significativos. Mas não há dúvida de que as imagens da violência contribuem de modo não desprezível para mostrá-la como mais normal, menos terrível do que ela é, em suma: banal, criando, assim, um hiato entre a experiência anestesiada e as provas da realidade, raras, mas muito mais fortes [...] a violência, na mídia, seja ela estilizada ou não, seja ficção ou parte dos telejornais da atualidade serve, de uma certa maneira, a um descarregar-se, distender-se, dar livre curso aos sentimentos através do espetáculo. As cenas de violência são um sintoma da ‘nervosidade’ da sociedade. [...]. Trechos extraídos da obra A violência (Atica. 1989), do filósofo francês Yves Michaud. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

 

UMA PEDRA MEMORIAL – [...] Chegamos a Pantalica, a antiga Hybla, subimos os caminhos das cabras, entramos nos túmulos da necrópole, nas cavernas, nos santuários escavados nas paredes íngremes da rocha sobre as águas do Anapo. O velho sempre falava, me contava sobre sua vida, sua infância e juventude passada naquele lugar. Falou-me de ervas e animais, das cobras do Anapo, e de uma cobra enorme, a biddina, um dragão fantástico, que poucos viram, que amarra e engole homens, burros, ovelhas, cabras. De pé na soleira, sob o arco de uma caverna, entre a luz e a sombra, olhei para esse velho sobrevivente, o rosto preto e enrugado, as grandes mãos de terra, e me pareceu que, depois de milênios, ele estava indo naquele momento do fundo escuro da caverna, estrangeiro, remoto, metafísico. [...] Trecho extraído da obra Le pietre di Pantalica (Mondadori; 1988 ), do escritor siciliano Vincenzo Consolo (1933-2012).

 

NO CAMINHO, COM MAIAKOVSKIAssim como a criança / humildemente afaga / a imagem do herói, / assim me aproximo de ti, Maiakovski. / Não importa o que me possa acontecer / por andar ombro a ombro / com um poeta soviético. / Lendo teus versos, / aprendi a ter coragem. / Tu sabes, / conheces melhor do que eu / a velha história. / Na primeira noite eles se aproximam / e roubam uma flor / do nosso jardim. / E não dizemos nada. / Na segunda noite, já não se escondem: / pisam as flores, / matam nosso cão, / e não dizemos nada. / Até que um dia, / o mais frágil deles / entra sozinho em nossa casa, / rouba-nos a luz, e, / conhecendo nosso medo, / arranca-nos a voz da garganta. / E já não podemos dizer nada. / Nos dias que correm / a ninguém é dado / repousar a cabeça / alheia ao terror. / Os humildes baixam a cerviz; / e nós, que não temos pacto algum / com os senhores do mundo, / por temor nos calamos. / No silêncio de meu quarto / a ousadia me afogueia as faces / e eu fantasio um levante; / mas amanhã, / diante do juiz, / talvez meus lábios / calem a verdade / como um foco de germes / capaz de me destruir. / Olho ao redor / e o que vejo / e acabo por repetir / são mentiras. / Mal sabe a criança dizer mãe / e a propaganda lhe destrói a consciência. / A mim, quase me arrastam / pela gola do paletó / à porta do templo / e me pedem que aguarde / até que a Democracia / se digne a aparecer no balcão. / Mas eu sei, / porque não estou amedrontado / a ponto de cegar, que ela tem uma espada / a lhe espetar as costelas / e o riso que nos mostra / é uma tênue cortina / lançada sobre os arsenais. / Vamos ao campo / e não os vemos ao nosso lado, / no plantio. / Mas ao tempo da colheita / lá estão / e acabam por nos roubar / até o último grão de trigo. / Dizem-nos que de nós emana o poder / mas sempre o temos contra nós. / Dizem-nos que é preciso / defender nossos lares / mas se nos rebelamos contra a opressão / é sobre nós que marcham os soldados. / E por temor eu me calo, / por temor aceito a condição / de falso democrata / e rotulo meus gestos / com a palavra liberdade, / procurando, num sorriso, / esconder minha dor / diante de meus superiores. / Mas dentro de mim, / com a potência de um milhão de vozes, / o coração grita – MENTIRA! Poema extraído da obra No caminho com Maiakovski – Poesia reunida (Geração, 2003), do poeta Eduardo Alves da Costa.

 

PROGRAMA DOMINGO ROMÂNTICO – O programa Domingo Romântico que vai ao ar todos os domingos, a partir das 10hs (horário de Brasilia), é comandado pela poeta e radialista Meimei Corrêa na Rádio Cidade, em Minas Gerais. Confira a programação deste domingo aqui. Na edição deste 24/06 do programa Domingo Romântico, uma produção da radialista e poeta Meimei Correa e apresentado por Luiz Alberto Machado, além de comemorar 2 mil membros parceiros no Grupo do Facebook, está com uma programação especial pra você, confira as atrações: Beethoven, João Carlos Martins, Hermeto Pascoal, Eumir Deodato, Milton Nascimento, Carlos Santana, Dercy Gonçalves, Gilberto Gil, Dolores Duran, Dire Straits, Caetano Veloso, Enya, Elza Soares e Chico Buarque, Gal Costa, Maria Bethânia, Alcione, Tears for Fears, Djavan, Ivan Lins, Fagner e Zeca Baleiro, Alceu Valença, Nando Cordel, Flavio Venturini, Sergio Reis, Dalto, Carly Simon, George Michael, Norah Jones, Rosa Maria, Paula Toller, Luiza Possi, Kiko Continentino, Claudio Nucci e Heitor Branquinho, Nilson Chaves, Marcus Caffé, Rosana Simpson, Tábata Corso, Fidélia Cassandra e Sinedei Moura, Gardênia Marques, Paulo Sérgio, Jorge Medeiros, Leonardo Delamar & muito mais! Veja mais aqui.


Participe da Promoção do Programa e concorra a prêmios & veja outras edições do programa aqui.





Veja mais sobre:
Ginofagia aqui, aqui e aqui

E mais:
O presente na festa do amor aqui.
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Por você aqui.
Eros & Erotismo, Johnny Alf, Mário Souto Maior & o Dicionário da Cachaça, Ricardo Ramos, Max Frisch, Marcelo Piñeyro, Letícia Bretice, Frank Frazetta, Ricardo Paula, Pero Vaz Caminha, Gilmar Leite & Literatura Erótica aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitoras comemorando a festa Tataritaritatá!
Art by Ísis Nefelibata
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



HUMBERTO MATURANA, SAMANTA SCHWEBLIN, NÚRIA AÑÓ & LÍVIA FALCÃO

    TRÍPTICO DQP: Sobrevivo... – Imagem: AcervoLAM: Antes do Verbo havia o antes e era Néstogas, a o som do Concert Barbakan Festival Brat...