sábado, julho 28, 2012

ROSA CHACEL, JUDITH BUTLER, ELSE LASKER-SCHULER, ENEDUANA, SELMA LAGERLÖF, GAINES & FILHA DA DOR






POEMAS DE ENHEDUANAISenhora de todas as essências, cheia / de luz,boa mulher, vestida de esplendor, / que possui o amor do céu e da terra,/ amiga de templo de An, tu usas adornos maravilhosos, / tu desejas a tiara da alta sacerdotisa / cujas mãos seguram as sete essências. / Ó minha senhora, guardiã de todas as boas essências, / tu as reuniste e as fizeste emanar de tuas mãos. / Tu colheste as essências santas e as trases contigo, apertadas em teus seios. II - Como dragão, encheste a terra com veneno, / Como trovão, quando bradas sobre a terra, / árvores e plantas casem diante de ti. / És o dilúvio descendo da montanha, / Ó deusa primeira, Inana, deusa / da lua, que reina sobre o céu e a terra! / Teu fogo espalha-se e cai sobre a nossa nação. / Senhora montada numa fera, / An te dá qualidades, poderes sagrados, e tu decides. / Estás em todos os nossos grandes ritos. Quem pode compreender-te? III – Tu o ergueste o/pé e abandonaste o celeiro da fertilidade. / As mulheres da cidade não falam mais e amor com seus maridos. / De noite, elas não fazem amor / Elas não se despem mais diante deles, / revelando tesouros íntimos. / Grande filha de Suen, impetuosa vaca selvagem, senhora suprema que domina An, que ousa não venerar-te? IV -  Tu pediste-me para entrar no claustro santo, o girapu, / e eu entrei nele, eu, a alta sacerdotisa Enheduana! / Eu carreguei a cesta do ritual e cantei em seu louvor. / Agora encontro-me banida, em meio aos leprosos. / Nem mesmo eu consigo viver contigo. / Sombras penetram a luz do dia, / a luz escurece à minha volta, / sombras penetram a luz do dia, / cobrindo o dia com tempestades de areia. / Minha suave boca de mel torna-se repentinamente confusa. / Minha linda face agora é pó. V - A primeira senhora da sala do trono aceitou a canção de Enheduana. / Inana a ama novamente. / O dia foi bom para Enheduana, pois ela vestiu-se de jóias. / Como os primeiros raios de luar sobre o horizonte, / Quão exuberantemente ela se vestiu! / Quando Nana, pai de Inana, fez sua aparição,o palácio abençoou Ningal, / mãe de Inana. / Da soltira da porta celeste veio à palavra:‘Bem-vinda’! Poemas da princesa do Império Acádio, Enheduana, que viveu no século XXIIIaC, a primeira mulher a se tornar Alta Sacerdotisa, uma sábia que serviu ao templo de Inana, na cidade suméria de Ur. É considerada a primeira autora da Literatura Universal, da Filosofia e da História da Ciência, autora de mais de 42 hinos dos templos acádios e de poemas narrativos à Inana, autora da obra A ascensão de Inana, também conhecida como O despertar de Inana. Veja mais aquiaqui e aqui.

 


FILHA DA DOR – À memória de Jane Vanini Capozzi (1945-1974) – Aquela virginiana mato-grossense desde jovem atuou nos grêmios estudantis e foi estudar Ciências Sociais na USP. Casou-se jovem, descasou-se e tornou-se Ana para o jornalista Pepe Tapia Carrasco. Desde o primeiro casamento o casal era caçado pela repressão e, por isso, vieram as prisões promovidas pela Operação Bandeirante (Oban), a clandestinidade inevitável e o navio para o exílio: Montevideo, Buenos Aires, Roma, Praga e Cuba. Foi em Havana que ela tornou-se locutora de programa diário. E perseguiu seus ideais no Brasil e por Cuba e Chile, militante tanto da ALN como do MOLIPO. Aqui, integrou o Grupo dos 28. Novas prisões e mortes. Sem saber de nada a sobrevivente foi condenada aqui e à revelia pela 2ª auditoria militar a cinco anos de reclusão e perda dos direitos políticos por dez anos. A fuga para Santiago de Allende no MIR, novamente a clandestinidade com o golpe de Pinochet em Concepción. E ora era Adelia, ora Carmen ou Gabriela. A refugiada se refez por meio de trinta e sete cartas: angústias, esperanças e o enfrentamento do patriarcalismo machista. A família vigiada, apartamento invadido e as irmãs depondo na Oban. Tudo acabaria naquele fatídico 6 de dezembro de 1974: ela resistiu por quatro horas às torturas do Dina. Disseram até que ela sozinha resistiu a tudo enquanto destruía documentos até o fim da munição: foi encontrada caída com uma metralhadora do lado. Era essa uma informação contraditória de militares chilenos. Na verdade ela foi vítima de violações dos Direitos Humanos. Os algozes sustentáculos da ditadura chilena só reconheceram a responsabilidade vinte anos depois: a arcada dentária e o DNA da ossada encontrada em 2005, numa vala coletiva dum cemitério de Concepción no Chile. Supostamente era dela, não mais desaparecida: mas de trinta anos de espera na notícia destacada pela imprensa nacional – não era verdade, o escarcéu do noticiário em confronto com o sobrinho: O problema é que a imprensa nacional e até de outros países divulgou com bastante ênfase a notícia de que foram encontrados os restos mortais dela e isso virou uma verdade. Depois disso, ninguém procurou saber que foram feitos exames e que o resultado descartou qualquer parentesco. Portanto, para nós ela ainda é uma desaparecida política. No Chile é reconhecida como heroína de luta. Na apreciação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos do Brasil - Lei 9140/1995 – foi indeferida por unanimidade a falta de comprovação. A morte sem a dignidade no sepultamento de Cáceres, as cartas e uma frase: Perdão, meu amor, foi a última tentativa de te salvar. Veja mais abaixo, aqui e aqui.

 


DITOS & DESDITOSÉ claro que herdei as fórmulas familiares, religião, moral e costumes de meus ancestrais, mas isso apenas informou a base do meu sistema pessoal. O básico, claro, não posso negar isso, mas embora básico e enterrado, sua categoria é a de suporte, não a fórmula, como todas as anteriores. Pensamento da escritora espanhola Rosa Chacel (1898-1994).

 

ALGUÉM FALOU: Como as pessoas encontram um encontro e um horário para tirar a vida de outro homem? Quem os fez Deus? Por que, como cultura, ficamos mais confortáveis em ver dois homens segurando armas do que de mãos dadas? Todos os escritores escrevem sobre o passado e eu tento dar vida a isso para que você possa ver o que aconteceu. Pensamento do escritor estadunidense Ernest Gaines (1933-2019). Veja mais aqui.

 

DAS CARTAS DE JANE: [...] Espero que algum dia estejamos juntos e livres, mas se não avançamos, não importa tanto, importa realmente que a sociedade que legamos aos nossos 'herdeiros' possua muito de nós mesmos, de nosso esforço, de nossos ideias, de nosso amor. [...] Um dia me chamaram de comunista porque no jornal “A voz do aluno” eu reclamava pelo aumento no preço do leite e da carne, que muita gente não podia pagar e esses alimentos são básicos para uma boa alimentação. Mais tarde eu fiquei sabendo o que era o comunismo e que para chegar ao comunismo é necessário uma longa etapa que se chama socialismo. Fiquei sabendo que já haviam muitos países socialistas: União Soviética, China, Vietnam do Norte, Coréia e muitos outros e o que é muito importante, que aqui na América Latina existia um país que era um exemplo de socialismo: Cuba. Pois bem, Cuba, como os outros, alcançou o socialismo, lutando com armas na mão, todo o povo, contra a minoria de privilegiados que tinham de tudo e contra o exército que defendiam esses privilegiados. E foi então que eu como muitos outros companheiros pensamos em lutar para implantar o socialismo no Brasil [...] Vocês se perguntarão que faço no exterior se me interesso tanto pelo Brasil. Eu lhes explico: Nós pertencemos a um continente a que se chama genericamente por América Latina. Essa América Latina toda tem as mesmas origens raciais que nós do Brasil. Fala um idioma muito parecido e que teve também as mesmas origens. Sofremos as mesmas enfermidades, analfabetismo, fome, velhice prematura, dentição podre, e principalmente o nosso inimigo fundamental é o mesmo: o ianque. É o norte-americano que explora todas nossas riquezas: o petróleo, o cobre, o café, o gado, o ouro, a cultura, as frutas, tudo enfim. E o norte americano não nos explora gratuitamente. Nossos governos pagam a eles para que eles venham a explorar nossas minas, nossos operários, nossa cultura, para que levem a matéria bruta para os EUA pagando uma miséria e nos exportem depois o café solúvel, as peças, as máquinas, enfim, caríssimo o produto acabado. Enquanto isso guardam como reserva o que eles tem nos EUA. Quando nós, os subdesenvolvidos não tivermos mais nada para oferecer-lhes, então eles ainda terão a sua própria riqueza. Nós? Mas que importa nós, se somos seres inferiores, meio macacos subdesenvolvidos, que só copiam os costumes dos povos superiores? Eu sou latino-americana e amo igual ao mestiço, ao criolo, o índio, ao negro, ao asiático, ao branco, que entraram na nossa formação. E meus irmãos são todos os latino-americanos e por eles estou disposta a dar até mesmo a única coisa que realmente possuía: a vida. Digo possuía pois uma vez que uma pessoa contempla as coisas que presenciei e toma a decisão que tomei, não possui nada além do desejo de mudar tudo, não importa a que preço. E como sou latino-americana, dá na mesma estar em Chile ou no Brasil, ou Venezuela, ou México, ou Bolívia ou qualquer outro, pois cada país livre apressará a liberdade dos outros. Cada território liberado é uma frente de luta para prosseguir lutando[...]. Não te esqueças das minhas receitas. Às vezes quero fazer algum bôlo  ou comida brasileira e não sei nenhuma receita. A única coisa que aprendi a fazer (e muito gostosa) é feijoada. Só faltam a couve e a farinha que aqui não existe, nem conhecem. Tenho saudades da manga, do caju, do mamão, porque aqui não existe[sic]essas frutas. Mande-me uma garrafa de pinga, tá? Isso não existe aqui, porque aqui não dá cana de açúcar. Temos em compensação a chicha de uva, de maçã, que é deliciosa, mas são coisas diferentes. [...]. Trechos extraídos da dissertação de mestrado Paixões políticas em tempos revolucionários: nos caminhos da militância, o percurso de Jane Vanini (Unemat, 2002), da professora e historiadora Maria Socorro Araújo. Merecem menções: o artigo O lugar da exterritorialidade, do historiador de arte Laurent Jeanpierre, extraído da obra Travessias e cruzamentos culturais - A mobilidade em questão (FGV, 2008), organizada por Heliane & Helenice Kohler; o documentário Missivas (2012), dirigido por Caroline Araújo & Mauricio Pinto; a dissertação de mestrado em História sob a temática As missivas de Jane Vanini e as disputas pela memória (UFMT, 2012) de Kátia Gomes da Silva Amaro; e o projeto de filme de Joel Varner Leão com a estudante Mayana Neiva, de 2013. Veja mais aqui e aqui.

 

GÊNERO – [...] Se alguém “é uma mulher”, isso certamente não é tudo que esse alguém é; o termo não logra ser exaustivo, não porque os traços pré-definidos de gênero da “pessoa” transcendam a parafernália específica de seu gênero, mas porque o gênero nem sempre se constituiu de maneira coerente ou consistente nos diferentes contextos históricos, e porque o gênero estabelece interseções com modalidades raciais, classistas, étnicas, sexuais e regionais de identidades discursivamente constituídas. Resulta que se tornou impossível separar a noção de “gênero” das interseções políticas e culturais em que invariavelmente ela é produzida e mantida. [...]. Trecho extraído da obra Problemas de gênero (Civilização Brasileira, 2012), da filósofa estadunidense Judith Butler. Veja mais aqui e aqui.

 

HÓSPEDE DO NATAL - [...] Se os bons tempos não tivessem mudado, um copista de música como êle não teria mãos a medir, mas, ai! a gente de Varmland se desinteressava cada vez mais das melodias e das lindas árias. Dependuravam nos celeiros as guitarras, com as suas fitas desbotadas e as cravelhas já gastas, bem como as buzinas de caça, com as borlas meio desfiadas e o pó amontoava-se em camadas espessas sobre a caixa dos violinos. E à medida que a flauta e a pena de Ruster trabalhavam menos, a garrafa, que nunca o abandonava, trabalhava mais. Tornou-se um bêbedo incorrigível. Embora fosse recebido como um velho amigo, a sua chegada produzia uma certa contrariedade, e a sua saída, alegria. Estava sempre cheirando a álcool, que exalava de todos os poros, e logo ao segundo ponche, os olhos já turvos, entabolava as conversas mais desagradáveis. Era o eterno pesadelo das casas hospitaleiras. [...] Mas todas compreenderam que, muito mais do que nos pássaros, era no jovem Ruster que êle pensava, arrependido de o ter deixado partir na Noite de Natal. Meteu-se no seu quarto, fechando a porta, e ouviram-no tocar no violino árias estranhas, como nos tempos passados, quando sentia a casa estreita demais para êle; árias cheias de provocação e de mofa, plenas de torturante nostalgia. A mulher pensava: "Amanhã ir-se-á embora, se Deus não fizer um milagre esta noite. E aqui está como a nossa falta de hospitalidade produziu a desgraça que tanto queríamos evitar." [...]. Trecho extraído do conto O hóspede na noite de natal, da escritora sueca Prêmio Nobel de 1909, Selma Lagerlöf (1858-1940). Veja mais aqui.

 

UM POEMAE difama a morte. / Meu olho / É o cume do tempo, / Seu brilho beija / As barras de Deus. / E ainda vou dizer mais, / Antes que entre nós escureça. / Se, entre todos, você for o mais jovem, / Saberá do que em mim é o mais antigo. / Os mundos todos brincarão / De agora em diante em tua alma. / E a noite vai se queixar / Ao dia. / Sou o hieróglifo / Sob toda criação. / E saí a vocês, / Em causa da saudade por causa do humano. / Arranquei de meus olhos os evos do olhar, / De meus lábios, a luz vitoriosa / —Pense num prisioneiro mais difícil, / Num mago mais malvado: eis-me aqui. / Meus braços, na querença de se erguer, / TombamPoema da poeta alemã Else Lasker-Schuler (1869-1945). Veja mais aqui.

 

SOB O OLHAR DO MAR

O filme Sob o olhar do mar (2002), dirigido por Kei Kulmai e roteiro de Akira Kurosawa, conta a história de uma prostituta perdida em seus sonhos num bordel de Tóquio, em 1868. Ela apaixona-se por seus clientes, passa por situações que expõem a mentalidade japonesa, além de revelar a sensibilidade feminina, sabidamente mais apurada que a dos homens, que são retratados como superficiais, covardes e interesseiros. Mas como a vida não é maniqueísta, ela finalmente apaixona-se por um jovem que enfrentará o mar que inunda a ilha para salvá-la. Se seus clientes invadem seu corpo, sua alma permanece intacta sob a sujeira ocasional causada pelo sexo sem amor. Assim como o mar ela é maior que seus invasores. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

 


A METAFÍSICA TRILÓGICA -  A metafísica trilógica é o resultado da Trilogia Analítica – Psicanálise Integrada, desenvolvida pelo psicanalista Norberto R. Keppe Ph.D., como sendo uma nova metodologia e teoria cientifica de unificação dos campos da ciência, filosofia e teologia. Para essa teoria, no individuo corresponde a unificação do sentimento, pensamento e ações que resulta na consciência completa. A trilogia é aplicada nas áreas de psicoterapia, medicina, educação, economia, sociologia, artes, entre outros, nos três níveis psicológico, social e espiritual. O volume I da Metafísica Trilógica – A libertação do ser (1993), está baseado em Aristóteles e nos filósofos aristotélico-tomistas, desinvertendo esse setor e estabelecendo uma relação das doenças humanas e sociais com a negação do Ser. Para o autor, faz-se necessário libertar o Ser de prisões milenares, posto que finalmente os conhecimentos da teologia e filosofia integram-se à ciência. A religação à realidade dá-se por meio dos sentidos – fonte do conhecimento do mundo físico e transcendental, considerando-se o ato puro, ou seja, ação boa, bela e verdadeira que é o caminho de volta à sanidade. No volume II – Fenomenos Sensoriais Transcendentais (1994), estuda os fenômenos denominados pela parapsicologia de transcendentais, explicado por meio da ciência física – mesmo que seu fundamento se estenda ao campo da energia pura; de qualquer forma, segundo o autor, é lá que habitam os seres espirituais. De outro lado, apresenta uma nova visão sobre a origem e tratamento das doenças por meio do campo psicoenergético que abarca as grandes descobertas do século XX, da chamada rainha das ciências, a Física: Aharonov, Bohm, De La Warr, Einstein, Heiseberg, Hoaf, Plank e, principalmente, Tesla, com a descoberta sobre a energia escalar. Já no III volume – Cura através das forças energéticas (1995), trata sobre o funcionamento cerebral e as energias curativas, o verdadeiro esoterismo, as seitas, as sociedades secretas e a doença social, defendendo que: A saúde advém da conduta interna relacionada com os pensamentos corretos e sentimentos bons, que formam uma tríade perfeita, captando a energia escalara (energia essencial) que fornece o equilíbrio suficiente ao organismo psicossomático para funcionar. Veja mais aqui.

PSICÓLOGO BRASILEIRO – O livro Psicólogo Brasileiro: práticas emergentes e desafios para a formação (Casa do Psicólogo, 1994), organizado pelo Conselho Federal de Psicologia, aborda temas como as concepções e atividades emergentes na psicologia clínica: implicações para a formação, movimentos emergentes na pratica dos psicólogos brasileiros nas organizações de trabalho, formação do psicólogo na educação: dinâmica de transformação, psicologia social, psicologia do esporte, psicologia jurídica, dinâmica profissional e formação do psicólogo: uma perspectiva de integração, alguns dilemas na formação dos psicólogos: buscando sugestões de superação, entre outros assuntos. Veja mais aqui.

MEIO AMBIENTE NA ESCOLA – Para abordar a temática proposta faz-se necessário efetuar uma revisão da literatura com abordagem aos conceitos e origens da ecologia, o homem e sua ação no progresso e na degradação, as previsões da Constituição Federal de 1988, a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a LDB, o meio ambiente e a educação ambiental, a educação e os seus princípios, a educação ambiental e seus conceitos e aplicações, a transversalidade e o desenvolvimento sustentável. Veja mais aqui, aquiaqui.

DIREITO EMPRESARIAL – Para desenvolver um trabalho acadêmico na área de estudo relacionada ao direito empresarial, torna-se necessário efetuar uma revisão da literatura compreendendo os conceitos e definições de empresa, a visão de empresa no direito, as espécies de empresa, a empresa no direito comercial e o comércio com uma abordagem histórica a respeito, o desenvolvimento do comércio e o direito regulador das atividades comerciais, o direito empresarial sob as previsões do Código Civil vigentes e as alterações paradigmáticas. Veja mais aqui e  aqui.


Veja mais sobre:
Falar de Deus, Carl Gustav Jung, Charles Baudelaire, Pat Metheny, Raimundo Carrero, Aristóteles, Eric Rohmer, Leopold Schmutzler, Florence Darel, Jacqueline Saburido Garcia, as previsões do Doro & Dia da Bondade aqui.

E mais:
Direito à saúde aqui, aqui e aqui.
A miséria obscena da avareza aqui.
Brebotes nos drops arruelados aqui.
A surpresa no reino do amor aqui.
Por um novo dia & outras sacadas aqui.
Todo dia é dia do Meio Ambiente aqui.
A entrega total dos namorados aqui.
Direito Ambiental aqui.
Refém do amor aqui.
Responsabilidade Civil dos Bancos aqui.
A paixão: uso & abuso aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá
 Veja aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




HUMBERTO MATURANA, SAMANTA SCHWEBLIN, NÚRIA AÑÓ & LÍVIA FALCÃO

    TRÍPTICO DQP: Sobrevivo... – Imagem: AcervoLAM: Antes do Verbo havia o antes e era Néstogas, a o som do Concert Barbakan Festival Brat...