quarta-feira, março 28, 2018

TUIAVII DE TIAVEA, SELMA LAGERLÖF, TENNYSON, CHAGALL, IONESCO, BETINHO, ALMIR SATER & PATTI SMITH

A PAIXÃO, AH, MARIA FULÔ - Imagem: Love and life, do pintor, ceramista e gravurista surrealista judey russo-francês, Marc Chagall (1887-1985). - Ah, dos tempos de meninice, eu vivia aceso juvenil, arreado de amores pela bela Maria Fulô, a menina mais bonita do lugar. Tímido que só, arrumava jeito dela me achegar, até que uma tarde, a gente naquela de faz que não faz, sozinhos, quase lado a lado, ajeitei o gogó, pigarreei, botei a timidez pra lá e assoletrei: São Pedro dormiu, São João acordou, vamos sê compadre que SantAntonho mandou! Ela se riu, ô riso lindo da gota! Coisa mais bonita não há! Abestalhado e cheio das mesuras, fui pra lá e pra cá, ela só achando graça, era o que eu queria, oxente. Nisso, eu era o compadre dela e ela a minha comadre, e fomos brincar. Eu no fastígio todo ancho pelos arroubos da paixão avassaladora, ao lado daquela boniteza, queria mais nada não. Olhos de mar que nem aquele nunca tinha visto não. Ah, meus naufrágios! Umas barrocas na bochecha, sardas nas faces e ombros, pele branca macia, parecia mais um anjo que vinha lá do céu só pra me adorar. Ela se ria e brincava, dava pelo decote, ô moça dos peitos bonitos, dois manguitos duros de dá água na boca! Ah, como eu quero chupá-los! Ela se ajeitava, rodava que só, ô dona de coxas roliças, bem desenhadas, um encanto. E levantava a saia a cada rodada, que coisa mais linda das coisas de meu Deus, rodava a bunda-rica com todos os seus babados para eu ficar babando de queixo caído, cheiro de moça virgem perfumada de encantar o juízo de nunca mais me aprumar. Era de dia colado nos beiços dela, lábios de raros sabores, maracujá, melão, ingá, morango, cajá, ah, frutas de todo tipo naquela boca eu sugar. De tarde eu estirado entre as pernas dela, sentia o aperto dos joelhos no meio dos meus prazeres, eu queria lá saí dali, queria era ficar embaixo das saias e ali me esconder para todo o sempre. Não havia nada melhor. De noite eu já não queria dela mais desgrudar, beijos no cangote, esfregado do sarro, apalpa aqui, encosta acolá, eu só sentia era o tremido dela nuinha embaixo do vestido. Veio então assunto sério: - Meu pai quer lhe pegar! E eu só queria com ela casar. Não é isso não, meu pai vai deixar não. Num diga isso, valha-me qualquer santa da sua devoção! Eu vou pedir sua mão. Oxe, isso é coisa que se diga, vai adiantar não. E por que não? Ele quer me mandar pro convento pra você não me encontrar. Diga isso não! Se você insistir, ele vai lhe pegar. Eu enfrento ele, ora. Ah, não, o velho só que lhe capar. Danou-se! Sou Abelardo não! Nem eu Heloisa, mô fio! E agora? E eu sei! Vá-se embora que lá vem ele virado na gota! Ela correu, eu sumi, nem sei mesmo adonde foi que me escondi. Pra onde eu ia, a cabroeira chegava bufando. Valha-me o rei dos carneiros! Logo ele aparecia pra me esconder numa gruta arrodeada de ovelhas. Os algozes vinham, cheiravam, assuntavam e dali nem saíam, vigilantes. Davam por minha presença escondido nalgum lugar. Valha-me o rei dos peixes! Logo ele apareceu, me levando por um canal estreito por baixo da terra que foi dar no mar, na boca de um tubarão medonho engolido por uma baleia, tudo para me esconder. E lá vinham os caboetas, escafandros, submarinos, vigiavam tudo no fundo do mar. Será o Benedito? Valha-me o rei dos pássaros! E um gavião me tirou do tubarão e ejetado pela baleia, subiu alto no céu, atrás de longínqua nuvem guardada lá mais longe por um rei-gavião gigante. E lá vinham os cheleleus de aviões e helicópteros arrodeando a nuvem e armados até os dentes. Valha-me o rei das formigas! E me tornei uma formiga e fui pro quarto da amada, com todo cuidado, subi suas vestes e fiquei escondido na dobra da gola do vestido dela. Nem ela sabia, nem ninguém. Estava eu mais ela num rigoroso internato. Ela privada de mim, eu com saudades dela. Pelo menos estava com ela, ah, isso sim. Qual não foi a minha decepção. Um primo Adônis adentrou o recinto e ela se desmanchou toda. E eu, meu Deus, eu ali espremido pelo acocho dos braços dele por cima dela, abraços que eram meus e ela lá envolvida, triste sina minha. Sujeito mais infortunado eu sou, quase um Paulo Eiró com versos das tripas coração. E fui descendo entristecido, peguei o meu rumo ao formigueiro, voltei ao normal, um Fagundes Varela cantando Alice Guilhermina perdida no tempo. Comecei a andar sem rumo, entristecido, não sei por onde nem que tempo, sei que um dia me deparei com uma igreja em festa e lá vi, ao longe, a minha amada e o primo, contraindo matrimônio. Adeus, vida minha, vou triste estrada afora. Não sou daqui, oi, sou lá de fora, adeus linda morena, que eu já vou embora. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com a música do violeiro, compositor, cantor e instrumentista Almir Sater: Instrumental 1, Instrumental 2 & Caminhos me levem; da poeta, cantora, fotógrafa, escritora, compositora e musicista estadunidense Patti Smith: Live at Montreaux, Line in Spain & Horses; & muito mais nos mais de 2 milhões de acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIAQue importa um computador de bordo no automóvel se o grosso da população sequer tem condições de comprar uma carroça? Pensamento de José Adelino Medeiros e Lucilia Atas Medeiros, autores da obra O que é tecnologia (Brasiliense, 1993).

O TEMPO & O PAPALAGUI – [...] Só uma vez é que deparei com um homem que tinha muito tempo, que nunca se queixava de não tê-lo, mas era pobre, sujo, e desprezado. Os outros passavam longe dele, ninguém lhe dava importância. Não compreendi essa atitude porque ele andava sem pressa, com os olhos sorrindo, mansa, suavemente. Quando lhe falei, fez uma careta e disse, tristemente: "Nunca soube aproveitar o tempo; por isto, sou pobre, sou um bobalhão". Tinha tempo, mas não era feliz. O Papalagui emprega todas as forças que tem e todos os seus pensamentos tentando alongar o tempo o mais possível. Serve-se da água e do fogo, da tempestade, dos relâmpagos que brilham no céu para fazer parar o tempo. Põe rodas de ferro nos pés, dá asas às palavras que diz para ter mais tempo. Mas para que todo este esforço? O que é que o Papalagui faz com o tempo? Nunca compreendi bem embora pelos seus gestos e suas palavras, ele sempre tenha me dado a impressão de alguém a quem o Grande Espirito convidou para um fono. Acho que o tempo lhe escapa tal qual a cobra na mão molhada, justamente porque o segura com força demais. O Papalagui não espera que o tempo venha até ele, mas sai ao seu alcance, sempre, sempre, com as mãos estendidas e não lhe dá descanso, não deixa que o tempo descanse ao sol. O tempo tem de estar sempre perto dele, cantando, dizendo alguma coisa. Mas o tempo é quieto, pacato, gosta de descansar, de deitar-se à vontade na esteira. O Papalagui não sabe perceber onde está o tempo, não o entende e é por isto que o maltrata com os seus costumes rudes. Ó amados irmãos! Nunca nos queixamos do tempo; amamo-lo conforme vem, nunca corremos atrás dele, nunca pensamos em ajuntá-lo nem em parti-lo. Nunca o tempo nos falta, nunca nos enfastia. Adiante-se aquele dentre nós que não tem tempo! Cada um de nós tem tempo em quantidade e nos contentamos com ele. Não precisamos de mais tempo do que temos e, no entanto, temos tempo que chega. Sabemos que no devido tempo havemos de chegar ao nosso fim e que o Grande Espírito nos chamará quando for sua vontade, mesmo que não saibamos quantas luas nossas passaram. Devemos livrar o pobre Papalagui, tão confuso, da sua loucura! Devemos devolver-lhe o verdadeiro sentido do tempo que perdeu. Vamos despedaçar a sua pequena máquina de contar o tempo e lhe ensinar que, do nascer ao pôr do sol, o homem tem muito mais tempo do que é capaz de usar. Trechos extraídos da obra O papalagui (Marco Zero, 1985), reunião dos discursos de um chefe aborígene samoano Tuiavii de Tiavea, escrito por Erich Scheurmann (1878-1957), descrevendo a visão do chege sobre o europeu antes da Primeira Guerra Mundial, sendo o termo samoano Papalagui alusivo ao homem branco, o europeu, aquele que furou o céu.

O PÃO NOSSO - [...] O Brasil tem uma indústria com duas caras – e a mesma moeda. Moderna na tecnologia, atrasada nas relações de trabalho. Sua classe média espreme-se entre a ideologia do senhor e as agruras dos pobres. Teme o destino de um e respeita o poder do outro. A industrialização brasileira não encurtou o abismo entre pobres e ricos. Os senhores viraram empresários, mas continuaram a viver em novas versões da casa-grande. Os escravos viraram trabalhadores, mas continuaram morando na senzala, em dormitórios feitos para isolar o pobre depois do serviço. [...]. Trecho escrito pelo sociólogo e ativista dos direitos humanos, Herbert de Souza – Betinho (1935-1997). Veja mais aqui e aqui.

DE SAGA EM SAGA – [...] Sobreveio um tumulto na cabeça de Helga. Franzindo os sobrolhos, era evidente que se esforçava para lembrar-se de alguma coisa. Como era mesmo? Mas claro, lembrava-se muito daquele canivete, ela lho havia pedido emprestado para cortar uns gravetos na véspera de sua partida. Quebrara-o ao servir-se dele, mas não tivera oportunidade de comunicar-lhe o fato. Naquela ocasião ele a evitara e não desejara entabular conversa com ela. Por certo devia ter guardado o canivete no bolso sem notar que estava quebrado. Ergueu a cabeça e quis contar-lhe tudo isso, mas como ele já chegara ao relato de sua visita a Elvokra, no meio dos preparativos do casamento, preferiu deixá-lo acabar acabar. Informada de que maneira se separara ele de Hildur, achou que aquilo era uma desgraça tão terrível que se pôs a cobri-lo de censuras. Trechos extraídos da obra De saga em saga (Delta, 1962), da escritora sueca Prêmio Nobel de 1909, Selma Lagerlöf (1858-1940). Veja mais aqui.

LÁGRIMAS, INÚTEIS LÁGRIMAS - Lágrimas, inúteis lágrimas, não sei quala origem / dessas lágrimas que vêm do âmago de algum desespero divino: / brotando do coração, nos olhos vão se encontrar / para contemplar os alegres campos outonais / e recordar os dias que não voltam mais. / Frescas como o primeiro raio de sol que reflete sobre o batel / portador dos nossos amigos da Terra; / tristes como aquele derradeiro raio solar que incendeia o barco / que submerge com os nossos entes amados / tão tristes e tão frescos os dias que não voltam mais. / Ah, triste e estrano, como nas densas alvoradas estivais, / é o primeiro gorjeio dos pássaros meio despertos / aos ouvidos surdos, quando aos olhos moribundos / a vidraça vai, aos poucos, se transformando num quadro que entremostra / tão tristonhos, tão estranhos os dias que não voltam mais. / Adorados, como os beijos relembrados depois da morte, / e doces como os que fantasiou uma esperança vã / nos lábios de outrem; profundos como o amor, / penetrantes como o primeiro amor, e cubiçosos embora, com a perda, / ó morte na Vida, os dias que não voltam mais. Poema do poeta britânico Alfred Tennyson (1809-1892). Veja mais aqui.

A HISTÓRIA, O TEATRO & IONESCO
[...] A história não é a verdade. É, sobretudo, um conjunto de erros. Toda afirmação histórica é em parte verdade, em parte um grande abuso, um grande exagero, um excesso. É para além do exagero que necessitamos encontrar a verdade da afirmação. [...]
Trecho da entrevista Revelações sobre os rinocerontes, do patafísico e dramaturgo romeno, Eugène Ionesco (1909-1994). Veja mais aquiaqui e aqui.


Congresso Internacional do Livro, Leitura e Literatura do Sertão (CLISERTÃO) & muito mais na Agenda aqui.
&
Estudante sou, eterno aprendiz na vida, a literatura de José Saramago, a música de Edgar Duvivier, a fotografia de Jean Louis Marie Eugène Durieu, a arte de Maurits Cornelis Escher & Dorys Teles aqui.

ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...