quarta-feira, abril 22, 2020

MADAME DE STAËL, RITA LEVI-MONTALCINI, ELIS COSTA, COLETIVO LUGAR COMUM & MANGANGÁ


SALVE O PLANETA TERRA! É AQUI QUE VIVEMOS! - UMA: TODO DIA É DIA DA TERRA! – O planeta é a nossa morada, está muito estragado com a intervenção humana. Tenho para mim que a Terra sou eu e todos nós, o abrigo, assim que eu sinto: ela dispõe para que possamos viver e cumprir a nossa missão. Em troco, testamos bombas nos mares e desertos, poluímos tudo, destruímos os ecossistemas e insanamente proliferamos nossa destrutiva insanidade. Além disso, ainda escravizamos e abusamos uns dos outros como se entre nós pudesse haver alguém melhor ou privilegiado pela força, riqueza ou poder. Uma lição da Rita Levi-Montalcini: Não há raças, o cérebro dos homens é o mesmo. Existem racistas. Nós devemos superá-los com as armas da sabedoria. Para que eu viva em paz e em harmonia com tudo e todos, dela sigo: Melhor acrescentar vida aos dias do que dias à vida. Assim sou e voo. DUAS: DO QUE SATISFAZ E NÃO! - A vida em primeiro lugar. Não é possível que se promova a exposição humana diante de uma situação tão devastadora e letal. É impossível que se pense em vendas e lucros acima da condição humana, sobretudo numa situação emergencial. Recolho de Immanuel Kant a fala mais que apropriada neste e em qualquer momento desastroso: Eu não aceito que a ética do mercado, que é profundamente malvada, perversa, a ética da venda, do lucro, seja a que satisfaz ao ser humano. Só um louco pode desejar guerras. A guerra destrói a própria lógica da existência humana. E dele o sentimento que me faz consternado: A inumanidade que se causa a um outro destrói a humanidade em mim. TRÊS: INVENTO VIVER! - Piso o chão e sou em direção ao Sol se não houver caminhos aos ventos propícios. Persevero a cada passo e voo pelo que inexiste nas aparências, essencialmente a seguir sem ter que mensurar de tempo ou espaço. Ouço Vladimir Nabokov na minha caminhada: Invente o mundo! Invente a realidade! E assim persigo a minha trajetória, no que ele ecoa no coração: Nossa existência não é mais que um curto circuito de luz entre duas eternidades de escuridão. A vida é um grande nascer do sol. Não vejo por que a morte não deve ser uma coisa ainda maior. E renasço a cada dia. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS: Que magia a linguagem do amor toma à poesia e às belas artes! Como é belo amar pelo coração e pelo pensamento! Deixar-te penetrar pelas obras-primas da imaginação, que dependem, todas, do amor; encontrar nas maravilhas da natureza e do gênio algumas expressões a mais para revelar nosso próprio coração. Expressão da romancista e ensaísta francesa, Anne-Louise Germaine Necker, baronesa de Staël-Holstein e mais conhecida como Madame de Staël (1766-1817). Veja mais aqui.

MANGANGÁ & DICIONÁRIO HUMORÍSTICO
Não tenho medo de homem / nem do ronco que ele tem / o mangangá também ronca; vai-se ver, não é ninguém.
MANGANGÁ - Provérbio popular no Nordeste, recolhido do Dicionário humorístico (Leia, 1958), de Folco Masucci. O mangangá é um besouro muito ruidoso, que às vezes assusta, pelo barulho que faz, mas é inofensivo. Assim são certas pessoas, que fazem ameaças em altas vozes, mas se acovardam quando encontram pela frente adversários destemidos. O provérbio serve de advertência a pessoas de tal espécie. Veja mais aqui.

COLETIVO LUGAR COMUM
No Brasil, a dança sempre se organizou no sentido de companhias, com um diretor que gerenciava tudo. Só nos anos 2000 em diante é começaram a surgir os coletivos. Tentamos manter a individualidade e a força criativa de cada um, mas cientes de que estamos tentando criar juntos um algo em comum.
COLETIVO LUGAR COMUM - Ao iniciar suas atividades a partir de agosto de 2007, o grupo de dança Coletivo Lugar Comum reuniu artistas das mais diferentes linguagens, como dança, teatro, música, artes visuais, performance e literatura, tornando-se em um espaço para troca de saberes diversos na busca de propostas que tenham a potência de transformar(nos), esteticamente, politicamente, culturalmente e artisticamente. É formado por Lorena Cronemberger, Cyro Morais, Luciana Raposo, Maria Agrelli, Paloma Granjeiro, Priscilla Figueiroa, Silvia Goes, Maria Clara e Vi Laraia, agregando 14 artistas que se revezam dando aulas uns para os outros, colaborando nas criações, na produção de projetos, na discussão de textos e ideias, na realização de eventos e oficinas, entre outras atividades artístico-culturais. Em 2019, lançou a publicação Comum Singular: 10/12 anos de Coletivo Lugar Comum, organizada por Roberta Ramos, Liana Gesteira e Conrado Falbo, e construída a partir das memórias individuais de cada um, tornando-se uma retrospectiva dos anos de atuação do grupo. Veja mais aqui.

PERNAMBUCULTURARTES
Foram muitos mesmo os obstáculo quando resolvi fazer da dança a minha procissão. Mas nenhum deles se remeteu a minha condição de mulher. Sim, talvez um resquício de uma tradição antiga fizesse com que algumas pessoas, diante da minha dedicação ao trabalho e minha seriedade, estranhassem que sou bailarina. Talvez esperasse de uma bailarina alguém vulgar, rasa. Como disse, um resquício de um tempo que minha profissão era um eufemismo para puta – associação que é outra generalização. Mas quase nunca senti isso. Sempre o estranhamento foi mais direcionado ao entendimento – ou falta dele – de Dança no senso comum.
A arte da bailarina, professora, intérprete e pesquisadora Elis Costa que é licenciada em História pela UPE, Arte-Educadora pela UFPE e Universidade de Coimbra/Portugal, especializanda em Estudos Cinematográficos pela UNICAP, dedicando-se, ainda ao teatro e atuando como integrante do Meu Coletivo de Teatro e da Compassos Cia. de Danças.
A arte do artista plástico e professor Murilo La Greca (1899-1985) aqui, aqui & aqui.
A música da Orquestra Armorial e do Quinteto Armorial aqui.
A poesia de Lourdes Sarmento aqui.
O cordel de Otacilio Batista aqui, aqui & aqui.
As proezas do Biritoaldo aqui.
Cortês aqui & aqui.
 

MARTIN AMIS, PHYLLIS A. WHITNEY, ROSANA PALAZYAN & PAULA BERINSON

    Ao som dos álbuns Violão Popular Brasileiro Contemporâneo (1985), Camerístico (2007), Original (2002) e Dois Destinos (2016), do vio...