sexta-feira, agosto 24, 2018

LEMINSKI, LUC FERRY, LYGIA CLARK, NELSON RODRIGUES, HELENA MEIRELLES, IOLE DE FREITAS, VALLY NAMIDOU & PENÉLOPE


BRINCOTOSENTILÓQUIO – Imagem: Glass pieces (1975-76), da artista visual e fotógrafa Iole de Freitas. - Sejalaqueforademais, diadia qualequale, ah cabiolharanatuhumesmo, quetudopossanessaterraviva seminguar nemperecer. Sabiacantoufaztempo, seieuxexeu, quenasabesabe, sabenão. Ontemesmo, tempatrás, tuderesquisito: delapralá, decapracá. Tinhadivinhadeser, laouloa, acertapostar, umaoutra, muitoutras erescondidas. Tomouma, discartoutra. Agoroutra, muitoutroutas. Tantadenesaberaqual: primeirultima, segundavez, terceiralgo, ah trintês, quarenquatro, tempespaço queviujamorreu. Mesmassim, assadassim, obrasilabrilandapratrazempre! Remoquemangar, hahahehe! Coisaquecoisa! Piadadeprimesemgraçabril! Tampabriu, valhamedeus! Esporcorrupada, tomaladacá, essemeuesseteuessemeu, porsicadaum, maisabidispõe, lesotario chorerorô, quebrazil! Cabecendoidada tudiviés, orora, quenejeitem, neném. Tronchabu, verana. Tudofalocentricamente, tempereitoralista, voteu choralguém, tuditudinho! Vendavoto, assinembaixo, façacordo, livreseuprocto, retroutros lasquemsejá. Tudeuhem! Justinjustiça festaseja, praquem, pingagatos, privilevianagiameiduzia, soesó, seimaginodava mafegafinhos fraudestorvo, judicaviloso sobrenevolente povatrasavai, salvaflogistico compadrinhos carniçurubuquaquá, arrevali! Seutivessabracomperformatividade, cordiscernimento, dizabotoaja meimundiverdiva, adiantanão, tãotão maso ciclunar catanabólicas lualada. Gluteandam educultural, denada, postidentes, protesilha, moletaipa, paliativalvula, placebundante, volvai volteluridente, quecoisamascoisa, golpeitonatimoraticadas, eoqa, flagrotemidamente governavalha. Tardagora? Nuncanunquinha! Ah voo nenhumedo, condecisão nenhumais passerela, trevilusão sentidalgum. Apenasei, solitamanhecente, olhoje bocantos ruabertráfego novisão globamadurecer vastidabertura divinessência hojamanhã, esoteritmo pulsangue misticonsciência, sentinaveclodivina. Enquantisso, salvaime, benzodeus, maisestavali, meninamada, choventos, umpunhadágua cominhoseco, saiatrás closesquiva obscenascida sexostensivo, pelamordedeus! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com a música da violeira, cantora e compositora Helena Meirelles (1924-2005): Raiz pantaneira, Flor da Guavira, Ao vivo & Estreia álbum & muito mais nos mais de 2 milhões & 600 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais  aqui.

PENSAMENTO DO DIA – [...] quanto mais os valores tradicionais se corroem, mais ficamos dependentes e mais nos tranquilizamos consumindo. É o que já se chamava nos anos 1960 de ‘dessublimação repressiva’ [...] Como criar nossos filhos, como ‘equipá-los’ para que vençam na vida do melhor modo possível? O que significa, aliás, a expressão ‘vencer na vida’, se não a reduzirmos à dimensão puramente social e material? Que mundo nós queremos lhes deixar, legar às gerações futuras, não apenas em termos de ecologia, mas também de economia, de política, de cultura? [...]. Trechos extraídos da obra A revolução do amor: por uma espiritualidade laica (Objetiva, 2012), do filósofo francês Luc Ferry. Veja mais aqui.

CARTA A MONDRIAN - [...] a natureza me alimentou, me equilibrou quase que de uma forma panteística. Mas com o tempo, numa outra crise, já isto não adiantou e foi o “vazio pleno”, a noite, o silêncio dela que se tornou a minha moradia. Através deste “vazio-pleno” me veio a consciência da realidade metafísica, o problema existencial, a forma, o conteúdo (espaço pleno que só tem realidade em função direta da existência desta forma...). [...] não sonho porque não acredito. Não por excesso de realismo mas para mim o coletivo só existe na razão desta desordem de ordem prática e social. Se o homem não pode sentir como é importante esse desenvolvimento interior – chamemos de uma forma que nasce com a pessoa como um punho fechado, talvez se abrindo no primeiro tempo com o próprio nascimento – então ele jamais poderá atingir sua plenitude como a rosa que se abre dentro do seu próprio tempo e morre amorosamente realizada, inteligente e feliz... [...] um segredo eu vou te contar: às vezes me sinto tão desesperada, porque no momento em que “checo” este problema a solidão, o frio, “o medo do medo” me envolvem com todos os seus braços e procuram fechar este novo tempo que desabrocha na minha forma interior, amassando pétalas frescas e delicadas que levarão novo tempo para se abrirem como se abre um olho devagar, depois de ter levado um bom murro. [...] encarar esta realidade às vezes tão insuportável - "o artista é um solitário". Não importam filhos, amor, pois dentro dele ele vive só. Ele nasce dentro dele, parto difícil a cada minuto, só irremediavelmente só. [...] No momento em que o grupo foi formado havia uma identificação profunda, a meu ver. Era a tomada de consciência de um espaço-tempo, realidade nova, universal como expressão, pois abrangia poesia, escultura, teatro, gravura e pintura. Até prosa [...] Hoje a maioria dos elementos do grupo se esquecem desta afinidade (o mais importante) e querem imprimir um sentido menor a ele, quando preferem que ele cresça sem esta identidade para mim imprescindível, numa tentativa de dar continuidade superficial a este movimento. [...] Só o tempo a meu ver traria continuidade real a este movimento. [...] meu desejo é deixar o grupo e continuar fiel a esta minha convicção, respeitando a mim mesma, embora mais só que ontem e hoje, eu serei amanhã, pois as pessoas que se aproximaram um dia, há bem pouco tempo, se afastam desorientadas sem enfrentarem a dureza de estar só num só pensamento, sem resguardar o sentido maior, ético, de morrer amanhã, sozinha mas fiel a uma ideia. Diga, meu amigo: é duro, é terrível porque é deixar de ter, mesmo sem me afastar realmente do grupo, pois já se fragmentou a unidade, a verdade dura e terrível feita a sete para se multiplicar em realidades pequenas - reconfortantes por certo, às centenas. Hoje eu choro - o choro me cobre, me segue, me conforta e acalenta, de um certo modo, esta superfície dura, inflexível e fria da fidelidade a uma ideia. Carta da pintora e escultora Lygia Clark (1920-1988), extraída da obra Escritos de artistas: anos 60/70 (Jorge Zahar, 2006), organizada por Glória Ferreira e Cecília Cotrim. Veja mais aqui e aqui.

COMPLEXO DE VIRA-LATAS – [...] Mas o que nos trava é o seguinte: — o pânico de uma nova e irremediável desilusão. E guardamos, para nós mesmos, qualquer esperança. [...] E só uma coisa nos atrapalha e, por vezes, invalida as nossas qualidades. Quero aludir ao que eu poderia chamar de “complexo de vira-latas”. Estou a imaginar o espanto do leitor: “O que vem a ser isso?” Eu explico. Por “complexo de vira-latas” entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo. Isto em todos os setores e, sobretudo, no futebol. Dizer que nós nos julgamos “os maiores” é uma cínica inverdade. [...] Absolutamente. É um problema de fé em si mesmo. O brasileiro precisa se convencer de que não é um vira-latas [...] Uma vez que ele se convença disso, ponham-no para correr em campo e ele precisará de dez para segurar, como o chinês da anedota. Crônica do escritor, jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980). Veja mais aqui.

CESTA FEIRA - cesta feira / oxalá estejam limpas / as roupas brancas de sexta / as roupas brancas da cesta / oxalá teu dia de festa / cesta cheia / feito uma lua / toda feita de lua cheia / no branco / lindo / teu amor / teu ódio / tremeluzindo / se manifesta / tua pompa / tanta festa / tanta roupa / na cesta / cheia / de sexta / oxalá estejam limpas / as roupas brancas de sexta / oxalá teu dia de festa / mesmo / na idade / de virar / eu mesmo / ainda / confundo / felicidade / com este / nervosismo / eu / quando olho nos olhos / sei quando uma pessoa / está por dentro / ou está por fora / quem está por fora / não segura / um olhar que demora / de dentro do meu centro / este poema me olha. Poema extraído da obra Caprichos & relaxos (Companhia das Letras, 2016), do escritor, critico literário, tradutor e professor Paulo Leminski (1944-1989). Veja mais aqui.

A ARTE DE VALLY NOMIDOU
A arte da artista grega Vally Namidou.

AGENDA
Penélope, videodança - exibição 29/agosto, 18hs, no sarau do Centro Cultural OAB Barra -  Av. das Américas, 3.959. Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Entrada franca & muito mais na Agenda aqui.
&
O Brasil às avessas na hora da crise, a literatura de Lewis Carroll, a poesia de Cesar Leal, a psicoterapia de Carl Rogers, A loucura do trabalho de Christophe Dejours, A ansiedade de Cecil A. Poole, o Ginásio Municipal de Brivaldo Leão de Almeida, Cidade & Mobilidade Urbana aqui.


GAUGUIN, NAZIK AL-MALAIKA, ASCENSO & OSCAR MENDES, DANI ACIOLI, ALOISE BAHIA & INJUSTIÇA

TEHURA DE GAUGUIN – Chega uma hora em que se tem que se valer só de si e o que fazer da vida. Emigrei com Le mariage de Loti , e o meu ...