quarta-feira, agosto 01, 2018

WILLIAM CARLOS WILLIAMS, HERMILO, NORBERT ELIAS, EMILY BRONTË, MARCUS VIANNA, BOURDIEU, ORGANISMO & LITERATURA DE CORDEL


NO ANO PASSADO EU MORRI, MAS ESTE ANO EU NÃO MORRO – Os meus olhos de menino impava no meio do pastoril de Rabeca, os Caboclinhos de Veludo, o Bumba-meu-boi, reisado e guerreiro. Brincava nas lapinhas as solfas e trava-línguas que falavam de um Deus-menino e de outras coisas de então. Coisas de botijas, de assombrações, coisas que me faziam arranchar de noite nas abusões canavieiras no meio de um pé quebrado. Tanto medo vinham das matas, tantos bichos, malsinações, de quase ter um troço só de saber da perna cabeluda torar as orelhas de um dentuço, ficar com a braguilha de fora, pendurado numa forquilha. Até umas brincadeiras que aprendi a brincar: cara a paca pagará quem a paca cara compra. Falavam do rojão do Anselmo e da gangorra de Ventania: Salve, salve minha gente, do litoral e da mata, do agreste e do sertão! Viva o povo do Nordeste, viva o povo desse meu Brasilzão! Como não sou viajado, nem mesmo versado em redondilhas, tenho feito um pé de verso e outro de cantiga, todo sem jeito no dedilhado, imitando coisa antiga que muito ouvia falar: hoje tem enredo de Nicandro e décimas de Aderaldo, vai ter pipoco de verso e rima pra todo lado. O mourão de Fabião das Queimadas, a função de quantos Bentevis, quem quiser que bata palma, quem quiser que peça bis. Os romances de Leandro, o dez de queixo caído de Chagas, coisas que eram daqui e também de outras plagas. Tem sextilha de Preto Limão, sete pés de Serrador, quem não passou pela vida e nunca sofreu de amor. Tem ligeira de Ataíde, língua d’Angola de Hugolino, coisa para gente grande, até o mais pequenino. Tinha dez de adivinhação dos irmãos Batistas, tinha até louvação de Jessier, coisa de fazer a gente rir até não mais querer. Saltava martelo de Braulio e Vilanova, ou dez de adivinhação, ou um rojão pernambucano, outras muitas coisas então. Tinha quintilha de Romano, mourão quebradinho de Pirauá, não fique mais abestalhado como quem não sabe o que é que há. Deixe logo a mão aberta, não seja pirangueiro, só quem canta de graça é galo no terreiro. Peça pros céus a justiça e pelo justo se advoga, saiba que quando Deus não quer, não tem valia, nem voga. Chame pra perto a mulher: venha cá, minha parelha. Hoje é dia de festa, deixe de me olhar de esguelha. Cuidado que você cai e lá vai um, dois e três. Nunca olhe para trás e lá vão quatro, cinco e seis. Vai ter quadrão de Maria Tebana, décima de Zefinha do Chabocão, neste Brasil de caboco, de Mãe Preta e Pai João. Nos oito pés de quadrão, vai rolar muito repente, vivi pior no passado do que vivo no presente. Se for quadrão mineiro ou mesmo à beira-mar, para que serve o capote? Pra gente se agasalhar. Pra que serve o serrote? Para a madeira serrar! E se for quadrão trocado, meia quadra ou quadra meia, quadrão ou vai-e-vem, não seja cabra de peia, ninguém sabe de onde o amor vem. Ainda tem Xica Barrosa e Inácio da Catingueira, não se assuste nem solte os pés de banda pra não sair na carreira. Quem sabe a largura, sabe o quanto a língua fura, pra quem sabe nadar não se espanta com fundura. Quem ficar abestalhado ou de boca aberta de besteira, sem saber do sucedido que vai solto na buraqueira, vão começar com colcheia, depois das oitavas às parcelas de dez pés, vão puxar fogo no martelo no maior dos revestrés. Que seja forte o leão, que seja maior o penedo, nunca achei um rimador que me metesse algum medo. Poeta bom saiu da loca, outro igual nem ali nem acolá. Solte o mote na hora pra poder então glosar. O violeiro que é cantador ajeita a estrofe no pé ou linha, quando embolador de coco, faz melhor que qualquer rinha! Quem canta bonito faz alegria do povo, quem sofre fica apertado que nem um pinto no ovo. Se hoje é dia do Poeta de Literatura de Cordel, é dia de muita função! Se hoje é dia de cantoria, vamos ajustar a afinação! Segura os quatro pontos e oitavado, segura a cebolinha e cebolão! Orlando Tejo falou Zé Limeira, o poeta do absurdo! Aqui tem lugar pra cego, pra mudo e até pra surdo! Encontrei hoje chorando, quem riu de mim no passado. Todo velho tabaquista tem nariz enferrujado. Cante lá que eu canto cá, já dizia Patativa. Se botou mote que glose, não tem outra alternativa. Agora não é depois, não se areie, nem faça troça, quem sabe fazer bonito nunca suja qualquer roça. Se falou ou ficou calado, não se sabe quem é quem, ninguém sabe pronde é que a gente vai quando a morte vem. É que todo ano renasço e morro, só que este ano nasço, fico pra semente e desmorro. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com a música do violinista, tecladista e compositor Marcus Vianna: Suíte Pantanal, Música para os quatro elementos, Sinfonia dos sonhos & Sete vidas, amores e guerras & muito mais nos mais de 2 milhões & 500 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais aqui, aqui e aqui.

PENSAMENTO DO DIA – [...] A rede de interdependências entre os seres humanos é o que os liga, elas formam o nexo do que é aqui chamado configuração, ou seja, uma estrutura de pessoas mutuamente orientadas e dependentes. Uma vez que as pessoas são mais ou menos dependentes entre si, inicialmente por ação da natureza e mais tarde através da aprendizagem social, da educação, socialização e necessidades reciprocas socialmente geradas, elas existem, poderíamos nos arriscar a dizer, apenas como pluralidades, apenas como configurações. [...]. Trecho extraído da obra O processo civilizador: Uma história dos costumes (Zahar, 1994), do sociólogo alemão Norbert Elias (1897-1990). Veja mais aqui.

O ESTADO & O CIDADÃO – [...] revela o caráter ambíguo do processo de onde saiu o Estado moderno e desse próprio Estado: o processo de concentração (e de unificação) é sempre, simultaneamente, um processo de universalização e um processo de monopolização, sendo a integração a condição de uma forma particular de dominação, esta que se realiza na monopolização do monopólio estatal (com a nobreza de Estado). [...] A construção da nação como território juridicamente regulado e a construção do cidadão ligado ao Estado (e aos outros cidadãos) por um conjunto de direitos e deveres vão par a par. Mas o campo burocrático é sempre mais o lugar e o objeto das lutas, e o trabalho necessário para garantir a participação do cidadão na vida pública — e em particular na política oficial, como dissenso regulado — deve se prolongar numa política social, esta que define o Welfare State, visando garantir a todos as condições mínimas econômicas e culturais (com a iniciação aos códigos nacionais) do exercício do direito do cidadão, assistindo, econômica e socialmente, e disciplinando. A edificação do Welfare State supõe uma verdadeira revolução simbólica, que tem como centro a extensão da responsabilidade pública no lugar da responsabilidade privada. Trecho extraído da obra Sobre o Estado (Schwarz, 2012), do sociólogo francês Pierre Bourdieu (1930-2002). Veja mais aqui.

O MORRO DOS VENTOS UIVANTES – [...] Vendo-os parar um instante diante da porta, para olharem uma última vez para a lua — ou, melhor, um para o outro, banhados pelo luar —, senti-me novamente impelido a ir embora; e, enfiando uma lembrança na mão da Sra. Dean, não obstante os seus protestos, saí pela cozinha no exato momento em que eles abriam a porta de entrada — e teria confirmado a opinião de Joseph quanto às indiscrições da velha colega, se ele não tivesse considerado como prova da minha respeitabilidade o soberano de ouro que lhe atirei aos pés. Meu caminho de volta foi alongado por um desvio na direção da igreja. Uma vez dentro dela, percebi quanto envelhecera em apenas sete meses: muitas janelas mostravam buracos negros, destituídos de vidraças; e, aqui e ali, telhas saíam fora da linha do telhado, candidatando-se a serem arrancadas pelas próximas tempestades de outono. Procurei, e logo descobri, as três lápides na encosta próxima à charneca: a do meio, cinzenta e meio enterrada na urze; a de Edgar Linton, com a grama e o musgo trepando-lhe pela base — e a de Heathcliff, ainda nua. Demorei-me a contemplá-las, sob aquele céu clemente, a ver as borboletas esvoaçando por entre a urze e as campânulas, a ouvir a brisa suave soprando através da relva e a pensar como poderia alguém imaginar, sequer, sonos agitados sob aquela terra. [...] Trecho extraído da obra O morro dos ventos uivantes (Abril, 1971), da escritora inglesa Emily Brontë (1818 – 1848). Veja mais aqui.

TRES POEMAS - MULHER DIANTE DE UM BANCO - O banco é uma questão de colunas, / tal como. a convenção, / e não a invenção; mas os frontões / lá estão sob o sol / para acalmar as dúvidas / de investimentos "sólidos / como rocha" sobre os quais o mundo / se firma, o mundo da finança,/ o único mundo: Logo ali, / conversando com outra mulher enquanto / embala um carrinho de criança / de lá pra cá está uma mulher com um / vestido rosa de algodão, sem meias / nem chapéu; as pernas nuas / são duas colunas sustentando / seu rosto, como o de Lênin (o cabelo / frouxamente preso muito louro) ou / de Darwin, e aí / está: / mulher diante de um banco. AS NOVAS NUVENS - A manhã quando eu primeiro te amei / tinha uma qualidade de delicada divisão a respeito e / uma leveza e uma luz repleta de/ pequenas nuvens todas crescendo sobre o / chão que as criou, uma luz de / palavras num céu de papel, cada uma um significado / e todas juntas outro significado. Foi uma fala / quieta, tranquila mas reminiscente / e de preces — com uma perturbação / da espera. Sim! uma página grudada / por tudo aquilo não era, um significado mais / que significado do que o do texto cujas / pontas separadas eram as pontas do céu. ELA QUE VIRA A CABEÇA - Ela vira a cabeça / para respirar o ar da manhã / o abril brilhante em sua / face pálida / e seu cabelo amarelo / Ei, olhe! eles se viram / de sua brincadeira / Olhe! a recordação da / noite / atingida pelo dia / Como alguém que veio / do baile / seminua sob as luzes / ela arranca / suas roupas as joga / e luta para parecer / indiferente diante da / poderosa superioridade / desse / sonho extravagante. Poema do poeta estadunidense William Carlos Williams (1883-1963). Veja mais aqui.

ORGANISMO
O filme Organismo, de Jeorge Pereira, conta história de um jovem tetraplégico que se vê sozinho em casa, após a morte fulminante da mãe, com a difícil missão de sobreviver dias sem se alimentar até que alguém o socorra. Imobilizado devido a sua condição física, busca em seu passado e em um possível futuro, num fluxo de consciência atemporal de memórias da infância, relações amorosas, desejos íntimos e conflitos pessoais, novos alicerces para uma vida que inicia na aceitação de um novo corpo. Destaque para a atriz Bianca Joy Porte.

AGENDA
A arte de Hermilo Borba Filho & muito mais na Agenda aqui.
&
A obra de Hermilo Borba Filho aqui, aqui, aqui , aqui e aqui
&
Literatura de Cordel aqui e aqui.
&
Fui ali, já voltei, ói eu aqui traveiz, a literatura de Graciliano Ramos, a educação de Edgar Morin & José Carlos Libâneo, o pensamento de Howard Becker & José Roberto dos Santos Bedaque, a arte de Russell Kaplan, Sara Riches & Massimiliano Ligabue & muito mais aqui.


MARTIN AMIS, PHYLLIS A. WHITNEY, ROSANA PALAZYAN & PAULA BERINSON

    Ao som dos álbuns Violão Popular Brasileiro Contemporâneo (1985), Camerístico (2007), Original (2002) e Dois Destinos (2016), do vio...