sábado, dezembro 23, 2017

HESSE, EDUARDO GALEANO, KOESTLER, SAGRAMA, MAUDE DAVEY, MYRIAM FRAGA, MARINA DE LA RIVA, LIZ HILL & LAPINHA.


TODOS EM REVERÊNCIA, LAPINHA - Salve, salve, paratodos! Vamos todos então saudar! Da véspera para o dia, qualquer dia é Natal! Felicidade paratodos, meu senhor, minha senhora, vamos todos seguir em frete, que o coisa ruim não entra em casa que tem Lapinha! Ali tem Árvore de Natal, respeito é bom e eu gosto! Vambora pras Folias de Reis! Depois do Pastoril, lá vem o Reisado! Ô de casa, ô de fora! Maria vai ver quem é! São os cantadores de Reis, quem mandou foi São José! U-hu, entremeio do Bumba, os enfeites nos trajes, chapéu enfeitado de fitas, as gafurinhas e os espelhinhos por amuletos e capas de cetim, as peças dançadas, cantadas e contadas de amor e guerra, a vibração das espadas aos toques do maracás: todo o mal que vem e volta, e o mau, chô pra lá! Eita, lá vem Guerreiros multicoloridos, segura sanfoneiro e tocadores de tambor e ganzá, os chapéus e diademas, os à paisana e o que é que há? Miçangas e lantejoulas, o bailado da ressurreição com pedidos de abrição de porta, entrada de sala e louvação, o doido ou mata-mosquito: Abre a porta, pastorinha, que eu venho é com alegria! Te ajoelha, guerreiro, vai cumprir a tua sina! Seu papa-mosquito, donde vem? Tô matando mosquito pro seu bem! Viva a Lira, viva a Estrela de Ouro, viva a nossa Barbuleta e a Rainha Imperiá! Olê, olá viva nosso Índio Perí que é o dono deste arraiá! Ih, lá vem a Chegança: E assustado / Dei um pulo da rede / Pressenti a fome, a sede / Eu pensei: "vão me acabar" / Me levantei de borduna já na mão / Ai, senti no coração / O Brasil vai começar! Agora é Fandango com a Nau Catarineta que tem muito pra contar! Avistas terras de Espanha ou areias de Portugal? Sai-te pra lá, gageiro dos infernos, e não me faça mal! Olha os Caboclinhos, pinoteiam às gesticulações no bailado do pífano, ganzá e reco-reco, seguindo o rezador Caboco-velho, rezador de sentinelas pra enfrentar a morte! O cabaçal dos pifeiros fazem a festa, ambos biritados, encheram a cara de cachaça, dando dor de cabeça, vão terminar sendo expulsos e acabar a brincadeira. Olha o Maracatu! Tum dum dum, Tum dum dum, Tum dum dum! Agora é Bumba-meu-boi! De Mateus & Bastião, o morto-carrega-o-vivo, a burrinha e o Capitão, Caipora e Chorão! O Cabeceira puxa a rima do mote, pronto pra logo glosar! Eita que o boi morreu e já está vivo de novo! Eita, esse legado das usanças aprendidas! É Caretada na Bahia, o roubo do boi no Maranhão, o Reisado nas Alagoas, o Boi Calemba de Natal, o Lambe-sujo de Sergipe, o Boi-de-Reis do Ceará e Piauí, todo meu Pernambuco, viva o folclore do Nordeste! Isso é de dia vinte e quatro de dezembro até a Festa de Reis, em janeiro! Por enquanto, é hora da confraternização: quem levou o pé na goela de ficar com a língua de fora, as pisadas no calo, comeu carne de pescoço ou deixou as tripas fora, também os que se engalfinharam o ano inteiro, é chegada a hora, cada qual seu salseiro, as manguinhas de fora pra pedir perdão! Menino, isso é uma falsidade dos diabos! Diga isso não, rapaz! É hora de comemorar o nascimento de Jesus! Vixe, que é mesmo! Então vamos lá! Anunciação: Meu senhor, minha senhora, dê-me cá sua atenção, que eu venho trazer-lhe novas, não é não tapiação: hoje nasceu Jesus, Jesuisinho, o menino da nossa salvação! Lá está no firmamento, a estrela-guia por sinal, esse é o grande momento, pra gente fazer o Natal! Vamos todos pro Presépio, quem não tem vai de Lapinha, cada qual faz do seu jeito, que eu aqui faço a minha! Faço aqui meu ofertório, dou minha alma e meu quinhão, agradeço aos senhores e senhoras, pela sua atenção! Já vou embora, mas sei que vou voltar. Amor não chora, se eu volto é pra ficar! É Paz sobre a Terra e a todos a Felicidade, cantam todos tão felizes, pois é noite de Natal! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com o grupo de música instrumental SaGrama, formado por professores do Conservatório Pernambucano de Música e integrado Sérgio Campelo (flauta e piccolo), Frederica Bourgeois (flauta), Jônatas Zacarias (clarinete), Claudio Moura (viola nordestina e violão), Fábio Delicato (violão), Thiago Fournier (contrabaixo), Antonio Barreto (marimba, vibrafone e percussão), Gilberto Campelo (percussão) e Neide Alves (percussão): Engenho & Auto da Compadecida; e a cantora Marina De La Riva: Central Constância. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIA - De um mesmo tronco criou Deus todas as famílias, tribos e idiomas. Seus são todos os templos e altares, embora, imenso seja o império do homem. E ainda que alguns desprezem outros, em essência são irmãos pelo sangue, e aprenderão em algum dia crucial como trilhar uma senda comum. Pensamento do escritor estadunidense Henry Burke Robins (1874-1942).

A CIÊNCIA E A ORTODOXIA - [...] A matriz coletiva da ciência, em certo momento, é determinada por um conjunto de instituições que incluem universidades, sociedades de cientistas e, mais recentemente, os corpos editoriais de jornais técnicos. Como outras instituições, elas se inclinam consciente ou inconscientemente pela preservação do status quo – em parte porque as inovações não-ortodoxas se constituem numa ameaça para sua autoridade, mas também pelo medo mais profundo de que o edifício intelectual, tão laboriosamente erigido, possa cair sob seu impacto. A ortodoxia corporativa tem sido a maldição dos gênios, de Aristarcos a Galileu, Harvey, Darwin e Freud. Ao longo dos séculos, suas falanges têm defendido tenazmente o hábito, em oposição à originalidade. [...]. Trecho extraído da obra The Act of Creation (Dell, 1967), do jornalista, escritor e ativista político judeu húngaro, Arthur Koestler (1905-1983). Veja mais aqui.

JANELA SOBRE A PALAVRA – [...] Os contadores de histórias, os cantadores de história, só podem contar enquanto a neve cai. A tradição manda que seja assim. Os índios do norte da América têm muito cuidado com essa questão dos contos. Dizem que quando os contos soam, as plantas não se preocupam em crescer e os pássaros esquecem a comida de seus filhotes. [...] No Haiti, não se pode contar histórias de dia. Quem conta de dia merece desgraça: a montanha jogará uma pedra em sua cabeça, sua mãe só conseguirá andar de quatro. Os contos são contados de noite, porque na noite vive o sagrado, e quem sabe contar conta sabendo que o nome é a coisa que o nome chama. Em guarani, ñé ~ e signifca “palavra” e também significa “alma”. Crêem os índios guaranis que os que mentem a palavra ou a dilapidam, são traidores da alma. [...] Magda Lemonnier recorta palavras nos jornais, palavras de todos os tamanhos, e as guarda em caixas. Numa caixa vermelha guarda as palavras furiosas. Numa verde, as palavras amantes. Em caixa azul, as neutras. Numa casa amarela, as tristes. E numa caixa transparente guarda as palavras que têm magia. Às vezes, ela abre e vira as caixas sobre a mesa, para que as palavras se misturem do jeito que quiserem. Então, as palavras contam para Magda o que acontece e anunciam o que acontecerá. Trechos extraídos da obra As palavras andantes (L&PM, 1994), do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano (1940-2015). Veja mais aqui, aqui e aqui.

VIAGEM AO ORIENTE - [...] Este homem simples tinha algo de tão agradável e discretamente atranete que atraíra a estima geral. Cumpria suas obrigações com alegria contagiante, quase sempre cantando ou assobiando, e jamais era visto, exceto quando dele precisávamos – em suma, o servidor ideal. Além do mais exercia enorme atração sobre os animais. Quase sempre fazíamo-nos acompanhar de um cão, que a nós se incorporava por causa de Leo. Era capaz de domesticar pássaros e atrair boborletas sobre seu corpo. Seu objetivo era encontrar a chave de Salomão, com a qual seria capaz de compreender a linguagem dos pássaros e que o conduzira ao Oriente. [...] Leo parecia tão simples e natural, tão saudável, enfim, um amigo inteiramente desinteressado. [...]. Estava em toda parte e em parte nenhuma. [...] por que os artistas geralmente pareciam semi-existir, ao passo que suas obras permaneciam tão incontestavelmente vivas. Leo fitou-me com surpresa, deixou então escapar-lhe das mãos o cãozinho com que brincava e respondeu: - Acontece o mesmo com as mães. Ao gerarem os filhos, amamentá-los e torná-los belos e fortes, elas próprias passam à insignificância e ninguém mais por elas se inquieta. – Mas isto é muito triste – disse eu, sem refletir profundamente sobre o fato. – Não creio que seja mais triste que tudo o mais – retrucou Lei. – Talvez seja triste ao mesmo tempo belo. A lei assim o determina. – A lei? – indaguei, curioso. – De que lei está falando, Leo? – A lei de servir. Quem desejar viver muito deve servir, mas aquele que desejar governar não viverá por longo tempo. – Então por que tantas pessoas lutam para governar? – É que elas não compreendem. São poucos os que nascem para governar: estes vivem sempre felizes e saudáveis. Todos os demais que se tornam senhores através do esforço morrem sem nada. – Como nada, Leo? – Em um hospital, por exemplo. Não consegui compreendê-lo muito bem, mas suas palavras ficaram-me na lembrança e me fizeram julgar que Leo sabia todas as coisas, talvez mais do que nós, ostensivamente seus senhores. [...]. Trechos extraídos da obra Viagem ao Oriente (Civilização Brasileira, 1971), do escritor alemão Hermann Hesse (1877 – 1962). Veja mais aqui.

DOIS POEMAS1 - Fonte: A vida que passou / - água tombada / dos bordos / de tua taça. / O eterno fluir, / ó farfalhar de asas... / - Pássaros nascendo, / invisíveis, das águas. / Tua concha como / um cálice / borbulante, intocado, / música de sombras verdes / teu murmúrio em cascata. / E o tempo, o tempo, / o tempo... / gotejando sua mágoa. 2 – Possessão: O poema me tocou / com sua graça, / com suas patas de pluma, / com seu hálito / de brisa perfumada. / O poema fez em mim / o seu cavalo; / um arrepio no dorso, / um calafrio, / uma dança de espelhos / e de espadas. / De repente, sem aviso, / o poema como um raio, / - Elegbá, pomba gira! / Me tocou com sua graça. / Aceso como chicote, / certeiro como pedrada. Poemas da escritora e jornalista Myriam Fraga (1937-2016).

A ARTE DE MAUDE DAVEY
My Life in the Nude (2013), espetáculo da atriz, diretora, escritora e professora australiana Maude Davey.

Veja mais:
Papai Noel amolestado aqui
Crônicas Natalinas aqui.
Ato de Natal de Hermilo Borba Filho aqui.
Conto de Natal de Rubem Braga aqui.
Véspera de Natal aqui.
A poesia de Gregório de Matos Guerra aqui, aqui & aqui.
A literatura de Tomasi di Lampedusa aqui.
A poesia de Ledo Ivo aqui, aqui & aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A ARTE DE LIZ HILL
A arte da pintora, fotógrafa e escultora Liz Hill.



JUDITH SCHALANSKY, TRIIN PAJA, ANNA LEMBKE, VCA & CRÔNICA NA ESCOLA

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Morning Star (2021), Beethoven: Piano Sonatas nº 3 in C Major, Op. 2 & nº 16 in G Major, ...