terça-feira, dezembro 19, 2017

NIETZSCHE, CALLADO, TEILHARD DE CHARDIN, EUCLIDES DA CUNHA, AL DI MEOLA, PETRARCA, ALISA WEILERSTEIN, NATHAN OLIVEIRA, BRIAN BOOTH CRAIG & CULTURA DE PERNAMBUCO

TANTO JUNTOU & BABAU! – Imagem: Alongtimealone, do pintor, gravurista e escultor estadunidense Nathan Oliveira (1928-2010) - Anclotinato era tinhoso, sabido, astucioso, menino feito os pés da doida, duma vivacidade surpreendente. Tanto que foi crescendo de ninguém se dar conta, aprendeu a ler na cacunda dos outros e a escrever com a munheca alheia. De tão liso, passava pito, chegava na frente, maior mangação: se era pintomba, aos cachos mais que qualquer; manga rosa, de tuia; abacate, aos montes. Vendia de tudo, até do vizinho. Juntava os trocados escondidos a sete chaves, ninguém que soubesse. Esmolava até, se possível, só pra dar o gostinho de manhar engodo. Mais taludo, fazia que dava com a direita o que escondia com a esquerda, ladino, enrolador. Tapiava todo mundo, incólume. Adolescia engabelando quem lhe aparecesse na frente, e na maior lábia aplicou das suas e embuchou uma, duas, três. Quando falaram em casório, ele deu maior pinote. E assim foi, daqui pra acolá, engravidando as achegadas. Nem sabia dos rebentos até o dia que aportou em Alagoinhanduba e o seu cerco se fechou. Danou-se! Casar de mesmo, nunca; amancebou-se com uma das reboculosas vítimas, produzindo uma infieira de bruguelo de não ter mais fim. Trocava de mulher, bastava não querer mais da encheção de saco. Ardiloso, jamais perdia tempo nem sucumbia em contratempos, aprontava e só. Chegava a hora dos meninos pra escola, e ele: Eu só estudei até a segunda série ginasial e aprendi de tudo com a vida, a minha escola é a vida. A mulher insistia, ele botou a filharada em escola pública, era de graça. Gastar não era com ele, nunca gostou de perder nada, mesmo quando foi reprovado três vezes no segundo ginasial, abandonando e aprendendo com a cara e a coragem o que pra ele era o suficiente para aprender: tirar proveito dos bestas e enricar, só. Acossado pelo desvio de um dos rebentos metido a sabochão, ele berrou: Menino, vá pra escola pra ser gente, vá! Nem deu tempo o menino virar as costas e ouvir dele: Se eu descobrir quem inventou estudo, eu mando matar. O menino saiu confuso, o que aprendia na escola, desaprendia com ele. Mais tivesse de desatino, mais disparate prosperava. Exemplo que é bom, ao contrário. Até o dia que ele botou todos os filhos que tinha por enteados pra correr mundo afora. Ficou sozinho na sua mancebia, lapadas e peiadas diárias, com prevenção pra não vê-la mojada. Esperto, sequer sabia o que possuía, tudo oculto, ninguém que desse ciência, valha-me, nada de olho gordo no seu quinhão, para tanto, lamuriava muito, maldizia da vida, sempre a provocar a caridade de desavisados. Mão de figa, ralhava a mulher da vez. Ele, nem nem. Um dia ele teve um troço e bateu as botas. Fizeram farra nas sua fortuna, um tesouro quase perdido, agora festa nos seus restos mortais. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com o guitarrista estadunidense Al di Meola: One of These Nights & Jazzwoche Burgghausen; e da violoncelista clássica estadunidente Alisa Weilerstein: Haydn Concert in D major MVT 1 & Hindemith Cellokonzert HR-Sinfonie Orchester. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIA - Mal estamos emergindo de nossos ancestrais irracionais, motivo de nossas comuns recaídas animais. A humanidade ainda não está senão na aurora de sua existência. Pensamento do filósofo, paleontólogo e teólogo francês Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955). Veja mais aqui.

ECCE HOMO - [...] O dizer sim à vida, mesmo em seus problemas mais estranhos e difíceis; a vontade de viver, no rehozijo sobre sua própria inexauribilidade, e mesmo no próprio sacrifício de seus tipos mais altos – isso é o que eu chamei dionisiaco, isso é o que compreendi como a ponte para a psicologia do poeta trágico. Não com fim de nos livrarmos do terror e da piedade, não com o fim de nos purgarm,os de uma emoção perigosa através de sua liberação [...] mas com o fim de sermos nós mesmos a eterna alegria de destruir, além do terror e da piedade – essa alegria que inclui até a alegria de destruir [...]. Trecho da obra Ecce homo: Wie man wird, was man ist (1888 – Como tornar-se o que se é – Simões, 1957), do filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900). Veja mais aqui, aqui & aqui.

REFORMA AGRÁRIA - [...] Existe no Brasil um passe de mágica interlectual, ou um truque epistemológico que consiste no seguinte: problemas antigos e que continuam sem solução são dados como resolvidos. Ou passam à categoria de problemas chatos, obsoletos. Arrisca-se, por isso, a um certo ridículo quem fala ainda em reforma agrária no Brasil, o argumento principal sendo que a agricultura hoje nada mais é do que a parte antiquada da agroindústria moderna. A indústria domina o campo e as multinacionais, a indústria. Falar em camponês, parceiro, meeiro, peão – prossegue o argumento – seria falar nos direitos do servo da gleba, escudeiros ou palafreneiros. [...] Trechos extraídos da obra Entre Deus e a vasilha: ensaio sobre a reforma agrária, a qual nunca foi feita (Nova Fronteira, 2003), do jornalista, romancista, biógrafo e dramaturgo Antonio Callado (1917-1997). Veja mais aqui, aqui & aqui.

OS SERTÕES - [...] Não vimos o traço superior do acontecimento. Aquele afloramento originalíssimo do passado, patenteando todas as falhas da nossa evolução, era um belo ensejo para estuarmo-las, corrigirmo-las ou anularmo-lãs. Não entendemos a lição eloqüente. Na primeira cidade da República, os patriotas satisfizeram-se com o auto-de-fé de alguns jornais adversos, e o governo começou a agir. Agir era isso – agremiar os batalhões. [...]. Trecho da obra Os sertões (Francisco Alves, 1936), do escritor e jornalista Euclides da Cunha (1866-1909). Veja mais aqui, aqui & aqui.

SONETO - Vós que escutais em rimas espalhado / deste meu peito o suspirado ardor / e que o nutria ao juvenil error / quando era muito divbersoo meu estado; / o incerto estilo por quê eu hei variado / entre a vã esperança e o vão temor, / se vós houverdes entendido amor / terá vossa piedade despertado. / Vejo que a todos meu amor assim / quase sempre foi fábula somente. / E agora eu, de mim mesmo me envergonho. / De minha vida vã vergonha é o fim / e o arrepender-se e o ver mui claramente / quanto aparaz ao mundo é breve sonho. Poema do livro Sonetos (Sol Negro, s/d), do escritor, intelectual humanista e filosofo italiano Francesco Petrarca (1304-1374). Veja mais aqui e aqui,.

MAPA CULTURAL DE PERNAMBUCO
Veja aqui.

Veja mais:
A música de Edith Piaf aqui & aqui.
O teatro de Jean Genet aqui e aqui.
A poesia de Manoel de Barros aqui e aqui.
A literatura de Emily Brontë aqui.
A literatura de Rubem Braga aqui, aqui & aqui.
Livros do Nitolino aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A ARTE DE NATHAN OLIVEIRA
A arte do pintor, gravurista e escultor estadunidense Nathan Oliveira (1928-2010).

AS ESCULTURAS DE BRIAN BOOTH CRAIG
Art by Brian Booth Craig.
 

DIAS GOMES, MARIA RITA, JANNA SHULRUFER, I-POEMA & MAMÃO

O AMOR DA JUMENTA – Art by Janna Shulrufer - Aquele reles sujeito a quem todos tratavam pelo apelido chistoso de Mamão, era um sujeito se...