quinta-feira, julho 02, 2015

HESSE, WISLAWA, XENÓFANES, GLUCK, JALIL, GEIGER, MARILYN, BIA SION & BIG SHIT BÔBRAS.


VAMOS APRUMAR A CONVERSA? NEM TE CONTO! - O Doro depois de tanto pelejar pela vida, passou a dar uma de conformado, só na zona de conforto e a tudo referenciado como normal. Parece que o cara definitivamente ficou às sopas, no limbo da ocasião. Não dá outra, seja o que for, ele tasca: - É normal. Para até disco arranhado na radiola. Pra se ter ideia, ele passou duas horas na fila bancária para receber a mixaria, quando um outro revoltado baixou o decoro na maior palmatória do mundo: - Isso é um vitupério! Nesse banco não se respeita o direito do consumidor! -, e virou-se pro Doro com a maior cara de interrogação. E ele, como se não estivesse nem aí para quem pintou a zebra, na maior cara lisa, balbuciou o refrão: - É normal. O cara saiu revoltando xingando todos os seus antepassados. Até o Robimagaiver, pariceiro da mesma laia e moquém, chegou todo trombudo e na maior apertura, reclamando em ponto de bala: - Rapaiz, tô qui nem capim: quando não chove, não nasce; quando nasce o boi come! -, e ele, como se dissesse que quem tem cabeça de cera não se expõe ao sol, simplesmente largou de forma peculiar: - É normal. Deu nos nervos do parceiro. Ninguém aguentava mais aproximar-se dele que tudo, para ele, estava nos conformes da normalidade. Subiu a conta da luz? Normal. Aumento da gasolina? Oxe. Presunto sumido achado no matagal? Comum. Carestia comendo no centro? Nada demais. Foi aí que Zé Corninho apareceu virado na breca pela constatação de que a sua décima segunda esponsal havia lhe coroado com duas de quinhentos. O Doro, como sempre, pra seu consolo, remediou o seu: - É normal. – Normal, uma porra! -, azedou Zé Corninho: - Chifre de corno ninguém vê, mas que desarruma o juízo, isso faz! E saiu jurando que se ele só tinha dois votos, acabou de perder todos. E ele de si pra si: - É normal, eu num mi inlegeria mermo! Será o Benedito? Não, é a hipnose do Big Shit Bôbras, mesmo! E vamos aprumar a conversa! Veja mais aqui e aqui.

Imagem: A reclining female nude, do artista plástico húngaro Richard Geiger (1870-1945).

Curtindo a ópera Orfeo ed Euridice (Philips, 1994), do compositor alemão Christoph Willibald Gluck (1714-1787), performer Sylvia McNair & Monteverdi Choir Orchestra & English Baroque Soloists, conductor John Eliot Gardiner. Veja mais aqui, aqui e aqui.

A NATUREZA, ELEGIAS & SÁTIRAS - O poeta, sábio e rapsodo grego Xenófanes de Colofão (570-528aC), foi o fundador da escola eleática expondo suas concepções filosóficas em um poema doutrinal A Natureza, do qual só restam fragmentos. Criticou severamente o politeísmo e o antropomorfismo de Homero e Hesíodo, lançando as bases do monismo, acósmico, caracterizada pelos eleatas. A sua filosofia foi toda escrita em versos, entre eles destaco Ateneu X: Agora o chão da casa está limpo, as mãos de todos / e as taãs; um cinge as cabeças com guirlandas de flores, / outro oferece odorante mirra numa salva; plena de alegria, ergue-se uma cratera, / à mão está outro vinho, que promete jamais faltas, / vinha doce, nas jarras cheirando a flor; / pelo meio perpassa sagrado aroma de incenso, / fresca é a água, agradável e pura; / ao lado estão pães tostados e suntuosa mesa / carregada de queijo e espesso mel; / no centro está um altar todo recoberto de flores, / canto e graça envolvem a casa. / É preciso que alegres os homens primeiro cantem aos deuses / com mitos piedosos e palavras puras. / Depois de verter libações e pedir forças para realizar / o que é justo – isto é que vem em primeiro lugar -, / não é excesso beber quanto te permita chegar / à casa sem guia, se não fores muito idoso. / É de louvar-se o homem que, bebendo, revela atos nobres / como a memoria que tem e o desejo de virtude, / sem nada falar de titãs, nem de gigantes, / nem de centauros, ficções criadas pelos antigos, / ou de lutas civis violentas, nas quais nada há de útil. / Ter sempre veneração pelos deuses, isto é bom. Veja mais aqui e aqui.

O LOBO DA ESTEPE – O romance O lobo da estepe (Der Steppenwolf, 1927 - Record, 1995), do escritor alemão e Prêmio Nobel de 1946, Hermann Hesse (1877-1962), conta a história de outsider e misantropo de meia idade, alcoolátra e intelectualizado, angustiado por não ver saída da tormentosa condição e que se envolve em incidentes fantásticos e inesperados que o conduzem ao despertar de um longo sonho ao conhecer uma mulher e um músico, numa história surpreendente. Da obra destaco o trecho: [...] Quando voltei a mim, vi Mozart sentado ao meu lado como antes, tocando-me nos ombros e dizendo-me: — Acabou de ouvir a sentença. Já pode ir-se acostumando a ouvir a música de rádio desta vida. Isso lhe fará bem. O senhor é extraordinariamente mal dotado, não passa de um cabeça-dura; mas irá compreendendo pouco a pouco o que se espera do senhor. Tem de aprender a rir, isso é o que se exige. Tem de compreender o humor da vida, o humor patibular. Mas, é claro, o senhor está preparado no mundo para tudo, menos para o que se lhe pede! Está preparado para matar mocinhas, para deixar-se julgar solenemente, decerto também está preparado para mortificar-se durante cem anos e mesmo flagelar-se, não é verdade? — É verdade! Estou preparado de todo o coração — exclamei em minha miséria. — Naturalmente! O senhor está disposto a qualquer tolice que careça de humor, meu caro; para tudo o que seja patético e destituído de graça. Mas eu não estou disposto a dar-lhe nem wcapfennig por toda a sua romântica penitência. O senhor quer ser julgado, quer que lhe cortem a cabeça, ó sanguinário! Por esse estúpido ideal seria capaz de dar outras dez punhaladas. O senhor está disposto a morrer, seu covarde, mas não a viver. Ao diabo! mas terá de viver! Seria bem merecido que o condenássemos ã pena máxima. — Oh! e qual seria essa pena? — Podíamos, por exemplo, ressuscitar a moça e casá-lo com ela. — Não, a isso não estaria disposto. Seria uma desgraça. — Como se não fosse uma desgraça toda a confusão que o senhor já preparou! Mas vamos acabar de vez com todo o patético e os golpes mortais. Já está na hora de ser razoável. O senhor tem de viver e aprender a rir. Tem de aprender a escutar a maldita música de rádio da vida, tem de reverenciar o espírito que existe por trás dela e rir-se da algaravia que há na frente. É tudo o que exigimos do senhor. Lentamente, por entre dentes cerrados, perguntei: — E se eu não me submeter? E se eu vos negar, Sr. Mozart, o direito de dispor do Lobo da Estepe e de vos imiscuirdes em meu destino? — Então — disse Mozart, calmamente — eu o convido a fumar um dos meus maravilhosos cigarros. Dizendo isto, e enquanto tirava num passe de mágica um cigarro do bolso do colete e mo oferecia, deixou de ser Mozart, e fitando-me calidamente com seus olhos exóticos, converteu-se em meu amigo Pablo, bem assim no homem que me havia ensinado a jogar com as figurinhas no tabuleiro de xadrez. — Pablo! — exclamei, palpitando. — Pablo, onde estamos? Pablo deu-me o cigarro e ofereceu-me fogo. — Estamos — disse rindo — em meu teatro mágico, e se quiseres aprender a dançar o tango ou ser um general ou conversar com Alexandre o Grande, tudo isto estará à tua disposição da próxima vez. Mas devo dizer-te, Harry, que me decepcionaste bastante. Esqueceste horrivelmente de ti, quebraste o humor do pequeno teatro e cometeste uma felonia; mataste a punhaladas e manchaste o nosso belo mundo de imagens com as nódoas da realidade. Isso não foi correto de tua parte Espero, pelo menos, que o tenhas feito por ciúmes, quando viste Hermínia dormindo nos meus braços. Infelizmente, não soubeste manejar essa figura; imaginei que havias aprendido o jogo melhor. Espero que procedas melhor da próxima vez. Apanhou Hermínia, que se havia convertido, de súbito, numa figurinha de xadrez em seus dedos, e guardou-a no mesmo bolso do colete de que antes havia tirado o cigarro. Prazerosamente saboreei o doce e pesado fumo do cigarro, senti-me exausto e disposto a dormir um ano inteiro. Oh! agora compreendia tudo: compreendia Pablo, compreendia Mozart, ouvia algures atrás de mim seu riso espantoso, sabia ter em meu bolso centenas de milhares de figurinhas do jogo da vida, suspeitava emocionado o sentido, tinha a intenção de iniciar de novo o jogo, de voltar a estremecer diante de seus desatinos, de voltar a percorrer o inferno do meu interior, não uma vez, mas sempre. Da próxima vez saberia jogar melhor. Da próxima vez aprenderia a rir. Pablo me esperava. Mozart também. Veja mais aqui, aqui e aqui.

REPENSO O MUNDO – O livro Poemas (Companhia das Letras, 2011), da poeta, critica literária e tradutora polonesa e Prêmio Nobel de Literatura, Wislawa Szymborska (1923-2012), reúne quarenta e quatro poesias da autora, entre as quais destaco Repenso o mundo: Repenso o mundo, segunda edição, / segunda edição corrigida, / aos idiotas o riso, / aos tristes o pranto, / aos carecas o pente, / aos cães botas. / eis um capítulo: / a Fala dos Bichos e das plantas, / com um glossário próprio / para cada espécie. / mesmo um simples bom-dia / trocado com um peixe, / a ti, ao peixe, a todos / na vida fortalece. / essa há muito pressentida, / de súbito revelada, / improvisação da mata. / essa épica das corujas! / esses aforismos do ouriço / compostos quando imaginamos / que, ora, está só adormecido! / o tempo (capítulo dois) / tem direito de se meter / em tudo, coisa boa ou má. / porém — ele que pulveriza montanhas / remove oceanos e está / presente na órbita das estrelas, / não terá o menor poder / sobre os amantes, tão nus / tão abraçados, com o coração alvoroçado / como um pardal na mão pousado. / a velhice é uma moral / só na vida de um marginal. / ah, então todos são jovens! / o sofrimento (capítulo três) / não insulta o corpo. / a morte chega com o sono. / e vais sonhar / que nem é preciso respirar, / que o silêncio sem ar / não é uma música má, / pequeno como uma fagulha, / a um toque te apagarás. / morrer, só assim. Dor mais dolorosa / tiveste segurando nas mãos uma rosa / e terror maior sentiste ao som / de uma pétala caindo no chão. / o mundo, só assim. / Só assim viver. / E morrer só esse tanto. / E todo o resto — é como Bach / tocado por um instante num serrote. Veja mais aqui.

DA PRINCESINHA MIMADA AO TISTU – A atriz, locutora, escritora, cantora e compositora Bia Sion tem desenvolvido uma trajetória nas artes, entre a televisão, o teatro, o rádio e a música – só pra ficar nisso, pois ela é duma versatilidade ímpar e transita por onde o talento der. No teatro ela estreou com A princesinha mimada (1977), depois Festa no Sábado (1978), O girassol mágico (1979), Eu chovo, tu choves, ele chove (1979), Don Quixote de la Pança (1980), Viagem à Imaginação (1981), Band Age (1982), Tistu, o menino do dedo verde (1983), Sapatinho de Cristal (1984), Isadora e Oswald (1984), Feliz Ano Velho (1985), Filumena Marturano (1987), Vira Lats (1989), Ensina-me a viver (1990), Noturno – sonetos e canções de Shakespeare (1991), Antes de ir ao baile (1991), Música divina música (1992), A balada de um palhaço (1993), Os saltimbancos (1984), Fazendo amigos na fazenda (2002) e Tistu (2005). Ela também lançou o disco A levada do Jazz (2008) e tem perseguido sua estrada com muito talento e competência. Veja mais aqui e aqui.

LADIES OF THE CHORUS – O musical Ladies of the Chorus (Mentira Salvadora, - Columbia Pictures, 1948), dirigido pelo cineasta estadunidense Phil Karlson (1908-1985), baseado na história do roteirista russo Harry Sauber (1885-1967), contando a história de uma dançarina que se apaixona por um homem rico. Foi este o primeiro que assisti estrelado por Marilyn Monroe e marcando definitivamente a imagem dessa bela mulher na minha adolescência: ela cantando, ela sorrindo, ela dançando, caminhando, enfim, de todas as formas da sua expressão na tela. Acho que vi e revi o filme na época umas trocentas vezes, ficando marcado na minha memória, a ponto de guarda no nome Peggy Martin muito bem guardado no meu apreço. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 IMAGEM DO DIA
 
Grabados – Serie América & Ex Libri, do artista plástico argentino Osvaldo Jalil. Veja mais aqui e aqui.

Veja mais sobre:
A lenda do açúcar e do álcool, Educação não é privilégio de Anísio Teixeira, História da Filosofia de Wil Durant, a música de Yasushi Akutagawa, Não há estrelas no céu de João Clímaco Bezerra, Cumade Fulosinha & Menelau Júnior, a pintura de Madison Moore, João Pirahy & Pulsarte aqui.

E mais:
Sorria, Canto geral de Pablo Neruda, A desobediência civil de Henry David Thoreau, O feijão e o sonho de Orígenes Lessa, Revolução na América do Sul de Monteiro Lobato & Brincarte do Nitolino, a pintura de Amedeo Modigliani, a música de Sebastião Tapajós, Marcelo Soares aqui.
Psicologia social e educação, a poesia de Pablo Neruda, a pintura de Amedeo Modigliani, a música de Yasushi Akutagawa, a arte de Regina Espósito & Ju Mota aqui.
Recitando Castro Alves: Navio Negreiro aqui.
Devagar e sempre, A monadologia de Leibniz, Estudo do poema de Antônio Cândido, Meu país de Dorothea Mackellar, A arte da comédia de Lope de Vega, o ativismo de Emma Goldman, a arte de Gilvan Samico, a música de Alceu Valença, a xilogravura de Amaro Francisco Borges, Brincarte do Nitolino & a pintura de Nina Kozoriz aqui.
A vida dupla de Carolyne & sua cheba beiçuda, Psicologia da arte de Lev Vygotsky, a poesia de William Butler Yeats, A República de Platão, a pintura de Raphael Sanzio & Boleslaw von Szankowski, a música de Leonard Cohen, o cinema de Paolo Sorrentino & World Erotic Art Museum - WEAM aqui.
Divagando na bicicleta, Onde andará Dulce Veiga de Caio Fernando Abreu, Os elementos de Euclides de Alexandria, O teatro e seu duplo de Peter Brook, a música de Billie Myers, a fotografia de Alberto Henschel, a pintura de Jörg Immendorff & Oda Jaune aqui.
A conversa das plantas, Memória da guerra de Duarte Coelho, a poesia de Cruz e Sousa, Arquimedes de Siracusa, a música de Natalie Imbruglia, a arte de Hugo Pratt & Tom 14 aqui.
Leitoras de James leituras de Joyce, a fotografia de Humberto Finatti, a arte de Henri Matisse & Wayne Thiebaud aqui.
Incipit vita nuova, As raízes árabes da arte nordestina de Luís Soler, A divina comédia de Dante Alighieri, a música de Galina Ustvolskaya, a pintura de Jack Vetriano & Paul Sieffert, as gravuras de Gustave Doré & a arte de Luciah Lopez aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Brincar para aprender aqui, aqui, aqui, aqui & aqui.
Fecamepa – quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
Cordel Tataritaritatá & livros infantis aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: Nude Woman Reading, do artista plástico francês Philippe de Rougemont (1891-1965).
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.





GRAMSCI, MORIN, COMENIUS, HUIZINGA, REGINALDO OLIVEIRA, MANOCA LEÃO & POLÍTICAS EM DEBATE

Livros, teatro & música infantis aqui . POLÍTICAS EM DEBATE - A semana que passou, posso dizer agora com convicção, foi pra...