domingo, julho 26, 2015

JUNG, HUXLEY, SHAW, CASSIANO RICARDO, KUBRICK, COROT, PERANZZETA & SENISE, DEMÓCRITO BORGES & BRINCARTE DO NITOLINO.

VAMOS APRUMAR A CONVERSA? ALTER EGO - Abri a porta e o céu estava cinzento. E na penumbra da sala, o meu coração está feliz com os acordes do Koln Concert de Keith Jarret. A minha pena ainda transcreve imagens da cabeça: um asno na lira e seus fragmentos múltiplos desentoados de pedaços outros. Deus me abençoe. Deus me proteja nessa desolação, uma ausência que atormenta. Joguei meu último poema no riacho e outros tantos no interior das garrafas para jogá-los ao mar, quem sabe alguém desavisado não se importune ao ler meus versos. A solidão me silenciou. Estou esvaziado. Logo eu que vim curumba da terra batida do Una, nascido em sessenta com Brasília e o videoteipe, expondo agora sintaxes exclusivas do coração. Inauguro a minha agonia. Eu que morri tantas vezes sem chegar ao desespero, que vim de longe, de um mundo pequeno onde hoje a vida é quase reduzida a uma condição inóspita. Eu que ergui a minha própria casa, o meu contíguo pardieiro e fiquei entregue ao meu abandono, sem nunca haver ambicionado grandes palácios ou usado um cajado para imprimir a ordem. Eu que sou o mar que beija a terra na pose mais íntima de se amar. Sou eu que valho o que medra nada, um astronauta intrépido no mundo da lua, um zagueiro insone das coisas da minha gente, um lavrador dos dias que venham depois. E quando beijo eu sou de mim o que é para todos. E quando abraço eu sou de graça o que é de mim. E quando sorrio eu sou de paz pra não ser guerra. E quando eu choro eu sou em flor mais que a ternura. Sou eu calor a quarenta e tantos graus. Eu sou o tom de si, de mim, Jobim. O tom que salte, deite, Waits. O que faz, que foi, que é, Tom Zé. O tom depois, de antes, Tom Cavalcanti. Sou eu que gosta de cheirar xibiu de moça donzela. Sou a que já no caritó reza todas as noites por Santo Antônio casamenteiro ajeitar um príncipe encantado para esquentar os pés nas noites de frio. Sou meu coração Caravaggio pintando o sete e santos e sempre atraído pela promiscuidade e rebeldia. Meu coração de frases obscenas na calada da noite, na luta para não ser devorado na competição natural da vida. Meu coração pavão a legislar em causa própria, sempre a me desvencilhar da espada de Dâmocles sobre a cabeça. Sou eu que tenho a força do braço Anteu sem poder largar o chão do meu país. Eu, depositário de tudo, sempre paguei o pato, azougado como quê, completo de emoção e sob o efeito do álcool, hum! um timoneiro na proteção de mercúrio seduzido pelo insólito já que nada me é estranho. As minhas batalhas algumas ganhei, muitas perdi. Nunca gostei de jogo, claro, um mau jogador. Coisas que vi que fiquei passado. Nomes que não sei dizer. Ainda perdi o que de melhor me restava e tive de ser São Jerônimo depondo à caveira, aguçando os meus cem olhos de Argus, apenas sabendo o que é bom ou mal por ser desobediente, plagiando Shulock, “Us” de Peter Gabriel e o meu trono absoluto no banheiro, reunindo os meus pecados, You’re the top de Cole Porter. A fascinação pelo proibido. Os meus gritos até me assustam e alguns até me extasiam. Eu divido a minha mesa, partilho a minha alegria, meu ancestral fenício, minha herança viking. Devo estar me masturbando: minha solidão, meu claustro. Duvido que eu tenha sanidade mental. Os demônios estão soltos, quem sabe e por alguma forma possam me perdoar. Eu sei dos meus fracassos no meio dos sonhos de Kurosawa. Bastar-me-ei a mim mesmo se de mim sobrar alguma coisa. (Alter ego - O trâmite da solidão. Luiz Alberto Machado). Veja mais aqui e aqui.


Imagem: The Potato Gatherers, do pintor francês Jean Baptiste Camille Corot (1796-1875). Veja mais aqui e aqui.


, compositor, arranjador e maestro brasileiro Gilson Peranzzeta & saxofonista, flautista, arranjador e professor de música brasileiro Mauro Senise, a dupla comemorando 25 anos de parceria. Inclusive, logo mais, às 23hs, estarão na Rádio MEC FM 99.3.

BRINCARTE DO NITOLINO – Hoje é dia do programa Brincarte do Nitolino pras crianças de todas as idades, a partir das 10hs, no blog do Projeto MCLAM, com apresentação da simpática Ísis Corrêa Naves. Na programação voltada pras comemorações do Dia dos Avós, participação de Ruth Moura (aluna do Colégio e Curso Fator-RJ), Viva Senior, Titio Avô, Gabryel Gomes (aluno do Colégio e Curso Fator-RJ), Julio Castex (aluno do Colégio e Curso Fator-RJ), Cristina Mel, A infância, Meimei Corrêa, Nitolino & muito mais músicas, poesias, brincadeiras e histórias para a garotada. No blog além das dicas de Psicologia Infantil, Educação Infantil, Direito da Criança e do Adolescente, Literatura Infantil, Música Infantil e Teatro Infantil, também os destaques comemorativos dos parceiros do Brincarte: a arte de Rollandry Silvério, Marcos Palmeira e Ismael Oliveira. Para conferir clique aqui ou aqui.

CRIANÇAS: UMA LIÇÃO DE CIDADANIA – Como resultado de uma atividade desenvolvida pela professora Rachel Lucena na sala de aula com alunos do 7º Ano do Colégio e Curso Fator-RJ, que desenvolveram trabalhos poéticos que foram destacados no blog Brincarte do Nitolino. A matéria conta com entrevista da professora, poesias dos vinte e dois alunos selecionados e um histórico da escola. Os trabalhos publicados revelam uma verdadeira lição de cidadania dada pelos alunos do educandário, fazendo eco com a proposta da canção Todo dia é dia de ser criança, cujo refrão expressa: Todo dia é dia de ser criança e de ter a esperança por meu país melhor, por um Brasil melhor pras crianças e todos nós! Hoje essas crianças estão destacadas e ganharam uma homenagem com a dedicatória do programa para elas e para a professora. Confira aqui.


A PSICOLOGIA DO ARQUÉTIPO DA CRIANÇA – O livro Os arquétipos e o inconsciente coletivo (Vozes, 2000), do psicólogo e psicanalista suíço Carl Gustav Jung (1875-1961), trata de temas como o conceito de inconsciente coletivo, o arquétipo com referência especial ao conceito de anima, aspectos psicológicos do arquétipo materno, exacerbação do eros, psicologia do renascimento, psicologia do arquétipo da criança, função do arquétipo, aspectos psicológicos da core, fenomenologia do espirito no conto de fadas, psicologia da figura do trickster, estudo empírico do processo de individuação, o simbolismo da mandala, entre outros assuntos. Da obra destaco o trecho: [...] A "criança" é portanto também "renatus in novam infantiam", não sendo portanto apenas um ser do começo mas também um ser do fim. O ser do começo existiu antes do homem, e o ser do fim continua depois dele. Psicologicamente, esta afirmação significa que a "criança" simboliza a essência humana pré-consciente e pós-consciente. O seu ser pré-consciente é o estado inconsciente da primeiríssima infância; o pós-consciente é uma antecipação per analogiam da vida além da morte. Nesta ideia se exprime a natureza abrangente da totalidade anímica. Esta nunca está contida no âmbito da consciência, mas inclui a extensão do inconsciente, indefinido e indefinível. A totalidade é pois empiricamente uma dimensão incomensurável, mais velha e mais nova do que a consciência envolvendo-a no tempo e no espaço. Esta constatação não é uma simples especulação, mas uma experiência anímica direta. O processo da consciência não só é constantemente acompanhado, mas também frequentemente conduzido, promovido e interrompido por processos inconscientes. A vida anímica estava na criança ainda antes de ela ter consciência. Mesmo o adulto continua a dizer e fazer coisas cujo significado talvez só se torne claro mais tarde, ou talvez se perca. No entanto, ele as disse e fez como se soubesse o que significavam. Nossos sonhos dizem constantemente coisas que ultrapassam a nossa compreensão consciente (razão pela qual são tão úteis na terapia das neuroses). Temos pressentimentos e percepções de fontes desconhecidas. Medos, humores, intenções e esperanças nos assaltam, sem causalidade visível. Tais experiências concretas fundamentam aqueles sentimentos de que nós nos conhecemos de modo muito insuficiente e a dolorosa conjetura de que poderíamos ter vivências surpreendentes conosco mesmos. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

EMINÊNCIA PARDA – O romance histórico Eminência parda (Grey eminence - Hemus, 1980), do escritor inglês Aldous Huxley (1894-1963),é uma biografia romanceada do sacerdote católico, poderoso político e colaborador do Cardeal Richiliey, François Leclerc du Trembley - o Padre Joseph, chamado de eminência parda devido a cor do hábito de sua origem religiosa, os Capuchinhos. Com essa obra o autor faz um ataque à igreja do séc. XVII, retratando o papel desempenhado pela instituição na política da época, fazendo um paralelo entre a vida espiritual e a degeneração da fé. O livro é dividido em duas partes, na primeira o trabalho do padre na criação da ordem das Irmãs do Calvário até a luta contra os huguenotes e calvinistas. Na segunda parte, conta da atuação do padre na Guerra dos Trinta Amos e o seu nacionalismo. Da obra destaco o trecho: [...] Para a transformação radical e permanente da personalidade, um único método efetivo foi descoberto: o dos místicos. É um método, exigindo daqueles que o experimentam uma grande dose de paciência, resolução, autossacrifício e conscientização, que muitas pessoas não estão preparadas para dar, exceto, talvez, em tempos de crise, quando ficam predispostas, por um curto período, a fazer imensos sacrifícios. Mas, infelizmente, o aperfeiçoamento no mundo não pode ser alcançado mediante sacrifícios em tempos de crise. Ele depende de esforços feitos e continuamente repetidos durante os períodos monótonos e desinteressantes que separam uma crise da outra e dos quais a vida normal consiste principalmente [...]. Este trecho foi destacado, também, por Raymond Andrea, no seu artigo Crises no desenvolvimento místico (The Modern Mystic and Montly Science Review – O Rosacruz, 2013), no qual ele expressa que: Citei essa passagem de Aldous Huxley [...] por ele anunciar ali uma verdade fundamental acerca do desenvolvimento místico. [...] certamente se esforçou bastante para se informar, mediante a orientação de reconhecidos escritos místicos, sobre o método de disciplina seguido pelos místicos das primeiras escolas de pensamento, disciplina que, aliás, está em triste necessidade hoje [...] Veja mais aqui, aqui e aqui.

A FLAUTA QUE ME ROUBARAM – A coletânea poética A flauta que me roubaram (2001), do poeta e jornalista, representante do grupo Verde-Amarelo do Modernismo, Cassiano Ricardo (1895-1974), organizado pelo jornalista Júlio Ottoboni, reúne poemas temáticos do autor, entre os quais destaco Ciente: [...] 4 O mundo me ensinou, / me cuspiu no rosto, / me fez triste e sábio. / E em meio ao triste pão / que minha mão amassa, / em meio à convicção / que substituiu o êxtase, / em meio à mais abjeta / condição de vida, / resta-me, só, a ironia / da poesia. / Resta-me só esta graça / de ser poeta. / Poesia! Única coisa / que, depois de sabida, / continua secreta... Também o poema Outro epigrama: Se perdi a inocência / para ganhar o pão de cada dia, / com o suor do próprio rosto / lamento apenas tenha sido tão escassa / a inocência de que eu era servido. / Para que tão facilmente eu a houvesse perdido / e o pão de cada dia, em consequência, / me seja, agora, uma simples migualha. / Por que não foi maior minha inocência? Por fim o belíssimo poema Elegia para minha mãe: Só me resta agora / esta graça triste / de te haver esperado / adormecer primeiro. / Vivo continuamente longe / de mim, nas horas em que me decomponho / num sonho; estou no outro hemisfério, / que é um não sei onde, onde só ausência lavra. / Só me encontro comigo, ó amigo / se divido em dois, diante do espelho, / um em frente do outro, / sem nenhuma palavra. Veja mais aqui e aqui.

A PROFISSÃO DA SENHORA WARREN – A peça teatral em quatro atos A profissão da senhora Warren (1960 – Peixoto Neto, 2004), do escritor e dramaturgo irlandês e ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1925, George Bernand Shaw (1856-1950), conta a história de uma mulher rica que dá a sua única filha uma educação elitista, para que ela possa entrar na aristocracia de Cambridge, quando uma revelação sobre a origem da riqueza e ascensão social da mãe, passa a perturbar a tranquilidade burguesa da família. Da obra destaco a cena do segundo ato: [...] ATO II  (O interior da casa, à noite. Olhando-se de dentro, inverte-se a posição da janela, com suas cortinas baixadas, e que agora é vista no meio da parede principal. A porta de entrada fica à esquerda da janela. No primeiro plano da parede esquerda, a porta que dá para a cozinha. Mais para o fundo, na mesma parede, existe uma cômoda sobre a qual se vê um candelabro e uma caixa de fósforos. Por trás desses objetos, o rifle de Frank com o cano apoiado nas prateleiras. No meio da sala está colocada uma mesa. Sobre ela uma lâmpada acesa. Os livros e papéis de Vivie estão colocados sobre uma outra mesa, colocada contra a parede, à direita da janela. Uma lareira apagada, na parede direita, tendo ao lado um pequeno banco. Duas cadeiras estão colocadas à direita e à esquerda da mesa do centro. A porta se abre mostrando uma linda noite estrelada. A Sra. Warren, com os ombros protegidos por um xale de Vivie, entra seguida de Frank que atira a sua capa sobre a cadeira. Ela caminhou muito e faz um gesto de alívio enquanto tira os alfinetes do chapéu para retirá-lo da cabeça, repõe os alfinetes no chapéu e o coloca em cima da mesa) WARREN – Oh! Deus. Não sei o que será pior no campo. Passear ou ficar em casa sem nada para fazer. Eu tomaria com prazer um uísque com soda, se isso existisse por aqui. FRANK – Talvez Vivie possa arranjar. WARREN – Não diga bobagens. O que faria uma moça na idade dela com uma garrafa de uísque em casa! Deixe estar, não tem importância. Não consigo fazer uma ideia de como ela passa o tempo aqui. Seria melhor que tu tivesses ficado em Viena. FRANK – Poderia levá-la para lá? (Ajuda a Sra. Warren a tirar o xale, acariciando delicadamente os seus ombros) WARREN – Gostaria, não? Estou começando a pensar que você é um galho do mesmo tronco. FRANK – Como o pastor, hein? (Coloca o xale sobre a cadeira mais próxima, sentando-se nela) WARREN – Não se preocupe com essas coisas. O que você entende disso? Ainda é muito jovem. (Afasta-se até o meio da sala para estar a salvo tentação) FRANK – Iria comigo a Viena? Nós nos divertiríamos como loucos. WARREN – Não, obrigada. Viena não é lugar para você. Quando tiver alguns anos a mais... (Faz um gesto com a cabeça para reforçar o que disse. Frank faz uma cara triste, desmentida por seu olhar sorridente. Ela olha para Frank e se encaminha de volta, em sua direção) Agora ouça, menino: eu o conheço como a palma de minha mão, exatamente como conheço seu pai e muito mais do que você a você mesmo. Portanto tire da cabeça essas idéias bobas em relação a mim, compreende? FRANK – (cortejando-a galantemente com um tom acariciante de voz) É impossível, minha querida Sra. Warren. É mal de família. (A Sra. Finge dar-lhe uma bofetada; depois olha para o belo rosto sorridente do rapaz, tentada. Finalmente o beija e, imediatamente, volta-se irritada consigo mesma) WARREN – Ora veja! Não deveria ter feito isso. Eu sou mesmo impossível. Mas não dê importância, meu querido. Foi apenas um beijo maternal. Vá-se embora. Vivie está a sua espera. Vá brincar com ela. FRANK – Já brinquei! WARREN – (volta-se para Frank, com voz assustada) O quê? FRANK – Eu e Vivie somos tão bons amigos! WARREN – O que você está querendo dizer? Não permitirei que sedutor algum se divirta às custas de minha filha, ouviu? Não permitirei. FRANK – (imperturbável) Minha querida Sra. Warren, não tem por que ficar assustada. Minhas intenções são honestas e a sua menina é capaz de se defender sozinha. E também não necessita de metade dos cuidados de que necessita a sua mãe. Não é tão bonita quanto a Sra., sabia? WARREN – (surpreendendo-se com a segurança de Frank) Não se pode negar que não lhe falta cinismo. Não sei a quem você saiu assim. A seu pai, certamente, não foi. CROFTS – (do jardim) Creio que são os ciganos. O REVERENDO – (respondendo) Sim, mas os bruxos ainda são piores. WARREN – (a Frank) Psst! Lembre-se do que lhe preveni. (Crofts e o reverendo entram, continuando o que conversavam) Então, o que foi feito de vocês? E por onde andam Praddy e Vivie? CROFTS – (colocando o chapéu sobre o banco e a bengala no canto da lareira) Fomos até a cidade. Estava com vontade de beber. (Senta-se no banco, esticando as pernas sobre ele) WARREN – Vivie não devia Ter saído assim sem me avisar antes. (A Frank) Pegue uma cadeira para seu pai, Frank; onde está a sua educação? (Frank levanta-se, oferece educadamente ao pai a sua própria cadeira e pega uma outra para si, sentando-se perto da mesa entre seu pai e a Sra. Warren) George, onde você irá passar a noite? Não poderá ficar aqui. E Praed, como se arranjará? CROFTS – Gardner me dará hospedagem. WARREN – Não duvido que você já tenha se arranjado. Mas Praed? CROFTS – Não sei. Que procure uma hospedaria. WARREN – Você não teria um lugar para ele, Sam? O REVERENDO – Bem... Como pastor dessa região... Isto é... Não tenho liberdade para fazer o que quero. Qual a posição social do Sr. Praed? WARREN – Oh! É uma pessoa direita, um arquiteto. Mas como você é convencional, Sam! FRANK – Ela tem razão, chefe. Praed construiu em Gales o castelo do duque. O Castelo de Caernarvon. Você já deve Ter ouvido falar. (Pisca maliciosamente para a Sra. Warren, olhando depois, com inocência, para seu pai) O REVERENDO – Bem, nesse caso está claro que ficaremos muito contentes. Suponho que ele conheça o duque pessoalmente, não? FRANK – São íntimos amigos. Você poderá colocar Praed no velho quarto de Georgina. WARREN – Bem, então está resolvido. Se aqueles dois já tivessem voltado, nós poderíamos jantar. Afinal de contas, já é tarde e eles não podem mais ficar passeando. CROFTS – (agressivamente) Que mal lhe estão fazendo? WARREN – Mal ou não, eu não gosto disso. FRANK – É melhor não esperá-los mais. Sra. Warren. Praed não voltará tão cedo. Ele nunca soube o que fosse passear pela Campina, em uma noite de verão. Acompanhado de uma moça como a minha Vivie. CROFTS – (endireitando-se no banco, com ar de certo desalento) E você sabe? Vamos? O REVERENDO – (levantando-se, deixando de lado o seu modo profissional de falar, usando de força e sinceridade) - Frank, de uma vez por todas, isso não está em discussão. A Sra. Warren poderá lhe dizer que este assunto não lhe diz respeito. CROFTS – Claro que não. FRANK – (com encantadora placidez) É verdade, Sra. Warren? WARREN – (refletindo) Bem, eu não sei. Se a menina quer se casar, não será justo conservá-la solteira. O REVERENDO – (espantado) Casar-se com ele? A sua filha casar-se com meu filho? Inteiramente impossível! CROFTS – Claro que é impossível, Kitty. Não seja boba. WARREN – (irritada) Por que não? Minha filha não será suficientemente digna de seu filho, Sam? O REVERENDO – Mas certamente a minha cara Sra. Warren conhece razões... WARREN – (desafiadora) Eu não conheço razão alguma. Se você conhece poderá contá-la ao rapaz, à menina... Ou a toda e congregação, se quiser. O REVERENDO – (sentando-se desanimado na cadeira que ocupava) Você sabe muito bem que eu não poderia contá-las a ninguém. Mas meu filho acreditará quando eu lhe disser que existem razoes... FRANK – Perfeitamente, papai, ele acreditará. Mas desde quando as suas razões influíram no comportamento de seu filho? CROFTS – Você não poderá se casar com ela e isso é tudo. (Levanta-se e fica de pé no meio da sala, de costas para a lareira, com um ar acintosamente grave) WARREN – (virando-se para Crofts, asperamente) Por favor, o que você tem a ver com isso? FRANK – (com o tom mais lírico de sua voz) Era exatamente o que eu ia perguntar, com a elegância que me é habitual. CROFTS – (à Sra. Warren) Acho que você não deseja casar sua filha com um rapaz mais jovem do que ela e sem ocupação ou bens que lhe permitam sustentar uma mulher. Pergunte a Sam, se não me acredita. Quanto você está disposto a dar ar a seu filho? O REVERENDO – Nem um xelim. Ele já recebeu de mim o que tinha para receber, e acabou de gastar tudo em julho do ano passado (A Sra. Warren assume um ar sombrio) CROFTS – (olhando-a) Está ouvindo? Não lhe disse? (Volta a sentar-se no banco, esticando as pernas, como o assunto estivesse definitivamente encerrado) FRANK – (queixosamente) Tudo isso é tão mesquinho. Supõem então que a Srta. Warren se casaria por dinheiro? Se nós nos amamos... WARREN – Muito obrigada, mas o amor de vocês tem poucas garantias, meu rapaz. Se você não tem meios suficientes para manter uma mulher, então não há mais o que conversar. Vivie não será sua. FRANK – (divertindo-se) O que diz a isso, chefe? O REVERENDO – Concordo com a Sra. Warren. FRANK – E o bondoso velho Crofts já expressou a sua opinião? CROFTS – (olhando-o com rancor) - Olhe aqui, rapaz. Eu não tolero mais as suas impertinências. FRANK – Perdoe-me se o irritei. Mas ainda há pouco você falou comigo como se fosse meu pai e... Basta-me um pai, obrigado. CROFTS – (enfurecido) Ah ... (Volta-lhe novamente as costas) FRANK – (levantando-se) Sra. Warren, eu não abriria mão de Vivie nem mesmo para lhe ser agradável. WARREN – (resmungando entre dentes) Canalha! FRANK – (continuando) E como tenho a certeza de que irá procurar outros candidatos à mão de Vivie, falarei imediatamente com ela. (Todos olham fixamente para ele, que recita, com grande encanto) “Quem do destino tem medo nunca será vencedor; ou tudo ou nada é o segredo de todo bom jogador.”... (A porta da casa se abre enquanto Frank recita. Vivie e Praed entram. Ela pára. Praed coloca o seu chapéu sobre a cômoda. Há uma brusca mudança nas atitudes de todos, que tentam dissimular o assunto de que tratavam. Crofts retira as pernas do banco, recompondo-se, enquanto Praed junta-se a ele perto da lareira. A Sra. Warren perde a naturalidade, refugiando-se em uma pergunta de repreensão) [...] Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

LARANJA MECÂNICA – Quando li pela primeira vez o romance distópico Laranja Mecânica (A Clockwork Orange, 1962), do escritor, compositor e critico britânico Anthony Burgess (1917-1993), eu tinha pouco mais de dezoito anos de idade e me impressionei bastante, a ponto de procurar imediatamente assistir o filme originado na obra: um depoimento acerca de experiências de um jovem inglês e uma sátira aguda à sociedade inglesa. Depois foi que eu soube que o romance foi inspirado num fato real ocorrido em 1944 e que já havia um filme lançado em 1971, com direção do cineasta, roteirista, fotografo e produtor estadunidense Stanley Kubrik (1928-1999). O filme não deixa a desejar: violência, perturbações psicológicas e psiquiátricas, delinquência juvenil, gangues de rua e, principalmente a sociopatia carismática do protagonista interpretado por Malcom McDowell: a Nona Sinfonia de Bethoven, estupros, arruaceiros violentos que cometem crimes terríveis, até que o jovem protagonista e capturado pela polícia e submetido a um processo de reabilitação por meio de um condicionamento psicológico – uma crítica aguda ao Behaviorismo, a psicologia comportamental dos psicólogos John Watson e B. F. Skinner –, quando a obra escandaliza com a paródia da terapia da aversão. Tudo começa a escandalizar quando o jovem é condenado a 14 anos de prisão e, com dois anos apenas de cumprimento da pena, ele se torna a voluntária cobaia do tratamento Ludovico, uma terapia experimental de aversão para a reabilitação de criminosos num processo de uso de drogas e lavagem cerebral, no prazo de duas semanas. A história, a partir daí, toma um rumo inesperado e instigante que vai explicitar o significado do título: orgânico do lado de fora, mecânico no interior. Veja mais aqui.

IMAGEM DO DIA
Imagem: desenho (bico de pena) do artista plástico paisagista Demócrito Borges.


Veja mais no MCLAM: Hoje é dia do programa Domingo Romântico com a reprise da semana, a partir do meio dia, no blog do Projeto MCLAM, com a apresentação sempre especial de Meimei Corrêa. Para conferir online acesse aqui.

VAMOS APRUMAR A CONVERSA?
Imagem: desenho (bico de pena) do artista plástico paisagista Demócrito Borges.
Aprume aqui.


ASCENSO, PAULO FREIRE, REICH, ELIÉZER MIKOSZ, ZWEIG, DIONE BARRETO, EDUCAÇÃO & GINÁSIO MUNICIPAL

O QUE É DE ARTE E CULTURA QUE EU NÃO SEI – Josedácio cometia uns versos brejeiros, coisas de seu; como não tinha escola, era só tirocínio,...