quinta-feira, janeiro 07, 2016

MARGUERITE DURAS & TODO DIA É DIA DA MULHER


Minha vida, minha biografia, meus filmes são tudo uma coisa só; não há momento em que eu não escreva; escrevo o tempo todo, mesmo quando durmo. Fazer uma distinção entre todos esses estados me parece completamente fora de propósito no meu caso.

MARGUERITE DURAS – A romancista, novelista, roteirista, poeta, diretora de cinema e dramaturga francesa Marguerite Duras (1914-1996), nasceu na Indochina, filha de pais professores primários franceses. Seu sobrenome real é Donadieu, criando o pseudônimo Duras tirado do nome de uma aldeia do norte da França, próxima do local onde nasceu seu pai. Diplomou-se em Direito e Ciências Políticas, casou-se e perdeu um filho, integrou a Resistência francesa, quando seu marido foi preso e só encontrado depois num capo de concentração em Dachau, na Alemanha. Num diário dessa época, incluindo o livro A Dor, de 1985, ela narra a expectativa do retorno do marido. Divorciada em seguida, casou-se novamente, inscreveu-se depois da Guerra, no Partido Comunista que abandonaria mais tarde, tornou-se alcoólatra o que a fez realizar uma série de tratamentos para desintoxicação. Teve sua trajetória artística associada ao movimento nouveau romance e ao existencialismo e estreou na literatura em 1943, com o romance Os impudentes. Apesar de haver começado a se firmar logo após a II Guerra Mundial, o novo romance só recebeu a atenção da crítica no final dos anos 1950, um grupo heterogêneo de romancistas que não estavam unidos por nenhum programa comum, mas cujas afinidades na maneira de conceber o romance levaram os críticos a designá-los como tal a posteriori. Entre aquelas peculiaridades formais compartilhadas pelos novos romancistas, incluem-se o desrespeito à linearidade temporal, em prol de uma narrativa que se permite ir e vir livbremente no tempo; a apresentação ao leitor de várias possibilidades paralelas para um único fato, entre os quais o autor se recusa a optar; a redução do enredo a muito pouco, o que leva à exploração exaustiva ou à repetição de certas cenas ou situações; a desatenção ao interior, à psicologia das personagens, resultante de uma descrição minuciosa, objetiva, de seres e coisas – daí a designação que lhe foi aplicada de escola do olhar. Foi sobretudo esta última característica que fez com que a critica falasse em desumanização a propósito dos exemplares mais representativos do novo romance. O Amante é a sua obra mais conhecida, criado a partir de reflexões sobre as marcas do envelhecimento precoce em seu rosto, obra autobiográfica que ganhou o premio Goncourt de 1984, contando a adolescência na Indochina, descrevendo o seu primeiro caso amoroso, aos quinze anos, com um milionário chinês doze anos mais velho. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Ardência na Crônica de amor por ela, Pitágoras, Jacques Lacan, Max Bruch, Mariano Latorre, Jules Laforgue, Philip Kaufman, Chloe Hanslip, Ashley Judd, Nina Kozoriz, Gustave Doré, Teatro Elisabetano & Rachel Levkovits aqui.

E mais:
Nise da Silveira & Todo dia é dia da mulher aqui.
Alexander Scriabin, Cássia Kiss, Gustave Doré, Denise Georg, Mr. Bean, Márcia Poesia de Sá, Gabi Alves & Zé Edu Camargo aqui.
Primeiro encontro: o voo da língua no universo do gozo aqui.
A poesia de Bráulio Tavares aqui.
Jung & a alma, Educação, Psicologia & Sociologia, Crimes Ambientais, Oração do Justo Juiz, Serpente de Asas & Literatura Pernambucana aqui.
O pensamento de Antonio Gramsci aqui.
Fecamepa, Psicologia Escolar, Sonhoterapia, Direito & Família Mutante aqui.
O monge e o executivo de James C. Hunter, Neuropsicologia, Ressocialização Penal & Educação aqui.
Sexualidade na terceira idade aqui.
Homossexualidade & Educação Sexual aqui.
O beijo que se faz poema aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


TODO DIA É DIA DA MULHER – Dando continuidade na campanha Todo dia é dia da mulher, trazemos hoje as homenageadas do mês de maio 2015.

ENYA 
Veja mais aqui.

SKARMETA, MICHELET, ALDA LARA, IBERÊ CAMARGO & PANELAS

A PROFESSORA & A FESTA DO ESPALHAFATO - Acordei com uma surpresa: Carma estava ao meu lado, brincando com um Mané-Gostoso: - Cadê o me...