terça-feira, fevereiro 12, 2019

PAULO FREIRE & NEUROEDUCAÇÃO, AS ESCULTURAS DE ALAYDE, SOLEDAD & PRIMA DA VERA.


A OUTRA PRIMA DA VERA – Vera quase teve um troço ao receber a visita da prima Dalvinécia, aquela distante que ela tratava por Nevinha. As duas nunca se deram lá muito bem, por conta dumas coisitas de namoricos bobos dos tempos de adolescência. E mais: apesar da condição heterossexual da Vera, ela tinha lá seus princípios feministas quase ortodoxos. E a prima, como ela mesma dizia, era da pá virada. Além de desbocada, se defendia: Eu não era, fiquei sendo. E justificava: Pago com a mesma moeda. Como? A ficha corrida da Nevinha: enviuvou cinco vezes, tudo de morte morrida e na horagá cada um; descasou-se umas doze vezes, não antes distribuir uma tuia de duas de quinhentos na premiação dos ex; casos, uns tantos não exclusivos e para lá de escusos, afora dar em cima da própria Vera e de algumas amigas do seu relacionamento. Vê-se que a dita era bem rodada, esborrando experiências, das quais Vera se arrepiava: Peraí, mulher! Ah, minha filha – explicava Nevinha: - Sigo à risca o ditado da tia vitalina Cornelinda: homem não é bicho que se deva criar em casa! Além do mais, a vida é curta demais. Confira: o meu primeiro marido, o Dermelinaldo - que Deus o tenha lá longe -, era um santo que fazia gosto! Era do trabalho pra casa, agarrado ao cós da minha saia, beijinhos e presentes. Bastou bater as botas e apareceram logo umas três com filhos e tudo para dividir comigo o quinhão. O segundo, o Bastianildo, esse desarreda: só soube quando foi pro saco, pois nunca que me passou pela cabeça que fosse um raparigueiro de ter uma costela em cada banda da cidade. Aí, né! O terceiro, quase tirou um fino: um primo desmunhecava pras bandas dele; o quarto, o pior de todos: fazia a minha vez com os amigos, um horror! O quinto, fugiu com a minha melhor amiga. Ora, fui aprendendo! Do terceiro em diante, eu já tinha não só a orelha na frente da pulga, como já me adiantava em salvar meu couro: todos eles tinham um quebra-galho nas horas vagas e eu com a cara de tacho. Casei e descasei nove vezes, namorei gato e cachorro e quero ver um homem que ria das minhas costas ou me passe pra trás, faço meu próprio figurino, rá! Gosto mesmo é do remexido, seja com quem for, encara? E fazia mesmo de manhã, de tarde e de noite, saía um, entrava outro, ou que lhe desse na telha e na simpatia, dias, semanas, meses, anos. Isso até a hora dela botar os olhos no Tarcizildo, o que pra Vera foi um santo remédio: Agora ela abaixa o facho, tomara. Dito e feito. Como o rapaz era bem provido tanto de instrumento, como de disposição, bonito no gosto dela, jeitoso para tudo e de não arredar o pé de dentro de casa: pau pra toda obra. Estava feita. Ora, era a faca e o queijo, o útil ao agradável em cima da bucha: Nevinha se aquietou dentro de casa de quase nunca mais vê-la empiriquitada passando pela rua: Quanto tempo, hem? Ah, agora tô só entretida com meu parque de diversão, tenho agora meu brinquedo de estimação. Um amor roxo que dura até hoje para salvação da monogamia e para aliviar a alma aflita da prima que agora, quase santificada, tornou-se beata de ir à missa com seu distinto consorte quase todo dia, pronta para um matrimônio até que a morte os separe debaixo dos lençóis. Aí tá certo, dizem as más línguas de antes, agora sim. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS
[...] Quantos professores sabem que um simples trabalho de memorização de diferentes tipos de textos exige diferentes níveis de oxigenação do cérebro? Que quanto mais complexa a atividade proposta e à medida que se eleva o grau de raciocínio, o fluxo sanguíneo no cérebro é mais intenso? O professor tem noção de que sua ação pedagógica desencadeia no organismo do aluno reações neurológicas e hormonais que podem ter influência na motivação para aprender? Como pode o professor desconhecer a dinâmica mente/cérebro? Basta a análise dessas questões para que se compreenda a importância desse tipo de informação na adequação de metodologias de ensino [...].
Trecho do estudo Neurociências e educação: uma articulação necessária na formação docente (Revista Trabalho, Educação, Saúde, 2010/2011), da professora e neurocientista Fernanda Carvalho. Veja mais aqui e aqui.

AS ESCULTURAS DE ALAYDE
A arte da premiada escultora e pintora Alayde - Alaides Puppin Ruschel -, com suas obras em terracota, metal (bronze e alumínio), e resina, utilizando a estrutura helicoidal em esculturas que apresentam as características de leveza e movimento que se inserem dentro da Arte Moderna e Contemporânea. Ela já realizou exposições em Portugal, Itália e por todo Brasil. Veja mais aqui.

SOLEDAD
O curta-metragem Soledad (2015), dirigido por Joana Gatis, Daniel Bandeira e Flavia Vilela Vieira, com elenco formado por Peter Ketnath, Joana Gatis e Thassia Cavalcanti, conta a história de um amor bandido envolvido por uma paixão implacável e um fogo avassalador que redundam numa saga de morte, traição e vingança, com dança flamenca, cavalgadas, sexo e violência, narrando a história daquela a quem chamavam de Soledad. Veja mais aqui e aqui.
&
A educação do educador, pedagogista e filósofo Paulo Freire (1921-1997) aqui, aqui, aqui e aqui.
&
Outra entre tantas & muitas da Vera aqui, aqui, aqui e aqui.
&
muito mais na Agenda aqui.


GRAMSCI, NANCY MITFORD, DARIO FO, FRANCES POWER COBBE, EDITH CAVELL & ADRIANA DO FREVO

    Ao som do Violin Concerto No. 1 in G minor, Op. 26 (1866), do compositor alemão Max Bruch (1838-1920), na interpretação da violinista ...