sexta-feira, maio 04, 2018

OSMAN LINS, LEMINSKI, LUC FERRY, LAFARGUE, RENATA BRZOZOWSKA & NOEL ROSA

EU SOUL VOO - Imagem: arte da pintora polonesa Renata Brzozowska. - Tudo são dois, quando não três que é igual a um. A lógica do ilógico, a ética do círculo, em ondas, dimensões, espirais, como desordenado, aliás, aleatório, senão paradoxal. Nem por isso cessa a eternidade na finitude, a fecundar e a reproduzir desde a primeira geração, o primeiro princípio, o sopro do sopro, o fogo e a terra, a água e o ar, a força de toda força a mover o céu e as estrelas da minha boca pro infinito. Estar acima ou embaixo, à direita ou esquerda, entre o sereno e o alegre, o sombrio e o assustador, o sutil e o espesso, e ir, além disso, não só como o que fala e o que escuta, mas a trilhar o visinvisível que não é só ver ou entender o que há por trás do que é visto ou visualizado, e sim o outro das coisas, um zoom pro íntimo de cada coisa e ser, e ser cada coisa e ser, e ir para além do olhar e viver cada coisa e cada ser, eu e outros e tudo, todos em todo lugar: a união é a vida, o Um contém tudo e é todo, com seus contínuos eflúvios de um lado aos demais, diversos, a pluralidade singular a dar o abraço da Natureza, a ventar em mim os raios brilhantes do éter a passar e perpassar o meu corpo, enquanto o ouro do Sol acende o leste, Fiat Lux, até ser-me o rumo formidável da profundidade com a prece a me impelir para a luz do inominável de portas abertas e acordo, permanece comigo o resplandecente beijo dos versos e cantos livres e soltos que levo e soul voo. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com a música do sambista, cantor, compositor, bandolinista, violonista e um dos maiores e mais importantes artista da música no Brasil, Noel Rosa (1910-1937), com Ivan Lins, Maria Bethania, Maria Rita, Mauro Senise & Gilson Peranzzeta & muito mais nos mais de 2 milhões de acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais aqui.

PENSAMENTO DO DIA – [...] a dignidade de um ser não depende dos talentos recebidos com o nascimento, mas do que ele faz deles, não da natureza e dos dons naturais, mas da liberdade e da vontade da pessoa humana, quaisquer que sejam seus dotes iniciais [...] a dignidade moral de um ser reside não em sua natureza, que é neutra e sem valor algum do ponto de vista estritamente moral, mas na liberdade [...]. Pensamento extraído da obra A revolução do amor: por uma espiritualidade laica (Objetiva, 2012), do filósofo francês Luc Ferry. Veja mais aqui e aqui.

O DIREITO À PREGUIÇA – […] Homens cegos e limitados, quiseram ser mais sábios do que o próprio Deus deles; homens fracos e desprezíveis, quiseram reabilitar aquilo que até mesmo o Deus deles amaldiçoara. Eu, que não professo o credo cristão, nem tenho posição econômica e moral como a deles, recuso-me a admitir as pregações dessa moral religiosa, econômica, livre-pensadora, considerando as terríveis consequências do trabalho na sociedade capitalista [...] Uma estranha loucura dominou as classes operárias das nações onde reina a civilização capitalista. Essa loucura traz como consequência misérias individuais e sociais que há séculos torturam a triste humanidade. Essa loucura é o amor ao trabalho, a paixão moribunda que absorve as forças vitais do indivíduo e de sua prole até o esgotamento [...] A nossa época é, dizem, o século do trabalho; na verdade, é o século da dor, da miséria e da corrupção [...] Tal é a lei inexorável da produção capitalista. Porque, por prestarem atenção às falaciosas palavras dos economistas, os proletários se entregaram de corpo e alma ao vício do trabalho, precipitam toda a sociedade numa dessas crises de superprodução que convulsionam o organismo social [...] embrutecidos pelo dogma do trabalho, não compreendem que é o sobretrabalho que infligiram a si próprios durante o tempo da pretensa prosperidade a causa da sua miséria presente [...] Em vez de aproveitar os momentos de crise para uma distribuição geral de produtos e uma manifestação universal de alegria, os operários, morrendo de fome, vão bater com a cabeça contra as portas da fábrica. Com rostos pálidos e macilentos, corpos emagrecidos, discursos lamentáveis, assediam os fabricantes: [...] dêem-nos trabalho, não é a fome, mas a paixão do trabalho que nos atormenta! E esses miseráveis, que mal têm forças para se manter em pé, vendem doze a catorze horas de trabalho duas vezes mais barato do que quando tinham trabalho durante um certo período. E os filantropos da indústria continuam a aproveitar as crises de desemprego para fabricar mais barato [...] E, no entanto, apesar da superprodução de mercadorias, apesar das falsificações industriais, os operários entulham o mercado, implorando: trabalho! trabalho! [...] Uma vez que o vício do trabalho está diabolicamente encravado no coração dos operários; uma vez que as suas exigências abafam todos os outros instintos da natureza; uma vez que a quantidade de trabalho exigida pela sociedade é forçosamente limitada pelo consumo e pela abundância de matéria-prima, por que razão devorar em seis meses o trabalho de todo o ano? [...]. Trechos extraídos da obra O direito à preguiça (Claridade, 2003), do jornalista, escritor e ativista político Paul Lafargue (1842—1911).

EVANGELHO NA TABA – [...] Enquanto 0 vitral se resignava às suas limitações de vitral, ao chumbo e ao vidro colorido, ele esplendia com toda a força. Mas aos poucos os vitralistas começaram a achar que aquilo era insuficiente e começaram a pintar 0 vidro, começaram a levar apara a arte do vitral a arte da pintura. A partir daí 0 vitral degenera. Isso me levou a uma crença da qual estou firmemente convencido: de que as coisas fulguram, vamos dizer, nas suas limitações. As limitações não são necessariamente uma limitação no sentido corrente, mas uma força. Quer dizer que 0 vitralista era forte enquanto estava limitado e aceitava a sua limitação [...] Um quadro de Rafael, e realmente visto de uma perspectiva humana centralizada, ligada ao que há de perecível no olho humano. Enquanto que num quadro de Picasso, em sua fase cubista, por exemplo, nos vemos a cara do personagem de frente e essa mesma cara com um olho de lado. Neste esforço a gente nota a tentativa de romper com a condição mortal do olho humano, de ver através de um ponto de vista espiritual. O que se aproxima da visão do homem religioso da Idade Media. [...]. Trechos extraídos da obra Evangelho na taba: outros problemas inculturais brasileiros (Summus, 1979), do escritor e dramaturgo Osman Lins (1924-1978). Veja mais aqui.

CINCO POEMAS - I - Meus amigos / quando me dão a mão / sempre deixam outra coisa / presença / olhar / lembrança calor / meus amigos / quando me dão / deixem na minha / a sua mão. II - Eu tão isósceles / Você ângulo / Hipóteses / Sobre o meu tesão / Teses sínteses / Antíteses / Vê bem onde pises / Pode ser meu coração. BEM NO FUNDO - No fundo, no fundo, / bem lá no fundo, / a gente gostaria / de ver nossos problemas / resolvidos por decreto / a partir desta data, / aquela mágoa sem remédio / é considerada nula / e sobre ela — silêncio perpétuo / extinto por lei todo o remorso, / maldito seja quem olhar pra trás, / lá pra trás não há nada, / e nada mais / mas problemas não se resolvem, / problemas têm família grande, / e aos domingos / saem todos a passear / o problema, sua senhora / e outros pequenos probleminhas. RAZÃO DE SER - Escrevo. E pronto. / Escrevo porque preciso, / preciso porque estou tonto. / Ninguém tem nada com isso. / Escrevo porque amanhece, / E as estrelas lá no céu / Lembram letras no papel, / Quando o poema me anoitece. / A aranha tece teias. / O peixe beija e morde o que vê. / Eu escrevo apenas. / Tem que ter por quê? AMAR VOCÊ É COISA DE MINUTOS… - Amar você é coisa de minutos / A morte é menos que teu beijo / Tão bom ser teu que sou / Eu a teus pés derramado / Pouco resta do que fui / De ti depende ser bom ou ruim Serei o que achares conveniente / Serei para ti mais que um cão / Uma sombra que te aquece / Um deus que não esquece / Um servo que não diz não / Morto teu pai serei teu irmão / Direi os versos que quiseres / Esquecerei todas as mulheres / Serei tanto e tudo e todos / Vais ter nojo de eu ser isso / E estarei a teu serviço / Enquanto durar meu corpo / Enquanto me correr nas veias / O rio vermelho que se inflama / Ao ver teu rosto feito tocha / Serei teu rei teu pão tua coisa tua rocha / Sim, eu estarei aqui. Poemas do escritor, critico literário, tradutor e professor Paulo Leminski (1944-1989). Veja mais aqui.

A ARTE DE RENATA BRZOZOWSKA
A arte da pintora polonesa Renata Brzozowska.


VI Congresso Internacional Sesc de Arte/Educação & muito mais na Agenda aqui.
&
Os dias estão assim, o cinema de Rogério Sganzerla & Helena Ignez, o teatro de José Cañas Torregrosa, a música de Roberta Peters & a arte de Fábio R. Mesquita aqui.
Você, procê, docê & nocê: o querer dos quereres além da possessão, a literatura de Marcos Carías Reyes, a arte de J K Chillar & Luciah Lopez aqui.

LE CLEZIO, MARIA CALLAS, EAGLETON, CARLINHOS OLIVEIRA, SYLVIE GUILLOT & CATXERÊ.

TODA MULHER É UMA ESTRELA – Imagem: arte da artista francesa Sylvie Guillot . - Uma estrela levitava, eu vi, desceu aos poucos, lá atrás ...