quinta-feira, maio 24, 2018

SEFÉRIS, LÉVI-STRAUSS, ANAÏS NIN, BOURDIEU, LOURDES RAMALHO, JOHN SILVER, FILÓ MACHADO & MARIA DAPAZ


CARTA NA PEDRA - Imagem: Pintura rupestre do beijo no Boqueirão da Pedra Furada, Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil (2010) © Palê Zuppani - Rabisco sonhos na face da pedra, a minha estela e sintonia. Pra que serve, não sei, nem sabe ela às orlas das passagens ou a ornar jardins floridos. Sei e rola ribanceira como eu nos meus dias e noites, água que leva e lava, areia pra se esconder, como se fosse a memória do pedregulho, e o seu desgaste lento enquanto envelheço grão de areia ao convívio entre seixos e lascas, tanto faz, tanto fez. A pedra sou eu e ela comigo, horas e ventos. Dela preparo a mim mesmo, aprendizagens. No sapato incomoda como a culpa assombrosa ou a topada no dedo inflamado, e quase nem sei seus vagares e cismas, fazem parte da escória de tudo como eu que não lhe sou alheio. Lá está ela aqui comigo e em qualquer parte ou lugar, como se coração indiferente de ontem ou amanhã. Ela voa na fúria de quem dela se vale para abrir o talho na testa do desafeto ou de outrem, destroça vidraça e pingueira na telha quebrada. Lá está ela pro tombo no meio do caminho, não há quem segure destronado na vertigem abissal. Nem sei que são da litosfera, se calhau ou pepita, se água-marinha, topázio, turmalina, nem distingo direito cascalho de ametista, o que é da fraga pro diamante ou rubi, o que é rebo pra safiras ou esmeraldas, se esteatita que é a de sabão do artesanato de Ouro Preto, ou a de Roseta milenar, ou as dimensionadas nos tornos, serras, plainas e polidoras, como as britadas de granitos, basaltos, mármores, calcários e arenitos, diabásios e ardósias, o quartzo opalescente ou concreto armado, se é da Lua com sua energia feminina, ou as que nascem nos rins ou vesícula pra espremer de dor, ou se de uma estrela que não sei de onde. Não sou lapidário nem sei fundição, muito menos do corte das gemas; não sei como lavra porque não tenho martelo e bigorna, só interditos e esconjuros; só sei que delas não há fonte pra brotar, nem semente, e jazem longe sem sangue heroico, se penedo ou joia, sequer soube, assim são. Elas são testemunhas, quando não a nossa própria expressão no precipício da vida e suas comoventes miragens, o seu impreciso destino e até nunca mais. É nela que faço o poema amanhã apagado pelos ventos do tempo. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com a música do cantor, compositor, arranjador, instrumentista e produtor, Filó Machado: Origens, Canto Fatal e álbum solo; da cantora e compositora Maria Dapaz: Brincar de ser feliz, Metade e Ensaio; & muito mais nos mais de 2 milhões de acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIA – [...] Sempre a meio-caminho entre o esquema e a anedota, o gênio do pintor consiste em unir conhecimento interno e externo, ser e devir, produzir, com seu pincel, um objeto que não existe como objeto e, todavia, sabe criar sobre a tela: síntese exatamente equilibrada de uma ou várias estruturas artificiais e naturais e de um ou vários fatos naturais e sociais. [...]. Pensamento extraído da obra O pensamento selvagem (Papirus, 1989), do antropólogo belga Claude Lévi-Strauss (1908-2009). Veja mais aqui.

VIOLÊNCIA SIMBÓLICA - [...] Falar de dominação, ou de violência simbólica, é dizer que, salvo uma revolta subversiva que conduza à inversão das categorias de percepção e de avaliação, o dominado tende a assumir a respeito de si mesmo o ponto de vista dominante: através, principalmente, do efeito de destino que a categorização estigmatizante produz, e em particular do insulto, real ou potencial, ele pode ser assim levado a aplicar a si mesmo e a aceitar, constrangido e forçado, as categorias de percepção direitas (straight, em oposição a crooked, tortas), e a viver envergonhadamente a experiência sexual que, do ponto de vista das categorias dominantes, o define, equilibrando-se entre o medo de ser visto, desmascarado, e o desejo de ser reconhecido pelos demais [...]. Trecho extraído da obra A dominação masculina (Bertrand Brasil, 2002), do sociólogo francês Pierre Bourdieu (1930-2002). Veja mais aqui.

ELENA – [...] Ante esse reconhecimento de timidez, ela foi imensamente tocada pela ternura, uma ternura que nunca experimentara antes. A força dele estava se curvando perante ela, hesitando antes da efetivação do sonho que havia crescido entre eles. A ternura engolfou-a. foi ela quem se deslocou até ele e ofereceu sua boca. Então ele a beijou, com as duas mãos sobre os seus seios. Ela sentiu seus dentes. Ele beijou o pescoço onde as veias palpitavam, e a garganta, com as mãos em voltado corpo. Ela foi dominada pelo desejo de ser inteiramente possuída. Enquanto a beijava, ele a despiu. As roupas caíram em volta dela, e eles ainda estavam juntos de pé se beijando. Então, sem olhar para ela, ele a carregou para a cama, com a boca ainda em seu rosto, garganta e cabelos. [...] Agora nu, ele estava estirado por cima dela em todo comprimento. Ela desfrutou o peso dele por cima de si, desfrutou ser esmagada sob o corpo dele. Queria que ele ficasse grudado nela da boca aos pés. Arrepios percorriam seu corpo. Ele sussurrava de vez em quando, disse-lhe para erguer as pernas como ela nunca havia feito, até os joelhos tocarem o queixo; sussurrou para que ela se virasse, e esparramou as mãos por seu traseiro. Descansou dentro dela, deitou-se de costas e esperou. [...] Escorregou cama abaixo até a boca alcançar o pênis. Começou a beijar em volta. O pênis sacudia levemente a cada beijo. [...] A mão permaneceu sobre Elena enquanto ela moveu-se para cima e para baixo e depois tombou, tombou com um suspiro de prazer insuportável, tombou sobre a barriga dele e ali permaneceu, de olhos fechados saboreado o deleite [...] abriam um novo livro e liam juntos, com as mãos acariciando um ao outro. Beijavam-se em cima de gravuras eróticas. As bocas coladas juntas caíam por cima de enormes bundas empinadas de mulheres, pernas abertas como um compasso, homens acocorados como cachorros, com membros imensos, quase arrastando no chão. [...] pareceu a ela que o prazer que sentia com as arremetidas do pênis transmitia-se à boca. Abriu-a, e a língua projetou-se como na gravura, como se ela quisesse o pênis na boca ao mesmo tempo. Elena correspondeu loucamente durante dias, quase como uma mulher a ponto de perder o juízo. [...]. Trechos extraídos da obra Delta de Vênus (Artenova, 1978), da escritora francesa Anaïs Nin (1903-1977). Veja mais aqui.

COMENTÁRIOS - Já escurecera na sacada / junto a nós uma urgência esvoaçava / nos dois corações, bem aninhada, / uma confissão correspondida. / Vã, murchou a voz. Enxame de erros / nossos lábios, e nas profundezas / do corpo, Deus, só estava acesa / nossa espera da benção pedida. / Dentro da casa os sonhos zumbiam / e da luz da tarde até o ímã / dos cabelos teus, tudo trazia / à memória o anjo inalcançável / de para com os anéis subitâneos / de chofre caídos, dos abanos / no pensamento que, o mesmo orando, / líamos, evangelho inefável. / Mulher que na minha alma te hospedas / tua surpresa é o que me resta / formosa mulher amada, nesta / tarde que absurdamente definha, / e os teus olhos de círculos negros / e a noite e seu calafrio ligeiro… / Quimera, espada do meu silêncio, / curva-te e entra outra vez na bainha. Poema do poeta simbolista grego da geração neogrega de 1930, Giórgos Seferiádhis ou simplesmente Giórgos Seféris (1900-1971). Veja mais aqui e aqui.

A ARTE DE LOURDES RAMALHO
A professora, poeta, dramaturga e pesquisadora Lourdes Ramalho é autora de extensa obra teatral premiada nacional e internacionalmente. Em 1974 ela lançou a premiada Fogo-fátuo e, em 1975, a premiada As velhas. Em 1976, foi a vez da premiada peça teatral A Feira. A partir das década de 1990 ela passou a enfatizar uma dramaturgia pautada na Literatura de Cordel, entre elas Romance do Conquistador. Em 2005, foi reinaugurado o Centro Cultural Lourdes Ramalho, em sua homenagem, como, também, em 2011, foi homenageada com a 2ª Jornada de Estudo Internacional sobre Poéticas da Oralidade: Lourdes Ramalho e o Teatro Popular, organizada pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Ela também é autora de textos dedicados ao público infantil, alguns deles reunidos na obra Teatro Infantil: coletânea de textos infanto-juvenis (RG, 2004), da obra Raízes ibéricas, mouras e judaicas do Nordeste (Ed. Universitária, 2002), Teatro (quase completo) de Lourdes Ramalho – Vols. I e II (EdUfal, 2011) e do livro de poesias Flor de cacto: viagem ao ignoto (EdUEPB, 2012).


Tarde Literária da Illuminare na Biblioteca Pública Viriato Corrêa (SP) & muito mais na Agenda aqui.
&
A arte do artista visual britânico John Silver.
&
A arte de Maria Dapaz aqui, aqui e aqui
&
Elogio ao contribuinte, Apesar de tudo de Georges Didi-Huberman, a escultura de Edward Hodges Baily & a arte de Kênia Bastos aqui.
 

CECÍLIA MEIRELES, CLARA LEFF, ETHEL FELDMAN, TEMPO DE PERNAMBUCO & PEÇAS RUAS DA CIDADE

PELAS RUAS DA CIDADE – Acenos pros que passam rostos vivos e mãos suadas que vão e outros vindos nem sei de onde, olá pros que estão no...