Pular para o conteúdo principal

CARLOS FUENTES, NOÉMIA SOUSA, SPIVAK, IVO KORYTOWSKI, GIÁCOMO SINAPSI, LAGOA DOS GATOS & HUMOR JURÍDICO

O DIA É HOJE, AGORA! Imagem: arte do fotógrafo italiano Giácomo Sinapsi.- Tivera eu tanta ventura quanto alvíssaras, flores de maio nas chuvas de outubro. Pudera, porque não, rente a alvorada até o crepúsculo: quantas acontecências, aos montes nas bifurcações pras bandas do sem fim. Nada é demais pra quem já foi além da conta. Amanhece, bom dia, outra manhã, vou em frente, sempre, passo a passo, idas e vindas. A labuta sou eu que faço: mãos e pernas na coluna esticada, paisagens de ontem renovadas agora como se nunca estivessem ali, o gosto da primeira vez, mesmo com sabor de desbotadas ou do ponto passadas, avalie. Quase devaneio, tudo não passa da incerteza, semeio o presente: não há como trilhar em linha reta com toda minha assimetria, sou movimento até depois do meio dia. Já é boa tarde! Quantos nãos com a porta fechada na cara, as costas das circunstâncias. Quem sabe um sim no meio de tantas adversidades, afinal o sim é bem-vindo de qualquer jeito, até com má vontade, ah, pelo menos. Assim, quase nem vale, o melhor pode acontecer a qualquer momento. Como se a mulher amada, qual Simone iluminada, me fizesse de Jean-Paul: quero essa sua cabeça emaranhada, é tudo que quero, sua sapiência, o que trama e pensa. Não acha que quer demais? E eu, priápico desvalido, abri-lhe a braguilha expondo o falo loucamente enrijecido: você tem essa cabeça! Quer? É só o que tenho. Ela abre os olhos, dá-me uma olhadela risonha e sedutora de batom vivo, verga elegantemente carregada de vestes e jeitos, quase genuflexa, beija a minha glande e fela até arrancar das minhas entranhas o vulcão explosivo da minha eruptiva ejaculação. Ah, demais. E ela, tão Simone quanto, ao sorver o meu extravaso premia o prazer com seu lindo riso no canto da boca, a sussurrar: agora tenho você dentro de mim, você é meu! Mais que grato, dou-lhe o que sou, com boa noite e tudo, e dela: a vida é só agora, amanhã não sei, agora. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especiais com a música de Djavan ao vivo + Ária + Um amor puro; a célebre cantora lírica soprano brasileira Bidú Sayão (1902-1999), interpretando a Bachiana nº 5 & Floresta amazônica de Villa-Lobos & La demoiselle élue de Debussy; da saxofonista, flautista, compositora e arranjadora Daniela Spielmann com Brazilian Breath, Saudades do Paulo com Cliff Korman & Chorinho pra você com Paulo Moura; e do cantor e compositor Zé Ripe com Amigos em pé de serra & Santanna O Cantador, Predestinação, Nordestinos do Forró, Bobeira & Perdi Você. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIA – [...] a mulher tanto da nova como da antiga diáspora não tem como assumir o papel de agente crítica da sociedade civul – papel esse que constitui o sentido mais pleno da cidadania – para lutar contra as depredações da “cidadania econômica global”. [...]. Pensamento da professora, crítica e teórica indiana Gayatri Chakravorty Spivak. Veja mais aqui e aqui.

LAGOA DOS GATOS – [...] O sítio do Peri-peri “comelava no cabeço mais alto da serra que vem do Gato e ia direto a Bebida do Gado e cortava rumo direto a outra serra que vem do Boqueirão, onde topava com terras do mesmo comprador”. Esses limites eram, nos dias de hoje, os seguintes: o cabelo mais alto da serra que vem do Gato é o serrote da Nazaré no Pau Ferrado; dali, cortando para o norte, vinha ao Entroncamento; cortava na direção do poente, pelas cumiadas atravessando o lajeiro do Imbiruçu, até as atuais divisas de Lage Dantas com Riachão de Fora; dali, na direção sul, voltando com uma linha reta entre as atuais divisas do Peri-peri e Lagoa de Patos, alcançava um ponto qualquer, nas terras à montante do açude e dali com terras do comprador José Fragoso de Albuquerque. [...] possuíam os limutes da grande data que se estendia desde Garanhuns às proximidades do rio Una aqui por cima da povoação de Capoeiras. [...]. E a ribeira do rio do Gato, situada já na quase extremidade da sua linha divisória ao sul, era um desses grandes colossos desconhecidos, encravados segundo os vagos conhecimentos territoriais dos seus donos, nas terras da fazenda das Panelas. [...]. Era natural que sendo a terra desconhecida, inculta e desabitada, não tivesse nenhum nome. [...] que se fixaram no lugar da Ribeira do Rio do gato, desbravando-o os que lhe deram nome, revivendo, longe da pátria, a toponímia do torrão natal. Daí, a Ribeira do Rio do Gato, que mais tarde passou a chamar-se de Barra dos Gatos, principalmente na parte que se aproxima da sua foz, no rio conhecido sempre com o nome de rio Panelas. [...]. Lagoa dos Gatos, fundada a 23 de agosto de 1804: [...] Essa lagoa existiu até a segunda metade do século passado, quando no ano de 1856, oitenta anos depois de sua descoberta, homens do lugar já povoação, entenderam de fechar-lhe o escoadouro que a comunicava com a corrente do riachgo, cavando da outra margem e carregando arrastada em couro de boi, a terra com que fizeram uma barragem, formando o baldo do açuide que ainda hoje existe. Daí para baixo, o rio ficou conhecido por Rio do Gato, passando pelos lugares Bebida, Morcego, Cangalha, Brejinho, Gatos e Barra dos Gatos, onde deságua no seu suserano, o rio Panelas. [...] Numa dessas manhãs, não puderam apanhar água; pois, um gato domestico que por ali andara caçando durante a noite anterior, caira dentro do referido poço, morrendo afogado. Aquelas aguadeiras, voltaram chamando aquele lugar de... Lagoa do Gato. [...] um dia, ao pino do sol, um pescador sonolento, quase à modorra, mal sustinha o anzol, olhos semi-cerrados, assustara-se com a presença inesperada de um grupo de gatos do mato, de várias cores, pintados, mouricos, grandes, pequenos, mas todos algres e vivazes, enrolando-se uns aos outros naquela festiva manifestação do prazer irracional e aproximaram-se da bebida. O negro, entrementes, tomara grande susto. Pressentidos pelo importuno sonolento, debandaram em disparada. Aquele, chegando em casa, maravilhado pelo que vira, contara o fato ao senhor e dizem que daí, em diante, ficaram chamando aquela bebida de Lagoa dos Gatos. [...]. Trechos extraídos da obra História de Lagoa dos Gatos (CEHM, 1981), do funcionário público, historiador e jornalista João Pereira Callado. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

HUMOR JURÍDICOAo ouvir do juiz Lessa Ferreira, da comarca de Palmares, a sua sentença, condenando-o a cumprir a pena de 29 anos e seis meses de reclusão, o réu, revoltado com a redução insignificante da pena ampliada, disse em voz alta para o juiz – Arredonde, doutor. Na comarca de Bodocí, houve a necessidade de uma justificação de óbito. É que sepultaram um homem sem o necessário atestado da causa morte. Como testemunha do enterro, foi intimiado, é claro, o velho coveiro da cidade para prestar esclarecimento. Quando o juiz indagou do depoente qual era a sua profissão, surgiu a resposta com a gentileza indesejável: - Coveiro, para servir a V. Excia. O juiz não perdeu tempo e aconslehou a testemunha a oferecer primero seus serviços profissionais ao escrivão, por ser mais velho. Num julgamento pelo Tribunal do Juri em Campina Grande, na Paraíba, tinha o advogado grande dificuldade para fixar a tese da defesa, razão pela qual vacila muito no tribunau. No intervalo para o jantar, recebeu de um dos jurados a seguinte quadra: Doutor sustente a defesa / do jeito que achar forte / ou negue logo esse crime / ou justifique essa morte. Trechos extraídos da obra Antonio de Brito Alves: o príncipe dos advogados (AIP, 1991), do jornalista Carlos Cavalcante (1949-2011).

INSTINTO DE INEZ - [...] Isso vais contar ao homem que te impelirá de parir teu filho como querias, tu sozinha [...] estendendo os braços para tu mesma receberes a criança com a dor que esperarás naturalmente mas acrescida de outra dor que não será natural, que te quebrará as costas pelo esforço que farás ao receber a criança tu mesma, sem ajuda de ninguém, como sempre fez. Antes. [...]. Trecho extraído da obra Instinto de Inez (Rocco, 2003), do escritor e diplomata mexicano Carlos Fuentes (1928-2012). Veja mais aqui.

DEIXA PASSAR O MEU POVO - Noite morna de Moçambique / e sons longínquos de marimbas chegam até mim / -- certos e constantes -- / vindos nem eu sei donde. / Em minha casa de madeira e zinco, / abro o rádio e deixo-me embalar... / Mas as vozes da América remexem-me a alma e os nervos. / E Robeson e Maria cantam para mim / spirituals negros do Harlem. / Let my people go /-- oh deixa passar o meu povo, / deixa passar o meu povo --, / dizem. / E eu abro os olhos e já não posso dormir. / Dentro de mim soam-me Anderson e Paul / e não são doces vozes de embalo. / Let my people go. / Nervosamente, / sento-me à mesa e escrevo... / (Dentro de mim, / oh let my people go...) / deixa passar o meu povo. / E já não sou mais que instrumento / do meu sangue em turbilhão / com Marian me ajudando / com sua voz profunda -- minha Irmã. / Escrevo... / Na minha mesa, vultos familiares se vêm debruçar. / Minha Mãe de mãos rudes e rosto cansado / e revoltas, dores, humilhações, / tatuando de negro o virgem papel branco. / E Paulo, que não conheço / mas é do mesmo sangue e da mesma seiva amada de Moçambique, / e misérias, janelas gradeadas, adeuses de magaíças, / algodoais, e meu inesquecível companheiro branco, / e Zé -- meu irmão -- e Saul, / e tu, Amigo de doce olhar azul, / pegando na minha mão e me obrigando a escrever / com o fel que me vem da revolta. / Todos se vêm debruçar sobre o meu ombro, / enquanto escrevo, noite adiante, / com Marian e Robeson vigiando pelo olho luminoso do rádio / -- let my people go, / oh let my people go. / E enquanto me vierem do Harlem / vozes de lamentação / e meus vultos familiares me visitarem / em longas noites de insônia, / não poderei deixar-me embalar pela música fútil / das valsas de Strauss. / Escreverei, escreverei, / com Robeson e Marian gritando comigo: / Let my people go, / OH DEIXA PASSAR O MEU POVO. Poema extraído da obra Sangue negro (União dos Escritores de Moçambique, 2001), da poeta, tradutora, jornalista, militante política e mãe dos poetas moçambicanos Noémia Sousa (1926-2002). Veja mais poetas moçambicanos aqui, aqui e aqui.

PASSAPORTE PARA O PARAÍSO
[...] Eu, que tudo fiz por teu bem-estar: mourejei diligentemente, para que nada faltasa a ti e a nosso filho; concordei em que ele fosse batizado; os míseros tostões que percebias como datilógrafa, transmutei-os em generosa mesada [...] Pudera! Já fui literaturo um dia (lembra-te de como nos conhecemos?)! Literatura não enche barriga de ninguém, a não ser de uma meia dúzia, vamos e venhamos! Sim, confesso ter-me excedido. Nunca me exigiu o diretor que eu fizesse serão quase todas as noites: fi-lo porque qui-lo. Entretanto, fui recompensado com a subgerência, que me permitiu adquirir vistoso automóvel do ano. Não precisaria ter passado tantos anos sem férias: o diretor nunca o demandou de mim. Poderíamos ter desfrutado temporadas na praia, na montanha (ou mesmo na Europa)... No entanto, ingrata Helena, com a remuneração em espécie das férias não gozadas, completei a entrada de nosso belo apartamento de cobertura, em prédio de centro de terreno, com sauna, piscina e duas vagas na garagem. Ou isso não tem importância? [...] Ars longa, vita brevis. Já passa da meia-noite e, antes que o sono me domine (apesar dos vários cafezinhos que tomei), pretendo concluir a história da vinda do Messias...
Trechos extraídos da obra Passaporte para o paraíso (Fragmentos, 2017), do poeta, lexicólogo, filósofo, fotógrafo, blogueiro e tradutor Ivo Korytowski. Veja mais aqui.

Veja mais:
A arte e a entrevista de Genésio Cavalcanti aqui.
A resistência dos versos: neste sábado, dia 28/10, no anfiteatro da Praça Paulo Paranhos, Palmares – PE, acontecerá o lançamento do livro A resistência dos versos, do cantor, compositor e poeta Zé Ripe, com extensa programação. Veja a entrevista aqui e mais do autor aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

ARTE DE GIÁCOMO SINAPSI
A arte do fotógrafo italiano Giácomo Sinapsi.


Postagens mais visitadas deste blog

A MULHER

A MULHER – Quando criei o blog “Crônica de amor por ela” levado pelo mote dado pela poetamiga Mariza LourençoEla nua é linda – um bloguerótico” eu pensava publicar meus versos, tons & prosas poéticas voltadas para o amor e afetividade, sexualidade e cumplicidade das paixões, desejos e amizade entre os seres humanos.


Arte: Mariza Lourenço.
De primeira, eu queria fazer uma homenagem às mulheres pelo reconhecimento de grandeza do seu ser.


Arte: Mariza Lourenço.
Depois, eu queria fazer uma homenagem ao amor, este sentimento que envolve todos os seres humanos.


Arte: Derinha Rocha.
Quando menos pensei eu estava com um livro pronto: o “Crônica de amor por ela” reunindo poemas, prosas poéticas, poemiúdos, .canções, proseróticas, poemiuderóticos, croniquetas, noveletas, expressões ginofágicas priápicas e outros teréns e juras de amor por ela.


Arte: Derinha Rocha.
UNIVERSO FEMININO – O universo feminino muito me encanta, fascina e me faz cada vez mais cativo ao maravilhoso ser que é a mulher.


Ar…

STEVENSON & FANNY, MARIANNE MOORE, BETTY MEGGERS & HANNAH YATA

A ÚLTIMA CARTA PARA FANNY - O mundo está cheio de tantas coisas, os sonhos são maiores que as dores. O sangrento Jack me persegue desde a infância, mesmo quando as aventuras davam num débil inválido, enfermiço, era eu um acendedor de lampiões com o bicho-papão fungando nas sombras dos meus cabelos. Só me restava a noite solitária com o sopro dos ventos, calafrios e tempestades terríveis, as lembranças de Cumme e as suas histórias horripilantes. Sempre foi assim entre a espada heroica e a pena inglória, os mapas e histórias inventadas, os paladinos marinheiros marchando para salvar a humanidade indefesa na minha cabeça, me fazendo faroleiro das ondas, tormentas e naufrágios, a distinguir o que era e não era entre vagabundos e ilibados senhores da sociedade. Como fui reprovado pelos professores, já sabia que nunca seria um contador de história respeitável, só um plumitivo que nada mais era que uma alma perdida com passatempos mirabolantes na ideia. Nunca me vi levantando paredes para mo…

ÉLUARD, APPIA, ALMODÓVAR, OSMAN LINS, PAULO CESAR PINHEIRO, ALBERTO DE OLIVEIRA, MALHOA, PENÉLOPE CRUZ, VALERIA PISAURO & MUITO MAIS NO PROGRAMA TATARITARITATÁ!!!!

CANTO DE CIRCO – O livro Os gestos (José Olympio, 1957), do escritor pernambucano Osman Lins (1924-1978), reúne treze contos que foram escritos nos anos 1950, abordando sobre a impotência e angustia do ser humano. Do livro destaco esse trecho do Canto de Circo: Ergue a cabeça e contemplou o lugar onde tantas vezes se apresentara para os seus breves triungos no trapézio. No dia seguinte, desarmariam o Circo – pensava; e na próxima cidade, quando o reerguessem, ele estaria longe. Nunca, porém, haveria de esquecer aquela frahil armação de lona e tabique, as cadeiras desconjuntadas, o quebra-luz sobre oespelho partido e o modo como os aplausos e a música chegavam ali. Baixou os olhos, voltou a folhear a revista. Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual despedia e que lembrava, de certo modo, o aposento de um morto, semelhança esta que seria maior, não fosse a indiferença quase rancorosa que o rodeava; pois, a despedida iminente, só ele sentia. Os colegas – o equili…

EGBERTO GISMONTI, HANNAH ARENDT, SARAH BERNHARDT & ANJA MATKO

A ALMA DE GISMONTI - Os acordes do Palhaço de Circense trouxeram lembranças do primeiro contato na Dança das Cabeças: acordes de cordas e teclas, batidas de corpo e de alma. Outras memorações, como a do Nó Caipira ou Zig-Zag, tão similares às coisas de minha gente com suas quermesses cumprindo penitentes a sua obrigação para livrar das mandingas, enganando as dores do mundo às mungangas e saudando a vida nos parques de diversão, ou na saída da sessão do cinema, as rodas de conversa com adágios e licenciosidades nas lapadas da tirana com estalado dos dedos e caretas de mamulengo pras quatro festas do ano, no meio de loas com livusias e pinoias de Malasartes e Camonge. Ah, minha gente, como coisas de Carmo, a Cidade Coração e a herança ítalo-libanesa: a mãe que canta acalanto para ninar o futuro do seu filho ou como quem junta mão-de-milho a tomar da garapa ou do ponche, soltando lorotas e potocas para quem puxa moda de viola, parlendas e mnemonias das coisas do Monge de Ipanema ou de C…

MOLIÉRE, DURAS, PANCHATANTRA, CYBELE, VLAMINCK, MUDDY & IDA BAUER.

O DOENTE IMAGINÁRIO – A peça O doente imaginário (Le malade imaginaire, 1673) é a última entre as escritas pelo dramaturgo, ator e encenador francês Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (1622-1673). Considerado um dos mestres da comédia satírica, essa peça composta em três atos, critica os costumes da época ao contar a história de um velho hipocondríaco Argan que se julga pesadamente doente sem realmente estar, acatando cegamente toda as ordens do médico que se aproveita da situação. Por outro lado, o doente quer por fim da força que sua filha Angélique contraia matrimonio com um filho de médico para que possa receber gratuitamente do genro o seu tratamento. Entretanto, a jovem filha está apaixonada por Cléante, tornando-se livre para casar depois de um ardil tramado por seu irmão Bérald para curar seu pai de sua fixação com médicos. Destaco o seu Quarto Ato: (Uma cenaburlesca, de coração de grau de um médico. Assembléia composta de porta-seringas, farmacêuticos, doutor…