terça-feira, outubro 17, 2017

ANNIE BESANT, RAMOS ROSA, ARTHUR MILLER, TORERO, LORI KIPLINGER PANDY & VLAHO BUKOVAC

IARAVI & A LUA – No dia que a apaixonada cunhã Iaravi perdeu o caminho de volta pra sua casa caingang e se desencontrou do seu amado Fiietó, ela errou por terras distantes, até vê-se completamente desamparada, aos prantos. Seguiu erradia por noites e dias com a esperança de reencontrar o caminho de casa e o seu amor perdido. Depois de muito vagar sozinha pela vida, não restava mais a ela, senão, o caminho de todas as cunhãs que padeciam de amor: seguir pro alto da colina, deprecar por Iaci, na crença de que ela pudesse trazer o seu amor de volta, tendo em vista a deusa selenita, com o seu beijo, redimir todas as mulheres apaixonadas, tornando-as iluminadas, desmaterializando-as e transformando-as em estrelas fixadas no firmamento. Assim fez Iaravi, procurando altas elevações para realizar o sonho da felicidade, percorrendo lugares com montanhas, serras e montes, até encontrar a maior delas, para alcançar o reino selênico. Ao chegar ao pico daquela, fitou o céu onde as estrelas pareciam entoar cânticos à beleza da Terra e logo encontrou a lua banhando-se no lago. Pulou do alto e mergulhou nas águas onde se encontrava Iaci que, apiedando-se do seu sofrimento, aproximou-se e perguntou: O que queres, minha linda canigang? Iaci, minha deusa, perdi o caminho de volta e, o pior, me desencontrei do meu amor e sigo errante, perdida e desesperada. Nada mais me resta, a não ser a tua complacência, minha deusa e soberana da noite, me transformando em uma vitória-régia, a estrela das águas, para que eu possa findar meus dias sempre esperando por meu amado. Iaci compadeceu-se daquela índia, beijou suas faces, transofrmando-a numa formosa estrela do céu, imortalizada com o aroma da paixão universal. Teve o cuidado de guardar na bela amante todos os mistérios das águas profundas para que ela pudesse reluzir no encantamento dos belíssimos viveiros fluviais da Terra. Mais que grata, Iaravi transformou-se na Lua refletindo a chamar a atenção das caboclas inspiradas pela paixão do amor e a guiar o caminho dos selenitos. (Recriada a partir da lenda Vitória-régia, de Anísio Melo, extraída da obra Contos e lendas amazônicas - Alfredo Ladislau, 1923), © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especiais com a música do compositor e pianista russo Alexander Scriabin (1871-1915): O poema do êxtase op. 54, Misterium & Poema do fogo; da cantora e compositora Fátima Guedes: Muito intensa, Muito prazer, Flor de ir embora & Cheiro de mato; do compositor e pianista estadunidense Keith Jarret: The Koln Concert, La Scala & My Song; da cantora, compositora, instrumentista e designer sonoro Joana Flor: Sine qua non, O que me resta, Me falta tem, Indivíduo lugar & Do que é efêmero. Para conferir é só ligar o som e curtir.

PENSAMENTO DO DIA – [...] Eu procuro e não consigo encontrar, Willy. Hoje eu fiz o último pagamento da casa. Hoje, querido. E não há ninguém nela. Não estamos devendo nada a ninguém. Estamos livres de obrigações. Estamos livres... Estamos livres... livres... [...]. Trecho da obra A morte do caixeiro-viajante (Abril, 1976), do dramaturgo estadunidense Arthur Miller (1915-2005).

EVOLUÇÃO MORAL - Muitas pessoas nutrem bons sentimentos para com qualquer boa causa, mas poucas se esforçam por ajuda-la, e muito poucas arriscarão alguma coisa para apoiá-la. 'Alguém deve fazê-lo, mas por que eu?' é a pergunta sempre repetida pela amabilidade irresoluta. 'Alguém deve fazê-lo, e por que não eu?' é o grito de algum zeloso servo do homem, que se atira, animoso, para a frente a fim de enfrentar algum dever perigoso. Entre essas duas sentenças jazem séculos inteiros de evolução moral. Pensamento da escritora e ativista anglo-indiana Annie Besant (1847-1933). Veja mais aqui.

SONHO & SAUDADE - [...] Tive um sonho esquisito ontem: era uma manhã ensola rada e eu vinha a pé pela avenida Paulista, sentido Consolação-Paraíso. O silêncio era total, nenhum carro passava. Havia apenas papéis picados cobrindo o asfalto e bandeiras brasileiras penduradas nas janelas [...] Acordei com saudades [...] de nhoque feito pela avó, [...] de meu avô, [...] dos shorts de panos estampados feitos pela minha mãe; saudade do barulho de batedeira de minha mãe [...] de ir aos jogos com meu pai, [...] de ver os avós brigando e fazendo as pazes, [...] de briga de empurrão com meus irmãos [...] de ganhar dinheiro do meu avô para comprar figurinha de chapinha [...] Saudade do tempo que já foi. Saudade do que já fui. [...]. Trechos extraídos da obra Os cabeças-de-bagre também merecem o paraíso (Objetiva, 2001), do escritor e jornalista José Roberto Torero. Veja mais aqui.

PALAVRA - Eleva-se entre a espuma, verde e cristalina / e a alegria aviva-se em redonda ressonância. / O seu olhar é um sonho porque é um sopro indivisível / que reconhece e inventa a pluralidade delicada. / Ao longe e ao perto o horizonte treme entre os seus cílios. / Ela encanta-se. Adere, coincide com o ser mesmo /da coisa nomeada. O rosto da terra se renova. / Ela aflui em círculos desagregando, construindo. / Um ouvido desperta no ouvido, uma língua na língua. / Sobre si enrola o anel nupcial do universo. / O gérmen amadurece no seu corpo nascente. / Nas palavras que diz pulsa o desejo do mundo. / Move-se aqui e agora entre contornos vivos. / Ignora, esquece, sabe, vive ao nível do universo. / Na sua simplicidade terrestre há um ardor soberano. Poema extraído da obra Volante verde (Moraes, 1986), do poeta, tradutor e desenhista português António Ramos Rosa (1924-2013). Veja mais aqui.

A ARTE DE LORI KIPLINGER PANDY
A arte da escultora estadunidense Lori Kiplinger Pandy.

Veja mais:
Iaravi & Fiietó aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A ARTE DE VLAHO BUKOVAC
A arte do pintor croata Vlaho Bukovac (1855-1922).

MARTIN AMIS, PHYLLIS A. WHITNEY, ROSANA PALAZYAN & PAULA BERINSON

    Ao som dos álbuns Violão Popular Brasileiro Contemporâneo (1985), Camerístico (2007), Original (2002) e Dois Destinos (2016), do vio...