sexta-feira, novembro 11, 2016

E SE O AMOR FOSSE A VIDA NA TARDE ENSOLARADA DO QUINTAL...


E SE O AMOR FOSSE A VIDA NA TARDE ENSOLARADA DO QUINTAL - (Imagem: arte da poeta, artista visual e blogueira Luciah Lopez) – No quintal dos milagres a gente inventava de tudo na vida, até sonhos impossíveis a gente crescia com as muitas luas. De menina sapeca e levada da breca atrepada na jaqueira, ela se fez moça linda filha do fogo – Iaravi. E certa tarde toda faceira, chegou-se com seu jeito eterna menina e me ofereceu o rumbiá da congonha – que é isso? Nunca tinha bebido da cuia do mate. Muna! Chamou-me pra segui-la e fui atrás dos seus passos primeiro pelos campos dos pinheirais de Aú – e enquanto eu conferia detalhadamente sua compleição, ela seguia a passos largos por arroios, capões e serras, até a mata espessa em que ficamos ouvindo o silvo dos pássaros e das abusões. Ha kantin! Insistia pra seguir-lhe enquanto pezunhávamos úmidas folhas, raízes e gravetos, até chegarmos às margens do rio Atuba, apontando pelo vilarinho dos Côrtes. Tá! Tati kéva! – disse-me, apontando para o lugar. Seguiu até a margem e caminhou dentro d’água até ver-lhe apenas a cabeça de fora. Deu uns três mergulhos e fez um sinal para que eu fosse até lá onde estava. Assim o fiz do jeito que estava pronto para tudo e, ao me deparar com seu corpo nu naquelas águas cristalinas, ela disse-me: - On buonghvê! E me fez mergulhar minha cabeça três vezes, como a um batismo. Feito isso, repetiu-me: - On buonghvê! E me beijou as faces, encostou seu corpo nu ao meu e pude ter a revelação da vida. Ela se tornara Freyaravi me embalando na dança de todas as paixões. Beijou-me os lábios e eu pude ver os campos do Bacaxeri, os bosques de Fuong, até os campos do Juvevê num voo que não tinha a menor noção do que acontecera. Eu sabia que havia voado em seus braços, mas quando dei por mim, estávamos no mesmo lugar, arrodeados por belíssimas paragens – ela própria, a maior e mais bela de todas elas. Nem me dei conta que em seus braços haviam passado quatro luas e eu teimando em não me afastar, nada de me desgrudar um mínimo que fosse dela. Voltei ao mundo quando ouvi soprar uma ookire, tocou-me melodia estranha pra lá de reconfortante. Viu-me encantado e mais me beijou com seus cálidos lábios para que o amor fosse a vida na tarde ensolarada do quintal dos milagres. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

Veja mais sobre:
Querência & a arte de Mazinho, Fiódor Dostoiévski, Igor Stravinsky, Saulo Laranjeira, René Clair, Joseph Tomanek, Veronica Lake, Erich Sokol & Bioética: meio ambiente, saúde e pesquisa aqui.

E mais:
A arte de Rosana Simpson aqui.
Danos Morais & o Direito do Consumidor aqui.
Interpretação e aplicação do Direito aqui.
Direito como fato social aqui.
A arte de Di Mostacatto aqui.
Concurso de Beleza, Vinicius de Morais, Carlos Zéfiro & Nik aqui.
A arte de Lanna Rodrigues aqui.
Sindicato das Mulheres Feias, Saúde & Sexo, Humor, Papo vai & papo vem aqui.

DESTAQUE: VERVARA STEPANOVA
Imagens: arte da artista construtivista russa Varvara Stepanova (1894-1958).

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
( a poesia))_______ foi feita de uma flor
 e ainda me queima por dentro.
Mas é tão bom ficar assim...
((suplico às horas___passem! Passem!))
A poesia – poemas, fotos, imagens – arte da poeta, artista visual e blogueira Luciah Lopez.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...