sábado, abril 16, 2016

DESABAFO DO DR. ZÉ GULU E A CIVILIZAÇÃO DOS EQUÍVOCOS

DESABAFO DO DR. ZÉ GULU: A CIVILIZAÇÃO DOS EQUÍVOCOS – Naquela tarde quando adentrei nas dependências do bar do Dudé, esperava apenas manter a costumeira bebericagem do final de semana. Não, não foi. A surpresa me pegou de cheio! Era que o Dr. Ze Gulu que sempre fora apenas uma presença que ocupava lugar por ali, nunca se envolvendo em conversas com ninguém - só quando instado ou perturbado por algum xué que buscasse esclarecimentos dele -, e que sempre se mostrara em seu mutismo solitário, na sua de eremita da maior sabedoria, empelicado e feliz que só filho de frade, sentado na mesa de sempre, agarrado na leitura de um livro qualquer e dando as suas talagadas, sorvendo de uma cerveja bem gelada, ou de um uísque com bastante gelo, ou de uma bebida qualquer que lhe desse na veneta, fosse vinho, gin, vermute, cachaça, licor, ou o que fosse, naquela tarde, não estava no seu modo peculiar. O homem saíra da sua forma introspectiva, para expectorar suas ideias no recinto. Além de se mostrar fora do seu normal, ao que parece, estava mordido do porco, inclemente e aos berros: - Nietzsche estava certo: a Filosofia só teve graça até os pré-socráticos! Depois disso, nasceu a civilização dos equívocos! -, era ele injuriado, falando pras paredes. Sim, um silêncio tumular, ninguém entendia nada, contudo, respeitava-se a erudição daquele intelectual de Alagoinhanduba. Sabia-se que na casa dele era livro do portão de entrada até os fundos, e do piso ao teto. Diziam até que na casa dele só tinha mesmo livros pra todo lado, tudo aos montes, abertos, marcados, riscados, pra onde se virasse era publicações de todo tipo nas estantes – que eram muitas e desarrumadas -, em cima da mesa, pelos cantos, de fato um homem letrado. Nesse dia ele estava com o pau nos galhos: - Não que Sócrates estivesse errado, mas o que se entendeu depois do pensamento dele do que foi interpretado de Platão e Aristóteles, nasceu, então, a rede de todos os equívocos e a chatura da racionalidade. Até ali, o planeta era um só, um todo. Depois disso, cortaram o corpo caloso dos hemisférios e um muro de ignorância dividiu o planeta, principalmente depois que se nomeou a Grécia como o berço da civilização equivocada do ocidente, como se não mais existisse oriente e só o pensamento dessa banda do mundo que valesse. Até Jesus foi engalobado nesse equívoco todo: entenderam tudo errado e o Cristianismo tornou-se um equívoco milenar até hoje. E foram se acumulando os sectarismos, os maniqueísmos, fabricando engodos, embustes e falácias que se avolumaram na Idade Média e quando se deu o Renascimento e o surgimento do Iluminismo, foi que a desgraceira logrou espalhafatosamente ar de verdade: o cartesianismo que ardilosamente passaram a manta e não entenderam Descartes e, então, só trocaram canhanha por corcoroca, porque mantiveram só as dicotomias: apolíneo ou dionisíaco, idealista ou materialista, fisicalista ou animista, sempre o dualismo psicofísico cultuado até hoje. Santo desacerto! E hoje, mesmo que Einstein tenha ampliado Newton e validado a quântica de Planc, enterrando as incorreções vesgas da ciência e da filosofia, ainda hoje, deu tudo em vasa-barris com o mal-entendido que é mantido nas universidades, criado por uma academia positivista, mecanicista. Isso é que é uma desgraceira dos diabos, só deu em pantanas, em águas de bacalhau! -, o homem estava virado da breca e ninguém entendia o português que ele falava, era um grego feito o padre na missa toda só em latim. Mas todos com as cabeças em nuto, sobrancelhas arqueadas e bocas fazendo bico de espanto. Para todos, aquele homem falava verdades oraculares, indiscutíveis. – E manda outra lapada que hoje eu tô virado na gota! – gritou pro Dudé. Foi nessa hora que Fubamba, mais bicado que nunca, mais pra lá do que pra cá, entrou na conversa: - Isso é que é doutô, devia de ser o prefeito daqui! Todos aplaudiram. O Dr. Zé Gulu, porém, levou isso na conta do desaforo, mas relevou devido o estado etílico de sempre do beócio. Não se contendo, Fubamba afinal abriu os olhos e com a língua engrolada dos bebuns falou pra ele: - Ô, doutô, que mal li pregunte: o sinhô é doutô de que mermo, hem? Das ideias. Vixe! Já vi doutô dos óio, dos dente, do bucho, mas da ideia nunca vi não. Isso servi pra que mermo, douto? Ah, aí passou da conta. – Sai desse imprensado, Fubamba! -, gritou alguém em sinal de apoio ao sábio. Todavia, o Dr. Zé Gulu bufou, respirou fundo e arretou-se: - Quem não come surucucu-pico-de-jaca, não almoça! Ou se investe maciçamente na Educação ou este país será sempre essa meleca troncha e arrevirada de sempre! Tenho dito! -, e saiu danado como quem foi pruma guerra, arrastando no peito as adversidades de suas ideias revolucionárias. Aí a mundiça ficou em polvorosa: - Que coisa?!? -, todos reprovando a insolência do Fubamba que já amarrava o bode na mesa, sem nem se dar conta do mundo ou do que estivesse acontecendo. Aos poucos o ambiente foi adquirindo a normalidade e os cochichos foram se tornando algaravias que retomavam os assuntos apropriados das mesas, regados a papos de futebol, infidelidade, trambicagem, envultamentos e outras baboseiras tão comuns em qualquer lugar, principalmente ali onde tudo é possível. Foi quando alguém se levantou e disse: - A gente veio aqui pra beber ou conversar? Ora, quem tem seu vintém bebe logo. A gente se garante porque tudo passa e o baião fica. E vamos aprumar a conversa & tataritaritatá! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui

 Imagem: a arte do pintor do Romantismo francês Henri Fantin-Latour (1836-1904). Veja mais aqui

 Curtindo o álbum (cd, livro e dvd duplo) Um sopro de Brasil (Núcleo Contemporâneo), organizado por Myriam Taubkin para o Projeto Memória Brasileira.

LEITURA 
Livro Pedro Páramo & Chão Em Chamas (Record, 2004), do escritor mexicano Juan Rulfo (1917-1986).

PENSAMENTO DO DIA
Mesmo que você todo dia pise na merda, só encontre porta fechada, leve marretada como a peste, sofra que só sovaco de aleijado, se lasque todo, mesmo assim, saiba de uma coisa: você mesmo é a merda que desgraça sua própria vida. Guarde isso. (LAM).

POEMIUDINHO
FESTA
Imagem: foto do acervo de Valkirya Freya
Quando ela dá o ar da sua graça
A paixão grassa de montão
E o mundo noitedia é só festa
Na praça do meu coração.
(LAM). Veja mais aqui.

Veja mais Leonardo da Vinci, Charlie Chaplin, Anatole France, Tristan Tzara, Edson Natale, Nalá e Damaianti, Henri Fantin-Latour & Meimei Corrêa aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: Bachante, da pintora francesa Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun (1755-1842)
Veja aqui e aqui.
 

VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...