domingo, abril 10, 2016

COM QUANTOS DESAFOROS SE FAZ UMA ELEIÇÃO

COM QUANTOS DESAFOROS SE FAZ UMA ELEIÇÃO - Quando Alagoinhanduba teve a sua primeira eleição pros cargos de prefeito e vereadores, as lideranças políticas da região não davam muita bola, nem a menor importância pro município. Era que o usineiro e os caciques da cana estavam envolvidos com a política de outras cidades mais próperas, deixando a localidade sem nenhuma representação no estado. Como foi emancipada no meio de uma tuia de outros tantos distritos do Brasil afora, era chegada a vez dali começar a ter a sua própria administração pública. E não podia ser diferente do país do Fecamepa: em terra de bandido todo mundo é artista, até que se prove em contrário. Assim foi. O primeiro candidato que apareceu foi, evidentemente, o Doro. Todavia, foi rejeitado por não ter partido que o legitimasse. – Tumém, eu quero é sê prisidente, coisa de prefeitura é pra calunga! -, dizia ele minimizando a rejeição. Nas carreiras, dois partidos foram arranjados na hora e com o resultado das pesquisas, as duas pessoas mais conhecidas e populares do lugar, eram, justamente, os dois inimigos Zés: Peiúdo e Corninho. É que Zé Peiúdo detinha o sistema de comunicação do lugar com a sua rede de altofalantes que ele denominava de Alagoinhanduba FM, informando e entretendo a mundiça, quando não inventando ocorridos para deixar tudo de cabelo em pé. Já o Zé Corninho só tinha de serviço prestado à população as gaias que levava das trocentas mulheres dele, sustentando uma tuia de filhos que julgava seu, o que era um grande beneficio pra maioria dos marmanjos que lavava a jega nas esponsais do distinto. Daí é travado o embate eleitoral. Peiúdo se aproveita de seu aparato midiático, ainda arranhado pela rixa criada no torneio de chimbras e outras barroadas de ânimos, pra descascar a alma de Corninho. Sem saber o que fazer, Corninho devolvia no mesmo tanto todas as infâmias e engalobagens do desafeto. Pra deleite da plateia eleitora, a guerra de xingamentos estava travada sem previsão de trégua nem tão cedo. A turma maloqueira apostava quem ganhava dos dois em desancar, um ao outro, com infamantes ofensas, apelidos e pilhérias jogadas pra queimar mais lenha. Isso até dois dias antes da eleição, quando o buruçu estava além de todos os limites improváveis, um juiz ineivado foi designado pelo TSE para presidir o pleito, chamando os dois em reunião de portas fechadas: - Vocês estão pensando que este país não tem lei? Prendo os dois e não tem mais eleição! Os dois saíram murchos com o rabinho entre as pernas. Bastou o magistrado dar as costas e o teitei da esculhambação esborrou na primeira esquina. Juras de morte estavam acertadas pra depois da apuração. Quando as urnas foram encerradas, um minuto depois saiu o resultado: 85% dos eleitores foram pra praia e preferiram justificar o voto lá mesmo. Dos 15% que botaram fé, 70% optaram por Zé Corninho, 20% votaram em branco e os 10% restante sufragaram no Peiúdo. – Fui roubado! -, gritou na hora o derrotado. E agarrou no palitó duns advogados que deram entrada na hora no pedido de recontagem de votos. O juiz indeferiu. Requereu anulação da votação, indeferido. Aí foi a hora do golpe baixo: deu entrada com uma queixa crime por calúnia, difamação e ameaça de morte. Tudo feito numa celeridade nunca vista, a ponto do juiz, já arrumando as malas pra zarpar, acatou o pedido, revogando a vitória do Zé Corninho e dando por vitorioso do pleito, o segundo colocado: Zé Peiúdo tornou-se o primeiro prefeito. Como antes, Corninho ganhou, mas não levou de novo. Logo depois da posse, os sete vereadores eleitos requereram reunião emergencial com ele. Do que se trata? Sem a menor cerimônia, ali mesmo, o Robimagaiver, eleito na hora presidente da Câmara e representando os demais parlamentares municipais presentes, sapecou: - Di tudo que rolá a genti qué meio a meio! Cuma? Rachá cum a genti tudinho! Tá doido? Qué guverná? Dou vinte do por fora! Metade de tudo, ou nada. Nada. Vamu impichimá-lo. O que? Destá. Passaram o piche nele. Oxe, saíram pra uma reunião extraordinária na Câmara de Vereadores e saíram com o pedido de impeachment do prefeito na hora! Como os gaiatos da cidade não iam lá muito com a cara do Zé Peiúdo, apoiaram na hora a causa e a troçada ganhou as ruas. Apareceu nego até de um olho só pra dar vulto na manifestação. Lá vai o enterro voltando. E não adiantou uma tuia de advogado pra barrar a desfeita. Ao cabo de uns três meses depois, foi dado entrada um abaixo assinado com mais de um trilhão de assinaturas no TSE. Até os defuntos saíram do cemitério injuriados e votaram duas vezes no troço – afora todos os bichos de estimação que entraram na valsa com seus escrutínios. O rebuceteio geral ficou feio e com mais uns dez meses Peiúdo foi deposto por ordem da Justiça. Lá vinha Zé Corninho nos braços do povo pra governar na maior ovação: - Toma o lugar que sempre foi seu! Contudo, meleca de respeito não só fede na hora, deixa a inhaca indo e voltando no vento. Astuto como sempre, Peiúdo não economizou nos ardis e saiu catando broncas do inimigo: pensão alimentícia. Até mulher que nunca nem tinha visto Corninho deu entrada em pensão alimentícia, afora uma penca de bruguelo que ele sequer sabia que existia, impetrou uma série de ações de investigação de paternidade, exigindo o reconhecimento e os respectivos alimentos. Quando o juiz viu o monturo de ações judiciais contra o prefeito, não teve dúvidas: caçou o seu mandato e mandou prender o desgraçado: - Isso não é gente, é um monstro irresponsável! Reassume Peiúdo mangando dos vereadores e de toda população. O povo revoltou-se! E mesmo que ele tivesse ganhado a maior bolada da loteria, não dava pra distribuir dinheiro pra meio mundo de gente que queria esfolá-lo vivo, dele fugir às carreiras dali pra nunca mais. Pronto! Vacância no cargo, assume Robimagaiver que nunca imaginara tornar-se prefeito. Tanto que com tamanha alegria o cara não se conteve e foi acometido de um aluamento dele parar por uns meses num manicômio: - Eu sou prefeito! Eu sou prefeito! E os outros vereadores? Sumiram. Ninguém quis pegar aquela batata quente! Final da resenha: os dois candidatos depostos, o presidente da câmara endoidado, vereadores que picaram a mula, nova eleição foi decretada. Como não tinha candidatos, foram bater atrás do delegado: - Ah, ele só aparece aqui uma vez por mês, quem manda aqui é o escrivão que deu entrada na aposentadoria. E o bispo? Esse só aparece uma vez por ano e olhe lá. E agora? Todo mundo se livrava da bronca: bastava uma cara feia e quem estivesse no poder era derrubado. Por conta disso, duas coisas aconteceram: os partidos se organizaram e providenciaram uns paraquedistas que se estabeleceram ali pro próximo pleito eleitoral e, enquanto isso, foi nomeado um juiz arretado que só saía pela rua: - Teje preso! E vamos aprumar a conversa! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

TODO DIA É DIA DE LUCIAH LOPEZ
 Esse riso de Sol
Em sétima maior
É uma canção
Que peço bis
Pra fazer feliz
Meu coração.

Veja mais Pablo Neruda, Amedeo Clemente Modigliani, Björk, Zinaida Evgenievna Serebriakova, Uma mulher por cem cabeças de gado, Teixeira Coelho, René Follet, Elsa Zylberstein & Rubens da Cunha aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: Christy, do artista plástico estadunidense Howard Chandler (1873-1952).
Veja aqui e aqui.


ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...