sexta-feira, dezembro 28, 2012

CONRAD, DOROTHY CANFIELD, ESQUIVEL, AUGUST GALLIT, NINON DE LENCLOS, MUHAMMAD IQBAL & SIMPATIA DA VIRADA DO ANO



SIMPATIA PARA A VIRADA DO ANO!


Depois de toda tresloucada & iniciática revelação das primeiras tacadas do Evangelho Segundo Padre Bidião, o Doro que é discípulo dele e já metido a valetudinário anacoreta, concedeu, de lambuja, a mais poderosa simpatia ultramilagrosa pras folgazãs madames & iracundos marmanjos na virada do ano. Isso com um detalhe: serve para todos os signos!

Pois bem, à meia noite do dia 31 de dezembro, prepare o seu banquete particular, o seu reveillon exclusivo.

Na hora agá que o foguetório estiver comendo no centro, de chapa, engula dois caroços de pitomba. Isso mesmo. Se ficar entalada, ou no maior engasgo de quase morrer, corra e mastigue pimenta malagueta com óleo de rícino. Pronto, solução na hora. Com isso, o negócio abre o tampo e se der tempo, corra pro amaro-bocão pra não sujar a casa com o produto interno bruto que vai aparecer na hora. Esse é o primeiro sinal de que a coisa vai dar certo.

Aí, quando estiver restabelecida, reze duas vezes a oração da cabra preta nuínha; viu? Isso mesmo.

E mais: depois se ajeite nuazinha para decorar os índices do câmbio e da bolsa de valores. Anotou? Tá no papo? Isso.

Quando estiver com tudo na cachola e na ponta da língua, dê quatro pinotes pra São Lunguinho e fique com a bunda pra lua por cinco minutos. Com isso pode se preparar que ou vai ficar por dentro de tudo que rola nas altas rodas da elite brasileira ou vai virar santa da noite pro dia. E com um detalhe: adivinhando situações privilegiadas dos melhores negócios, perigando, até, sair assim, de cagada, o prêmio da megasena por dois meses encarreados e acumulados duma vez só pra você como única ganhadora. Pode? Bote fé e perca a vergonha, ora.

O propósito dessa simpatia é que você fique rica mesmo, assim, tchan, de uma hora para outra, teibei.

E ainda tem, além disso, os efeitos colaterais, confira: quem se arvora a cometer esta simpatia, de cara, ganha de brinde a cura da TPM e cólicas menstruais. Na hora! Isso, nunca mais, minha filha.

Também tem mais: espanta o olho-gordo, a urucubaca e tudo que tiver pegando no pé cobrando dívida dos santos poderosos, ou causando quizília ou zica, jogando tudo pra lá. Já era. Pronto.

Acha pouco?

Tem mais, veja: você fica com poder de alterar a órbita da Terra, mudar as leis da Física e mesmo que você seja um trubufu enjeitado da cega-Dedé, fará de você uma verdadeira Catherine Zetta-Jones capaz de conquistar aquele tesudo bimbudo dos seus sonhos. É mole?

Ainda tem bônus: como a simpatia alinhará todos os planetas da galáxia, você terá a clarividência de todas as revelações do seu passado e futuro. Beleza?

Agora, para que tudo dê certo mesmo, prossiga com o ritual: tome posse de uma vela branca, daquela de oito dias.

Pegou?

Agora bote ela em pé, cuidadosamente. Isso. Faça o sinal da cruz sobre ela e enquanto reza 5 pai-nosso e 10 ave-Maria, vá remexendo como na dança da boquinha da garrafa em cima do pavio aceso.

Isso mesmo.

Com jeito.

Tenha cuidado para não descuidar o tareco em cima da chama, viu? Vá rezando e com toda cautela rebolando o popozão na vela acesa.

Fique assim dançando sedutoramente sobre a chama da vela por uns 15 ou 20 minutos, enquanto imagina contemplada por todas as maravilhas da vida, todas as riquezas, todas as sortes, todos os prêmios, tudo.

Se se excitar, muito bem, vá fundo. Dê asas ao desejo: faça o que quiseres, pois é tudo da lei!

Contudo, se sentir a coisa queimando, não faça careta, não esperneie, nem solte palavrão. Tem que agüentar calada, senão não resolve.

Depois disso, faça um pedido. Ou dois ou três, ou todos os pedidos que você tenha em mente fazer para ter tudo que quer.

Isso mesmo.

Aproveite a ocasião, não perca a oportunidade. Vá fundo, já disse: meta bronca mesmo. Pode descascar o rol dos pedidos tudo duma vez. Se avie, ora.

No fim disso, reze qualquer oração que lhe vier à mente, mas reze forte mesmo, com toda fé do coração. De preferência, reze de se espremer toda. Repito, aproveite a ocasião.

O primeiro sinal é sentir que algo está acontecendo. Não dá para adivinhar, todavia você saberá que algo estará acontecendo. Mantenha a calma.

Se não der certo logo, faça de novo. Se possível, até alcançar a graça.

Diga se num é um verdadeiro negócio da China? E o melhor: de grátis, né? Já dizia Chacrinha: quem não arrisca, não petisca, né?

Agora, se não vingar, paciência né, espere para o próximo ano que, com certeza, você conseguirá ter seus desejos atendidos e um feliz Ano Novo. Ou melhor, Novo Ano, né, gente!! Héhéhéhé. Agora veja as previsões pro Ano Novo todo aqui.

 


DITOS & DESDITOS - Não é bom que todos os nossos desejos sejam satisfeitos; através da doença reconhecemos o valor da saúde; através do mal, o valor do bem; através da fome, o valor dos alimentos; através do esforço, o valor do descanso... Há duas maneiras de encontrar a vida; você pode se recusar a se importar até que a indiferença se torne um hábito, uma armadura defensiva e você esteja seguro - mas entediado. Ou você pode se importar muito, viver muito, até que a vida quebre você em sua roda... Pensamento da escritora estadunidense Dorothy Canfield Fisher (1879-1958). Veja mais aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: As paixões não morrem, queimam-se. As loucuras provêm da natureza íntima do verdadeiro amor. Nunca tive outra idade senão a do coração. Pensamento da escritora, cortesã e patrona das artes francesa Ninon de Lenclos (1620-1705). Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

HUMANOSQual a diferença entre o assassinato de milhares de civis em um ataque no Afeganistão e a matança de milhares de pessoas por contaminação da água? Ou entre a fome causada pelos conflitos tribais na África e a fome causada pela destruição do solo e uso indevido da terra? Morte é morte em qualquer lugar, assim como a fome é terrível e devastadora em qualquer parte do mundo. No entanto, poucos param para pensar no estrago que as catástrofes ambientais causam diariamente ao planeta e às pessoas que o habitam. A contaminação da água e do solo e a destruição da biodiversidade acarretam doenças, pobreza e falta de comida. O que proponho é acabar com a impunidade para esses crimes. Todos se lembram da explosão na usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia. Ou do vazamento de gás tóxico de uma fábrica da Union Carbide em Bhopal, na Índia. Até hoje esses crimes, que provocaram a morte de milhares de pessoas, continuam impunes. O mesmo se aplica às empresas de petróleo responsáveis por vazamentos nos mares, às grandes mineradoras e ao agronegócio. Quem ameaça seriamente a vida dos bilhões de habitantes da Terra precisa ser julgado e punido. Palavras do arquiteto, escultor, ativista de direitos humanos argentino e Prêmio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Pérez Esquivel. Veja mais aqui e aqui.

 

FELICIDADEQuem sabe o que é a verdadeira felicidade? Não a palavra convencional mas o terror manifesto. Para os solitários, usa máscara. A casta mais infeliz guarda alguma lembrança ou alguma ilusão. Toda a ambição é legítima, salvo as que se erguem sobre as misérias e as crendices da humanidade. Ser mulher é algo difícil, já que consiste basicamente em lidar com homens. Não gosto do trabalho, ninguém gosta; mas gosto do que é no trabalho a ocasião de se descobrir a si próprio. Para comover os outros profundamente nós devemos nos permitir ser levados além dos limites de nossa sensibilidade normal. Estava escrito que eu deveria ser leal ao pesadelo da minha escolha. Nós vivemos como sonhamos: sozinhos. Palavras do escritor anglo-polonês Joseph Conrad (1857-1924). Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

LOBISOMEM -  [...] Atrás das densas florestas e pântanos, no meio do borbulhante pântano Urgvee, fica a pobre e miserável cabana de meu pai. Ele está em uma superfície instável como os outros neste pântano sem fim, coberto de musgo, galhos e pedras, uma pequena janela como um olho mágico para o pântano. Névoas frias e cinzentas se elevam do pântano como um caldeirão fumegante e rodopiam sobre pessoas e cabanas. Urgveeans são sem sangue, cinzentos e cruéis, eles têm um mau-olhado e falam em sussurros e cadências como se cuspissem veneno com suas palavras. Problemas e desgraças, se um homem das cavernas entrar em sua casa ou quintal, o cordeiro morrerá, o cavalo ficará descontrolado ou você mesmo ficará doente. Eles conhecem feitiçaria, são lobisomens, são sopradores e oradores para quem vem das florestas e pântanos em busca de ajuda. Tantos buscadores de ajuda permanecem aqui no pântano, mas aqueles que conhecem os caminhos sinuosos do pântano voltam para casa, saudáveis ​​e felizes, carregando a fama dos habitantes por toda a terra. O sol nunca brilha aqui, o céu é cinza e sombrio. As nuvens se estendem uniformemente de dia para dia e de ano para ano. Mesmo os ventos raramente chegam aqui, às vezes sozinhos no inverno. Então as nuvens nevadas sopram sobre os pinheiros atrofiados e os pequenos insetos uivam e gemem na tempestade. Os lobos então circulam, aparecendo em bandos na frente das cabanas. Meu pai, pobre e ossudo, é alto como um pinheiro do pântano. Ele é bastante sem graça, lábios estreitos azuis, cabelos esbranquiçados tão ralos quanto comidos por mariposas. Ele anda cautelosamente, ainda rindo para si mesmo, nunca olhando para cima. Ele esconde os olhos como um cão perseguindo a presa. Ele não gosta de trabalho ou pessoas. Tudo o que ele quer fazer é deitar-se com os braços cruzados sobre o peito. Então seus olhos astutos correm como víboras. Ele tem um cavalo nevado, um par de cordeiros pobres, uma estreita faixa de campo pantanoso com uma grande extensão de pano - ele não tem outra riqueza. E quando ele ara em um campo aguado, ele tosse o tempo todo, para e chia, não tem vontade de trabalhar. A fome e a miséria estão em seu armário, os ratos correm em bandejas vazias. Ele nem se preocupa em soprar e lançar feitiços... [...] Trechos do conto extraído da obra Vastu hommikut : novellid (Lordus, 1926), do escritor estoniano August Gallit (1891-1960).

 

O SOLÓ Sol! A essência e o motivador do mundo você é / O organizador do livro do mundo você é / O esplendor da existência foi criado por você / A verdura do jardim da existência depende de você / O espetáculo dos elementos é mantido por você / A exigência da vida em todos é mantido por você / Sua aparência confere estabilidade a tudo / Sua iluminação e concórdia é a conclusão da vida / Você é o sol que estabelece a luz no mundo / Que estabelece coração, intelecto, essência e sabedoria / Ó Sol! Conceda-nos a luz da sabedoria / Conceda a luz do seu brilho ao olho do intelecto / Você é o decorador do conjunto de necessidades da existência / Você é o Yazdan dos habitantes do alto e do baixo  / Sua excelência é refletida em todos os seres vivos / A cordilheira também mostra sua elegância / Você é o sustentador da vida de todos / Você é o rei dos filhos da luz / Não há começo e sem fim seu / Livre de limites de tempo é a sua luz. Poema do escritor muçulmano paquistanês Muhammad Iqbal (1877-1938).

 


Veja mais sobre: 
Big Shit Bôbras, Machado de Assis, Bocage, Pablo Picasso, Milton Nascimento, Alfredo d'Escragnolle Taunay, Mike Featherstone, Fox Harvard, Julia Broad, Alessandra Maestrini, João Falcão & Maria Martha aqui.
 
E mais:
Henry Miller & 30 anos de arte cidadã aqui.
Quarto poema de amor pra ela aqui.
O Direito aqui.
Emma Bovary & Gustave Flaubert aqui.
A criação do mundo aqui.
Cantiga de amor pra ela aqui.
Crônicas palmarenses: gratidão aos professores aqui.
A pobreza aqui.
Saúde no Brasil aqui.
Dois poemas pra ela nua sexta-feira meio dia em ponto aqui.
Aos professores da gramática portuguesa aqui.
Eu & ela a festa do amor aqui.
A trajetória da mulher aqui.
Padre Bidião e o fim do mundo aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora comemorando o Ano Novo no Tataritaritatá!
Veja aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



MÓNICA OJEDA, BORA CHUNG, AZA NJERI & DÉBORA LAÍS FERRAZ

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos concertos Nights from the Alhambra (2007), A Mediterranean Odyssey (2010), Troubadours On The Rhine...