terça-feira, novembro 26, 2019

PÉREZ ESQUIVEL, DÓRIS MONTEIRO, LORD BYRON & ÁLVAREZ CUBERO


ÚLTIMA CARTA PARA TERESA – Minha querida Teresa, tremo aqui enquanto escrevo. Você minha condessa G romanhola, com seus olhos grandes atônitos de Ravenna, a que passou a ser a lourinha da Gôndola do meu coração para sempre. Não sei o que será de mim nessa distância grega, sem o seu cativante frescor, nua e bela como a madrugada, quente como o meio dia. Não sei o que será de mim sem o seu olhar de submissão na entrega, plácida, luminosa, doce, sempre apaixonada. Tenho em mim todos os seus dotes, esses que me fazem viver: face, pele, coxas, ventre, tudo que amo. Não sei o que será de mim sem a sua boca gulosa, desenhada como um arco de Cupido, a me tomar por inteiro completamente ensandecido. Amor mio, você é a minha existência aqui e no futuro, como sinto a falta dos seus beijos, seu doce jeito de em mim se aninhar e me fazer inteiro, maior que o reinado de qualquer poder. Minha amadorada, eu amo você e você me ama, endeusado por sua divina compleição. Mas eu mais do que lhe amo, e não posso deixar de lhe amar, porque meu derradeiro amor, minha última esperança – o amor nunca é feliz. Tudo se sacrifica, é o amor. E logo para mim que sempre fui de muitas mulheres, agora, só você no meu coração: meu tesouradorado. Tremo e serei sempre aquele que a ama. Só você exorciza meus fantasmas, sempre só com os deuses domésticos agitando ao meu redor e afastado do convívio dos vivos. Só você, meu amor, me completa. Sempre fui uma inútil cabeça encaracolada, travesso desde que nasci com o pé coxo, deformado. Desde meus oito anos de idade que sofro de amor. Sempre amei demais e logo fiquei farto da minha terra que fazia frases e matava homens. Tornei-me indesejado: um poeta por distração, um pirata por profissão: sou das blandícias do amor e dos apelos das desventuras. Sou um redemoinho de paixões, não posso domar minha natureza, o espírito da liberdade é o que conta. E você é a minha liberdade. Aqui, longe de você eu quero apenas, no campo de batalha, um túmulo como soldado. Adeus, meu grande amor. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo & aqui.

DITOS & DESDITOS: [...] Nenhuma Democracia, nem governo eleito, é perfeita. Porém, não podemos permitir que grupos conspiradores violem a Constituição em nome de sua defesa. Toda Democracia é perfectível, caso conte com a participação social. Hoje, a democracia representativa está em questionamento, na qual o povo vota, fica por quatro anos em estado de indefensibilidade, e os governantes fazem o que querem e não o que devem. O desafio atual é passar à democracia participativa, onde a sociedade decida sobre os grandes problemas que afetam o país, ao invés dos grandes núcleos de poder econômico internos e externos. Aos povos de Nossa América resta a resistência social, cultural e política, para defender os direitos de todos, incluídas as nossas democracias. [...]. Trecho extraído de Democracias golpe a golpe (Instituto Humanas Unisinos, 2016), do arquiteto e ativista argentino, Prêmio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Pérez Esquivel.

A ARTE DE DÓRIS MONTEIRO
Eu gostava muito de fazer cinema, muito mesmo. E várias pessoas me disseram que era melhor atriz que cantora. Tem pessoas que diziam que era uma pena eu ter largado o cinema porque eu era excelente atriz. Eu gostava muito de fazer cinema, era muito divertido, porque você estava sempre ali no set com os amigos, sempre saía uma piada, uma brincadeira, você estava com um grupo grande, você está muito mais cercada do que quando canta. Porque quando você canta é você e o trio, que também é muito bom, mas não é aquela alegria do dia-a-dia. Porque você sabe, você faz um show, depois vai embora para casa, os músicos também vão, e acabou. Ali não, parecia uma família. E aí você estava sempre se divertindo.
DÓRIS MONTEIRO – A arte da cantora e atriz Dóris Monteiro, que além de musa e grande cantora, também atuou no cinema, como no longa-metragem ficção Agulha no palheiro (1953), que contava a história de uma jovem simples do interior, à procura de um noivo carioca, que lhe dera um endereço em Copacabana, cujo nome era José da Silva e estava grávida. Também participou do documentário Assim era a Atlântida (1974), reunindo os principais filmes que sobreviveram a um incêndio nos estúdios da empresa, em 1952, e a uma inundação em seus depósitos, em 1971. Também do drama Sol sobre a lama (1963), que conta a história de uma comunidade que habita a região da feira de Água dos Meninos, em Salvador, luta para defender a área da sanha dos especuladores imobiliários. Além destes e outros, o Copacabana Palace, o filme (1962), em que participa ao lado de João Gilberto, Tom Jobim, Norma Benguel, entre outros. Veja mais aqui e aqui.

A ARTE DE JOSÉ ÁLVAREZ CUBERO
A arte do escultor espanhol José Álvarez de Pereira y Cubero (1768-1827). Veja mais aqui.

A OBRA DE LORD BYRON
Os espinhos que colhi, são da árvore que plantei.
LORD BYRON – O poeta britânico Lord Byron (George Gordon Byron – 1788-1824), autor de obras como Dom Juan, Manfredo, Horas do Ócio, Peregrinação de Childe Harold, O Corsário e Lara, entre outras, se envolveu em extensa rede amores até o final de sua vida. Aos oito anos de idade, ele estava violentamente apaixonado por uma jovem chamada Mary Duff. Aos dez anos, sua prima, Margaret Parker, excitou nele uma paixão estranha e não infantil. Aos quinze, veio uma das maiores crises de sua vida, quando ele se apaixonou por Mary Chaworth, cujo avô havia sido morto em um duelo pelo tio-avô de Byron. Jovem como ele era, ele teria se casado com ela imediatamente; mas a senhorita Chaworth era dois anos mais velha que ele e absolutamente se recusava a levar a sério a devoção de um menino de escola. Em Atenas, escreveu o belo poema para a "criada de Atenas" - Miss Theresa Macri, filha do vice-cônsul britânico. Voltou a Londres para se tornar de um salto o poeta mais admirado da época e o maior favorito social. Cercado por mulheres: desde as empregadas mais humildes até damas de alta patente, ele só tinha que jogar seu lenço para conquistar. Algumas mulheres nem esperaram que o lenço fosse jogado. A ligação que mais atraiu a atenção naquele momento foi aquela entre Byron e Lady Caroline Lamb. Byron foi muito responsabilizado por sua parte; mas há muito a ser dito do outro lado. Lady Caroline foi casada com o William Lamb, posteriormente Lord Melbourne, e destinado a ser o primeiro primeiro ministro da rainha Victoria. Quando conheceu Byron, ela gritou: “Esse rosto pálido é o meu destino!” E depois acrescentou: “Louco, ruim e perigoso de se conhecer!” Mais tarde, ela ofereceu seus favores a qualquer um que o matasse. Teresa Guiccioli (1800–1873) foi o seu amor final. Quando se conheceram em Veneza, por volta de 1818, ela era casada com um nobre italiano quarenta anos mais velho. Byron acabou saindo da Itália para apoiar a campanha pela independência da Grécia, mas adoeceu antes que ele pudesse pegar em armas. Ela escreveu o relato biográfico Vida de Lord ByronMy recollections of Lord Byran and those of eye-witnesses of his life. Alexandre Dumas a incluiu como personagem menor em seu romance O Conde de Monte Cristo, usando o nome disfarçado de "Condessa G -". Lord Byron também usou esse nome abreviado em seus diários. Há também um volume tratando Das famosas cartas de amor (From Famous Love Letters - The Reader's Digest Association, Inc., 1995), organizado por Ronald Tamplin. Veja mais aqui.


ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...