sexta-feira, novembro 29, 2019

ÉRICO VERÍSSIMO, NOELIA RIBEIRO, ANASOR ED SEAROM & STEFAN ZWEIG












DEPOIMEPÍSTOLA DE NOVEMBROUTUBROUTRO –
O que deveria ter dito e não disse – impasses e flores na primavera quente do meu coração. Outra é a sensação: passos síncronos e recíprocos se arrastam lá fora, talvez seja eu mesmo na minha exequível vontade de sair por aí e não mais voltar. Sobraram metástases enquanto à cabeça outras sinapses conjugadas enlouqueciam a palavra e me mantenho de pé quanto posso, quase nada. Não tenho mais idade, duro há tempos como se rondasse a relva do túmulo. O que me disse de formidável era verbo encravado, se eu só tinha a voz rouca, uma pedra rasgando o peito e os dias incertos nas mãos – a canção é pouca e se vale da esperança para romper paredes que roubaram calçadas na doidice ambulante do consumo. De que me servem os telhados madrugadores da solidão fria, se nem mesmo um aceno eu recolho do que pudesse ser vivo nas altas horas das dores de uma quase morte súbita. Valho-me dos trapos de sonhos da mata espessa para poder viver meus lêmures fugidios dos alvoreceres no chão coberto de folhas, andrajos e lixo nos lodaçais. Sou eu mesmo e faça o favor, se eu vivo erro semáforos e portas, de quantas janelas ouso inventar com nenhuma evasiva fatigante a mourejar dias e noites. Quisera eu não fosse apenas ribanceira abaixo, se só me erguia unhas e dentes ao topo que sumiu sem mais nem menos no meio das nuvens de sonhos que esvoaçaram noite afora. Punhos livres, sou epístolas que dizem de mim e mais nada nem ninguém. Vou por aí. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS: Ali estão eles, esperando silenciosos. Estão calados, encostados na parede. Parecem dormir, no entanto seus títulos parecem olhares que nos fitam. O olhar, as mãos passam por eles, mas eles não clamam suplicantes, não se anunciam. Nada exigem. Esperando até serem abertos, só então eles se oferecem. Primeiro: silêncio em torno de nós, silêncio dentro de nós. Estamos então preparados para eles. Uma noite, ao voltarmos cansados de um passeio, uma tarde quando fatigados dos homens, uma manhã despertando atordoados por um pesadelo. Podemos ter um diálogo e, contudo, querer ficar sós. Aproximamos-nos da estante com o agradável pressentimento de uma doce sensação: cem olhos, cem nomes, nos olham, pacientes e mudos, à procura do olhar indagador – como escravas de um harém para o amo –, aguardando humildes o chamado e ainda felizes de serem úteis, se forem escolhidos. Depois o dedo como que tateia sobre o teclado para encontrar o som da melodia que vibra intimamente: curva-se na mão o ser alvo e surdo, como violino guardado no qual dormem as vozes de Deus. Abrimos um deles, lemos uma linha, um verso. No momento, porém, não soa claro. Desiludidos, quase brutais, repomos o livro na estante. Nova busca, até que encontramos o exato, aquele próprio para o momento. De repente somos abraçados, sentimos uma respiração estranha, como se ao lado, prostrado pelo calor, estivesse o corpo de uma mulher. E como o levamos para debaixo de uma lâmpada, o livro, o feliz escolhido, brilha por igual com luz interior. A magia se produz, da nuvem delicada dos sonhos ascende a fantasmagoria. As estradas se alargam e a distância acolhe os teus sentimentos apagados. Em qualquer lugar bate um relógio. Este, porém, não urge nesse tempo que foge. As horas aqui passam de outro modo. Ali há livros que andaram muitos séculos antes que suas palavras chegassem aos nossos lábios. Ali estão outros, jovens, nascidos ontem, gerados na confusão e necessidade de moços imberbes: falam, porém, uma língua mágica. E uns e outros agitam e aceleram a nossa respiração. Se nos irritam, também nos consolam; se nos enganam, acalmam ao mesmo tempo nossos sentidos abertos. E à medida que mergulhamos neles encontramos em sua melodia, calma e contemplação, abandonado enlevo, um mundo do outro lado do mundo. Como agradecer a vós, livros, os mais fiéis e silenciosos dos companheiros, os momentos puros passados longe do tumulto dos dias? Como agradecer a constante solicitude, eterna elevação e a infinita calma da vossa presença? O que vos acontece nos dias sombrios de solidão, nos hospitais e campos de batalha, nas prisões e nos leitos de dor! Sentinelas constantes em toda parte oferecestes sonhos aos homens e mãos cheias de calma na inquietação e no martírio! Podeis sempre, doces ímãs divinos, atrair as almas diariamente soterradas. Trazes em vós mesmos um céu íntimo que estendeis sobre nós, sempre nos momentos mais sombrios. Pequenos átomos do incomensurável, ficais ocultos em nossas casas, enfileirados em uma singela parede. Todavia, a mão os liberta e se o coração vos toca, então saltais invisivelmente do lugar de todos os dias e vossas palavras nos elevam como numa carruagem de fogo, da estreiteza para a eternidade. Texto Gratidão aos livros, extraído da obra Stefan Zweig: Pensamentos & Perfis –Excertos (Rio de Janeiro, 2006), do escritor, dramaturgo, jornalista e biografo austríaco Stefan Zweig (1881-1942), organizado por Salomão Rovedo e Izabela Maria Furtado Kestler. Veja mais aqui e aqui.

A POESIA DE NOELIA RIBEIRO
CLIMA ETÉREO - Todo minimalista,/ ele entrou no íntimo / (de Eurídice) / sem deixar pista, / estancando / o sangue natural, / o desejo do gozo / e o mais ínfimo / detalhe vital / de feminice. / Febril, / secou cabelos / lábios, pele, pelos, / atingindo, / em tom levemente senil, / o óleo da vagina, / sagrado elixir de menina. / Calado e repentino, / fez soar o sino, / acelerando o tempo etéreo / por horas e horas, / em 40 graus de quentura, / para depois, / nem tão sério / nem tão apressado, / ensejar / naquela senhora, / em vez de amargura, / um olhar womanizado.
NADA EM TI ME SURPREENDE - Nada em ti me surpreende / Conheço teu contorno / teu sotaque / teu afeto / Sei do calor / de tuas mãos / conchas onde guardo / meu segredo / Deitada à sombra / de teu corpo / sou nascituro cego / incompleto / Nada em ti é cedo.
DEEP IN MY MIND - Deep in my mind, / rola um filme de segunda / com close no peito e na bunda / e beijo fake pra começar. / Tem dedos que brincam, / línguas que dançam jingles / in the dark / sem hora pra terminar. / Tudo free, sem o olhar severo / de quem quer que seja. / Inside of me é assim, baby. / Outside, porém, é outro lance: / Meu amor nada sabe / da minha sandice. / Não beija quente / nem fala inglês. / Toca-me com doçura / e ama minha nudez / de moça pura.
NOELIA RIBEIRO - Poemas da poeta Noelia Ribeiro que é graduada em Letras pela UnB e é autora de obras como Expectativa (1982), Atarantada (Verbis, 2009) e Escalafobética (Vidráguas, 2015). Recebeu da Secretaria de Cultura do Distrito Federal o Prêmio FAC 2017 – Igualdade de Gêneros na Cultura. Veja mais aqui.

A ARTE DE ANASOR ED SEAROM
Se eu tivesse parado de produzir ao escutar os primeiros repúdios moralistas à minha estética e temática, não seria artista. Tivemos as reações contra os impressionistas, o conceito nazista de arte degenerada, repúdios no nosso próprio modernismo e, mais recentemente, a destruição de patrimônios históricos da humanidade por extremistas religiosos no Oriente. Dessa forma, podemos refletir que a intolerância não gera conhecimento, e tão somente destrói, deforma e aprisiona as mentalidades.
ANASOR ED SEAROM – Arte da artista plástica e ilustradora Anasor ed Searom, pseudônimo de Rosana Moraes, que possui obras que já foram expostas em acervos públicos e privados de todo o Brasil e de outros países. Ela desenvolve uma obra intrigante e provocadora, questionando e reinterpretando o conceito do que é belo, por meio de pesquisas sobre fragmentos de obras consagradas, inserindo uma intervenção própria por meio de técnicas antigas para evidenciar um olhar pós-moderno. Veja mais aqui.

A OBRA DE ÉRICO VERÍSSIMO
A gente foge da solidão quando tem medo dos próprios pensamentos.
A obra do escritor Érico Veríssimo (1905-1975) aqui, aqui, aquiaqui e aqui.


JUDITH SCHALANSKY, TRIIN PAJA, ANNA LEMBKE, VCA & CRÔNICA NA ESCOLA

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Morning Star (2021), Beethoven: Piano Sonatas nº 3 in C Major, Op. 2 & nº 16 in G Major, ...