quinta-feira, novembro 14, 2019

ROGER BACON, DEA LOHER, DAMON GALGUT & ROBERT MAPPLETHORPE


A PRISÃO DE ROGER - O tempo é, foi e passou com as minhas heresias. Sou apenas uma paisagem comum ignorada, quando não execrada pela saudação e mobilidade. Sigo só, deserdado da natureza, nenhum sonho possível na minha heterodoxia. Sou paradoxo, a minha prévia velhice desiludida me faz viver entre dois espelhos e a ponte que sou entre o longe e o perto– a vela e qualquer parte, o Todo: as respostas para tudo na enorme cabeça de latão, o meu oráculo de metal. Encaro a arrogância dos sábios e os cabeças de fósforos que se ocupam do vulgo e coevos, o estorvo e estultice do comatoso estado de ignorância: conservantismo demasiado arrogante e tantos leigos inescrupulosos com suas visões tacanhas para o ludíbrio, seus equívocos fanáticos e sectários. Não há como me adaptar a tudo isso, não faço parte disso. Há tempos abandonei as controvérsias e as batalhas das palavras, que briguem, não me interessa a soberba, nunca me interessou. Com a minha ausência nessa parafernália inútil, julgam-me feiticeiro do mal só porque eu persigo os segredos de Deus dispostos para todos; e tudo que fiz, para eles, nada mais que blasfêmias ao opróbrio de um herege que se mantém contra as tradições consagradas, a minha condenação ao ostracismo. Que vivam seus deleites e arroubos; que celebrem seus credos e cultos, que festejem suas graças e chorem suas desgraças; que fabriquem suas guerras e se vendam aos conluios, que se esfolem e se danem, não me cabe nada nisso. Da minha parte, cumpro a sentença e sou recluso de muitos anos, aprendendo muito apenas com a dieta de água e pão. Mantenho meu espirito inquebrantável no direito de investigar, ou como quiserem: um pelotiqueiro a desvendar alquimicamente as expressões do Criador, a linguagem cifrada nas descobertas de remédios para males físicos e outros malefícios – aprendo com a temperatura da energia vital, o sêmen. E o que fiz, qualquer um pode fazer e testar, experimentar e tirar suas próprias conclusões. Admito, posso ter errado no combate aos dogmas supersticiosos que aprisionam tantos pelo preconceito, não conseguem mesmo enxergar a clausura insuplantável que estiveram e estão metidos até o tutano. Sou-me inútil Speculum astronomiae, jamais entenderiam: um simples experimentador curioso da espiral das interrelações. De resto, as sete partes do Opus Majus, o caduceu de Hermes e o martírio do silêncio. Quando eu morrer nem saberão, não precisam, estarei em paz, sozinho e a sorrir. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS: [...] Da primeira vez que o vi, pensei: Não vai ficar muito tempo. Eu estava no escritório no fim da tarde e ele apareceu na porta de repente, carregando uma mala na mão e vestindo roupa comum - jeans e camisa marrom - com o paletó branco por cima. Parecia jovem, confuso e um tanto surpreso, mas não foi daí que me veio aquela impressão. Veio de outra coisa, de algo que vi em seu rosto. [...] Mas então a pessoa chega e vê. O primeiro indício pode ter sido um detalhe perturbador, a rachadura de fora a fora em alguma parede antiga ou um conjunto de janelas quebradas num escritório observado de relance. Ou o fato de a fonte estar seca e de que desde muito a areia se acumula no fundo. Ela diminui o ritmo e olha ao redor com uma vaga ansiedade, e de repente tudo se esclarece. O mato na junção dos tijolos e das pedras da calçada, a grama que cresce aqui e ali na rua, as lâmpadas queimadas, as lojas vazias atrás de portas de vidro sem nada escrito, o mofo e a umidade, a pintura empolada, as marcas de chuva em todas as superfícies e o lento desmoronar de estruturas sólidas, às vezes pedrinha por pedrinha, às vezes pedaços inteiros. E ela já não tem certeza de onde está. E não há gente. É o último detalhe em que repara, embora reconheça depois que foi essa a primeira coisa que lhe deu aquela desconfortável sensação de vácuo: o lugar estava deserto. Sim, um carro atravessava devagar uma rua lá atrás, um ou dois militares fardados caminhavam lentamente na calçada e talvez um vulto desengonçado andasse por uma trilha num terreno invadido pelo mato, mas o lugar estava praticamente vazio. Desabitado. Nenhum caos humano, nenhum movimento. Uma cidade-fantasma. [...] Fazia muitos e muitos anos que eu não passava a noite no mesmo quarto com outra pessoa. E me lembrei depois - embora isso fosse um tanto incongruente, pois Laurence não significava nada para mim - que tinha havido um tempo, muitos anos antes, em que a ideia de ter alguém dormindo ao meu lado no escuro era um consolo e um alívio. Não conseguia imaginar nada melhor. Agora aquele outro corpo que respirava ali ao lado deixava-me tenso e vigilante; em certa medida até me aborrecia, e por isso levei horas até me sentir cansado o suficiente para fechar os olhos. [...]. Trechos extraídos da obra O bom médico (Companhia das Letras, 2005), do escritor sul-africano Damon Galgut, contando a história de uma dupla médica que passam a conviver no pós-apartheid em um hospital, combinando investigação psicológica, suspense e crítica social para explorar os desdobramentos da nova realidade política da África do Sul.

BARBA AZUL DEA LOHER
[...] JULIA (pega a mão dele) - Eu, Julia, caso com você, Heinrich, meu marido, para Deus e o mundo; Eu juro amar você e honrar, ser fiel a você e ajudá-lo nos bons e nos maus dias, na saúde e doença, até a morte nos separar. - Agora fale comigo: Heinrich! HEINRICH Que seja - JULIA: Você tem que falar comigo. HEINRICH Nós nos conhecemos há uma hora e cinco minutos. [...]
BARBA AZUL – A peça teatral Barba Azul – a esperança das mulheres (Blaubart -Hoffnung der Frauen, 1997), da premiada dramaturga e filósofa alemã Dea Loher, uma releitura do conto homônimo do escritor francês Charles Perrault (1628-1703), trata sobre desejos, projeções e a busca por completuda, jogando com o irônico, o absurdo, o contraditório e a realidade, discutindo a imposição do amor, violência de gênero e relacionamentos abusivos que fazem parte do cotidiano, ao percorrer temas como feminicídio, masculinidade tóxica e violência de gênero. Foi montada no Brasil pelo grupo Trupe à Grega, composto por Alice Guêga, Douglas Soares, Filipe Augusto, Laís Junqueira, Luiza Magalhães, Paula Ambar, Rosana Santesso, Viníciuis Aguiar e Yonara Dantas, sob direção de Luciana Schwinden, com a proposta da montagem: “Nosso desejo é abordar questões que interessem a nós, mulheres, como sujeitos na pesquisa e não apenas como objetos de investigação”. Veja mais aqui.

A ARTE DE ROBERTR MAPPLETHORPE
A arte do fotógrafo estadunidense Robert Mapplethorpe (1946-1989). Veja mais aqui e aqui.

A OBRA DE ROGER BACON
A matemática é que nos dá acesso às ciências. A experiência é a peça principal da ciência. Muitos mistérios da natureza e da arte são conhecidos somente pela magia. A verdade é filha do tempo. Saber é poder. A verdade só se mostra a quem a procura.
ROGER BACON – O filósofo empirista inglês, Roger Bacon (1214-1294), também conhecido como Doctor Mirabilis, contribuiu com seus estudos para áreas como a mecânica, a filosofia, a geografia e a óptica, inventando os óculos e os futuros telescópios e microscópios, ao descrever o método científico por meio de um ciclo com base na observação, hipótese e experimentação, na necessidade constante de verificação independente. As suas ideias foram perseguidas e condenadas pelas autoridades da época, que o aprisionou por 14 anos, a pão e água, apenas. Morreu como um desconhecido e suas ideias só foram descobertas 300 anos depois. Veja mais aqui.
 

STELLA NYANZI, NASTASSJA MARTIN, AGUSTINA BAZTERRICA & SEMANA HERMILO

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Liszt: Piano Sonata & other works (Hyperion Records, 2015), Bach: The Art of Fugue (Hy...