terça-feira, novembro 05, 2019

HÉLÈNE & RUBENS, HUMBERTO MAURO & LUO LI RONG


HÉLÈNE, A VIDA DE VOLTA – Foi o que fiz depois, as noites se tornaram maiores que os dias de quase não ter fim, a escuridão imensa de olhos cansados a fio e nada mais às voltas e já nem sabia das horas arrastadas, martelo no gongo em eco, e passavam com tudo na mesma. Os dias se iam, a tarde, a noite e a madrugada longa, imorredoura, e assim a semana, o mês, o semestre e o ano acabava e nunca amanhecia. O que fiz nem sabia, já quase não suportava mais, não havia como sobreviver à solidão de Isabella que se foi com a agourenta peste de mais de três anos e nem sei se mais, calendário de um só dia em outros do mesmo e o que seria de mim no meio desse sorvedouro imperecível, inalterável. Não havia o palpável, uma distância imensa ao redor, nem sei se vivo de tão invisível, paisagem comum de tão insensível saudação. Já nem era mais esperança no que havia perdido e sucumbia aos estalos intermitentes e tardios de uma surpresa adiada. Não restava mais nada, não emergisse imprevista aquela pele de porcelana branca de caçula e daquela família quase irreconhecível de um rico mercador antuérpio, jovem diva loura, irmã de uma concunhada, de uma hora para outra, encantadoramente bela fonte inspiradora de um sonho real e eu fizesse o que deveria ser feito na hora exata. Sim, ali o momento e seus olhos claros, seu jeito inocente e divertida criatura, o sorriso encantador no brilho da vitalidade. Já me via outro e esquecia tudo que vivi e passou. Disso fiz e refiz, ah, e como fiz, a jovem bela para as ideias do Het Steen, o sonho projetado de The Rainbow Landscape. Deveras, ela a minha Helena de Tróia no Garden of love, a deusa do julgamento de Paris, a musa dos meus rabiscos com esboços das suas poses de todas os gestos. Eu renascia no brilho rosado de suas faces, na sua boca carnuda que me tinha como se fosse revivido saborosa refeição; nos seus seios fartos a me darem o que faltava nas horas mais deprimentes; nos seus quadris dançantes de todos os passos e ritmos estonteantes; nas suas pernas inquietas e andejas das mais loucas travessuras de se dar e receber. Era a Vênus Pudica nua com uma das mãos escondendo o colo, e a outra ao braço que se delineava pela região pélvica apetitosa a me chamar mais para perto e a convidar para o que fosse das mil e uma e outras de jamais vivido; uma deusa fulgurante que desceu do panteão para premiar todos os meus desejos, uma graça livre das outras para me fazer grato a tudo, uma ninfa desgarrada a me dispor do que nunca tive, personificando a minha heroína salvadora, a minha rainha de todas minhas reverências e decisões. Era ela, aquela que foi criada para ser retratada em todos os meus versos de cores e luzes em closes majestosos, nua e real no privado Het Pelsken que não se vende nem se exibe. Meus olhos são para ela que vem com sua beleza jovem de coração e corpo, antecipando a cariátide para minha salvação, à espera da carruagem, seminua de todos os trajes – até no sonho do casamento, o ridículo para detratores! E renasci com seus beijos viciantes, suas mãos inquietas de carinho, seus braços aconchegantes de pomares, suas pernas acolhedoras de remanso, seu sexo vitalizado imantando meus sentidos, arte e vida. Nela pude pela derradeira vez amar, trazendo a vida de volta para quem morreu anteontem e eu pude viver para o tributo eternizado. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS: Sou apenas um homem simples, sozinho, com seus velhos pincéis, pedindo a Deus uma inspiração. Eu ainda não estava inclinado a viver a vida de um celibatário. Tomei uma jovem esposa de família honesta, mas de classe média, embora todos tentassem me convencer a fazer um casamento na corte. Mas eu temia o orgulho, aquele vício inerente à nobreza, particularmente naquele sexo, e foi por isso que escolhi alguém que não coraria ao me ver pegar meus pincéis na mão. E para dizer a verdade, teria sido difícil para mim trocar o precioso tesouro da liberdade pelos abraços de uma velha. Agora, pela graça de Deus... Estou levando uma vida tranquila com minha esposa e filhos e não tenho pretensões no mundo a não ser viver em paz. Pensamento do pintor flamengo Peter Paul Rubens (1577-1640), que se casou pela primeira vez com a Isabella Brandt (1591-1626), que morreu vitimada pela peste. Três anos depois, conheceu Hélène Fourment (1614-1673), que foi retratada em muito seus quadros e modelada para outras pinturas religiosas e mitológicas. Veja mais aqui e aqui.

HUMBERTO MAURO, O PATRONO DO CINEMA BRASILEIRO
O cinema é cachoeira.
HUMBERTO MAURO - Já tendo sido destacado aqui anteriormente, hoje novamente, o Patrono do Cinema Brasileiro, o cineasta Humberto Mauro (1897-1983), merece ser mais uma vez homenageado, desta feita pelo filme O descobrimento do Brasil (1936), com trilha sonora de Heitor Vila-Lobos, recuperado pela Cinemateca Brasileira, com uma narrativa extraída da Carta de Pero Vez de Caminha, contando a chegada da frota portuguesa às costas brasileiras, em 1500. Em segundo, o romance O canto da saudade (1952), com música de Vila-Lobos e que conta a história da filha do coronel Januário, Maria Fausta e o seu romance secreto com João do Carmo, quando o casal desaparece durante a campanha para prefeito do pai dela. O terceiro, o drama romântico Argila (1942), contando a história de uma moça rica e ilustrada, que, depois do retiro de luto por seu marido, retoma as atividades como patrona das artes e reabre seu salão, tratando sobre as diferenças entre ricos e pobres, a história de um amor impossível entre uma jovem rica e um artesão. Por fim, o drama Ganga Bruta (1933), contando a história de uma noite de núpcias e o noivo descobre que a sua mulher não é virgem e a mata, sendo absolvido e se casando posteriormente numa pequena cidade, retrato da vida brasileira com sua violência urbana e repressão sexual. Veja mais aqui.

A ARTE DE LU LI RONG
A arte da escultora e artista chinesa Luo Li Rong, criadora de escultura realistas. Veja mais aqui.


STELLA NYANZI, NASTASSJA MARTIN, AGUSTINA BAZTERRICA & SEMANA HERMILO

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Liszt: Piano Sonata & other works (Hyperion Records, 2015), Bach: The Art of Fugue (Hy...