segunda-feira, junho 20, 2016

APRENDENDO NO COMPASSO DA VIDA

APRENDENDO NO COMPASSO DA VIDA – (Imagem: acervo LAM) - Quando minha mãe soube o que eu queria ser quando crescesse, quase teve um troço. A professora, amiga íntima dela, logo depôs: - Viu o que seu filho quer ser quando crescer? Um médico? Não, poeta. Oxe, minha mãe pôs uma mão sobre o seio, outra sobre a cabeça e quase cai dura de raiva: - Isso é lá profissão que se preze!?! A professora, coitada de inocência, não sabia que minha mãe ia ter aquela reação. Arrependeu-se de ter contado, tentando corrigir o meu desplante. – Não, mulher, isso é lá coisa que se diga! Ele só tem quatro anos, é uma criança. Mas é de criança que a gente corrige pra não ficar torto de vez. E como ela sonhava me ver médico, pôs-se, então, na empreitada, esquecendo-se que eu não tinha a menor condição de sê-lo, vez que desmaiava até na hora da vacina. Aí, com do meu pai chegou de noite em casa, ela logo colocou por desaforo: - Viu o que seu filho quer ser quando crescer? Um advogado? Não, uma porcaria de poeta, como se isso valesse alguma coisa na vida. Meu pai riu-se da minha asneira, todavia, ficou um tanto contrafeito com a indignação dela, vez que ele, vez por outra, cometia umas sonetadas caprichadas nas reuniões sociais. Ele era mesmo achegado a um violão, copo de cerveja e rodas de amigo a largar redondilhas, decassílabos e alexandrinos, soltando pilhérias com motes glosados em quadrões, toadas e martelos. De modo que não seria de bom alvitre ter minha mãe repudiando coisa tão séria levada por ele, sabedor que se o sujeito não tivesse uma profissão de verdade, nunca passaria de um poetastro de água doce. Com o tempo ele se esqueceu disso, mas minha mãe manteve em cima da risca a vigilância, me desviando a atenção proutras coisas interessantes recolhidas de enciclopédias: - Tá vendo? Isso que é decente e certo. Pensasse ela em ao menos ouvir falar de qualquer poeta, ela logo providenciava uma mudança abrupta de assunto para que eu não tivesse uma recaída. Duas vezes coitada, não sabia ela que eu andava, às escondidas, cometendo todo dia umas quadrinhas inocentes pra professora que, tanto sabedora do transtorno que causaria pra minha mãe, como filha de um poeta e dramaturgo de relevo na cidade, resolveu guardar segredo. Não demorou muito e minha mãe descobriu o meu horrendo pecado pelas mãos do bispo, ao elogiar minhas publicações no suplemento infantil do principal jornal do estado todo sábado. Ela ficou sem saber o que fazer, não se conformando que eu era uma causa perdida. Os anos se passaram e o hábito de ler enciclopédias provocados por ela, me levou a descobrir uns livros escondidos nas estantes do meu pai, sobre versificações, métricas e rimas. Lá estava eu, em casa, lendo e relendo livros de poesias e, na rua, ouvindo atento aos improvisos de sábios emboladores e repentistas. É evidente que no início da adolescência, amontado num bigodinho ralo, eu já me achava o poeta dos poetas. Cometia versos e rimas pra cima e pra baixo, a ponto de já me esgueirar a estudar também o teatro e a música. Aprendi logo a tocar violão do meu jeito e a querer representar minhas loas e petas nos palcos da vida. Leia-se querer, porque na horagá, dava um branco, eu ficava lívido e travado pela timidez. Juro que me esforçava, todavia o que saía era um dedilhado trastejado, uma voz afônica e desafinada, um horror de coisa que nem era eu mesmo. Bom, de mesmo, só embaixo do chuveiro ou trancado na acústica do meu quarto que eu dava o meu verdadeiro show. Ao dar de cara na rua, uma lástima. E o que escrevia e compunha todo esse tempo só me fizeram uma coisa: ruborizado de vergonha. Pois tive o desplante de publicar o meu primeiro livro com poemas adolescentes e que, se não fosse um poetamigo a dar uma corrigida do título ao epílogo, eu ainda hoje estaria querendo achar um buraco no chão para me socar. Indiferente a tudo isso, saí metendo bronca nos versos e asneiras. Com as lapadas da vida fui aprendendo com o que havia lido e continuava lendo, que se eu não quisesse passar mais vergonha, tinha que mudar de ramo. Findado o colegial, era a hora de eu mostrar ao que vim. Mais um equívoco: queria ser escritor e fui fazer Letras. Menos mal. Por conta de uma estratégica condução do meu pai, abandonei o Jornalismo e fui bater com as ventas no curso de Direito. Aí minha mãe que já havia perdido as esperanças de me ver o seu doutor em Medicina, reiterou: - Menos mal, realmente. Coitados dele e dela, incorrigível, eu queria mesmo era ser poeta. Foi quando aprendi a rir de mim mesmo: ô bicho besta. Aprender, não aprendera; podia até saber, apreciava por gostar. Dos trocentos e tantos poeminhas pouco relevantes, um ou outro que, diga-se lá, se salvava. Se hoje o fosse, seria bissexto: um ou outro uma vez lá na vida. Claro que tem um ou outro verso que se salve mesmo, marca de uma tirada de valor. Mas apenas versos. No cômputo geral, continuo aprendiz teimoso. Como dizia o poeta Patativa que aqui é um verso em cada galho, um poema em cada flor, vou parafraseando o poeta conterrâneo Abel Fraga: tanto poema dando sopa e eu sem colher pra tomar. E como se trata de ofício de valor, hoje folgo mais em destilar umas sapecadas prosaicas pra não perder o vício, mais por intuição e prazer que por vocação. Uma coisa é certa: incorrigível mesmo, eu sou. E vamos aprumar a conversa & tataritaritatá! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui e aqui.

 Imagem: River and Hills, do artista e escritor francês associado ao movimento Dadaísta, Georges Ribemont-Dessaignes (1884-1974).

Curtindo o álbum Fome de tudo (Deckdisc, 2007), da banda Nação Zumbi.

PESQUISA
Introdução à Psicologia Social (Casa do Psicólogo, 2003), do médico psiquiatra, psicólogo social, etnólogo, folclorista e antropólogo Arthur Ramos (1903-1949), apresentando suas inclinações antropológicas de orientação psicanalítica.

LEITURA 
Sharon e minha sogra: diários de guerra de Ramallah, Palestina (Francis, 2004), premiado livro da escritora e arquiteta palestina Suad Amiry, registrando suas impressões e sentimentos durante os combates e outro lado do conflito.

PENSAMENTO DO DIA:
[...] Creio que a humanidade aceitará como regra axiomática o princípio pelo qual sacrifiquei a minha vida – o direito de investigar. É esse o credo dos homens livres – a oportunidade de ensaiar, o privilégio de errar, a coragem de tornar a experimentar. Nós, os cientistas do espírito humano, havemos de experimentar, experimentar, experimentar sempre. Através de séculos de tentativas e erros, através de angustiosa dificuldades... experimentos com leis e costumes, com sistemas monetários e governos, até podermos traçar o caminho verdadeiro – até encontrarmos a majestade da nossa órbita como, acima de nós, os planetas encontraram a sua... e então, por fim, nos moveremos juntos na harmonia das nossas esferas, sob o grande impulso de uma criação única – uma unidade, um sistema, um desígnio.
Trecho do pensamento do filósofo inglês empirista Roger Bacon (1214-1294), o Doctor Mirabilis.

IMAGEM DO DIA 
A arte do professor de teatro, diretor, produtor, publicitário, mímico e escritor Jiddu Saldanha.

Veja mais sobre o Projeto de Extensão Infância, Imagem e Literatura, Terry Eagleton, Osamu Dazai, Hermilo Borba Filho, Silvia Pontual, Léon Bonnat, Jacques Offenbach, Jean-Paul Rappeneau, Kim Roberti & Isabelle Adjani aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte do pintor, artista gráfico, filme-pesquisador e produtor alemão Hans Richter (1888-1976).
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Imagem: Transhumance, Design for Peace.
Recital Musical Tataritaritatá.
Veja aqui.


PRIMO LEVI, ALTHUSER, OSCAR WILDE, FERNANDA MONTENGRO, SÉRGIO AUGUSTO DE ANDRADE, NEUZA PARANHOS, APOLLONIA SAINTCLAIR & PADRE BIDÃO

OS MILAGRES DO PADRE BIDIÃO - Muito se tem falado a respeito dos milagres praticados pelo Padre Bidião. Eu mesmo nunca vi um sequer, mas...