terça-feira, abril 14, 2009

BAUMAN, STEFAN ZWEIG, ANDRÉA HUYSSEN, MARC BLOCH, AMARCORD, PASIFAE & RAYMUNDO ALVES DE SOUZA


A arte da atriz italiana Magali Nöel (1932-2015) que atuou na comédia dramática Amarcord (1973), do cineasta italiano Federico Fellini. Veja mais abaixo.

O TOURO DE PASIFAE – Chegou a hora, filha de Hélio que ilumina tudo, e aqui estou para ser encantado pelos poderes mágicos de sua nudez esplêndida. Servirei aos seus caprichos, Deusa da Lua Cheia, sou o touro de Posídon, indomável e furioso para sua perversão carnal, para cumprir a sua maldição. Sirvo-me da sua luxúria, deusa oracular de Thalamae, atendo Afrodite e vou invadir seu santuário corporal, o regato límpido e flanqueado de seus gozos de sonhos proféticos e a mim virá tal qual Leda a me fazer de cisne para completa violação da sua intimidade nua mais arraigada. Venha, vaca no cio porque isso será melhor para Esparta, porque foram minhas muitas das mulheres devoradas pelas serpentes, escorpiões e centopeias e eu nada tinha a ver com Minos, venha safada e íntegra submissa porque Circe me deu a erva mágica banhada no meu sexo, para desencantar dos males de sua ascendência divina e me fazer inteiro e protuberante nas suas grutas eróticas prazerosas. Dê-me a boca faminta, o sexo úmido o corpo afogueado e farei no seu ventre o poderoso gozo de todos os pecaminosos orgasmos. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.


DITOS & DESDITOSO passado não está simplesmente ali na memória, tem de ser articulado para se transformar em memória. Pensamento do professor e pesquisador alemão Andréa Huyssen.

POESIA & CIÊNCIA – [...] Resguardemo-nos de retirar de nossa ciência sua parte de poesia [...] Seria uma espantosa tolice acreditar que, por exercer sobre a sensibilidade um apelo tão poderoso, ela devesse ser menos capaz de satisfazer também nossa inteligência. [...] Trechos extraídos da obra Apologia da história, ou, O ofício do historiador (Zahar, 2001), do historiador francês Marc Bloch (1886-1944), um dos fundadores da Escola dos Annales.

VIDAS DESPERDIÇADAS - [...] devemos levar em consideração ‘as comunidades virtuais’ [...] ‘onde’ é fácil entrar e ser abandonado [...] quando a identidade perde as âncoras sociais que a faziam parecer ‘natural’, predeterminada e inegociável, a ‘identificação’ se torna cada vez mais importante para os indivíduos que buscam desesperadamente um ‘nós’ a que possam pedir acesso [...]. Trechos extraídos da obra Vidas desperdiçadas (Jorge Zaha, 2005), do sociólogo polonês Zygmunt Bauman (1925-2017) que na obra Identidade (Jorge Zahar, 2005), expressou que: [...] Você é excluído do espaço social em que as identidades são buscadas, escolhidas construídas [...] Feridos pela experiência do abandono, homens e mulheres desta nossa época suspeitam ser peões no jogo de alguém, desprotegidos dos movimentos feitos pelos grandes jogadores e facilmente renegados e destinados à pilha de lixo quando eles acharem que eles (os peões) não dão mais lucro [...]. Veja mais aqui.

EPISODIO NO LAGO DE GENEBRA - [...] Que trabalhasse, ou então que o mandassem embora; duas mulheres objetaram violentamente que ele não tinha culpa da sua desdita e que era um crime tirarem as criaturas das suas terras e dos seus lares, a fim de as mandarem para países estranhos. [...] Durante a discussão, que se tornava cada vez mais agitada, o olhar esquivo do fugitivo erguia-se inquieto. Estava suspenso dos lábios do gerente, o único, neste tumulto, a que ele podia tornar compreensível o seu destino. Parecia sentir vagamente o alvoroço que a sua presença provocava. Embaraçado e ainda inconsciente, quando diminuiu o barulho, ergueu, implorante, em silêncio, as duas mãos para ele, como as mulheres fazem diante de uma imagem. O que este gesto tinha de toante comoveu, irresistivelmente cada um de per si. [...]. Trechos extraídos do conto do escritor, dramaturgo, jornalista e biografo austríaco Stefan Zweig (1881-1942). Veja mais aqui e aqui.


A POESIA VIVA DE RAYMUNDO ALVES DE SOUZA

AMEI COM TANTA DOÇURA
QUE QUASE VIRO GARAPA

Eu gosto da formosura,
Mas sou muito precavido,
Para ser correspondido
Amei com tanta doçura;
Num perco a compostura
Mas de mim ninguém escapa,
Aproveito a minha etapa,
Acreditem se quiser,
Ontem comi tanto mel
Que quase viro garapa.

CANTIGA POPULAR

A benção, mamãe de Loanda.
- Deus abençoe, meu filho Nogueira.
Meu filho vá me dizendo,
O que foi que viu lá na feira.

- Eu vi foi Cirino doido,
Metido de cartucheira,
Com 400 caifás.
Cem adiante, cem atrás,
Cem dum lado,
Cem do outro,
Tapa num, bufete noutro,
É assim que um homem faz.

NAS FORNALHAS DO INFERNO
EU VI O DIABO DANÇANDO

Num dia triste de inverno
Bem pra lá do Rancho Fundo,
Juntinho do fim do mundo,
Nas fornalhas do inferno,
Eu vi no barco do averno
Virgilio e Dante falando,
Dum lado a morte pescando
Com jereré de brocados
Na dança dos renegados
Eu vi o diabo dançando.

QUANDO CHEGUEI NA ESTAÇÃO
O TREM JÁ TINHA PARTIDO

Pus o embrulho no chão,
Corri pra bilheteria,
O bilheteiro já saia,
Quando cheguei na estação:
Aumentou a minha aflição,
Agucei os meus sentidos,
Senti um grande ruído,
E vi a fumaça no ar,
Ouvi a máquina apitar
O trem já tinha partido.

QUANDO O SOL VEM NASCENDO
A LUA ESTÁ DESCANSANDO

Toda lavoura crescendo,
Ribeiros correndo pro mar,
Passarinhos a gorjear,
Quando o sol vem nascendo.
Alegria, no campo vivendo,
Os idealistas sonhando,
O universo se agitando,
Lutando pelo futuro
O mundo sai do escuro
A lua está descansando.

VI UM POETA DORMINDO
NO COLO DA POESIA

Na mente a musa sentida,
Achei a rima suprema,
Repousando num poema,
Vi um poeta dormindo.
Dum lado, a gloria sorrindo,
Na loucura da alegria
Sem saber o que fazia
Levou o vate de braço
E sacudiu no regaço
No colo da poesia.

RAYMUNDO ALVES DE SOUZA – Nascido em Panelas, em 1884, Raymundo Alves de Souza viveu em Palmares onde morava sua avó e onde se formou artisticamente, destacando-se entre os poetas, escritores e artistas locais do passado. Foi aluno da mãe do poeta Ascenso Ferreira, foi pro seminário desistindo depois da ordenação, passando a trabalhar no barracão do Engenho Japaranduba, quando se torna mestre alfaite. Daí, colaborou com jornais e revistas pernambucanos e de outros estados. Tornou-se ator, casou-se, estreitou amizade com Ascenso Ferreira, casa-se de novo quando vai pro Recife, re-casou-se e vai se casando infinitamente, tornou-se vereador palmarense pelo PSD, fundando a Academia Palmarense de Letras. Em 1979, foi publicado o primeiro e único número do caderno cultural Nova Caiana, em Palmares, “Vida & Poesia de Raimundo Alves de Souza”, sob a coordenação editorial de Juhareiz Correya. Posteriormente seus poemas foram incluídos na antologia “Poetas dos Palmares”, edição de 1987. Em 1988 foi publicado pelas Edições Bagaço o livro “Celeiros d´alma – antologia poética”.

FONTES:
CORREYA, Juhareiz (Coord). Poetas dos Palmares. Recife/Palmares: FUNDARPE/Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, 1987.
SOUZA, Raymundo Alves. Celeiros d´alma – antologia poética. Palmares: Bagaço, 1988.


A arte da atriz italiana Magali Nöel (1932-2015) posando para o cineasta italiano Federico Fellini (1920-1993). Veja mais aqui.




Veja mais sobre:
Querência & a arte de Mazinho, Fiódor Dostoiévski, Igor Stravinsky, Saulo Laranjeira, René Clair, Joseph Tomanek, Veronica Lake, Erich Sokol & Bioética: meio ambiente, saúde e pesquisa aqui.

E mais:
A arte de Rosana Simpson aqui.
Danos Morais & o Direito do Consumidor aqui.
Interpretação e aplicação do Direito aqui.
Direito como fato social aqui.
A arte de Di Mostacatto aqui.
Concurso de Beleza, Vinicius de Morais, Carlos Zéfiro & Nik aqui.
A arte de Lanna Rodrigues aqui.
Sindicato das Mulheres Feias, Saúde & Sexo, Humor, Papo vai & papo vem aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
 Veja aqui e aqui.


CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA


Recital Musical Tataritaritatá

Veja aqui.
 

IMRE KERTSZ, MAVIS GALLANT, VERONICA FRANCO, CHARLOTTE YONGE& CLODOALDO CARDOSO

  Ao som do show Almério e Martins gravado ao vivo no Teatro do Parque, Recife, 21 de novembro de 2021.   TRÍPTICO DQP: Isso é aquilo ...