sexta-feira, abril 03, 2009

AMOS OZ, MILLÔR, BIRAGO DIOP, PIERRE VERGER, AGATHA MOREIRA, MULHERES, LITERÓTICA & PADRE BIDIÃO


 
A arte da atriz e modelo Agatha Moreira

LITERÓTICA: MINHA – Eu vou a vau e se me deres serei nau ou lobo mau ou o que quiseres com todos os talheres pro seu apetite. E me acredite: vou à deriva! E se tiver viva me salve e seja boazinha, seja até mais que madrinha: pro que der e vier. Seja então a mulher, nua rainha, com todos os seus encantos, com todos os seus espantos de fadinha que é só minha... TERRINA – Quando essa menina chega do grotão, toda sem noção, toda cabotina, aí se mostra então a mais fogosa bailarina - flor agreste no Raso da Catirina. Ela nem imagina e faz que não. Solta o seu bordão de dissimulada catilina - ah, quanta possessão! Quanta divina tesão! É a mais trelosa das traquinas no raio da silibrina! Quando essa menina chega no porão, o seu clarão de estrela cristalina reluz no salão e me fascina com seus olhos de esverdeada turmalina. Que bão! É a mais revigorante vitamina! Tudo me ilumina em plena escuridão - o seu choque de luz na retina me enche de emoção. Quando essa menina vem de sopetão: pele fina, lábios de antemão. Carne cajuína prenhe de paixão. Logo azucrina, perde a compleição. Logo me abomina e me passa um carão. E faz jogatina, quer passar gamão. Enrola a cocaína, doura o canjirão. Dá um carreirão de bater em Santa Catarina. Quando volta dobra a esquina, finge mangação. Como arisca vem guenza canina, quer que eu cante uma canção. De preferência, Carolina – ou a com K debaixo da lamparina. Vira Zezulina toda manhosa e me faz alisar a sua rosa, acionar sua buzina pra me fazer prosa e sua ave de rapina toda ouriçada que ela alada se enrosca, entroncha e se entranha mais que feminina, com a sua candura franzina, feita meu pirão. É quando essa menina abre o coração, a terrina, ela é bela verde quente Teresina na minha desolação. É quando ela vai sestrosa se derretendo frochosa, toda feita cremosa margarina pra minha saboreação. É quando ela revira o chão e se amunta granfina, fica atrepada na minha caeselpina com toda gula de heroína da mais louca raça nordestina que manda ver no rojão, viva São João! E esquenta a bobina, vira o caminhão, sobe e desce repentina até grunhir feito um cão. Não findou não. Como ela não pára não, vira logo Catarina, depois vira Severina, quando apruma a direção. Ela se ajeita arguta. Toda ferina, ela me chupa, me exulta, sou a predileta tangerina que ela sorve com sofreguidão. Depois toma o meu coração, tudo refina: minha alma e minha vida, tudo ajeitado com a resina que escoa da sua mão para ser no vão da sua cabina o universo de sua taça servida. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOSDe todas as taras sexuais, não existe nenhuma mais estranha do que a abstinência. Pensamento do escritor, dramaturgo, tradutor, desenhista, humorista e jornalista Millôr Fernandes. Veja mais aqui.

MULHERES NEGRAS – [...] na organização da família ioruba, que é polígama, contrariamente ao conceito que pessoas mal-informadas fazem, as mulheres usufruem uma maior liberdade que a que se dá nas uniões monogâmicas. Na grande casa familiar do esposo, elas são aceitas como progenitoras dos filhos, destinadas a perpetuar a linhagem familiar do marido. Mas elas nunca aí são totalmente integradas, deixando-lhes esse fato uma certa independência. Após o casamento, elas continuam a praticar o culto de suas famílias de origem, embora seus filhos sejam consagrados ao deus do cônjuge [...]. Trecho extraído da obra A contribuição especial das mulheres ao candomblé do Brasil: Culturas Africanas (Unesco, 1986), do etnólogo e fotógrafo franco-brasileiro Pierre Verger (1902-1996).

NAS PROFUNDEZAS DO BOSQUE - [...] Era um peixe pequeno, um peixinho, como o comprimento de meio dedo, com escamas prateadas e nadadeiras delicadas, branquiadas, espelhadas e trêmulas. Um olho de peixe redondo e arregalado ao máximo mirou os dois por um instante como se sugerisse a Maia e Mati que todos nós, todos os seres vivos sobre este planeta, pessoas e animais, aves, répteis, larvas e peixes, na realidade todos nós estamos bem próximos uns dos outros, apesar de todas as muitas diferenças entre nós: pois quase todos nós temos olhos para ver formas, movimentos e cores, e quase todos nós ouvimos vozes e ecos, ou pelo menos sentimos a passagem da luz e da escuridão através da nossa pele. E todos nós captamos e classificamos, sem parar, cheiros, gostos e sensações. Isso e mais: todos nós sem exceção nos assustamos as vezes e até mesmo ficamos cansados, ou com fome, e cada um de nós gosta de coisas e detesta outras, que nos inspiram temor ou aversão. Além disso, todos nós sem exceção somos sensíveis ao extremo. E todos nós, pessoas répteis insetos e peixes, todos nós dormimos e acordamos e de novo dormimos e acordamos, todos nós nos empenhamos muito para que fique tudo bem para nós, não muito quente nem frio, todos nós sem exceção tentamos a maior parte do tempo nos preservar e nos guardar de tudo o que corta, morde e fura. Pois cada um de nós pode ser amassado com facilidade. E todos nós, pássaro e minhoca, gato menino e lobo, todos nós esforçamos a maior parte do tempo em tomar o máximo cuidado possível contra a dor e o perigo, e apesar disso nós arriscamos muito sempre que saímos para correr atrás de comida, atrás de uma brincadeira e também atrás de aventuras emocionantes. E assim, disse Maia depois de refletir sobre esse pensamento, e assim no fundo é possível dizer que todos nós sem exceção estamos no mesmo barco: não apenas todas as crianças, não apenas toda aldeia, não apenas todas as pessoas, mas todos os seres vivos. Todos nós. E ainda não sei bem dizer se as plantas são um pouco nossos parentes distantes. [...]. Trecho extraído da obra De repente, nas profundezas do bosque (Cia. das Letras, 2007), do escritor e pacifista israelense Amos Oz. Veja mais aqui e aqui.

SOPRO - Preste atenção / Mais às coisas que aos Seres / À voz do Fogo, fique atento, / Ouça a voz das Águas./ Ouça através do Vento / A Savana a soluçar  / É o Sopro dos ancestrais / Os que morreram jamais se foram / Eles estão na Sombra que se ilumina / E na sombra que se enegrece. / Os Mortos não estão sob a Terra / Eles estão na Árvore que balança, / Estão na Madeira que geme, / Estão na Água que dorme, / Estão na casa, estão na multidão / Os mortos não estão mortos. / Preste atenção / Mais às coisas do que aos Seres / À voz do Fogo, fique atento, / Ouça a voz das Águas. / Ouça através do Vento / A Savana a soluçar / É o Sopro dos ancestrais / Que jamais se foram / Que não estão sob a Terra / Que não estão mortos. / Os que morreram jamais se foram: / Estão no Seio da Mulher, / Estão na criança que chora / E na brasa que inflama. / Os Mortos não estão sob a Terra / Eles estão no Fogo que se apaga, / Estão nas Ervas que choram, / Estão na Rocha que range, / Estão na Floresta, na Cabana, / Os Mortos não estão mortos. / Preste atenção / Mais às coisas do que aos Seres / À voz do Fogo, fique atento, / Ouça a voz das Águas. / Ouça através do Vento /A Savana a soluçar / É o Sopro dos ancestrais / Todo dia ele refaz o Pacto / O grande Pacto que prende, / Que prende à Lei nosso Destino, / Aos Atos dos Sopros mais fortes / O Destino de nossos Mortos que não estão mortos, / O pesado pacto que nos liga à Vida, / A pesada Lei que nos ata aos Atos, / Dos Sopros que morrem / No leito e às margens do Rio, / Sopros que se movem / Na Rocha que range e na Erva que chora / Sopros que permanecem / Na sombra que ilumina e se enegrece, / Na Árvore que balança, na Madeira que geme / E na Água que corre e na água que dorme, / Sopros mais fortes que tomaram / O Sopro dos Mortos que não estão mortos, / Dos Mortos que não partiram, / Dos Mortos que não estão mais sob a Terra. Poema do poeta senegalês Birago Diop (1906-1989).


A arte da atriz e modelo Agatha Moreira



PADRE BIDIÃO – Esta é a reunião do que já foi publicado do eminentíssimo haríolo do povo do planeta Terra, Padre Bidião, contando como seu deu a revelação para que fosse de ser instaurada a Igreja Bindiônica do Final dos Tempos. Para os fiéis, simpatizantes e antipatizantes, eis o Padre Bidião. 




Veja mais sobre:
Nas voltas que o mundo dá, Carlos Drummond de Andrade, Jane Duboc, François Ozon, Catherine Abel, Sheila Matos, Valeria Bruni Tedeschi, Niceas Romeo Zanchett & direito ao meio ambiente saudável aqui.

E mais:
A literatura de José Saramago aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
Fecamepa à República aqui, aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
Vinicius de Morais, Choderlos de Laclos, Pier Paolo Pasolini, Vanja Orico, Chico Buarque & Ruy Guerra, Serge Marshennikov, Beverly D’Angelo & Responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos aqui.
Cantarau Tataritaritatá aqui.
Literatura de Cordel na Escola aqui.
Todo dia é dia da mulher - entrevista com uma viúva autônoma, Sandra da Silva, de Arapiraca – Alagoas aqui.
Entrevista com a costureira Jqueline, a musa da semana de Minas Gerais aqui.
Serviço Público & Nênia de Abril: o canto do cidadão aqui.
Entrevista com Clélia, uma estudante de Cacoal – Roraima aqui.
Literatura de Cordel: O papé da rapariga, de Bob Motta aqui.
Perfume de mulher aqui.
Credibilidade da imprensa brasileira aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.
 
CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Sacerdotisa da Igreja Bidiônica do Final dos Tempos
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.



LILI & MAIAKOVSKI, VALIE EXPORT, RAIMUNDO MAGALHÃES JÚNIOR, JACINEIDE TRAVASSOS & ANCHIETA DALI

LILI, MULHER AMADA - Simples como um mugido, sou sem um vintém no bolso, faminto às andanças, sem teto: minha casa é a rua futurista n...