quarta-feira, abril 15, 2009

FLANNERY O'CONNOR. PÍNDARO, MERLEAU-PONTY, CLÓVIS GRACIANO, BOB MOTTA & LITERÓTICA



A arte do pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador e muralista Clóvis Graciano (1907-1988). Veja mais aqui.

LITERÓRICA: I - PECADO -Lá vem ela deusa viva nua e linda, atiçando meus pecados mais libidinosos. Vem completamente nua qual princesa atlântica pecaminosa com seus olhos sedutores de pôr-do-sol. Vem das altitudes andinas dos desejos luxuriosos com a graça da ninfa tropical resplandecente, pesunhando meus castigos com a aranhola das ridentes manhãs. Vem. E vem altiva musa nua pronta para o melhor pecado dos mortais. II - MAPA DA MINA, A PANACÉIA (Ah, muito demais!) - Dela, primeiro o olhar fisgando o desejo, o mapa da mina nas minhas mãos. Sereia de água doce, nua e linda no passeio da noite de nossas querências, ah, tudo muito demais de demais porque é ela que vem incandescente com a sua face de maio que roça o meu lábio e tudo aflora agitando a caixa de voltagem de nossas almas atéias e acende o corpo na volúpia dos céus e infernos de todas as nossas vidas. É ela que vem solfejando sereia entre o distante e o perto, com respiração dificultada sedutora e manhosa para resfolegar um dengo usurpando a hora, vãos e chão. É ela o feitiço da paixão, nua e linda a se esfregar no meu ser com todas as poses fotogênicas, todos os perfis do encanto, adunca servil, toda arisca de banda, toda chamariz de bruços, toda nua estirada, em diagonal, arqueada em qualquer ponto cardeal, tal como lua cheia no meu coração. É ela este espetáculo ao alcance da mão, pescoço dado, mordidas suaves de faz de conta que lambem tomando posse, invadindo tudo que vier de seu para que desfile qual miss Paripueira desde Maragogi cortando terra até Pariconha, descendo o Traipu para mostrar suas esculturas modeladas na erosão dos paredões rochosos do canyon, e eu mané-gostoso a me dar canoeiro que rema pela ilha do Ferro de Pão de Açúcar a beber de sua efígie na inscrição rupestre do Riacho do Talhado e me embrenhar em Penedo para que seja inteiro na minha sereia de água doce e eu no seu Piaçabuçu. É ela que faz das minhas mãos seus seios pelos mil e um tagatés acendendo tudo na rua deserta do meu coração pastoril da Rita Tenório de Murici, a minha alma caeté, o meu pirão de carapeba que me lambuzo aos seus beijos de cocadas de coroa de frade. É ela que faz o farol no meu sexo pajuçara enquanto seus quadris deslizam pelas mil e uma paixões do litoral ao sertão para explorar guerreira da Mestra Virginia com a boca da mata adentro, por todas as grutas, quedas d´águas, cantando pedra como a terra na bonança efêmera que sopra vento bom, testemunha dos meus naufrágios. É ela como a noite no ventre da vida inteira, integral, completa e totalmente beijada pela minha sede de sempre dela deusa minha e nua estalando os dedos com um toque de mágica para que seus pés pisem meus pés e dance toré com ungüento de sândalo pelo corpo e eu espontâneo partilhando do seu cheiro que escandaliza e fascina na volúpia nova a ponto de perder-lhe o nome e não explicar coisa alguma porque tudo está suspenso e eu reduzido a avalanche do divino milagre da sua nudez, um condenado frente ao pelotão de fuzilamento dos seus seios rijos em pontaria, do beijo cativante, do seu corpo extasiante poesia que se realiza e que de sopetão não sei de onde vem e eu sei que vem dela e só dela porque ela é a tentação deliciosa que adoça meu desejo. É ela toda só pernas que se enroscam como a arte das rendeiras do Pontal da Barra quando me dou à sua beleza e graça de poesia no misterioso perigo de entrar e nunca mais sair dela. É ela e eu com o prêmio da calcinha, o mapa da mina na minha mão com todas as encruzilhadas, todas as veredas, todas as intimidades e eu no mapa da mina de sua atlântica deificação completa, suas digitais, seu gosto, sua raiz visceral, sua alma nua ao meu domínio. É ela coxa nas minhas coxas, receita exata do banquete de rainha da Taieira nua pelo vale do São Francisco como quem procura o Rego da Pitanga enquanto todas as suas chaves em meu poder. E eu vou implacável com os meus monstros, ginete da vida e que dela procuro às cegas e é nela, panacéia divina, que sou imortalizado pela correnteza das carícias: quanto mais senhor ela me faz, mais servo sou de sua façanha. É dela e eu e o seu gozo capaz de estremecer a terra, com a doçura indescritível do pecado, com todo mel que unta até sorver tudo para ver que gosto tem o gosto do prazer do amor na minha sereia de água doce do Piaçabuçu. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOSÓ minha alma, não aspires à vida imorta, mas esgota o campo do possível. Pensamento do poeta grego Píndaro (522aC-443aC). Veja mais aqui e aqui.

O CORPO – [...] A tradição cartesiana habituou-nos a desprender-nos do objeto: a atitude reflexiva purifica simultaneamente a noção comum do corpo e a da alma, definindo o corpo como uma soma de partes sem interior, e a alma como um ser inteiramente presente a si mesmo, sem distância. Essas definições correlativas estabelecem a clareza em nós e fora de nós: transparência de um objeto sem dobras, transparência de um sujeito que é apenas aquilo que pensa ser. O objeto é objeto do começo ao fim, e a consciência é consciência do começo ao fim. Há dois sentidos e apenas dois sentidos da palavra existir: existe-se como coisa ou existe-se como consciência. A experiência do corpo próprio, ao contrário, revela-nos um modo de existir ambíguo. Se tento pensá-lo como um conjunto de processos em terceira pessoa – “visão”, “motricidade”, “sexualidade” – percebo que essas “funções” não podem estar ligadas entre si e ao mundo exterior por relação de causalidade, todas elas estão confusamente retomadas e implicadas em um drama único. Portanto, o corpo não é um objeto. Pela mesma razão, a consciência que tenho dele não é um pensamento, quer dizer, não posso decompô-lo e recompô-lo para formar dele uma idéia clara. Sua unidade é sempre implícita e confusa. Ele é sempre outra coisa que aquilo que ele é, sempre sexualidade ao mesmo tempo que liberdade, enraizada na natureza no próprio momento em que se transforma pela cultura, nunca fechado em si mesmo e nunca ultrapassado. Quer se trate do corpo do outro ou do meu próprio corpo, não tenho outro meio de conhecer o corpo humano senão vivê-lo, quer dizer, retomar por minha conta o drama que o transpassa e confundir-me com ele. [...]. Trecho extraído da obra Fenomenologia da percepção (Martins Fontes. 1999), do filósofo fenomenólogo francês Maurice Merleau-Ponty (1908-1961). Veja mais aqui e aqui.

UM HOMEM BOM É DIFÍCIL DE ENCONTRAR – [...] Os garotos trocaram as revistas um com o outro. A avó ofereceu‑se para pegar no bebé ao colo, e a mãe das crianças passou‑lho para os braços por cima do banco da frente. A avó sentou‑‑o no joelho e fê‑lo saltitar e falou‑lhe das coisas que iam vendo pelas janelas. Revirou os olhos e franziu a boca e encostou o rosto magro e coriáceo ao rosto macio e tenro do bebé. De vez em quando, ele fazia‑‑lhe um sorriso distante. Passaram por um grande campo de algodão com cinco ou seis campas no centro, rodeadas por uma vedação, qual uma pequena ilha. — Olhem para aquele cemitério! — disse a avó, apontando ‑o com o dedo. — Era ali que a família sepultava os seus mortos. Pertencia à plantação.— E onde é que ‘tá a plantação? — perguntou John Wesley.— E tudo o vento levou — respondeu a avó. — Ah, ah. [...]. Trecho de conto da escritora estadunidense Flannery O'Connor (1925-1964).


AIS COISA QUI TU ME DIZ...-Poema Matuto Erótico

Tu diz tanta coisa linda,
quando nóis tá chamegando,
qui eu inté vô me assanhando,
cum o tezão qui tenho, ainda.
A jornada num tá finda,
chamegá me faiz feliz.
Vô morrê sendo aprindiz,
do qui se faiz numa cama,
e a mim, o qui mais inframa,
é ais coisa qui tu me diz.

Você diz, minha rainha,
qui tôda vêiz qui eu lhe bêjo,
sobe um fríi na sua ispinha,
e um arrupêio de desêjo.
Seus pêlo fica iriçado,
uis seus póro incaroçado,
cum a drumença do tezão;
qui quando eu tô te lambendo,
tu se mija, se tremendo,
cum o toque dais minhas mão.

Você diz qui se deleita,
cum o inxirimento qui eu faço.
Qui fica só na butuca,
isperando o meu abraço.
Qui adora eu sê inxirido,
decramando in seu uvido,
e qui goza de repente;
quando eu, cum munto zêlo,
lambo e incoloco in seus pêlo,
uis bêjo mais indecente.

Qui gosta dais minhas mão,
no seu côipo, dirlizando,
quando eu passo o sabunête,
quando bãe, tu tá tumando.
Quando ali mêrmo, no bãe,
antes qui você se acanhe,
um amô séivage, nóis faiz;
e eu lhe pego insabuada,
lhe dando uma madêrada,
pura frente ô pru detráis.

Qui cada vêiz qui eu dirlizo,
minha língua in sua fenda,
lhe transporto ao Paraíso,
numa viagem istupenda.
Quando nóis tá se agarrando,
nossos côipo se roçando,
trocando uis nosso calô;
tu se sente ixtenuada,
totaimente saciada,
quage morrendo de amô...

Bob Motta



Veja mais sobre:
Salgadinho: de riacho pra esgoto, Boaventura de Sousa Santos, Imre Kertész, Friedrich Schiller, Millôr Fernandes, Ennio Morricone, Gustav Machatý, Emílio Fiaschi, Joseph Mallord William Turner & Hedy Lamarr aqui.

E mais:
A musica de Monique Kessous aqui.
Dicionário Tataritaritatá aqui.
Cidadania e dignidade humana aqui.
Literatura de Cordel: O cavalo que defecava dinheiro, de Leandro Gomes de Barros aqui.
Direitos adquiridos aqui.
A arte de Tatiana Cobbett aqui.
Tortura, penas cruéis e penas previstas na Constituição Federal de 1988 aqui.
Literatura de Cordel: Emissários do inferno na terra da promissão, de Gonçalo Ferreira da Silva aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá
Veja aqui e aqui.


CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.



HUMBERTO MATURANA, SAMANTA SCHWEBLIN, NÚRIA AÑÓ & LÍVIA FALCÃO

    TRÍPTICO DQP: Sobrevivo... – Imagem: AcervoLAM: Antes do Verbo havia o antes e era Néstogas, a o som do Concert Barbakan Festival Brat...