segunda-feira, junho 17, 2024

TAJA KRAMBERGER, LÍDIA JORGE, HILARY PUTNAM & NORDESTE

 

Imagem: Acervo ArtLAM.

Ao som dos álbuns Source (2014) e Upstream (2019), do grupo Dreisam – “Triângulo perfeito, nada geométrico, tudo ritmado” -, formado pelo pianista francês Camille Thouvenot, pelo baterista/percussionista brasileiro Zaza Desiderio e pela saxofonista alemã Nora Kamm.

 

ANOTAÇÕES NADA ESDRÚXULAS DO INÚTIL, UMA RAPSÓDIA TROPICAL...- Nunca fiz o que não podia contar depois. Aqui é sempre quase e orbito escolhas com suas angústias muitas e compensações nenhumas, um rito de passagem interrompido. Fui tocado pelo sinal WOW! E se o calor bate recorde na Índia, aqui não está tão diferente: persigo entre o que é ato vigoroso e o que é ludíbrio, o que é do espanto e encanto, como aquele de quem se foge numa esquina. A poesia atravessa todas as crises e o horror de todas as guerras devassando todas as alegorias para desarmar o que se deu por certo e deve ser posto em questão. Afinal o mundo soçobra sob um céu falso para expulsos jogados à rua, antes confiscados e coisa alguma penhorável restou do que se exilou de mim. Apesar dos pesares, não é tristeza que sinto, a doçura sem repouso de quem perdeu o riso das Rosas, os olhos das Marias e de todas que se foram e nunca mais voltaram. Até Zelda Mishkovsky: Cada um de nós tem um nome... E dado a ele pela sua morte... Livro-me da bombatômica iminente e de quem mata a sede no suor de outro, ou de quem vive entre o obséquio e o suicídio. Outras explodiram em minhas mãos para anunciar que não haverá manhã possível paratodos. Só falta pedir à máquina que ore por nós. É que sei quem roubou o chá da China e não somos a causa: somos a consequência e a lógica se houver é a de que não é só uma ou duas opções, mas todas as alternativas para escolhas: cada qual descasque os abacaxis dos seus múltiplos dilemas. Ouço Marceline Desbordes-Valmore: Devemos fazer a nossa vida como costuramos, ponto por ponto... E as minhas feridas como troços despejados à curiosidade pública: dores enferrujadas, entranhas podres, ossos sujos, vísceras coaguladas, coração às moscas e os restos mortais insepultos, para o opróbrio geral. Que o diga Mary McCarthy: Todos vivemos em suspense, dia após dia, hora após hora; em outras palavras, somos os heróis da nossa própria história... Não há do que se vangloriar, sou aquele que fez do dia o canto e fiquei sozinho de prontidão na chuva, com todos os desígnios despencando com o que sequer entendo ao inventar manhãs. E se não tenho saudades é porque tolo migrante sou pelas minhas mil e uma noites a girar errático no eixo da Terra para a felicidade dos nadas. Até mais ver.

 

MOBILIZAÇÃO PELA VIDA

Imagem: Acervo ArtLAM.

Um excêntrico, desertor e ateu, \ buscando refúgio na agronomia, \ em Goethe e na disciplina das crianças. Cuja vida \ o joga de um lado para outro em um campo minado \ como um cavaleiro de xadrez sem sela. Quem retrata \ a letra L: Lehrling , mas não faz uso \ das marchas básicas e nunca freia. \ Quem lê Pigs Fodder , com os pés num banho frio – para \ melhorar a concentração – \ e que espera descobrir abrigo nos livros de botânica, \ o chão sob os pés, \ mas não consegue encontrar uma folha de coltsfoot \ grande o suficiente para cobrir a sua própria sombra. \ Que trouxe para minha mãe no primeiro encontro um buquê \ de duas conchas e depois se afastou \ 800 km. Uma vez em campo, ele \ mudou novamente o rumo do bispo, \ direcionando-o de volta para a peça de xadrez real; \ aquela que pode mover-se sem dor \ em todas as direções, às vezes simplesmente com um olhar \ sem se mover, em direção a ela \ escondendo dentro de si \ os movimentos de todos os movimentos, vigiando-os. \ E eu: o resultado de uma votação familiar \ em fevereiro de 1970; ninguém impôs veto e o embrião \ cresceu livremente em mim, \ para que hoje eu possa olhar com calma para o meu caminho, \ uma trilha, já mais longa que a vida, para poder \ ver a sua vida \ pela frente, muito mais longa que o caminho. \ E assim meu pai investiu \ em mim seu herbário inacabado, \ e meus pensamentos amontoados entre \ as pilhas de livros como flores achatadas \ até que, em minha primeira coleção, \ toda essa erudição vegetativa explodiu \ e todas as lâminas, ordenadas com precisão, \ puderam voltar a ocupar \ seu antigo volume. \ E agora estou diante de um \ deserto sem fim de flores, palavras, dispostas e frescas, \ contraindo-se e expandindo-se à minha ordem \ como o universo. O que devo \ fazer com isso, aqui, \ neste lugar distorcido, \ a sangue frio? \ E agora diante dos meus olhos: um \ pampa interminável e incaracterístico \ dedanglers comuns, Vulpia myuros, \ cobertos com uma semente invejosa de \ anfíbios. \ Sua corrente difásica, alternada \ e as 1.200 páginas de notas frenéticas, \ jorrando com a magnitude \ de um furacão. Um fardo sifônico \ que você colocou sobre \ os ombros de seus filhos, a forma como \ uma guerra egoisticamente coloca seus corpos \ e sua memória ensangüentada em \ um anel mítico impenetrável e \o enterra para as gerações futuras \ entre as páginas de um livro terreno, um grande \ livro de capa dura inédito \ e sem correções e \ sem editor. \ Estaria Deus escondido entre grãos de bico, \ sementes de girassol e cenouras, \ na boca de prisioneiros distróficos \ a caminho de casa? \ Estaria Deus escondido nos tímpanos surdos dos rifles \ que a Gestapo lhes cutucou em Viena, \ quando vocês, rapazes, estavam jogando \ areia dentro dos eixos da composição ferroviária? \ Estaria Deus escondido em Jaroslav, um campo de internamento \ da Primeira Guerra Mundial, entre os dentes de ratos \ que, saltando sobre os prisioneiros, surpreendentemente não morderam? \ Deus da mãe ou seu não-Deus? \ Ambos anunciados \ em letras maiúsculas, \ ambos, numa hora de necessidade, soprados na escuridão \ sem resposta, \ ambos entorpecidos e frágeis \ como se estivessem agachados num barril fechado \ de bolota Mohojeva. \ Não foi a frente russa, nem a fome, nem o vinho, \ nem foram os teus estudos, não – \ nada importa senão a qualidade \ do carinho – \ no final – que gravou o traço na mente \ pomba sta memoria –\ foi a minha mãe quem mobilizou \ meu pai para o resto da vida, \ o amor gentil e inabalável \ chamado Zorka.

Poema da antropóloga, poeta, ensaísta, editora, tradutora e professora eslovena Taja Kramberger.

 

MISERICÓRDIA - [...] Eu sei que a felicidade é um bem raro. Devemos mantê-lo em nossos corações quando nos toca de perto, encher com ele todos os bolsos de nossa alma, para servir de escudo quando ocorrer o seu oposto... [...] A hora é o melhor estratagema inventado para desafiar a ausência de fim. Invenção humana para encurtar o tempo e dar-lhe o sentido que sem dúvida não tem. [...] Todas as espécies humanas estão acomodadas aqui e, como na vida lá fora, as más superam as outras. [...] Não quero pensar na tristeza e na dor, apenas na alegria que, por ser a mais frágil das três, é a que me mantém vivo. Assim, deixo de lado o que pesa e perturba, e penso na primavera que trouxe alegria e cobriu de paz as paredes do Hotel Paradis. [...] Às vezes penso que o mundo se organiza através de coincidências extravagantes, como se as palavras e as coisas se atraíssem pela simpatia e pela mímica, como se os animais e as vozes que os nomeiam se agrupassem em grupos inexplicáveis, uma espécie de igualdade invisível que aos nossos olhos é nada além de um mistério [...] É impossível ter um objeto secreto onde tudo é visto e revisto, examinado e inventariado pelos olhos dos outros, porque aqui onde estou não tenho nenhum canto próprio, nenhum objeto me pertence, até o meu corpo já não é mais um objeto. canto íntimo da minha alma como era antes. Só os meus pensamentos me pertencem, só eles não são monitorados, e ainda assim há quem tente adivinhar porque falo ou fico calado. [...]. Trechos extraídos da obra Misericórdia (D. Quixote, 2022), da premiada escritora portuguesa Lídia Jorge, que ainda expressa: Escrever é praticar a grande medicina da alma. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

RAZÃO, VERDADE & HISTÓRIAA filosofia precisa de visão e de argumento… há algo de decepcionante num trabalho filosófico que contém argumentos, por melhores que sejam, que não são inspirados por alguma visão genuína, e algo de decepcionante num trabalho filosófico que contém uma visão, por mais inspiradora que seja, que não é apoiada por argumentos …A especulação sobre como as coisas se articulam requer… a capacidade de estabelecer distinções e conexões conceituais, e a capacidade de argumentar… Mas visões especulativas, por mais interessantes ou bem apoiadas por argumentos ou perspicazes, não são tudo o que precisamos. Também precisamos daquilo que Burnyeat chamou de “visão” – e considero que isso significa visão sobre como viver as nossas vidas e como ordenar as nossas sociedades. Pensamento do filósofo estadunidense Hilary Putnam, que na sua obra Reason, Truth and History (Cambridge University Press, 1981), expressa que: […] Nenhuma pessoa sã deveria acreditar que algo é subjetivo simplesmente porque não pode ser resolvido sem controvérsia. [...] A ciência é maravilhosa em destruir respostas metafísicas, mas é incapaz de fornecer respostas substitutas. A ciência elimina os alicerces sem fornecer um substituto. Quer queiramos estar lá ou não, a ciência colocou-nos na posição de ter que viver sem fundamentos. Foi chocante quando Nietzsche disse isto, mas hoje é um lugar comum; nossa posição histórica - e não há fim à vista - é a de ter que filosofar sem 'fundamentos' [...] Tudo isso é realmente impossível, da mesma forma que é realmente impossível que macacos digitem por acaso uma cópia de Hamlet. [...]. Também autor do livro Jewish Philosophy as a Guide to Life: Rosenzweig, Buber, Levinas, Wittgenstein - The Helen and Martin Schwartz Lectures in Jewish Studies (Indiana University Press, 2008), expressa o pensamento de que: […] Eu posso somente satisfazer uma pessoa por dia. Hoje não é o seu dia, amanhã também não parece bom. [...] Corte a torta do jeito que quiser, os "significados" simplesmente não estão na cabeça! [...] as causas (dores) não são construções lógicas a partir dos seus efeitos (comportamento). [...].

 

NORDESTE DESCOBERTO OU INVADIDO...

[...] A partir de 1505 muitas expedições exploradoras foram enviadas à nossa Terra – percorrendo a costa, medindo-a e denominando os acidentes geográficos encontrados [...]. Por isso, é o Nordeste um todo a estudar, e um todo a deslumbrar o resto do Brasil. [...].

Trechos extraídos da obra Nordeste, berço do Brasil, descoberto ou invadido em 1500? Dos estudos nordestinos Raízes brasileiras (Autor, 1999), do poeta, professor e pesquisador Amaro Matias Silva (1922-2002). Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

UM OFERECIMENTO:

NNILUP CROCHETERIA

Veja mais aqui.

&

SANTOS MELO LICITAÇÕES

Veja detalhes aqui.

&

Tem mais:

Livros Infantis Brincarte do Nitolino aqui.

Poemagens & outras versagens aqui.

Diário TTTTT aqui.

Cantarau Tataritaritatá aqui.

Teatro Infantil: O lobisomem Zonzo aqui.

Faça seu TCC sem traumas – consultas e curso aqui.

VALUNA – Vale do Rio Una aqui.

&

Crônica de amor por ela aqui.


 


MÓNICA OJEDA, BORA CHUNG, AZA NJERI & DÉBORA LAÍS FERRAZ

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos concertos Nights from the Alhambra (2007), A Mediterranean Odyssey (2010), Troubadours On The Rhine...