quarta-feira, outubro 09, 2019

JOÃO CABRAL, JOHANNA DÖBEREINER, IDA RUBINSTEIN, HAJA PAU & O MUNDO DE CABEÇA PARA BAIXO!


O MUNDO DE CABEÇA PARA BAIXO – Cá comigo, na verdade: tudo é ilusório – o que se vê, o que se fala, o que se sente. Não é mesmo. Nascemos para saber a razão pela qual estamos aqui. E esquecemos isto. Impõem-nos identidade, família, numa corda bamba entre consanguinidades e afetos. Tudo o mais, vale para isso, não vale para aquilo. O falso e o autêntico, qual. Seguimos sem saber para onde, o incógnito, a não ser morrer – como se fosse o fim de tudo, o destino. Nem escolhemos nosso nome, quem somos, reduzidos aos afazeres, compromissos, avenças e desavenças. Felizes com os êxitos, deprimidos com os fracassos e incompreensões. Abrimos e fechamos braços, portas, janelas e sorrisos, dependendo da ocasião. Quando não, plantamos ou destruímos árvores e discórdias. De fato, tememos da morte o seu golpe. Ansiamos paz e felicidade ignorando que para sermos felizes, precisamos fazer acontecer, considerar os outros. No mais, arranjos e desarranjos. Sejamos otimistas, ora. A justiça que fruímos é um estorvo, manipulação de interesses: poupa afortunados e, na lei do salmo 13:12, vitima deserdados. E toda prece é pela salvação, livrai-nos. Enganos de vida e de morte. E se começa uma nova guerra por qualquer coisa de nada ou pequena monta, ou sabe-se lá, por capricho ou honra, senão. Dá-se com uma mão e tira-se com a outra. Diz-se amar e do amor, só egoísmo e dissimulação: se deu, deu; se não deu, ao deus dará. Há sempre uma hora, isso eu sei. Não é toda vez. Qual a deste momento, não se sabe, é só repetir: seja o que deus quiser. Reiterar: todos estamos nas mãos de deus e que ele não nos leve na pior. É o que nos cabe fazer, irresponsáveis, a menor culpa, nenhum remorso. Resta a apatia e torcer para que tudo dê certo, pelo menos. Como se jogo de dados. Como se tivesse só isso ou restasse fazer mais nada. Uma vez ou outra, reações; jamais tornar a ver e jura, posto que ilusões de ótica: só logro ou malogro, momentos de franqueza ou fraqueza, erros e desacertos a quem convinha fazer acontecer ou o retrocesso, passou. Se foi, melhor assim, ou assado. Ou como melhor parecer, seja feita a vontade. Impotentes, resignados. Apelar para o milagre dar uma mãozinha. Desígnios no manual de instrução, todos os procedimentos por desiderato, regulamento às mãos, essa a carta branca do arbítrio. Essa a lógica nos fatos, mesmo que nem haja, ocorreu e pronto, nada a questionar: deus assim o quis. Ademais, será que falta vergonha na cara, ou é cinismo, não o de Antístenes, mas da impudência. De certo, tudo isso e no mais de resto é embuste, engodo, simulacros, emulações, mimese. Na real, tudo é mentira. Do que me livrei e sabia, ainda havia tempo e nem tudo está definitivamente perdido. Uma vez, só uma vez a verdade. Lupa no denso. Que não seja perda de tempo, a estrada parece longa no efêmero, ou vice-versa. Tudo isso é mentira mesmo. E há quem consiga dormir com um barulho deste. Eu, sem qualquer razão aparente, insone. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS: O primeiro trabalho que publiquei provocou uma briga com meu chefe, que discordava de alguns aspectos. Insisti em publicá-lo. Naquela época o pessoal me gozava, acho que ninguém realmente me levava a sério, porque não existia na literatura qualquer descrição da associação entre bactérias fixadoras do nitrogênio e plantas superiores. Contrariando o saber estabelecido, acharam estranho que no Brasil, uma região de clima tropical, houvesse bactérias fixadoras de nitrogênio habitando as raízes das gramíneas. Mas havia uma razão lógica para o fenômeno. Uma bactéria só cresce, em meio de cultura, a uma temperatura mínima de 25ºC. Melhor sempre é uma temperatura de 30-35ºC. Temperaturas dessa ordem não ocorrem nos solos de regiões temperadas, como Estados Unidos e Europa. Nas regiões tropicais isso seria muito mais provável. Nunca trabalhei para ficar famosa ou milionária. Talvez um dos segredos de nosso sucesso tenha sido o de procurar conciliar o pessoal da bioquímica e da genética com os agrônomos, tentando fazer uma ponte entre as disciplinas. Pensar no futuro, pensar no presente. Cada criação, ela tem consequências, então, se nós tratamos bem a natureza, se nós desenvolvermos bem a agricultura, que ela seja sustentável, isso tem futuro. E nós precisamos do futuro. Pensamento da engenheira agrônoma teuto-brasileira Johanna Döbereiner (1924-2000), pioneira em biologia do solo e cientista entre as mais citadas pela comunidade científica mundial, durante entrevista concedida à jornalista Clara Lage, publicada na revista Papo de Homem.

HAJA PAU - [...] pelo vale do Catu, em Goianinha e Cangaretama, no Rio Grande do Norte, ouvia-se uma voz comanda, incisiva e clara: “Pau! Haja Pau!”, espalhando pavor e mistério, não possuindo outra forma além do grito. A curiosidade era a voz, pura e simples, sem órgão transmissor visível. Todas as investigações foram inoperantes. No sul do Piauí, nas últimas décadas do século XIX, um rapaz, afoito derrubador de gado, sucumbiu numa sexta-feira da paixão com o cavalo, o touro e o cão, por haver desobedecido ao preceito de “guardar o dia”. Tornou-se alma penada na voz de ave noturna. “Na noite do mesmo dia, na sentinela (velório do cadáver), aquele pássaro até então nunca visto nem ouvido, cantou até madrugada alta. E daí em diante, por aquelas chapadas, à noite, especialmente noite sem luar, ouve-se o canto feio e rouco daquela ave que diz direitinho: “Pau! Haja Pau!”. [...]. Trecho extraído da obra Passarela de Marmotas (Autor, 1975), do advogado magistrado e escritor brasileiro Fontes Ibiapina (1921-1986). Veja mais aqui.

IDA RUBINSTEIN – A arte da atriz e bailarina russa Ida Rubinstein (1885-1960). Órfã muito jovem, foi criada por parentes, tendo educação refinada para as artes, notadamente teatro e mímica. Aos dezenove anos montou com seus próprios recursos a peça Antígona, de Sófocles. A partir de então, passa a ter aulas de dança com Isadora Duncan. Montou, em seguida, Salomé, de Oscar Wilde. A partir de então, ingressa nos Ballets Russes e segue apresentando-se com Nijinsky. Interessa-se pela ópera e funda sua própria companhia. Durante a segunda grande guerra, exilada em Londres, passa a prestar assistência aos soldados da resistência francesa, tendo sua residência saqueada por forças nazistas e seu acervo de arte roubado. Ela escandalizou sua época por sua beleza e bissexualidade, relacionando-se amorosamente com diversos amantes. Veja mais aqui.

A OBRA DE JOÃO CABRAL
A vida não se resolve com palavras.
A obra do poeta e diplomata João Cabral de Melo Neto (1920-1999) aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.


ANNE-MARIE DE BACKER, EUGENIO MONTEJO, JASON STANLEY & ROALD DAHL

    TRÍPTICO DQP: A certidão da sobrevivência... Ao som do concerto Delicate Sound of Thunder - Live in New York (1988), da banda britâni...