Pular para o conteúdo principal

RAJNEESH, MUSSET, SOLJENÍTSIN, BERLIOZ, WALLENSTEIN, DRICA & MUITO MAIS!!!!

VAMOS APRUMAR A CONVERSA? MINHA VOZ (Imagem arte de Meimei Corrêa)Escrevi esse poema na segunda metade dos anos 1980, incluindo-o no meu livro Paixão legendária (Bagaço, 1991) e, posteriormente, na minha antologia Primeira Reunião (Bagaço, 1992). Foi a partir de então que ele ganhou o mundo, sendo publicado em suplementos literários, alternativos e zines do país inteiro. Deu-se, então, da cantora Sônia Mello colocar sua maravilhosa interpretação e inseri-lo juntamente com a minha música Aurora, no seu álbum Desejo. Com a gravação veio, então, um belíssimo clipe feito pro poema e canção realizado pela saudosa e inesquecível Derinha Rocha. Depois, no meio de uma parceria de quatro anos, ganhei um clipe do poema feito pela arte da adorável poeta e radialista Meimei Corrêa – um belíssimo clipe, diga-se de passagem, publicando-o, inclusive, no seu maravilhoso blog Baú de Ilusões. Ao longo dos anos acumulei muitas alegrias com este poema e, agora, foi a vez da poetamiga, jornalista e cantora Gal Monteiro, emprestar sua voz ao meu poema, com música da dupla Arnaud Borges e Gama Júnior. Confesso que tudo isso me faz mais que um premiado da vida. Restando, portanto, a minha eterna gratidão a todos que fizeram deste poema, a sua própria voz, a sua arte. Obrigado, obrigado, obrigado. Por isso ele vem aqui: Minha voz é a coragem de amar no ultraje dos desencontros e eu sou navio com rota esquecida e naufrágios muitos. Quando minha voz é torrente de dor no exagero sombrio de uma canção, não é nada, é tempestade que passou e deixou danos. Quando minha voz é a coragem de amar, não é a sombra de um vendaval. É a sujeição de um eterno pavio que aceso nunca apagará. (Minha voz, Primeira Reunião. Bagaço, 1992). E veja mais aqui

 Imagem: Female Nude (1927), do pintor do Expressionismo alemão Karl Hofer (1878-1955)

 Curtindo: Symphonie Fantastique, op. 14 (1830 – Decca Eloquence, 1972), do compositor francês Hector Berlioz (1803-1869), with Chicago Symphony Orchestra/Sir Georg Solti.

TERCEIRO DISCURSO – No livro Nem água, nem lua: dez discursos sobre histórias zen (Pensamento, 1975), do filósofo místico indiano Bhagwan Shree Rajneesh (1931-1990), destaco os trechos do Terceiro discurso: [...] Um homem inocente não sabe quem é Deus e quem é o demônio. Um homem inocente vive de sua inocência, não de seu calculo. Não é astuto, é simples. Vive cada momento. O passado e o futuro não significam nada. Cada momento é suficiente em si mesmo [...] Como uma avaliação pode tornar-se inocente? E sem se tornar inocente – inocente como as árvores, inocente como os animais, inocente como os bebês – como pode a pureza ser sentida? Não é algo que você possa controlar. Se controlar, estará se reprimindo e o oposto permanecerá presente. Se você se tornar um celibatário, o sexo permanecerá escondido no seu inconsciente, esperando pelo momento de se declarar, de se rebelar. Se você se tornar não-violento, a violência permanecerá em seu interior. O oposto não pode ser jogado fora. Se existir escolha, o não-escolhido permanecerá em forma de repressão. E é só isso que você consegue fazer. Apenas numa mente inocente o oposto desaparece porque nada foi escolhido. O oposto não pode existir sem a escolha. [...] Não escolha, apenas compreenda. Não escolha nem mesmo a não-escolha. Simplesmente compreenda toda a situação. Observe como tudo o que escolhe, tudo o que faz, bem da sua mente calculadora, não da realidade. Sua mente produz apenas sonhos, não produzir verdade. A verdade não pode ser produzida por ninguém. Ela está aí! Basta vê-la. Não existe nada para ser feito, somente um olhar é necessário, um olhar sem qualquer preconceito, um olhar sem qualquer escolha, um olhar sem qualquer distinção. [...] Um homem puro não é um soldado, é um santo. Um homem de moral é um soldado, não um santo. Naturalmente, sua briga é interna, não externa. Sua briga não é com os outros, é consigo mesmo. Mas continua existindo. [...]. Veja mais aqui, aqui e aqui.

UMA PALAVRA DE VERDADE – No livro Uma palavra de verdade... (Hemus, 1972), do escritor, dramaturgo e historiador russo Alexander Soljenítsin (1918-2008), destaco o trecho: Como um selvagem que, perplexo, apanha algo estranho – trazido pelo oceano?- ou aflorando na areia? – ou então um objeto esquisito, caído dos céus? – todo enredado de curvas, que no começo reluz suavemente e depois brilha com um claro lampejo; da mesma forma em que ele o revolve entre as mãos, girando-o em todas as direções, tentando adivinhar o que fazer com ele, tentando descobrir nele alguma utilidade mundana ao seu próprio alcance, sem perceber sua função mais importante: assim somos nós, quando seguramos a Arte em nossas mãos e acreditamos, confiantes, ser seus amos; mandamos nela audaciosamente, renovamo-la, reformamo-la e manifestamo-la; vendemo-la por dinheiro, usamo-la para agradar aos poderosos; desfrutamos dela, a um certo ponto, por nossa diversão – até nas canções populares e nas boates – e em outros momentos, agarram0-la como a arma mais próxima, para reprimir ou ferir – em prol das necessidades passageiras da politica ou de mesquinhas finalidades sociais. Apesar de nossos esforços a Arte, porém, não se torna poluída e nem se afasta de sua própria natureza, mas todas as ocasiões e em toda aplicação ela nos proporciona uma parte de sua secreta luz interior. Será que jamais compreenderemos essa luz em sua totalidade? Quem ousara afirmar ter definido a Arte, enumerado todas as suas facetas? Talvez em tempos idos alguém compreendeu e nos explicou, mas não conseguimos satisfazer-nos com isso por muito tempo; ouvimos e fomos negligentes, afastando logo a explicação, ansiosos como sempre em trocar até o melhor que tínhamos – simplesmente por algo que fosse novo! E quando alguém nos contar mais uma vez a antiga verdade, não nos lembraremos que já houve um em que a possuímos. [...] Veja mais aqui.

O POETA – No livro Les Nuits (Nuits de mai, d'août, d'octobre, de décembre) (1835-1837), do poeta, novelista e dramaturgo francês Alfred Musset (1810-1857), destaco o poema O poeta: Quando eu ainda era escolar, / Estava uma noite a velar / Em nossa sala, em solidão. / Veio-me à mesa, àquele instante, / Vestido de negro, um infante / Tão semelhante como irmão. / Sua face era triste e bela; / E pela luz de minha vela / Veio ler o livro que eu lia. / Sobre u’a mão pendeu a fronte, / Pensativo, de mim defronte, / E, na manhã, ainda sorria. / Quando fazia quinze anos, / Eu caminhava, sem enganos, / Na floresta, por um desvão. / E a um arbusto me veio, em paz, / Vestido de negro, um rapaz / Tão semelhante como irmão. / Indaguei por onde seguira; / Numa das mãos, portava a lira; / Na outra, um buquê de eglantina. / Ele saudou-me como amigo / E após, sem mais se abrir comigo, / Mostrou-me com o dedo a colina. / Na idade em que se crê no amor, / Chorava em meu quarto o amargor / Da primeira desilusão. / E me veio, junto ao braseiro, / Vestindo negro, um estrangeiro, / Tão semelhante como irmão. / Ele era triste e andava ao léu; / Com u’a mão apontava o céu / E, na outra, um gládio portava. / De minha pena se doía, / Mas só suspiros emitia / E se esvaiu como uma larva. / Na idade da libertinagem, / Para um brinde, nessa voragem, / Ergui meu copo num salão. / E veio a mim, feição altiva, / Vestido de negro, um conviva, / Tão semelhante como irmão. / Ele agitava sob o trajo / Trapos de púrpura, um andrajo; / Sobre a cabeça um mirto estéril. / Seu braço procurava o meu; / E meu copo, ao tocar o seu, / Quebrou-se na minha mão débil. / Um ano após, eu em respeito / Dentro da noite, junto ao leito / Onde meu pai morrera então, / Veio postar-se do meu lado, / Vestindo negro, um deserdado / Tão semelhante como irmão. / Os olhos imersos em pranto; / E, como anjos, de desencanto, / De espinho a testa coroada. / A sua cítara, caída; / A sua púrpura, roída; / E, no seu peito, a sua espada. / Lembra-me bem tudo isso aí. / Desde sempre o reconheci, / A todo instante desta vida. / E esta é uma visão de sonho. / Entretanto, ou anjo ou demônio, / Via em tudo a sombra querida. / Quando, cansado de sofrer, / Pra renascer ou pra morrer / Pretendi me exilar da França; / Quando, impaciente por mudar, / Eu quis partir e procurar / Os vestígios de uma esperança; / Junto aos Apeninos, em Pisa; / Em Nice, numa encosta lisa; / Em face do Reno, em Colônia; / Em Florença, num régio abrigo; / Em Brigues, num castelo antigo; / Nos Alpes, de neve tristonha; / Em Gênova, nos arvoredos; / Em Vevey, nos pomares quedos; / Em face do Atlântico, em Havre; / Em Veneza, no horrendo Lido, / Onde, num túmulo florido, / O Adriático sucumbe, grave; / Por toda parte onde, no chão, / Deitei olhos e coração, / Sangrando de um eterno peso; / E sempre aonde o manco Tédio, / Com uma fadiga sem remédio, / Me levava como se preso; / Por toda parte onde, crispado / À sede de um mundo ignorado, / Segui a sombra das quimeras; / E sempre onde, sem dar por isto, / Revi o que já tinha visto, / A face humana e suas misérias; / A noite de dezembro / Por toda parte, nos desvãos / Onde pus a fronte nas mãos, / Como uma mulher soluçando; / E sempre onde, como um carneiro / Que larga a lã pelo espinheiro, / Senti minh’alma fraquejando; / E sempre onde só quis dormir, / E sempre onde só quis sumir, / E sempre onde toquei o chão, / Sempre sentou-se do meu lado, / Vestindo negro, um desgraçado / Tão semelhante como irmão. / Quem és então, ó tu, que nesta vida / Eu vejo sempre em meu caminho? / Não posso, pela face tão dorida, / Crer que sejas meu mau Destino. / Teu sorriso tem muito de clemência; / Teu pranto, muito de piedade. / Só em te ver, eu amo a Providência; / Tua dor é irmã da minha na insistência: / Ela parece com a Amizade. / Quem és então? Não és meu guardião, / Pois nunca me vens prevenir. / É muito estranho: vês minha aflição / E me contemplas sem agir. / Há vinte anos, vens por minha via, / E sequer sei te nomear. / Quem és então? Será Deus quem te envia? / Sorris sem partilhar minha alegria, / Lamentas sem me consolar. / Ainda esta noite, triste, eu te revia. / Era outra noite de aflição. / O vento na janela me batia. / E eu preso ao leito, em solidão. / Contemplava uma praça tão querida, / Ainda morna de um beijo quente. / E então sonhei como a mulher olvida, / E senti que u’a porção de minha vida / Se destroçava lentamente. / Cartas, cabelos – eu me abandonava / A essas ruínas da alegria. / E o passado aos ouvidos me gritava / Eternas juras de um só dia. / Fitava essas relíquias consagradas, / A me fazer tremer a mão. / Lágrimas d’alma, n’alma devoradas; / E que os olhos, que as tinham derramadas, / Depois não reconhecerão! / Envolvi esses restos de ventura / Como num manto imaculado. / E me disse que aqui tudo que dura / É uma mecha do passado. / Como um mergulhador num mar profundo, / Eu me perdi, de abandonado. / Procurava um caminho mais fecundo; / E chorava, tão só, longe do mundo, / Meu pobre amor amortalhado. / Eu ia pôr um selo, um negro círio / Neste caro e frágil tesouro. / E devolvê-lo; mas, em tal martírio, / Hesitei, afogado em choro. / Pobre mulher, de orgulho e fingimento. / Pesar de tudo, hás de lembrar! / Por que, meu Deus, mentir ao pensamento? / E por que este pranto, este tormento, / Estes soluços, sem amar? / Sim, tu definhas, sofres, e ainda choras / Mas tua quimera está aqui. / Adeus! Adeus! Tu contarás as horas / Que me separarão de ti. / Podes partir. E em tua alma gelada / Carrega o orgulho satisfeito. / Eu sinto a minha ainda motivada, / E podem muitos males ter morada / Em torno ao mal que me tens feito. / Podes partir. A imortal natureza / Não pretendeu tudo te dar. / Pobre criança, sonhas com a beleza / Porém não sabes perdoar. / Podes partir. E segue a estrada infinda. / Quem te perde, não perde o mais. / Atira ao vento esta ilusão já finda. / Ó Deus eterno! E tu, que eu amo ainda, / Como me amavas, se te vais? / Súbito, deslizou, na noite oculto, / Um espectro, sem um rumor. / Passou pela cortina um negro vulto / Que no meu leito se assentou. / Mas quem és, morna e pálida miragem, / Réplica de preto vestida? / Que me queres, triste ave de passagem? / É um sonho vão? É minha própria imagem / Por este espelho refletida? / Quem, espectro da minha mocidade, / Aventureiro sem cansaço. / Diz-me por que essa sombra sempre invade / Qualquer lugar por onde passo. / Quem és, ó viajor da solidão, / Hóspede do meu desencanto? / Por que na terra hás de seguir-me tanto? / Quem és tu, quem és tu, ó meu irmão, / Que só surges nos dias de pranto? Veja mais aqui.

DE HÉRCULES ATÉ GETÚLIO – A trajetória da premiadíssima atriz de teatro, cinema e televisão Drica Moraes começou quando ela fazia teatro ainda no colegial, passando aos treze anos de idade a estudar no Tablado, atuando já no teatro infantil, em 1983, nas montagens de Os doze trabalhos de Hércules, seguindo-se Nossa cidade (1984) e Chapeuzinho vermelho (1985). Profissionalmente ela estreou em 1985 com o espetáculo O segredo de Cocachim, ganhando o primeiro Prêmio Coca-Cola, seguindo-se A Bao A Qu (1990), A morta (1992), Só eles sabem (1992), Pianíssimo (1992), Pixinguinha (1992), O crime de Dr. Alvarenga (1999), Melodrama (1999), O rei da vela (2000), Vitor ou Vitoria (2001), Mamãe não pode saber (2002), Notícias cariocas (2004), A ordem do mundo (2008) e À primeira vista (2012). No cinema ele começou com o curta Vaidade (1990), depois atuando na produção americana Manôushe (1992), seguindo-se Mandarim (1995), As meninas (1995), Traição (1998), Bossa Nova (2000), Amores possíveis (2001), Onde anda você (2004), Os normais 2 (2009), O bem-amado (2010), Bruna Surfistinha (2011) e Getúlio (2014). Também fez muito sucesso na televisão em novelas e séries, arrebatando prêmios e mais prêmios. Veja mais aqui.

SINGULARIDADES DE UMA RAPARIGA LOURA – O premiado filme Singularidades de uma rapariga loura (2009), dirigido pelo cineasta português Manoel de Oliveira, é baseado no conto homônimo do livro Contos (1902), do escritor português Eça de Queiroz, contando a história de uma viagem de comboio para o Algarve, trazendo as atribulações da vida amorosa de um certo cidadão a uma desconhecida senhora. Ocorre que ele se apaixona perdidamente por uma rapariga loura que é vizinha do armazém do seu tio em Lisboa. Por conta disso ele é expulso de casa pelo tio, porém recebe seu consentimento para casar-se com ela, descobrindo, então, a singularidade do caráter dela. O destaque do filme vai para a atriz portuguesa Catarina Wallenstein que arrebatou o prêmio de melhor atriz no Globo de Ouro de 2011. Veja mais aqui.

IMAGEM DO DIA:
 
A arte do desenhista, ilustrador e artista plástico japonês Namio Harukawa.

DEDICATÓRIA
A edição de hoje é dedicada à poetamiga, cantora e jornalista Gal Monteiro, como gesto de gratidão pelo apoio e amizade de sempre dispensada desde quando editora do caderno de cultura de O Jornal, como no Vida de Artista na Educativa FM e TV Educativa. Obrigado Gal, você é um amor de gente, beijabrações. Veja aqui

Postagens mais visitadas deste blog

A MULHER

A MULHER – Quando criei o blog “Crônica de amor por ela” levado pelo mote dado pela poetamiga Mariza LourençoEla nua é linda – um bloguerótico” eu pensava publicar meus versos, tons & prosas poéticas voltadas para o amor e afetividade, sexualidade e cumplicidade das paixões, desejos e amizade entre os seres humanos.


Arte: Mariza Lourenço.
De primeira, eu queria fazer uma homenagem às mulheres pelo reconhecimento de grandeza do seu ser.


Arte: Mariza Lourenço.
Depois, eu queria fazer uma homenagem ao amor, este sentimento que envolve todos os seres humanos.


Arte: Derinha Rocha.
Quando menos pensei eu estava com um livro pronto: o “Crônica de amor por ela” reunindo poemas, prosas poéticas, poemiúdos, .canções, proseróticas, poemiuderóticos, croniquetas, noveletas, expressões ginofágicas priápicas e outros teréns e juras de amor por ela.


Arte: Derinha Rocha.
UNIVERSO FEMININO – O universo feminino muito me encanta, fascina e me faz cada vez mais cativo ao maravilhoso ser que é a mulher.


Ar…

STEVENSON & FANNY, MARIANNE MOORE, BETTY MEGGERS & HANNAH YATA

A ÚLTIMA CARTA PARA FANNY - O mundo está cheio de tantas coisas, os sonhos são maiores que as dores. O sangrento Jack me persegue desde a infância, mesmo quando as aventuras davam num débil inválido, enfermiço, era eu um acendedor de lampiões com o bicho-papão fungando nas sombras dos meus cabelos. Só me restava a noite solitária com o sopro dos ventos, calafrios e tempestades terríveis, as lembranças de Cumme e as suas histórias horripilantes. Sempre foi assim entre a espada heroica e a pena inglória, os mapas e histórias inventadas, os paladinos marinheiros marchando para salvar a humanidade indefesa na minha cabeça, me fazendo faroleiro das ondas, tormentas e naufrágios, a distinguir o que era e não era entre vagabundos e ilibados senhores da sociedade. Como fui reprovado pelos professores, já sabia que nunca seria um contador de história respeitável, só um plumitivo que nada mais era que uma alma perdida com passatempos mirabolantes na ideia. Nunca me vi levantando paredes para mo…

ÉLUARD, APPIA, ALMODÓVAR, OSMAN LINS, PAULO CESAR PINHEIRO, ALBERTO DE OLIVEIRA, MALHOA, PENÉLOPE CRUZ, VALERIA PISAURO & MUITO MAIS NO PROGRAMA TATARITARITATÁ!!!!

CANTO DE CIRCO – O livro Os gestos (José Olympio, 1957), do escritor pernambucano Osman Lins (1924-1978), reúne treze contos que foram escritos nos anos 1950, abordando sobre a impotência e angustia do ser humano. Do livro destaco esse trecho do Canto de Circo: Ergue a cabeça e contemplou o lugar onde tantas vezes se apresentara para os seus breves triungos no trapézio. No dia seguinte, desarmariam o Circo – pensava; e na próxima cidade, quando o reerguessem, ele estaria longe. Nunca, porém, haveria de esquecer aquela frahil armação de lona e tabique, as cadeiras desconjuntadas, o quebra-luz sobre oespelho partido e o modo como os aplausos e a música chegavam ali. Baixou os olhos, voltou a folhear a revista. Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual despedia e que lembrava, de certo modo, o aposento de um morto, semelhança esta que seria maior, não fosse a indiferença quase rancorosa que o rodeava; pois, a despedida iminente, só ele sentia. Os colegas – o equili…

EGBERTO GISMONTI, HANNAH ARENDT, SARAH BERNHARDT & ANJA MATKO

A ALMA DE GISMONTI - Os acordes do Palhaço de Circense trouxeram lembranças do primeiro contato na Dança das Cabeças: acordes de cordas e teclas, batidas de corpo e de alma. Outras memorações, como a do Nó Caipira ou Zig-Zag, tão similares às coisas de minha gente com suas quermesses cumprindo penitentes a sua obrigação para livrar das mandingas, enganando as dores do mundo às mungangas e saudando a vida nos parques de diversão, ou na saída da sessão do cinema, as rodas de conversa com adágios e licenciosidades nas lapadas da tirana com estalado dos dedos e caretas de mamulengo pras quatro festas do ano, no meio de loas com livusias e pinoias de Malasartes e Camonge. Ah, minha gente, como coisas de Carmo, a Cidade Coração e a herança ítalo-libanesa: a mãe que canta acalanto para ninar o futuro do seu filho ou como quem junta mão-de-milho a tomar da garapa ou do ponche, soltando lorotas e potocas para quem puxa moda de viola, parlendas e mnemonias das coisas do Monge de Ipanema ou de C…

MOLIÉRE, DURAS, PANCHATANTRA, CYBELE, VLAMINCK, MUDDY & IDA BAUER.

O DOENTE IMAGINÁRIO – A peça O doente imaginário (Le malade imaginaire, 1673) é a última entre as escritas pelo dramaturgo, ator e encenador francês Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (1622-1673). Considerado um dos mestres da comédia satírica, essa peça composta em três atos, critica os costumes da época ao contar a história de um velho hipocondríaco Argan que se julga pesadamente doente sem realmente estar, acatando cegamente toda as ordens do médico que se aproveita da situação. Por outro lado, o doente quer por fim da força que sua filha Angélique contraia matrimonio com um filho de médico para que possa receber gratuitamente do genro o seu tratamento. Entretanto, a jovem filha está apaixonada por Cléante, tornando-se livre para casar depois de um ardil tramado por seu irmão Bérald para curar seu pai de sua fixação com médicos. Destaco o seu Quarto Ato: (Uma cenaburlesca, de coração de grau de um médico. Assembléia composta de porta-seringas, farmacêuticos, doutor…