Pular para o conteúdo principal

POUND, TERTULIANO, KIRINUS, CALASSO, LENDAS ÁRABES & MUITO MAIS!


VAMOS APRUMAR A CONVERSA? PERDOAR UMA TRAIÇÃO - Em vários momentos da vida presenciamos ou somos vítimas de atos de traição, coisa corriqueira a qual ninguém está ileso. A cena da peça shakespeariana Júlio Cesar (1599), com a sua famosa frase “Até tu, Brutus”, tem se perpetuado ao longo dos anos. Nas empresas, nas escolas, nas instituições, em qualquer lugar, pode-se presenciar o pé na goela de uns e outros, puxando a língua e enfiando o outro buraco abaixo. É a lei da concorrência, da competitividade. E vencer em detrimento de todos, a glória da conquista, da vitória de um sobre quem quer que seja. Pra se ter ideia, na semana passada eu vi um amigo completamente desorientado com o desenlace de um idílio que se dava como para sempre. Era que ele e a sua amada personificavam satiríase e ninfomania, às maiores juras de amor eterno. Carne e unha, o mundo nem ninguém mais existiam: só eles. Trancafiados em sua paixão, os dois seguiram por anos até que um dia ele faliu, ela pulou fora – disse-me ele completamente transtornado pela indignação que, na verdade, ela acabou num dia e, no outro, já perdia a caçola com outro. E completamente atordoado começou a dizer de forma atrapalhada que ela, ainda por cima, para justificar seu procedimento, o culpava por tudo, ao mesmo tempo em que lamentava as saudades e que sentia falta dele e que o mantinha no coração como um segredo só deles, que o outro atual não soubesse. Triste, mas até o amor não resiste à falta de dinheiro. E repetia ele completamente desconsolado: era tudo mentira e sedução. Procurei ao máximo manifestar apoio e solidariedade, ao mesmo tempo em que repassava os tristes fins de amores como o de Abelardo e Heloisa, Tristão e Isolda, e tantos e muitos outros que já trouxe aqui em edições passadas. Alguns findam comumente como a tragédia que envolveu o assassinato do escritor Euclides da Cunha, ou nas manchetes de jornais em que homens acometidos por excesso passional trucidam a amada por julgá-la ser dele e mais ninguém. Casos e casos ilustram os inquéritos policiais e processos judiciais. Não há como mensurar a dor de quem se sente traído. O que me resta dizer, que tudo isso é do umbigocentrismo que tornou agudo o individualismo possessivo, transformando as pessoas em reféns de consumo e posse. Acumular, desde as mais remotas eras, tem sido a tônica: mais poder, mais dinheiro, ser maior e melhor, almejando um gigantismo (que não é nada mais que ser menor que o próprio tamanho), que só satisfaz aos infelizes egoístas e a sua claque de baba-ovo, não se percebendo o que Freud chamava de conflito entre o princípio do prazer e o princípio da realidade. Passam-se anos e milênios e não aprendemos a sermos superiores. Então é preciso saber que perdoar é uma das mais nobres formas de valorizar o verdadeiro sentido da vida. E vamos aprumar a conversa aqui.

PICADINHO

Venus at a forest pool, do pintor e professor francês Thomas Couture (1815-1879)


Curtindo Luzia (Polygram, 1998), do guitarrista e compositor flamengo espanhol Paco de Lucía (1947-2014).

O PROBO ORGASMO – No livro 49 degraus (Companhia das Letras, 1997), do ensaísta italiano Roberto Calasso, encontro O probo orgasmo em que ele fala de Wilhelm Reich: O casamento místico entre marxismo e psicanalise, a denuncia dos erros da família, a reabilitação dos esquizofrênicos, o orgasmo como panaceia: todos esses temas, pelos quais durante anos nos batemos e debatemos sem cessar, com pedantismo [...] Profeta, cientista, crítico da sociedade, charlatão cósmico – Reich era sobretudo um visionário desesperadamente dominado por uma única visão, que considerava ser, como é óbvio, a chave do universo. Tinha, além disso, um dos vícios mais graves que podem enganar um visionário: o literalismo, o culto dos fatos, da real thing, da medida quantitativa, da formula resolutória. Assim, não lhe bastou introduzir uma noção inconveniente como a do orgasmo no centro da psicanalise. [...] Pretendeu ir mais longo, com passo de elefante: quis acreditar que a palavra biologia ou qualquer aparelho de medida estranho garantissem sozinhos uma abordagem segura para os segredos do mundo, permitindo-lhe tocar, ver, quantificar a fantástica e inapreensível energia orgânica que pensava ter descoberto [...]. E veja mais aqui.

JOSÉ E A MULHER DE PUTIFAR – Entre as Lendas Religiosas Árabes (Cultrix, 1962), reunidas por Jamil Almansur Haddad, encontro a de José e a mulher de Putifar: Foi na época de El Raiân que entrou no Egito um jovem vindo da Síria, que seus irmãos, astuciosamente, haviam conseguido vender. As caravanas da Síria acampavam-se no lugar que hoje tem o nome de El Maouqef. O jovem, parado ali, foi posto à venda. Era José, filho de Jacó. Putifar comprou-o para dá-lo de presente ao rei. Quando o levou ao palácio, sua mulher Zuleika, que era sua prima, viu-o e disse: “Deixai-o para nós; educa-lo-emos, e ele nos servirá”. Então, aconteceu-lhe o que Deus conta no Corão. Ela ocultou o seu amor até que não pode resistir mais. Então se retirou com José, enfeitou-se para ele, e fez-lhe saber que o amava; e se consentisse no que ela quisesse, dar-lhe-ia riquezas consideráveis. Ele recusou-se. Ela imaginou que o venceria, e não cessou de persegui-lo, não obstante a resistência, até que o seu marido apareceu, enquanto ele se esquivava da conquistadora. El ‘Aziz era eunuco e não podia aproximar-se de mulheres. José desculpou-se perante ele, mas ela falou: “Eu dormia e ele veio agarrar-me à força”. Mas testemunhas vieram e declararam que a culpa era da mulher. “Deixai disso”, disse Putifar a José, ou melhor – “deixai dessas desculpas”. Depois disse à sua mulher: “Pede perdão por tua culpa...”. [...] “Não é possível”; - disse Zuleika – “mas já que ele se recusa, eu proibir-lhe-ei qualquer entretenimento; aprisiona-lo-ei e tomarei tudo o que lhe dei”. José respondeu: “Prefiro a prisão ao que se pretende de mim”. Então, ela jurou por seu deus – era uma estatua de esmeralda verde, de nome Mercúrio – que se ele não obedecesse, faria executar imediatamente as suas ameaças. Ordenou que lhe tirassem as vestimentas régias, o vestissem de lã, e pediu a El ‘Aziz aprisiona-lo para fazer cessar as acusações lançadas contra ela. Seu marido ordenou que ele fosse preso. Veja mais aqui.

UM POEMA DE POUND – No livro Poesia (Hucitec/EdUnB, 1983), do poeta, músico e crítico literário estadunidense Ezra Pound (1885-1972), organizado por Augusto de Campos, encontro o belo poema Alba: Enquanto o rouxinol à sua amante / gorgeia a noite inteira e o dia entrante / com meu amor observo arfante / cada flor / cada odor, / até que o vigilante lá da torre / grite: / “Levanta, patife, sus! / Vê, já reluz / a luz, / depressa, corre, / que a noite morre...”. Veja mais aqui e aqui.

INCOMPATIBILIDADE ENTRE A VERDADEIRA RELIGIÃO E O TEATRO – No livro A Moda Feminina / Os espetáculos (Verbo, 1974), do prolífico autor das primeiras fases do cristianismo, Tertuliano (160-220dC), encontro o trecho sobre a incompatibilidade entre a verdadeira religião e o teatro: Considerai, servos de Deus, o que as exigências da fé, um bom sistema doutrinal e um estatuto disciplinar, entre outros, podem fazer para nos livrar do engodo dos erros mundanos, nomeadamente das representações teatrais; vós que andais muito perto de Deus como tendes testemunhado e confessado, examinai isto de novo para que ninguém resvale no pecado por ignorância ou fazendo vista grossa. Tão grande é o poder de arraste dos prazeres que chega a abrir ocasião de pecas nas trevas da ignorância, e a fazer que a consciência se iluda a si mesma. Talvez alicie às duas coisas a mais que um pensar o dos pagãos vezeiros em arguir conosco nesta questão pro este modo: que nenhum detrimento advem à religião que é coisa espiritual, e menos à consciência, uma tal ou qual avidez de olhos e ouvidos para o que se arma lá fora; nem Deus se vai ofender, por outra parte, com o deleite que o homem haja, nem é crime algum gozar dele em seu tempo e lugar; contanto que se mantenha o temor de Deus e se lhe prestem as honras devidas [...]. Veja mais aqui.

COISAS DE CINEMA – No livro História da riqueza do homem (LTC, 1986), do jornalista e escritor marxista estadunidense Leo Huberman (1903-1968), encontro o trecho em que ele fala: Os diretores dos filmes antigos costumavam fazer coisas estranhas. Uma das mais curiosas era seu hábito de mostrar as pessoas andando de carro, depois descerem atabalhoadamente e se afastarem sem pagar ao motorista. Rodavam por toda cidade, divertiam-se, ou se dirigiam a seus negócios, e isso era tudo. Sem ser preciso pagar nada. Assemelhavam-se em muito à maioria dos livros da Idade Média, que, por páginas e páginas, falavam de cavaleiros e damas, engalanados em suas armaduras brilhantes e vestidos alegres, em torneios e jogos. Sempre viviam em castelos esplendidos, com fartura de comida e bebida. Poucos indícios há de que alguém devia produzir todas essas coisas, que armaduras não crescem em árvores, e que os alimentos, que realmente crescem, tem que ser plantados e cuidados. Mas assim é. E tal como é necessário pagar por uma corrida de táxi, assim alguém, nos séculos X e XII, tinha que pagar pelas diversões e coisas boas que os cavaleiros e damas desfrutavam. Também alguém tinha que fornecer alimentação e vestuário para os clérigos e padres que pregavam, enquanto cavaleiros lutavam. Além desses pregadores e lutadores existia, na Idade Média, um outro grupo: os trabalhadores. A sociedade feudal consistia dessas três classe – sacerdotes, guerreiros e trabalhadores, sendo que o homem que trabalhava produzia para ambas as outras classes, eclesiástica e militar. [...]. Veja mais aqui.

AS PREVISÕES DO DORO PARA 2016 – As previsões para 2016 do mestre Dorus está bombando na rede. Além de trazer as orientações de procedimentos quanto ao amor, saúde e dia a dia de cada signo, o cara-de-pau ainda dá de troco duas simpatias: a da virada do ano e a Tiro e Queda. Aproveite para conferir e dar boas risadas aqui.

IMAGEM DO DIA
A arte do artista plástico brasileiro Wesley Duke Lee (1931-2010)

DEDICATÓRIA
A edição de hoje é dedicada à escritora peruana do Brasil (ou brasileira do Peru, tanto faz!) Glória Kirinus. Veja aqui.

LEITORA TATARITARITATÁ


Postagens mais visitadas deste blog

A MULHER

A MULHER – Quando criei o blog “Crônica de amor por ela” levado pelo mote dado pela poetamiga Mariza LourençoEla nua é linda – um bloguerótico” eu pensava publicar meus versos, tons & prosas poéticas voltadas para o amor e afetividade, sexualidade e cumplicidade das paixões, desejos e amizade entre os seres humanos.


Arte: Mariza Lourenço.
De primeira, eu queria fazer uma homenagem às mulheres pelo reconhecimento de grandeza do seu ser.


Arte: Mariza Lourenço.
Depois, eu queria fazer uma homenagem ao amor, este sentimento que envolve todos os seres humanos.


Arte: Derinha Rocha.
Quando menos pensei eu estava com um livro pronto: o “Crônica de amor por ela” reunindo poemas, prosas poéticas, poemiúdos, .canções, proseróticas, poemiuderóticos, croniquetas, noveletas, expressões ginofágicas priápicas e outros teréns e juras de amor por ela.


Arte: Derinha Rocha.
UNIVERSO FEMININO – O universo feminino muito me encanta, fascina e me faz cada vez mais cativo ao maravilhoso ser que é a mulher.


Ar…

STEVENSON & FANNY, MARIANNE MOORE, BETTY MEGGERS & HANNAH YATA

A ÚLTIMA CARTA PARA FANNY - O mundo está cheio de tantas coisas, os sonhos são maiores que as dores. O sangrento Jack me persegue desde a infância, mesmo quando as aventuras davam num débil inválido, enfermiço, era eu um acendedor de lampiões com o bicho-papão fungando nas sombras dos meus cabelos. Só me restava a noite solitária com o sopro dos ventos, calafrios e tempestades terríveis, as lembranças de Cumme e as suas histórias horripilantes. Sempre foi assim entre a espada heroica e a pena inglória, os mapas e histórias inventadas, os paladinos marinheiros marchando para salvar a humanidade indefesa na minha cabeça, me fazendo faroleiro das ondas, tormentas e naufrágios, a distinguir o que era e não era entre vagabundos e ilibados senhores da sociedade. Como fui reprovado pelos professores, já sabia que nunca seria um contador de história respeitável, só um plumitivo que nada mais era que uma alma perdida com passatempos mirabolantes na ideia. Nunca me vi levantando paredes para mo…

ÉLUARD, APPIA, ALMODÓVAR, OSMAN LINS, PAULO CESAR PINHEIRO, ALBERTO DE OLIVEIRA, MALHOA, PENÉLOPE CRUZ, VALERIA PISAURO & MUITO MAIS NO PROGRAMA TATARITARITATÁ!!!!

CANTO DE CIRCO – O livro Os gestos (José Olympio, 1957), do escritor pernambucano Osman Lins (1924-1978), reúne treze contos que foram escritos nos anos 1950, abordando sobre a impotência e angustia do ser humano. Do livro destaco esse trecho do Canto de Circo: Ergue a cabeça e contemplou o lugar onde tantas vezes se apresentara para os seus breves triungos no trapézio. No dia seguinte, desarmariam o Circo – pensava; e na próxima cidade, quando o reerguessem, ele estaria longe. Nunca, porém, haveria de esquecer aquela frahil armação de lona e tabique, as cadeiras desconjuntadas, o quebra-luz sobre oespelho partido e o modo como os aplausos e a música chegavam ali. Baixou os olhos, voltou a folhear a revista. Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual despedia e que lembrava, de certo modo, o aposento de um morto, semelhança esta que seria maior, não fosse a indiferença quase rancorosa que o rodeava; pois, a despedida iminente, só ele sentia. Os colegas – o equili…

EGBERTO GISMONTI, HANNAH ARENDT, SARAH BERNHARDT & ANJA MATKO

A ALMA DE GISMONTI - Os acordes do Palhaço de Circense trouxeram lembranças do primeiro contato na Dança das Cabeças: acordes de cordas e teclas, batidas de corpo e de alma. Outras memorações, como a do Nó Caipira ou Zig-Zag, tão similares às coisas de minha gente com suas quermesses cumprindo penitentes a sua obrigação para livrar das mandingas, enganando as dores do mundo às mungangas e saudando a vida nos parques de diversão, ou na saída da sessão do cinema, as rodas de conversa com adágios e licenciosidades nas lapadas da tirana com estalado dos dedos e caretas de mamulengo pras quatro festas do ano, no meio de loas com livusias e pinoias de Malasartes e Camonge. Ah, minha gente, como coisas de Carmo, a Cidade Coração e a herança ítalo-libanesa: a mãe que canta acalanto para ninar o futuro do seu filho ou como quem junta mão-de-milho a tomar da garapa ou do ponche, soltando lorotas e potocas para quem puxa moda de viola, parlendas e mnemonias das coisas do Monge de Ipanema ou de C…

MOLIÉRE, DURAS, PANCHATANTRA, CYBELE, VLAMINCK, MUDDY & IDA BAUER.

O DOENTE IMAGINÁRIO – A peça O doente imaginário (Le malade imaginaire, 1673) é a última entre as escritas pelo dramaturgo, ator e encenador francês Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (1622-1673). Considerado um dos mestres da comédia satírica, essa peça composta em três atos, critica os costumes da época ao contar a história de um velho hipocondríaco Argan que se julga pesadamente doente sem realmente estar, acatando cegamente toda as ordens do médico que se aproveita da situação. Por outro lado, o doente quer por fim da força que sua filha Angélique contraia matrimonio com um filho de médico para que possa receber gratuitamente do genro o seu tratamento. Entretanto, a jovem filha está apaixonada por Cléante, tornando-se livre para casar depois de um ardil tramado por seu irmão Bérald para curar seu pai de sua fixação com médicos. Destaco o seu Quarto Ato: (Uma cenaburlesca, de coração de grau de um médico. Assembléia composta de porta-seringas, farmacêuticos, doutor…