terça-feira, julho 24, 2018

JOÃO CABRAL, CARRIÈRE, TRUFFAUT, RENATO BORGHETTI, ANTONIO CÂNDIDO, JULIO UGARTE, GEORGE RODGER &DORO


O VEXAME DE DORO - Imagem: arte do fotojornalista britânico George Rodger (1908-1995). - Doro não sabe mais o que fazer. De tanto se agoniar com a campanha, quase nada mais resta da sua cabeleira. Ele já fez de tudo: despacho, promessa, simpatia, orações, ginástica a quatro e nada. Os cabelos é que pagam o pato: está quase careca. Se a borreia da candidatura não pega nem no empurrão, ele não tem mais a quem recorrer para não se espatifar mais uma vez no desmanche. Das tantas quedas, jamais aprendeu a botar a mão na massa e acertar a roda. Haja desenfreio ladeira abaixo. Sem um cabo eleitoral para remédio, nem a favor algum que o ajude a sair desse imprensado, ele está que nem louco que deu baixa na sanidade e prestes a dar entrada num hospício qualquer. Destá. Com toda meleca, ele ainda insiste. Tanto que, diante da Igreja Bidiônica dos Finais do Tempo, resolve, então, apelar pro padre Bidião. Cadê-lo? O suposto santo há dias que não dá as caras. Sebo nos cambitos, meu. Doro mesmo quase seca as canelas de tanto procurar por ele, resultado algum, nenhuma notícia, só a informação de que anda na sua nave com seus clones galáxia afora. Sem perder as últimas esperanças, para ele o templo do padre é a sua última alternativa e ajoelha-se de espremer-se todo numa oração sem fim, começada de manhãzinha, emendada à tarde toda e entrando pela noite, infinitamente. Reza de chorar, espernear, peidar e se lascar todo de vexame. Na sua agonia, uma mão pousa sobre seu ombro. Faz que nem é com ele. Ouve a voz que lhe soa bem aos ouvidos, mantendo-se cabisbaixo: Qual o seu problema, meu senhor? Estou embroncado! Nada é impossível aos olhos de Deus. Eu sei, mas o troço que eu quero é o mais impossível dos impossíveis. Possivelmente o senhor não está acertando na dose. Eu já esborrei de tanta coisa certeira que só dá errado. Realmente o senhor está atrapalhado. Estou mais que isso, estou fodido e mal pago. Por que o senhor não tenta o Confessionário dos Desejos? Ele, então, levanta os olhos rasos d’água, encara a beata e se assusta, dizendo pra si: Eita, essa é jeitosa, ô pirão dos deuses, a mais cobiçada de todas. É Magnalícia, uma das beatas secretas do padre, a enclausurada que jamais aparece para os fiéis. Na hora esquece o seu propósito e já animado com a presença dela, indaga: O que tenho que fazer? Vá pro confessionário, narre todos os seus pecados e peça com fé. Já fui e não deu jeito. Vá de novo. Será que estou fazendo errado? Pode ser, não custa nada tentar de novo, vá! Só se a senhorita for comigo, me acompanhar ajudando-me a realizar meu pedido. Ela aquiesce e vai à frente encaminhando-o para o recinto sagrado. Ao chegar, abre a porta e manda-o entrar. Só se a senhorita entrar primeiro. Anuindo ela adentra convidando a segui-la. Pronto, agora se ajoelhe e proceda conforme o ritual. Como? Solícita, ela explica como proceder nos mínimos detalhes, como manda o figurino. Posso me ajoelhar aos seus pés? Ela senta-se ao trono e ele genuflexo aos seus pés. Ela ordena: Vamos, confesse e peça! Ele bota pra chorar descontroladamente, lamentando sua falta de sorte, seu sofrimento constante, sua vida desgraçada. Chora de não ter mais quem o console. Magnalícia diante daquela lamurienta miserabilidade, comisera e põe uma das mãos sobre sua cabeça: Acredite, meu filho, você alcançará. Manteve-se desolado com seu plangente martírio aos pés da beata piedosa. Ele aumenta a dose do berreiro, num plangor de causar piedade extrema na devotada que alisa seus cabelos para animá-lo da sua desdita. Lá pras tantas, depois de se esgoelar todo, enxuga as lágrimas com a manga da camisa e tentando esconder sua lamúria, pergunta: Posso beijar seus pés, irmã? Pode, irmão, se isso alivia sua dor, pode sim. Ele se aproveita e beija os pés dela de forma tão afetuosa, dela suspirar tocada. Beija-lhe muitas vezes os calcanhares, o tornozelo, as pernas, os joelhos, e vai avançando embaixo da batina e começa a lamber suas coxas, dela se arrear prazerosa. Na horagá, quase pronto para a investida e se arremessar sobre a beatificada, surge do inopinado o vigilante guardião do templo, o cão Cérbero que ao vê-lo arriar as calças, coloca os dentes nos seus testículos rosnando bravo. É só uma ameaça, mas mete um medo da peste. Ele toma um susto com o bafo da brabeza na porta do seu procto, dele sair pulando segurando as calças e a intimidade excitada. E berra: Que é que isso, meu? Cérbero late para que a irmã se recomponha e o intruso caia fora do sagrado confessionário. Com os latidos volumosos do cão, logo acorrem outros devotos que encaram Doro com reprovação. Agora deu. A irmã imobilizada pelo susto, choraminga baixinho. Um dos interventores grita com ele: Como é que pode, irmão? Ele profanou o templo. Entendendo que ela havia sido atacada, todos arregaçam as mangas e prometem uma surra no Doro que, diligentemente, sai de fininho com tudo de fora, às carreiras, pé na bunda. Pega! Pega! Pega! Eita! Bronca da peste! Se ele pensava em resolver seus problemas, ganhou mais um pras suas costelas. Agora, lá vai ele cheio de nó pelas costas, sal pisando na moleira. Esse não tem jeito mesmo. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com a música do músico instrumentista e acordeonista Renato Borghetti: com Hermeto Pascoal, Este Tal de Borghettinho, Gaita Ponto Com & álbum de estúdio & muito mais nos mais de 2 milhões & 500 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais aqui, aqui e aqui.

PENSAMENTO DO DIA – [...] Ninguém pode alcançar a Verdade sem lutas. Para tudo requerem-se esforços tenazes; sem perseverança ninguém pode ver o fruto do seu labor. [...]. Pensamento extraído da obra As duas grandes leis espirituais (ICR, 1977), do filósofo e mestre espiritual peruano Julio Ugarte y Ugarte (1890-1949).

RECADO AOS BRASILEIROS - [...] Pensem nisso tudo os eleitores. Pensem na necessidade de assegurar a continuidade do seu esforço, contra os que desejam a volta dos maus hábitos e do descaso. Pensem no trabalho que regenera e nas reações que enxovalham. Pensem no poder do dinheiro e na limpidez das convicções desinteressadas. Depois, votem sabendo o que desejam de melhor para a sua cidade. [...]. Trecho extraído de Eleição e cultura (Folha de São Paulo, 1992), do sociólogo e crítico literário Antonio Cândido (1918-2017). Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

DIANTE DO OCEANO – [...] Uma história persa muito antiga mostra o narrador como um homem isolado, de pé diante do oceano, Ele conta sem parar, história atrás de história, mal fazendo uma pausa para beber, de vez em quando, um copo d‘água. O oceano, tranquilo, o escuta fascinado. E o autor anônimo acrescenta: - Se um dia o contador se cala, ou se fazem com que ele se cale, ninguém pode dizer o que fará o oceano. [...] Trecho extraído da obra O círculo dos mentirosos: contos filosóficos do mundo inteiro (Códex, 2004), do escritor, roteirista, diretor e ator francês Jean-Claude Carrière.

DESCOBERTA DA LITERATURA - No dia-a-dia do engenho, toda a semana, durante, cochichavam-me em segredo: / saiu um novo romance. / E da feira do domingo / me traziam conspirantes / para que os lesse e explicasse / um romance de barbante. / Sentados na roda morta / de um carro de boi, sem jante, / ouviam o folheto guenzo, / a seu leitor semelhante, / com as peripécias de espanto / preditas pelos feirantes. / Embora as coisas contadas / e todo o mirabolante, / em nada ou pouco variassem / nos crimes, no amor, nos lances, / e soassem como sabidas / de outros folhetos migrantes, / a tensão era tão densa, / subia tão alarmante, / que o leitor que lia aquilo / como puro alto-falante, / e, sem querer, imantara / todos ali, circunstantes, / receava que confundissem / o de perto com o distante, / o ali com o espaço mágico, / seu franzino com o gigante, / e que o acabassem tomando / pelo autor imaginante / ou tivesse que afrontar / as brabezas do brigante. / (E acabaria, não fossem / contar tudo à Casa-grande: / na moita morta do engenho, / um filho-engenho, perante / cassacos do eito e de tudo, / se estava dando ao desplante / de ler letra analfabeta / de curumba, no caçanje / próprio dos cegos de feira, / muitas vezes meliantes. ). Poema extraído da obra A escola das facas (José Olympio, 1980), do poeta e diplomata João Cabral de Melo Neto (1920-1999). Veja mais aqui.

 

FARENHEIT 451
O drama Farenheit 451 (1966), do cineasta francês François Truffaut (1932-1984), é uma adaptação da obra homônima do escritor estadunidense Ray Bradbury (1920-2012), sobre uma sociedade do futuro que baniu todos os materiais de leitura e o trabalho dos bombeiros de manter as fogueiras a 451 graus: a temperatura que o papel queima. Um bombeiro começa a repensar sua função ao conhecer uma jovem encantadora que adora livros. Veja mais aqui.

Colóquio de Fotografia de Caruaru & muito mais na Agenda aqui.
&
As trelas do Doro aqui, aqui, aqui e aqui.
&
A arte do fotojornalista britânico George Rodger (1908-1995).
&
Diário de bordo, a poesia de Edoardo Sanguineti, o cinema de Ken Loach, a escultura de Philippe Faraut, a arte de Eugene J. Martin, a música de Hermeto Pascoal, Jocy Oliveira, Laurie Anderson, Orquestra Armorial & Quinteto Armorial aqui.

APOIO CULTURAL: SEMAFIL
Semafil Livros nas faculdades Estácio de Carapicuíba e Anhanguera de São Paulo. Organização do Silvinha Historiador, em São Paulo. Fone: 11 98499-2985.
 

ADÉLIA PRADO, LOBO DE MESQUITA, CLEMENT TSANG & MOSTRA DE CINEMA ALAGOANO

AS CRIANÇAS BRINCAM - Imagem: arte do artista visual honconguês Clement Tsang - O dia azul e a manhã ensolarada na tarde viva, as crianç...