terça-feira, dezembro 13, 2016

ENVELHECER NÃO É O FIM DO MUNDO!


A VELHICE NÃO É O FIM DO MUNDO - O aumento na esperança de vida da população é um fenômeno planetário que têm possibilitado duas situações para reflexão. A primeira delas, é que a melhoria das condições de vida, saneamento básico, campanha de vacinação, atendimento médico-hospitalar, avanço científic0, diminuição da fecundidade, queda na taxa de mortalidade e, por consequência, melhor relacionamento entre os seres humanos, entre outras, têm possibilitado que as pessoas nos continentes do mundo, possam desfrutar mais da vida, alcançando níveis centenários de existência. Inclusive, já conheci pessoas com mais de cem anos que mantinham uma lucidez incrível, conversavam tranquilamente sobre os mais diversos assuntos, queixando-se aqui e ali, apenas, de algumas memórias que haviam desaparecido ou que surgiam inadvertidamente, confundindo alguns assuntos em momentos informais. Tirante isso, essas pessoas mantinham o vigor físico proporcional à idade, participando ativamente do convívio familiar dentro do que lhe cabia. Por outro lado, problemas diversos têm sido provocados por esse envelhecimento, como, por exemplo, o colapso da previdência social – instituição sempre vítima de má gestão por décadas -, tornando-se iminente a desassistência que já é de fato, para ser de direito – a exemplo do Brasil que já sinaliza uma opção já legalizada da desaposentação e, a pior de todas, a perspectiva inglória de, após haver cumprido todos as fases da existência, jamais conseguir a justa aposentadoria. Tal fato é reflexo da desigualdade social, concentração de renda, alto índice de pobreza, principalmente numa sociedade voltada apenas para a vitalidade – é a juventude e os adultos que possuem maior poder de consumo, estão prontos para reverter situações e, exatamente por isso, são representantes da atividade perversa de manutenção da produtividade capitalista a qualquer custo. Crianças e idosos, afora outros grupos sociais minimizados pelos preconceitos e discriminações, são sempre tratados por desimportantes, valendo-se, apenas, as primeiras pela exigência provocadora para consumo dos pais para se manterem na moda, enquanto os segundos só valem quando possuem ganhos para contribuir com a renda familiar. Tirante isso, crianças, idosos e outros grupos sociais são tidos por invisíveis e entregues à própria sorte. Principalmente o idoso que além de ser vítima do preconceito e da discriminação por estar no imaginário social como relacionado à perda de saúde, do vigor físico e sexual, afora sofrer todo tido de ataque à sua dignidade: filas extensas e inoperantes para seu atendimento nos casos de medicamentos e serviços médicos, locomoção, transportes, segurança, educação, lazer, enfim, tudo é difícil para eles. Os idosos se encontram numa encruzilhada de óbices que se reúnem na ineficiência do serviço público e limitação do setor privado, sem contar com a necessidade de implantação de políticas e programas que sejam capazes de promover preventivamente o envelhecimento saudável. Um lembrete se faz altamente necessário: todo aquele que nasce tanto cresce, como se desenvolve e, também, envelhece. Todo o mundo passa por isso. Um dia você também envelhecerá. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui

 Curtindo o álbum Madeira que cupim não rói: a pancada do ganzá 2 (Brincante, 1997), do artista e músico Antonio Nóbrega. Veja mais aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Quando te vi, a história da canção, Marilena Chauí, Adélia Prado, Luiz Gonzaga, Flora Gomes, Karel Skala, Cia. Corpos Nômades, Maysa Marta, Jan Saudek, Ana Nery & O carneiro de ouro aqui.

E mais:
Terceira Idade & Direito dos Idosos aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
A pegação buliçosa do prazer aqui.
Ginofagia & as travessuras do desejo na manhã aqui.
A folia do prazer na ginofagia aqui.
Educação, orientação & prevenção ao abuso sexual aqui.
Os crimes contra a administração pública aqui.
Cidinha Madeiro & Todo dia é dia da mulher aqui.
Crimes contra a pessoa aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: A VELHICE DE YEATS 
Quando fores velha, grisalha, vencida pelo sono,
Dormitando junto à lareira, toma este livro,
Lê-o devagar, e sonha com o doce olhar
Que outrora tiveram teus olhos, e com as suas sombras profundas;
Muitos amaram os momentos de teu alegre encanto,
Muitos amaram essa beleza com falso ou sincero amor,
Mas apenas um homem amou tua alma peregrina,
E amou as mágoas do teu rosto que mudava;
Inclinada sobre o ferro incandescente,
Murmura, com alguma tristeza, como o Amor te abandonou
E em largos passos galgou as montanhas
Escondendo o rosto numa imensidão de estrelas.
Quando fores velha, do poeta, dramaturgo e místico irlandês William Butler Yeats (1865-1939). Veja mais aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: Plaza de Bolívar – Bogotá – Colômbia, do fotógrafo Spencer Tunick.
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...