quarta-feira, janeiro 27, 2021

SALINGER, LETICIA SEKITO, SACHER-MASOCH, DI NICÁCIO & BETA FERRALK

 

 

TRÍPTICO DQC: A UTOPIA DO TEMPO - Ao som do Concerto for Piano and Orchestra nº. 21 in C major, K.467, de Wolfgang Amadeus Mozart, com a pianista sul-coreana Yeol Eum Son with the New York Philharmonic and Lorin Maazel (2018) – Para quem de manhã soubesse o caminho do Sol e tivesse apenas a força das mãos e da alma no corpo talhado por cicatrizes de golpes ininterruptos e queimaduras de guerras perdidas, feridas do sangue que não se estanca, só me resta por alimento o tempo decorrido com todos os sentidos e ambiguidades, como um encurralado porque nada é o que parece nessas horas agudas de desgoverno, o que me faz ficar pronto para ir embora a qualquer momento seja qual lugar. Para quem de tarde o mormaço lavasse a face e escorresse pelo corpo cansado de nenhum abrigo, porque nem todo dia é dia de mesmo até que algo aconteça e tudo mude de figura ou fique na mesma, ninguém sabe, o inesperado e o previsível se confundem, como se restasse apenas a vida de menino abandonado à própria sorte, para sobreviver pelos descampados e selvas como renegado do mundo dos homens e desse com a foca branca de Kipling a procurar um lugar sem caçadores. Para quem de noite fugisse do senso comum como se não aguentasse mais a mesmice e soubesse a sombra saindo do curso a ir por ali e eu por aqui até depois ou não sei quando, Olimpo ou Hades, se no chão me sobrasse o sonho de quem ascendesse aos céus por galáxias, depois de sepultado na cova rasa para virar estrela e a ressurreição iluminar as portas e janelas abertas do itinerário perdido por ventanias que vergam tudo no mundo dilacerado e eu vagandimundo quase incapaz de imprecar com os braços alvoroçados o prenúncio de um novo dia. É a hora de empreender o caminho de volta. E nesse retorno ouvir de John Updike que: Os sonhos tornam-se realidade. Sem essa possibilidade, a natureza não nos incentivaria a tê-los. Mas que sonhos me restam além dos pesadelos de existir nessa calamidade sem explicação e Lewis Carroll reiterasse que: A melhor maneira de explicar é fazer, e eu sem saber o quê no meio do passado, presente e futuro no feitiço do isolamento e a queda inevitável.

 


DOIS: A QUEDA DO LEPRECHAUM – Imagem: A queda (2017), do artista visual Di Nicácio, ao som da Sinfonia Popular (1956), de Radamés Gnatalli, com a Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina diretta da Norton Morozowicz – Ali onde o chão treme vez em quando e por que será, se a planície se encolhe e nada acontece de visível, e o Leprechaum me diz se eu atirar a flecha na terra eu acho outro mundo carregado de tesouros. Não levo a sério, nem poderia, mas o Leprechaum insiste que se eu quiser achar uma botija bem grandona, é só atirar uma flecha certeira dela entrar chão adentro e, ao puxá-la, abrirá uma fenda e eu terei a surpresa de encontrar todas as riquezas do mundo. Depois de muito insistir o Leprechaum, assim o fiz: peguei do badoque com flecha ajeitada, mirei bem na ladeira do barro mole, fiz força e atirei. A barreira mexeu parece que sentiu o golpe, abriu-se uma fenda que parecia outro mundo lá embaixo. Guardei o segredo, mas o Leprechaun já sabia e logo começou a me atentar: Vai aparecer um arco-íris e vá lá ao pé, tem um tesouro! E se descer pela fenda terá toda riqueza do mundo. Quando foi embora, a Mãe Terra e o Pai Sol chegaram e me disseram que devia casar e libertar as mulheres de um povo aprisionado na escuridão. Ouvi tudo quieto, havia, sim, de obedecer. Tão logo findaram e foram embora, surgiu um lindo arco-íris que emergiu da fenda aberta pela minha flechada. Tentei me ajeitar e por ela desci. A certa altura, escorreguei e caí. Foi quando ouvi do escritor estadunidense J.D. Salinger (1919-201): Esta queda para a qual você está caminhando é um tipo especial de queda, um tipo horrível. O homem que cai não consegue nem mesmo ouvir ou sentir o baque do seu corpo no fundo. Apenas cai e cai. A coisa toda se explica aos homens que, num momento ou outro de suas vidas procuram alguma coisa que seu próprio meio não lhes podia proporcionar. Ou que pensavam que seu próprio meio não lhes poderia proporcionar. Por isso, abandonam a busca. Abandonam a busca antes mesmo de começá-la de verdade. Tá me entendendo? Sim, quase entenderia não fossem duas coisas: o sumiço de quem dissera e as desconfianças do engodo em que me metera, sabia lá o que havia de lá embaixo encontrar, ora.

 


TRÊS: A DANÇA DO ARCO-ÍRIS – Imagem: a arte da coreógrafa, dançarina e performer, Leticia Sekito, diretora da Companhia Flutuante, ao som da canção Somewhere Over the Rainbow (E.Y. Harburg / Harold Arlen), witch violinist Anne Akiko Meyers and pianist Anton Nel, live in the Fraser Performance Studio at WGBH in Boston (2013). – A queda e aquele lugar desconhecido, meu corpo carregado de dores. Arrastei-me até um tronco e ali me encostei para melhor tomar pé da situação. O lugar era bonito e, apesar de ignota, me era aprazível. Depois de passar a vista por toda a extensão, deu para perceber lá longe alguém que vinha. Sim, aquela presença incerta me animou e, ao que parece, era uma mulher e dançava. Com dificuldade fui me levantado e me mantive encostado até que ela se aproximasse. Qual não foi a minha surpresa: era ela e ali estava, lindíndia, tão surpresa quanto eu. Convidou-me usando d’As Leis ou da legislação e epinomis de Platão: ... enquanto todos os outros animais carecem de qualquer senso de ordem ou desordem nos seus movimentos que chamamos de ritmo e harmonia, a nós os próprios deuses, que se prontificaram a ser nossos companheiros na dança, concederam a agradável percepção do ritmo e da harmonia, por meio do que nos fazem nos mover e conduzir nossos coros, de modo que nos ligamos mutuamente mediante canções e danças; e o nome coro provém do júbilo que dele extraímos. Isso não era um convite, era uma convocação. E mais: enquanto ela rodopiava apareceu-me repentinamente Sacher-Masoch: O amor não conhece virtude ou mérito; ele ama, perdoa e tudo sofre, porque deve; nosso julgamento é inútil para o amor; nem as preferências nem os defeitos que descobrimos provocam nossa abnegação nem nos fazem recuar de medo. Tão logo terminou de dizer, sumiu. E eu me deleitei com a dança do arco-íris naquela mulher paradisíaca. Até mais ver.

 

A ARTE DE BETA FERRALK



A arte da artista visual Beta Ferralk. Veja mais aqui e aqui.


 


STELLA NYANZI, NASTASSJA MARTIN, AGUSTINA BAZTERRICA & SEMANA HERMILO

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Liszt: Piano Sonata & other works (Hyperion Records, 2015), Bach: The Art of Fugue (Hy...