sexta-feira, setembro 25, 2015

FAULKNER, ANACREONTE, IVES, STRECK, KUPKA, SHOSTAKOVICH; BRESSON, CASOTTO & NASCENTE.


VAMOS APRUMAR A CONVERSA? NASCENTE – A edição nº 16, ano II, fev/mar/abr, 1999, do tabloide colorido, 24 páginas, Nascente Públicação Lítero Cultural, traz o editorial As turbulências para um futuro azul, parece que antevendo a derrocada tanto do tabloide como das Edições Nascente, devido maxidesvalorização do real promovida pelo governo Fernando Henrique Cardoso. Os insumos da publicação e da editora foram triplicados, fato que levou toda estrutura à inviabilidade e insolvência. Não teve salvação. Mas, pelo menos para mim, valeu a pena. E como valeu. Tanto que nesta edição trazemos uma entrevista com Ariano Suassuna, a resenha José Saramago: merecido Prêmio Nobel de Literatura 1998, do escritor, tradutor e professor Edmar Bernardes da Silva (USA); Reflexão sobre o ato de escrever, do escritor e jornalista Artur da Távola (RJ); Proyecto Sur: Literatura em Havana, O olhar, a visão e o pensamento de jovens: pesquisa de vida e sinceridade, da assistente social Adelaide Consoni (SP); a resenha Contos candentes, de Ronaldo Cagiano (MG), a matéria sobre quadrinhos Brasil também tem herói... e heroína, de Emir Ribeiro (PB), matéria Porque dar seu pitaco, do jornalista Paulo Augusto (RN), a resenha do filme Baile Perfumado, de Guido Bilharinho (MG), o destaque com as fotos da Igreja de São Gonçalo, em Penedo (AL) e da Lagoa Manguaba (AL); e nas Tabuletas, mais um episódio das Proezas do Biritoaldo: Quando o banguelo vê esmola grande fica mais assanhado que pinto no lixo! Na seção Espaço Aberto, manifestações do escritor José Mendonça Teles (GO), da professora Regina Igel (USA), do poeta Claudio Feldmann (SP), Erner Marq (ES), Fernando Vasconcelos (PR), Genrique Freitas (RS), Paulo Augusto (RN), Marcos Franco (BA), Diogo Henrique (MA), Alex Lemos (PB), Lari Franceschetto (RS), Fabio dos Santos (AL), Lau Siqueira (PB), Teresa Akil (RJ), Dilson Lages Monteiro (PI) e Marcemiro Oliveira Silva (MG). Na seção Infantil, a Ciranda de Criança, da professora da UFPR Lidia Natalia Dobrianskvj Weber (PR), Mario Benedetti (Associação Internacional pelo Direito da Criança Brincar), Célia Rangel (SP), a arte de José Centura Leite Junior (PE), Nathália Sena (AL), Larissa Cristina Vieira da Paixão (AL), Nicola (AL), Juliana Sena (AL), Diogo Palmeira Acioli (AL), Congresso Internacional Família e Violência e IV Encontro Nacional de Associações e Grupos de Apoio à Adoção – Projeto Acalanto Natal (RN). Na seção de Humor, Zé DaSilva, Rico, Cedraz, Cecilia Fideli Laerçon e Ari Lins Pedrosa. E na seção Nascente Poético, poemas de Cristina Siqueira (SP), Antonio Adonias (BA), Lau Siqueira (PB), Reynaldo Valinho Alvarez (RJ), Henrique Freitas (RS), Tânia F. Schambeck (SC), Edmar Bernardes (USA), Climaco Soto Borda (Colomboa), Aldina Machy (RS), Ronaldo Cagiano (DF), Ari Lins Pedrosa (AL), Artur da Távola (RJ), Lucila Milanese (SP), Lari Franceschetto (RS), Fabio dos Santos (AL), Diogo Henrique (MA), Veronica Melo (AL), J. Palcel (AL), Leontino Filho (RN), Alexis Lemos (PB), Fernando Cereja (SP), Glenda Maier (RJ), Marcos Sá (AL), Gilson Luiz Siqueira (RJ), Maia Pinto (RN), Dilson Lages Monteiro (PI), Johnny B. Guimarães (MG), Humberto del Maestro (ES), Gessy Carisio (MG), Tony Gray Gavalheiro (MG), Diniz Feliz de Souza (SP), Dinovaldo Giloli (SC), Rosy Feros (SP) e Mario Annuza (RJ). Veja mais aqui e aqui.


Imagem: Gabrielle, do pintor tcheco František Kupka (1871-1957).


Curtindo a Sinfonia nº 13, Babi Yar, em si bemol menor, opus 113 (1962/Deutsche Grammophon, 1997), do do compositor russo Dmitri Dmitriyevich Shostakovich (1906-1975), sobre poemas de Evgueni Evtouchenko e em lembrança às vítimas do massacre de 30 000 judeus ucranianos, uma crítica ao anti-semitismo na Rússia Soviética. Gothenburg Symphony Orchestra; National Male Choir of Estonia, conductor Neeme Järvi; Anatoly Kotscherga. Veja mais aqui e aqui.

A RESPOSTA CORRETA COMO DIREITO FUNDAMENTAL DO CIDADÃO – No livro Hermeneutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do Direito (Livaria do Advogado, 2009), do professor Lenio Luiz Streck, encontro o trecho da parte A resposta correta (adequada a Constituição) como direito fundamental do cidadão, com o seguinte teor: Em (duros) tempos de pós-positivismo, estamos condenados a interpretar. [...] O problema é que a pretensão de formar um corpo de leis coerente e consistente demanda a elaboração de princípios constitucionais, com o que corremos o risco de pensar que tal circunstancia acarreta (ou proporciona) uma maior abertura interpretativa e, consequentemente, um retorno à discricionariedade do juiz/intérprete (sempre lembrando que os termos discricionariedade e positivismo estão sendo usados de acordo com o debate travado entre Dworki e Hart). E, logo, correríamos em busca de métodos que nos indicassem o caminho para resolver as indeterminabilidades dos textos jurídicos. [...] Daí o enigma provocado pela figura de Germes, que já nasce enganando o próprio pai. E Hermes ficou muito poderoso. Sem ele, não saberíamos os que os deuses disseram. Na verdade, nunca se soube o que os deuses disseram; soube-se apenas o que Hermes disse que os deuses disseram! Sabemos, pois, do problema decorrente da “subjetividade” de Hermes e da complexidade que isso representa (por exemplo, qual é o limite do nível de abstração da generalidade das sentenças de Hermes?). Mas também sabemos, na metáfora, que o acesso direto à linguagem dos deuses é impossível. Daí a pergunta inevitável: se fosse possível esse acesso direito, que utilidade isso teria para os homens, que, definitivamente não são deuses? Talvez tenhamos recebido o castigo de Sísifo: rolamos a pedra até o limite do logos apofântico e imediatamente somos jogados, inexoravelmente, de volta à nossa condição de possibilidade: o logos hermenêutico. É ele que nos antecipa as possibilidades da compreensão. E os métodos (ou vários métodos positivistas ou pós-positivistas) acabam (sempre) chegando tarde. Se pensarmos que o método é indispensável para a segurança e a racionalidade na atribuição dos sentidos ou que temos que desonerar o interprete/aplicador dos discursos de fundamentação/justificação, colocando-lhe à disposição discursos previamente justificados (porque não confiamos na razão prática), ainda assim – ou exatamente por isso – teremos que responder a seguinte indagação: o que fazer com a pré-compreensão? Finalmente, se pensarmos que a destruição do método (cânones, critérios ponderativos ou postulados) terá como consequência um relativismo na interpretação, estaremos novamente enganados. Aliás, esse é um grave equivoco cometido pelos críticos da hermenêutica filosófica. Para explicar melhor: desde o inicio, sempre ficou claro que a hermenêutica que serve de base para estas reflexões não abre espaços para arbitrariedades, relativismos, decisionismos e discricionariedades. [...] Mas, atenção:admitir que cada sujeito possua preferencias pessoais, intuições, valores, etc – o que é inerente ao modo próprio do ser-no-mundo de cada pessoa – não quer dizer que não possa haver condições de verificação sobre a correção ou veracidade acerca de cada decisão que esse sujeito tomar (principalmente se se tratar de um juiz), isto é, nada disso quer significar que dependemos apenas dos aspectos linguísticos ou limites semânticos dos textos (e texto é sempre um evento) que não advém tã0-somente do próprio texto, mas, sim, de uma análise de decisões anteriores, da aplicação coerente de tais decisões e da compatibilidade do texto com a Constituição. O grau de exigência de fundamentação/justificação da interpretação alcançada aumentará na medida em que essa significação atribuída ao texto se afasta dos aspectos linguísticos. Trata-se de convencimento e de estabelecer as amplas possibilidades de controle da decisão. Esse é o espaço para a resposta correta (adequada a Constituição). Trata-se, pois, de um direito fundamental do cidadão. [...]. Veja mais aqui.

O SOM E A FÚRIA – O romance O som e a fúria (1929/CosacNaify, 2009), do escritor estadunidense e ganhador do prêmio Nobel de Literatura em 1949, William Faulkner, conta a história de uma família decadente a partir de quatro narradores que enredam ideais de nobreza pueris e arroubos de ganancia e ódio que beiram o demoníaco, pondo fim ao que resta de si num clima de delírio e de ruina de um grupo social. Da obra destaco o trecho: [...] Levantei-me e comecei a andar de um lado para o outro a ouvi-lo através da parede. Ouvi-o na nossa sala comum a dirigir-se para a porta. - Ainda não estás pronto? - Ainda não. Despacha-te. Eu vou já. Saiu. A porta fechou-se. Ouvi-lhe os passos no corredor. Nisto, outra vez o relógio. Parei de andar de um lado para o outro, fui até à janela, afastei as cortinas e fiquei a vê-los correrem para a capela, os mesmos de sempre, a debaterem-se com aquelas enormes mangas de sempre, os livros de sempre e os colarinhos de sempre, a esvoaçar, passando velozes diante dos meus olhos como detritos levados pela torrente, e o Spoade. Dizer que o Shreve é meu marido. Não lhe ligues, disse o Shreve, se ele não tem mais que fazer do que andar atrás dessas porcas desavergonhadas, que temos nós com isso. No Sul é vergonha ser virgem. Os rapazes. Os homens. Até mentem a esse respeito. Com as mulheres já não é assim, disse o Pai. Disse que foram os homens que inventaram a virgindade, não as mulheres. O Pai disse que é como a morte - apenas um estado em que os outros se encontram, e eu disse: Mas não importa acreditar nisso ou não, e ele disse: É isso que é triste, em relação ao que quer que seja: não apenas à virgindade, e eu disse: Por que é que não podia ser eu e não ela a ser desvirginado, e ele disse: É também por isso que é tão triste; nem sequer vale a pena mudar nada, e o Shreve disse se ele não teria mais nada que fazer do que andar atrás daquelas porcas desavergonhadas e eu disse já tiveste uma irmã? já? já? No meio deles, o Spoade parecia um cágado numa rua coberta de folhas secas arrastadas pelo vento, com o colarinho a chegar-lhe às orelhas, avançando no seu passo paulatino do costume. Era finalista e vinha da Carolina do Sul. No clube vangloriava-se de nunca ter tido de correr para chegar a tempo ao serviço religioso, nem ter chegado mesmo em cima da hora, nem ter faltado uma só vez em quatro anos, nem ter chegado nunca à capela ou à primeira aula da manhã com a camisa vestida ou as meias calçadas. Entrava no Thompson por volta das dez horas, pedia duas chávenas de café, sentava-se, tirava as meias do bolso e descalçava os sapatos e calçava as meias enquanto o café arrefecia. Por volta do meio-dia já andava de camisa e colarinho como toda a gente. Os outros passavam por ele a correr, mas ele nunca acelerava o passo. Daí a pouco o pátio ficou deserto. Um pardal cruzou o ar pela frente do sol, veio pousar no peitoril da janela e pôs-se a olhar para mim. O olho dele era redondo e brilhante. Primeiro observou-me só com um olho, depois, zás! e era o outro que me observava, enquanto a garganta palpitava mais célere que qualquer pulso. Começaram a dar horas. O pardal desistiu de trocar de olhos e fitou-me intensamente com o mesmo olho até as badaladas se calarem, como se também ele estivesse a escutá-las. Nisto, saltou do peitoril e desapareceu. Foi mesmo antes de a última badalada ter deixado de vibrar. Pairou no ar por largo tempo, mais latente do que audível. Como se todos os sinos vibrassem ainda nos longos raios de luz que esmoreciam enquanto Jesus falava com São Francisco sobre a irmã. Se existisse apenas o inferno e nada mais. Se fosse tão simples como isso. Assunto arrumado. Se as coisas se acabassem em si próprias. Mais ninguém presente além de ela e de mim. Se ao menos tivéssemos podido fazer alguma coisa de tão terrível que todos eles tivessem fugido para os infernos, exceto nós. Cometi incesto disse eu Paifuí eu não foi o Dalton Ames. E quando ele me pôs Dalton Ames. Dalton Ames. Dalton Ames. Quando ele me pôs a pistola na mão não fui capaz. Foi por isto que não fui capaz. Ele estaria lá. E ela. E eu. Dalton Ames. Dai- ton Ames. Dalton Ames. Se ao menos tivéssemos podido fazer qualquer coisa de tão terrível que o Pai dissesse É triste que duas pessoas não só não consigam fazer nada de verdadeiramente terrível, mas que também não consigam sequer fazer nada de terrível, nem se consigam lembrar amanhã do que hoje lhes parecia tão terrível e eu disse: Podemos sempre fugir às responsabilidades e ele disse: Ali, podemos? E eu olharei para baixo e verei os meus ossos a rangerem e a água profunda como o vento, como um telhado de vento, e ao fim de muito tempo eles não poderão distinguir sequer os ossos na areia solitária e inviolada. Até que, no Dia em que Ele disser Levantai-vos, só o ferro de engomar virá à superfície. Não é quando descobrimos que nada nos pode ajudar - religião, orgulho, qualquer coisa - é quando percebemos que não precisamos de ajuda. Dalton Ames. Dalton Ames. Dalton Ames. Se eu pudesse ter sido a mãe dele, jazendo de corpo aberto soerguido sorridente, agarrando o pai dele com esta mão, segurando-o, vendo, assistindo à sua morte antes de ele ter vivido. Ela permaneceu à porta por um minuto. Fui à cômoda e peguei no relógio, ainda com o mostrador para baixo. Bati com o vidro na esquina da cómoda, juntei na palma da mão os fragmentos, deitei-os para o cinzeiro, arranquei os ponteiros e pu-los também no cinzeiro. O relógio continuou a trabalhar. Voltei-o com o mostrador para cima, agora vazio e com minúsculas rodas dentadas a baterem por detrás dele sem parar, sem outra alternativa. Jesus a andar pela Galileia e Washington sem dizer mentiras. O Pai trouxe ao Jason um prenda da Feira de Saint Louis: um óculo de ópera miniatural por onde se espreitava com um olho e se via um arranha-céus, uma Roda Gigante toda riscada como uma tela de aranha e as Cataratas do Niagara na cabeça de um alfinete. Havia uma mancha vermelha no mostrador. Quando dei por ela, senti o polegar a arder. Pousei o relógio, fui ao quarto do Shreve buscar a tintura de iodo e pintei o golpe. Com uma toalha, limpei os vidros que ainda estavam agarrados ao aro exterior. Tirei dois conjuntos de roupa interior, e também meias, camisas, colarinhos e gravatas, e fiz a mala. Meti tudo lá dentro exceto o meu fato novo e outro já muito velho, dois pares de sapatos e dois chapéus, e todos os meus livros. Levei os livros para a sala e empilhei-os em cima da mesa, tanto os que tinha trazido de casa como os que O Pai disse que antigamente se conhecia um cavalheiro pelos livros que tinha; agora conhece-se pelos que não devolveu fechei a mala e enviei-a. Soou o quarto de hora. Parei e fiquei a ouvi-lo até os sinos se calarem. [...]. Veja mais aqui.

TRES FRAGMENTOS DA LÍRICA ANACREONTICA – O poeta lírico grego Anacreonte (563-478aC), é o autor de uma coleção de 50 ou 60 poesias que, segundo Otto Maria Carpeaux, na sua História da Literatura Ocidental (Alhambra, 1978), são denominadas de poesias anacreoticas, compreende a decadência grega, de falsa ingenuidade erótica, de velhos bon-vivants, cantando o vinho e as prostitutas de nomes mitológicos, com eufgemismos que excluem a indecência: [...] Com a bola carmim me golpeia / Novamente o dourado Desejo / E co’ a moça de belas sandálias / Me convoca a jogar agora. / Lá das firmes paragens de Lesbos / Ela vem, mas se ri dos cabelos / Que me sobram (pois são todos brancos) / E suspira por outra moça. [...] Ó divino – com quem, enquanto percorre / os altos cimos dos montes, folgam / as ninfas dos olhos azuis, / a purpúrea Afrodite / e o indomável Eros – / rogo-te que benévolo / venhas para escutar / minha grata prece. / Infunde sábio conselho / em Cleóbulo: que ele aceite, / ó Dionísio, o meu amor. [...] Novamente c’uma toga púrpura / provocando-me, Eros dos cabelos louros / convida-me a brincar junto / d'uma moça de sandálias jaspeadas. / Mas ela – que provém da florida / Lesbos – despreza minha cabeleira / já branca, enquanto, de boca aberta, / fica maravilhada diante d'outra. [...]. Veja mais aqui.

CLARO! – A premiada peça teatral Claro, do dramaturgo, roteirista e escritor estadunidense David Ives, conta a história de um casal que ensaia tentativas de aproximação amorosa, enfrentando, cada qual à sua maneira, situações inusitadas diversas e embaraçosas, em busca de um final feliz. Da obra destaco o trecho inicial: (CENÁRIO: Mesa de um café, com duas cadeiras. CENA: Betty, lendo à mesa. Uma cadeira vazia em frente a ela. Bill entra) BILL - Com licença. Esta cadeira está ocupada? BETTY - Desculpe-me? BILL - Está ocupada? BETTY - Sim, está. BILL - Oh, desculpe. BETTY - Claro. (Pequeno toque de campainha) BILL - Com licença. Esta cadeira está ocupada? BETTY - Desculpe-me? BILL - Está ocupada? BETTY - Não, mas espero alguém em um minuto. BILL - Oh. Obrigado, mesmo assim. BETTY - Claro. (Pequeno toque de campainha) BILL - Com licença. Esta cadeira está ocupada? BETTY - Não, mas espero alguém muito em breve. BILL - Você se importaria se eu me sentar aqui até que ele ou ela ou o que quer que seja chegue? BETTY - (Olha de relance seu relógio) Já passa bastante da hora... BILL - Você nunca sabe quem você pode estar recusando. BETTY - Desculpe. Boa tentativa, no entanto. BILL - Claro. (Campainha) BILL - Este assento está ocupado? BETTY - Não, não está. BILL - Você se importaria se eu me sentar aqui? BETTY - Sim, me importaria. BILL - Oh. (Campainha) BILL - Esta cadeira está ocupada? BETTY - Não, não está. BILL - Você se importaria se eu me sentar aqui? BETTY - Não, vá em frente. BILL - Obrigado. (Ele senta. Ela continua lendo) Todos os outros lugares parecem estar ocupados. BETTY - Hum-hum. BILL - Belo lugar. BETTY - Hum-hum. BILL - Que livro é? BETTY - Eu só gostaria de ler em silêncio, se você não se importa. BILL - Não. (Campainha) BILL - Todos os outros lugares parecem estar ocupados. BETTY - Hum-hum. BILL - Belo lugar pra se ler. BETTY - É, eu gosto. BILL - Que livro é? BETTY - “O Som e a Fúria”. BILL - Oh. Hemingway. (Campainha) BILL - Que livro é? BETTY - “O Som e a Fúria”. BILL - Oh. Faulkner. BETTY - Você já leu? BILL - Na verdade... Não. Embora tenha lido sobre ele. Deve ser fantástico. BETTY - É ótimo. BILL - Ouvi dizer que sim. (Pequena pausa) Garçom? (Campainha) BILL - Que livro é? BETTY - “O Som e a Fúria”. BILL - Oh. Faulkner. BETTY - Você já leu? BILL - Eu mesmo sou um fã de Mets. (Campainha) BETTY - Você já leu? BILL - Sim, eu li na faculdade. BETTY - Qual faculdade? BILL - Fiz letras pelo Instituto Universal Brasileiro. (Campainha) BETTY - Qual faculdade? BILL - Eu estava mentindo. Na verdade nunca fiz faculdade. Eu só gosto de brincar. (Campainha) BETTY - Qual faculdade? BILL - USP. BETTY - Você gosta de Faulkner? BILL - Eu amo Faulkner. Uma vez passei um inverno inteiro lendo-o. BETTY - Eu apenas comecei. BILL - Fiquei tão empolgado após as dez primeiras páginas que saí e comprei tudo o mais que ele tinha escrito. Uma das maiores experiências literárias da minha vida. Quer dizer, toda aquela incrível compreensão psicológica. Páginas e páginas de prosa maravilhosa. Seu profundo alcance do mistério do tempo e da existência humana. Os cheiros da terra... O que você acha? BETTY - Eu acho muito chato. (Campainha) BILL - Que livro é? BETTY - “O Som e a Fúria”. BILL - Oh. Faulkner. BETTY - Você gosta de Faulkner? BILL - Eu amo Faulkner. BETTY - Ele é incrível. BILL - Uma vez passei um inverno inteiro lendo-o. BETTY - Fiquei tão empolgada após as dez primeiras páginas que saí e comprei tudo o mais que ele tinha escrito. BILL - Toda aquela incrível compreensão psicológica. BETTY - E a prosa é tão maravilhosa. BILL - E a maneira como ele alcança o mistério do tempo... BETTY - ...E da existência humana. Eu não acredito que esperei tanto para lê-lo. BILL - Nunca se sabe. Você poderia não ter gostado dele antes. BETTY - É verdade. BILL - Você podia não estar preparada para ele. Essas coisas têm que acontecer no momento certo, senão não é bom. BETTY - Isso aconteceu comigo. BILL - Está tudo no timing. (Pequena pausa) Meu nome é Bill, aliás. BETTY - Sou Betty. BILL - Oi. BETTY - Oi. (Pequena pausa) BILL - Sim, pensei que ler Faulkner seria... Uma grande experiência. BETTY - Sim. (Pequena pausa) BILL - “O Som e a Fúria” (Outra pequena pausa) BETTY - Bem. Pra frente e pra cima, não? (Ela volta ao seu livro) BILL - Garçom? (Campainha) BILL - Você podia não estar preparada para ele. Essas coisas têm que acontecer no momento certo, senão não é bom. BETTY - Isso aconteceu comigo. BILL - Está tudo no timing. Meu nome é Bill, aliás. BETTY - Sou Betty. BILL - Oi. BETTY - Oi. BILL - Você vem muito aqui? BETTY - Na verdade, só estou na cidade por dois ou três dias, depois volto pro Paquistão. BILL - Oh. Paquistão. (Campainha) BILL - Meu nome é Bill, aliás. BETTY - Sou Betty. BILL - Oi. BETTY - Oi. BILL - Você vem muito aqui? BETTY - De vez em quando. E você? BILL - Já não muito. Não tanto quanto eu costumava. Antes do meu colapso nervoso. (Campainha) [...]. Veja mais aqui.


UNE FEMME DOUCE – O drama francês Une femme douce (Uma mulher delicada, 1969), dirigido pelo cineasta e mestre do movimento minimalista francês Robert Bresson (1901-1999), tem seu roteiro baseado em romance do escritor russo Fiódor Dostoiévski (1821-1881), conta a historia de uma mulher infeliz em flashbacks por não conseguir se adaptar ao comportamento e caráter do marido, levando-a ao suicídio. O destaque do filme é para a premiada atriz e modelo francesa Dominique Sanda, que depois de descoberta por Bresson, foi destacada para participar de filmes de Vittorio De Sica, Bernardo Bertolucci, Johm Huston, Mauro Bolognini, Liliana Cavani e Jacques Demy, até ganhar o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cannes de 1976. Veja mais aqui.

IMAGEM DO DIA
A arte da desenhista, ilustradora e autora italiana de histórias em quadrinhos Giovanna Casotto.


Veja mais no MCLAM: Hoje é dia do programa Some Moments, a partir das 21hs, no blog do Projeto MCLAM, com a apresentação sempre especial e apaixonante de Meimei Corrêa. Na programação: Em seguida, o programa Mix MCLAM, com Verney Filho e na madrugada Hot Night, uma programação toda especial para os ouvintes amantes. Para conferir online acesse aqui.

VAMOS APRUMAR A CONVERSA?
Dê livros de presente para as crianças.
Aprume aqui.


PAULO FREIRE, LEWIS CARROLL, COOMBS, SILVIO ROMERO, BRECHERET, GUIOMAR NOVAES, SEBASTIÃO TAPAJÓS, FÁBIO DE CARVALHO, ARANTES GOMES DO NASCIMENTO & EDUCAÇÃO

CRIATIVIDADE & INOVAÇÃO NA PRÁTICA EDUCATIVA – Imagem: Luta dos índios Kalapalo (1951), do escultor Victor Brecheret (1894-1955) - A...