quarta-feira, maio 16, 2012

KATE MILLETT, MAGGIE JACKSON, IBN HAZM, IBN AL-SHERESHI, LITERÓTICA

AS DELÍCIAS DO POMAR DELA – Seu corpo é o pomar de todas as delícias. É onde me esbaldo de não mais querer sair, desistindo do mundo e de tudo. Cubro todo seu terreiro, feito menino matreiro fugindo pelo quintal. Demais de legal, me atrepo por todos os galhos do seu desejo, busco seu talho, seu beijo, feito peralta carente. É no seu corpo que me faço que nem gente: vivo, sonho e realizo. E sem aviso aperto seu jeito como se espremesse carinhosamente a fruta no pé. Ah, que bom que é, chega sinto o sumo descer embaixo, eita, acendeu o facho, como é bom demais! Muito demais. Ah, é um bom caju, melhor embu. Dulcíssima graviola, suco de carambola, acerola na mão. Do seu bago sou chupão. E na sua pele de cajá, sabor de maracujá. Ah, me dá teu ingá que eu te dou meu araçá! Quero comer sua goiaba e toda mangaba. Chupar sua manga, ah, lamber seus peitinhos com sabor de pitanga, nada melhor, seja o que o for. Prazer de abacaxi, feito um sapoti! E faz a banana ser sua cana-caiana, ave, deus, avali. Água na boca, uma vida muito louca, foi tudo que eu pedi. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui, aquiaqui.

 


DITOS & DESDITOS - Sou muito infantil para ser imaturo. Eu amo a internet; Eu estou nisso o tempo todo. Todo homem é um herói para seu pseudônimo. Pensamento do escritor e crítico cultural estadunidense Lee Siegel, autor da obra Against the machine: being human in the age of the eletrônica mob (Spiegel & Grau, 2008), na qual expressa que: No mundo surreal da Web 2.0, a retórica de democracia, liberdade e acesso é usualmente uma folha de aprreira para uma retórica antidemocrática e coercitiva; onde ambições comerciais se disfarçam na pele de cordeiro dos valores humanísticos; e onde, ironicamente a tecbologia fez voltar o relógio do prazer desinteressado da arte popular e erudita para uma cultura primitiva de interesses próprios, toscos e avarentos. Sobre a Internet ele assevera que: É um desastre sem proporções. Está destruindo o jornalismo neste país, por exemplo. É uma estupidez que uma inovação tecnológica esteja comprometendo a qualidade do jornalismo, ao invés de melhorá-la. Não vejo nada novo ou original vindo dali. Veja mais aqui.

 

ALGUÉM FALOU: Eu escrevo sobre os aspectos intangíveis cruciais da vida - casa, atenção, incerteza - que muitas vezes esquecemos na era tecnológica, e procuro maneiras de contrabalançar a inquietação, velocidade, complexidade e natureza centrada na máquina de nossos tempos com calma, reverência , lucidez e humanidade. Não sou um ludita, nem estou fascinado pela tecnologia. Eu me considero um usuário com os olhos bem abertos e alguém que está constantemente perguntando: que tipo de humano queremos ser, hoje e no futuro? Pensamento da escritora e jornalista estadunidense Maggie Jackson, autora da obra Distracted: The Erosion of Attention and the Coming Dark Age (Prometheus, 2008) em que expõe a vida cibercêntrica com a deficiência de atenção, ou seja, que a erosão da capacidade de atenção profunda e plena consciência provocada pela vida cibercêntrica traz gritantes implicações para uma sociedade saudável, por nutrir uma cultura de difusão e desapego. Com a atenção dispersa entre os bips e pings de um mundo de botões, cada vez menos há capacidade de fazer uma pausa, refletir e conectar profundamente.

 

OUTRA QUE ALGUEM FALOU: Assuma o controle de sua vida, o que acontece? Algo terrível: não há ninguém para culpar. Pensamento da escritora estadunidense Erica Jong. Veja mais aqui e aqui.

 

A TRISTE SINA DE IBN HAZM & O COLAR DA POMBA- O polímata, historiador, jurista e filósofo muçulmano andaluz Ibn Hazm(Mohamed Ali ibn Ahmad ibn Said ibn Hazm, 994-1064), foi descrito como um dos hadith proponente e codificador da escola de pensamento islâmico Zahiri. Era filho do ministro de Al-Mansur e foi criado no harém do palácio de Córdova, no qual recebeu educação até a adolescência. Seu pai morreu em 1012, após ter conhecido as amarguras de uma grande desgraça. Aos 20 anos ele é forçado a deixar Córdova, caçado pelos Berberes almorávidas. Libertado, ele retoma o caminho do exílio e se apresenta em Valência onde novamente é aprisionado, só sendo libertado para ser ministro do Omíada Abd al-Rahman, que será assassinado numa conspiração e retoma o caminho da prisão. é quando compõe o célebre Tawk el hamama – O colar da Pomba. Depois se dedica à ciência e ao direito, porém seu temperamento combativo e sobretudo o desejo de contrariar a ortodoxia reinante o compelem a fazer-se defensor de uma escola heterodoxa, a dos Ahl adh’dhahir, ou escola da verdadeira religião. Intransigente, polemista dotado de uma pena acirrada e impiedosa, foi proibido de professar na grande Mesquita de Córdova. Em Sevilha os seus livros são publicamente queimados e sua efigie decapitada. Assim, foi preso, jogado na prisão e expulso da ilha. oprimido por tantas infelicidades, até acabar seus dias numa propriedade rural da família Badajoz. Ele produziu mais de 400 obras, mais de 80 mil páginas que o fez um dos principais pensadores do mundo muçulmano. Dele encontra-se o poema Al-Mahribi de flâmulas dos defensores: Você veio até mim um pouco antes / os cristãos tocaram seus sinos. / A meia-lua estava subindo / parecendo a sobrancelha de um velho / ou um delicado peito do pé. / E embora ainda fosse noite / quando você veio um arco-íris / brilhava no horizonte, / mostrando quantas cores / como a cauda de um pavão. Veja mais aqui.

 

POLÍTICA SEXUAL – [...] Uma revolução sexual exigiria antes de mais, talvez, o fim das inibições e tabus sexuais, especialmente aqueles que mais ameaçam o casamento monógamo tradicional: a homossexualidade, a «ilegitimidade», as relações sexuais pré-matrimoniais e na adolescência. Deste modo, o aspecto negativo no qual a atividade sexual tem sido geralmente envolvida seria necessariamente eliminado, juntamente com o código moral ambivalente e a prostituição. Esta revolução teria por objetivo estabelecer um princípio único de tolerância, completamente alheio aos sórdidos e alienantes fundamentos econômicos das tradicionais alianças sexuais. [...] O princípio tutelar, frequente na jurisprudência ocidental, colocava a mulher casada numa condição de objeto durante toda a vida. O marido passava a ser uma espécie de tutor legal, como se com o casamento ela passasse a fazer parte da categoria dos loucos e atrasados mentais, que, de um ponto de vista legal, eram também considerados como «mortos aos olhos da lei». Por muito irresponsável que o marido fosse e indiferente ao bem-estar dos seus filhos, ele estava legalmente autorizado a exigir e receber em qualquer momento os salários da mulher, mesmo sacrificando a vida dos que dele dependiam. Como chefe de família, da qual era proprietário, tinha poderes para privar a mãe dos seus próprios filhos, que legalmente lhe pertenciam, se quisesse abandoná-la ou divorciar-se dela. Um pai, tal como um negreiro, podia recorrer à lei para reclamar os seus bens mobiliários, sempre que quisesse. Podia reter a mulher contra sua vontade; as esposas inglesas que se recusassem a voltar para casa podiam ser presas. Se o marido morria sem deixar testamento, o Estado podia apropriar-se de todos os seus bens (porque legalmente todos os bens lhe pertenciam) sem deixar nada à viúva, ou apenas aquilo que entendesse conferir-lhe. A legislação de Nova Iorque era edificante e minuciosa neste aspecto; indiferente ao número de filhos, enumerava o seguinte como sendo devido à viúva: A Bíblia da família, quadros, livros escolares e todos os livros que não ultrapassem o valor de 50 dólares: rodas de fiar, teares e fogões; dez ovelhas e as suas peles, dois porcos. [...] Todo o vestuário necessário, camas, armações de cama, colchões e lençóis; os fatos da viúva e ornamentos próprios à sua condição. Uma mesa, seis cadeiras, seis facas e garfos, seis chávenas de chá e respectivos pires, um açucareiro, um bule de leite, um bule de chá e seis colheres. O exemplo mais parecido com o casamento é o feudalismo. [...] Trechos extraídos da obra Política Sexual (Dom Quixote, 1969), da escritora, artista, educadora e ativista estadunidense Kate Millett (1934-2017), que é considerado a “bíblia da liberação das mulheres”. Da autora há uma série de frases lapidares: O amor tem sido o ópio das mulheres como a religião o das massas. Enquanto amávamos, eles governavam. Pode ser que não é que o amor em si é ruim, mas a maneira como foi usado para persuadir a mulher e torná-la dependente, em todos os sentidos. Entre os seres livres é outra coisa O amor é simplesmente para permitir o outro a ser, viver, crescer, expandir e se tornar. Uma apreciação que não exige e nem espera nada em troca... É interessante ver que muitas mulheres não se reconhecem como discriminadas. Não foi encontrada melhor prova da totalidade de seu condicionamento... Sobre o patriarcado, a autora expressa que: O patriarcado é uma ideologia dominante sem comparação; é provável que nunca nenhum outro sistema tenha exercido um controle tão completo sobre seus sujeitos. [...] Ele se apoia em princípios fundamentais de que o macho tem que dominar a fêmea... As diferenças intelectuais entre o homem e a mulher são apenas consequências naturais das diferenças na educação e condicionamento e não implicam qualquer desigualdade fundamental e ainda menos uma inferioridade notória baseada na natureza... Um dos mitos favoritos da mentalidade conservadora consiste precisamente na ideia de que toda mulher é uma mãe em potencial... Veja mais aqui e aqui.

 

UM POEMA SOBRE A VELHICE Ó povo da Andaluzia, vós compreendestes / Graças a vossa inteligência, uma coisa sutil: / para chorar vossos mortos vós vestis o branco. / Parecendo, talvez, um estranho traje / vós tendes razão: o branco é a verdadeira cor do luto. / Que luto é mais triste que a brancura dos cabelos? Poema do historiador e poeta muçulmano andaluz Ibn al-Shereshi sobre a velhice. Dele também é encontrada a anedota: Os homens que voltaram daquele lugar disseram que foram testemunhas de um horror como nunca tinham visto. Eles levaram os homens diante de um altar coberto de sangue, e um havia sido curvado sobre ele, e eles assistiram com horror como o seu o peito foi perfurado e seu coração foi arrancado de seu peito. Eles nos contaram com horror como os politeístas gritavam aos seus ídolos, e naquele momento eles sabiam que só podiam estar chamando o shayatan. Seus guias lhes disseram que os ídolos exigiram muito deles, mas eles não poderiam saber que seria assim. Tão aterrorizados ficaram que os atacaram com fúria e mataram vários deles, antes que fossem expulsos para além das muralhas de Tuloom e voltassem para seus navios no horror do que tinham visto. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

BREBOTES & OUTROS CLECKS ARRUELADOS


ABRE-TE SÉSAMO, MONSTESQUIEU – O que será que está escondido na sala secreta da CPMI do Cachoeira? Nossa, até o STF entra na dança. Pra mim é a proteção de poderosos no conluio nebuloso entre o Executivo, Legislativo e Judiciário, justo como propunha a Teoria dos Três Poderes do filosofo iluminista francês Montesquieu: cada poder deve ser autônomo para exercer determinada função e ser harmônicos entre si. E quando ocorre essa harmonia a gente já sabe: quem paga o pato é o povo! E Viva o Fecamepa!!!!!!


CACHOEIRA ABAIXO – Já vi tudo: vai descer cachoeira abaixo uma tuia de gatunildo e ladronaldo. Uns serão expostos ao opróbrio popular (já começou o circo!); outros, sairão com o pára-brisa trincado (cara dum, cara doutro, quem não pisar vira gafanhoto!); alguns mais fortes, farão a briga toda, sairão impune e a gente com uma pizza enorme ruim de digerir. Vê aí como é que é essa CPMI do Cachoeira.


DECLARAÇÃO DE AMOR – Michael Moore fez sua declaração de amor aos USA com o seu Capitalism: a love story. Eu fiz a minha ao Brasil: Fecamepa. E você? Aproveita o intervalo da televisão e raciocina um pouco, tá?


IMPRENSA BRASILEIRA: O QUE É, O QUE É? – Se os donos dos veículos de comunicação de massa do Brasil ou são políticos ou achegados deles, ou seja: de um dos lados do poder a imprensa está: ou a favor, ou contra. A pergunta que não quer calar: se a imprensa é o quarto poder e ou está do contra ou a favor do poder, onde fica o povo brasileiro nessa relação? E olhe que a imprensa deve primar pelo interesse público. Será? E o povo onde é que está nessa hora????? E haja BigShit Bôbras.

Veja mais Brebotes & Clecks Arruelados aqui.



Veja mais sobre:
Ginofagia aquiaqui e aqui

E mais:
O presente na festa do amor aqui.
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professoraHenrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
BoleroJohn Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Por você aqui.
Eros & Erotismo, Johnny Alf, Mário Souto Maior & o Dicionário da Cachaça, Ricardo Ramos, Max Frisch, Marcelo Piñeyro, Letícia Bretice, Frank Frazetta, Ricardo Paula, Pero Vaz Caminha, Gilmar Leite & Literatura Erótica aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa Tataritaritatá!
Art by Ísis Nefelibata
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


MARUJA TORRES, EMILY ESFAHANI SMITH, MARUŠA KRESE, SUSANA SZWARC & ZABÉ DA LOCA

      TRÍPTICO DQP: Valuna, estaca zero. Imagem: COLAM , ao som dos álbuns Da idade da pedra (2002), Zabé da Loca (MDA, 2003) e Bom todo...