segunda-feira, abril 14, 2008

A MULHER FENÍCIA & BIG SHIT BÔBRAS - INHAME CURA



Imagem/Arte: Derinha Rocha

PENSAMENTO DO DIA: Encarando o inopinado: se se leva tudo na truculência do vai ou racha, aí a bronca faz vigência porque a delicadeza já foi pro beleléu! Segura o trupé! Veja mais aqui.

INHAME CURA!


O tempo fechou. Enquanto Doro arengava com Zé-corninho na maior treta, lá no meio ouvi quando um deles gritou:
- Vá sentar o quiba num inhame, seu porra!
- Ah, vá você que é mais achegado a um cará, fruita!
Opa! Tem cu no meio e merece uma explicação melhor! Para eles, cará e inhame são a mesma coisa. Mas não é. Muito embora sejam espécies do gênero familiar da Discoreaceae. Quer dizer, o inhame é a dioscorea spp. e o cará Alocasia ou Xanthosoma. Ambos possuem turbérculos que são apreciados nos repastos da culinária popular, acompanhando carnes, sopas e saladas. São plantas trepadeiras anuais originária das rgeiões tropicais e subtropicais e possuem uma variedade imensa, sendo cultivada na África, Ocenia, Asia e nas Américas. Segundo estudos médicos são comidas de excelente palatabilidade e de alto valor nutricional por causa da diversidade de composições. E, também, aproveitando uma dica da amiga Cintia Gushiken recolhida do http://afresca.blogspot.com/2007/08/inhame-vitaminas-e-poder-curativo.html , a sua ingerência protege o ser humano de doenças transmitidas por mosquitos como a malária, dengue e febre amarela. Segundo o blog, contém fósforo, ferro, cálcio, vitaminas B1 e B5.
Também é encontrado no http://www.9starki.com/sonia/inhame.htm que o inhame é medicinal, pequeno, cabeludo, limpa o sangue, fortalece o sistema imunológico, evita malária, dengue, febre amarela e é mais poderoso que a batata. É.
Depois dessas explicações, o Doro sai com essa:
- É-hé, pequeno, cabeludo, medicinal, hehehehehehe. Vai, Zé-corninho, se atrepe num bicho desse, agüente a marmota no oiti-goroba que o bicho é milagrento e você vira santo da noite pro dia, meu fio! Vai! Veja mais aqui.  



A MULHER FENÍCIA - OS FENÍCIOS - Acredita-se que a origem dos fenícios autodenominados de cananeus remontam mais de 5 mil anos e eram migrantes do Mar Morto e Mar Mediterrâneo, ou segundo o historiador grego Heródoto (484ac-430ac) oriundos do Oceano Índico, localizando-se ao norte da Palestina onde atualmente está o Líbano. Os gregos os chamavam de vermelhos, Phoinix. Eram politeístas e excelentes comerciantes, criando os ideogramas – alfabeto composto de sinais fonéticos e gráficos. “Se a criança é fêmea, que a deixe crescer e... emergir. Se é macho, que ela deixe a vara e o cajado curvos emergirem”. A MULHER FENÍCIA –Os mercadores fenícios, segundo o historiador grego Heródoto,  tinham um interesse todo especial por moças bem feitas de corpo e por jovens de rija musculatura. Entre eles, era obrigação das mulheres ofertar a virgindade aos sacerdotes do tempo de Ashtart, a deusa da fertilidade. As mulheres eram sepultadas de toucas no lado esquerdo, os homens à direita. As mulheres e crianças contribuíam como mã0 de obra lucrativa na produção de tecidos. As mulheres não tinham a menor vergonha de manter relações com qualquer homem, sem escolha de hora nem local. Exemplo disso, são as mulheres de Biblos que davam inicio aos ritos secretos do culto de Adônis, no dia da extraordinária transmutação, que ocorria no templo de Baallat ou Baalat-Gebal, a deusa dos céus ou a mãe-terra dos fenícios, denominada por Adônis de Afrodite. Elas batem no peito, choram e lastimam-se, para, finalmente, quando findam seus choros e lastimas, fazer oferendas a Adônis, como se ele tivesse de fato morrido. Pouco depois, porem, constatava-se que Adônis torna a ressuscitar. Aí, então, passam a colocar sua imagem em diversos lugares, ao ar livre. A seguir, elas começam a raspar os cabelos de suas cabeças, como o faziam os egípcios, quando davam vazão às suas lástimas pela morte de Ápis. Todas as mulheres, porém, que se recusavam a permitir que lhes cortassem os cabelos, tinham de se sujeitar à seguinte penalidade: devem se dispor, ao longo de um dia, a alugar seus corpos. No lugar onde isso ocorria só tinha acesso os estrangeiros. Com o dinheiro obtido através das relações dessas mulheres com os que as procuram podia-se adquirir uma oferenda para Afrodite. Reiteram também historiadores que as mulheres se prostituíam pelo período de um dia, entregando-se a visitantes estrangeiros, provavelmente corporificando assim a fertilidade da terra que recebe novas sementes. Entre os antigos costumes orientais havia também o das mulheres decentes que iam oferecer suas graças femininas nos templos. No livro Logos Babilônico, Heródoto descreve que todas as mulheres do país tem de se apresentar ao templo de Afrodite (Ischtar-Astartéia), onde, pelo menos uma vez na vida, devem ter relações com um homem estranho. Elas ficam sentadas no recinto sagrado, trazendo na cabeça uma coroa feita de cordéis. São muitas mulheres, umas chegando, outras saindo. Existem no templo corredores muito retos, que se abrem nas mais diversas direções, nos quais se encontram as mulheres e por onde passam os estranhos interessados em escolher uma delas. Toda mulher que ali chegar, para sentar-se entre as demais, não pode mais voltar para casa, a não ser depois que um dos homens estranhos tenha jogado uma moeda no seu regaço, ao que ela se levanta para manter relações sexuais com ele fora do recinto sagrado. Ao entregar-se a ele, porém, ela se desincumbe de seus deveres sagrados para com a deusa e pode retornar ao seu lar. Daí por diante pode-se oferecer quanto se quiser a essa mulher que ela jamais irá entregar-se de novo a um estranho. Mas são apenas as mulheres bonitas e de vistoso porte que voltam logo para casa. As feias tem de ficar esperando por muito tempo, até poderem, um dia, cumprir o velho costume. Muitas delas ficam no tempo uns três a quatro anos. Também no culto da fertilidade, as mulheres entregam-se ou mantem relações sexuais com os hirodulos, que eram servos sagrados, os quais, homens e mulheres, se encontravam a serviço do templo para a pratica de atos de prostituição, o ser humano comunicava-se com o poder divino. A prostituição nos templos e a perda em público da virgindade ocorriam em todos os tempos orientais existentes entre o litoral do Mediterrâneo e o Hindustão. Os hierodulos prestavam seus serviços até mesmo nos mais antigos templos judaicos, onde eles recebiam o nome de Kedeschim, isto é, os iniciados. Na Capadócia, hoje Turquia, viviam seis mil dessas prostitutas a serviço dos templos. Tato em Biblos como em Tiro eram normais os encontros com essas mulheres. Foi exatamente o Cristianismo que provocou uma ruptura com essa tradição, admitindo e defendendo que o tempo era uma escola de ateísmo praquela gente desprezível que arruinava seus corpos entregando-se a um luxo excessivo. Os homens eram calmos e efeminados, ou seja, já não eram mais homens. Eles renegavam a dignidade de seu sexo. Através de um prazer conspurcado, acreditavam poder venerar a divindade. Para os cristãos, relações sexuais de todo condenáveis com mulheres, coisas imundas perpetradas às escondidas, outras ações indecentes e indescritíveis, tudo isso ocorria no templo. Conta-se ainda que havia uma mulher fenícia, bela e esbelta, que sabia fazer trabalhos maravilhosos. Um dia, chegaram os marinheiros fenícios que oferecendo quinquilharias em seus negros navios, a sequestraram. Eles se aproximaram dela quando fora lavar roupas, conversando das coisas que havia no navio e, por aí, entraram coisas de amor que tanto interessam às mulheres. Perguntaram-na quem era e de onde vinha, ao que falou da saudosa casa de seu pai, respondeu-lhe: ”Tenho a honra de pertencer à cidade de Sídon, de imensas riquezas, onde sou filha de Aribes, cuja riqueza não tem fim. Mas um dia, ao voltar do campo, fui sequestrada por bandidos e vendida à casa do rei da Síria”. Os fenícios perceberam com essa revelação que poderiam fazer grande negócio, perguntando-lhe se não queria retornar ao Líbano, recebendo a sua anuência. Deu-se então essa transação no leito do amor. Mas a sequestrada seduzida não chegou ao Líbano e foi jogada ao mar. Na religião fenícia havia a concepção do masculino e feminino.  O masculino representado pelo deus-sol, rei dos céus que possuía o poder fecundante. O feminino representado pela deusa-lua, que concebia o deus-sol e se confundia com a terra fecunda. As deusas possuíam o título geral de Baaltis-Baalit, ou seja, a dama, e a principal delas era Artartéa. ASTARTÉA – também conhecida como deusa Archera ou Ashera-Yam, a senhora dos mares, que em Biblos se denominava Baalat, palavra que se pode traduzir como “a nossa amada senhora”. Ela é venerada até hoje no culto maronita a Maria, existente no Líbano. Os amores da deusa com Thammur-Adonis compuham os ritos de Byblos. Era esposa de El, o Cronos grego. Ela regia sobre todo o âmbito em que predominavam os fenícios. Possuía a função de conselheira no concilio dos deus, só se manifestando quando lhe dirigiam uma pergunta específica. Como mulher, simbolizava as terras férteis e a fecundidade em geral. Era a Baalat que se pedia boas colheitas, filhos e longa vida. Para todas as pessoas ela representava a mãe celeste ou mesmo uma mãe terrena, capaz de satisfazer as necessidades instintivas de segurança e calor dos seres humanos. Ela também era venerada pelos sumérios, babilônios e assírios. Seu filho Baal-Adon-Eschmun-Melcart estava sempre com a mortalidade em jogo, já que a cada ano ele tinha de morrer para, em seguida, ressuscitar. Tornou-se um grande combatente e um amante ameaçador que se vangloriava de ter estado setente e sete vezes nos braços de amada, Anat. Arvorou-se a mencionar que chegou a amá-la oitenta e oito vezes numa só noite. Por fim, Anat sepultou seu marido, depois dele ter sofrido mais uma de suas muitas mortes, para, em seguida, ser assassinado  por Mot a quem Anat vingou-se cortando-o com uma foice, revirando-o com uma pá, deixá-lo queimando no fogo e triturando-o num moinho. Além disso, ela ainda espalhou a carne do assassino pelos campos para que servisse de alimento às aves. JEZABEL, A PROSTITUTA DE TIRO – Ela provinha do palácio de Hirão, rei de Tiro. Seu pau, Ithobaal, rei dos sidônios, tinha ocupado o cargo de sacerdote de Artartéa antes de usurpar o trono de Tiro. Ela deveria casar-se com Ahab, filho mais de Omri, em Samaria. Ao casar-se, ela mudou de nacionalidade, mas manteve a sua crença ignorando Javé, sendo devotada aos deuses de seu povo e esforçando-se por introduzir em Israel a religião dos fenícios. Ela era formosa e fora educada numa das cortes mais cosmopolitas da época, dominando com perfeição todos os truques da arte feminina da sedução, incluindo entre eles o da intriga. Ahab deixou-se dominar inteiramente por sua mulher, ela passou a fazer dele o que bem entendia. Com isso, pro povo de Samaria, ela era nada mais do que outro membro da classe empresarial que eles abominavem, corporificando e agente do capital estrangeiro. Para os guerreiros de Samaria, ela só estava interessada num maior enfraquecimento da nobreza. Nasce daí uma conspiração promovida pelos camponeses e pela nobreza militar visando destiuir a casa regente, causada pela comportamento de Jezabel. Sabia ela que a consciência judaica jamais a pouparia e sempre surgiria um profeta para apoiar a mutua aversão. E foi o que aconteceu quando surgiu Elias corporificando a ira dos crentes, o ídolo dos oprimidos e a secreta esperança dos insatisfeitos.  Pros cronistas bíblicos, era ela uma ditadora inescrupulosa, uma astuta intrigante e uma mulher ordinária mas de muito sangue frio. Entretanto, historiadores refutam as acusações dos cronistas bíblicos, observando que a pior ação criminal que lhe pode ser imputada é a de ter realizado uma trapaça no caso da vinha de Nabote, que não queria vendê0la ao marido de Jezabel. Todo o resto não é mais que boatos. Contam os cronistas bíblicos que ela se envolveu em vários casos, como o do cidadão de Israel negou-se a vender vinha ao seu marido, ela conseguiu que o homem fosse condenado à morte. Outro caso revela que a mesma ameaçou mandar matar o profeta Elias por insuflar uma sublevação contra os sacerdotes fenícios, conseguindo que o mesmo fosse expulso do país. Certa feita, ao se encontrar com o assassino que acabara de matar seu filho, ela perguntou como se sentia ele sabendo que não passava de um assassino. Foi amaldiçoada por Elias que profetizou: “Os cães comerão Jezabel junto ao antemuro de Jizreel. E o cadáver será como esterco sobre o campo, no pedaço de Jizreel, que se não possa dizer: Esta é Jezabel”. Quando tentaram sepultá-la, só encontraram a caveira, os pés e as palmas das mãos. DIDO, A SOBRINHA DE JEZABEL – Era conhecida por Elischa ou Elissa, neta do rei Marten, de Tiro. Quando seu avô faleceu, sucedeu-lhe ao trono seu filho Pigmaleão, o qual, no entanto, teve de repartir o poder com Elissa. Essa dupla soberania terminou sendo proveitosa para um terceiro, um sacerdote de Astartéia, denominado Acharvas. Nos conflitos entre o pai e a filha, ele fazia as vezes de fiel da balança, o que o tornava verdadeiro detentor do poder naquela cidade insular. Havia, porém, que Acharbas tinha tomado e guardado para si a herança financeira de sua mulher, que representava uma parte do capital da firma Tiro, para assim reduzir ainda mais o campo de ação de seu sogro. Este, porem, que não estava disposto a fazer o jogo do outro, mandou que dessem cabo de seu desafiante. O assassinato tornou a divergência ainda mais acentuada. Alguns patrícios de Tiro tomaram o partido da viúva enlutada e decidiram abandonar a cidade juntamente com ela e o seu tesouro escondido. Como porém, não possuíam numero suficiente de navios, planejaram uma refinada manobra de logro. Elissa, que evidentemente residia no continente, solicitou uma audiência a Pigmaleão, que lhe foi imediatamente condedida. O rei alimentava esperança de que sua filha voltaria para o seu lado, com o capital de que dispunha. Nessa convicção, enviou ao encontro dela navios e marinheiros. Fazendo isso, porém, ele agia exatamente como os fugitivos esperavam que ele o fizesse. Às escondidas, levaram o ouro para os navios, onde o esconderam, e, ao mesmo tempo, abertamente, foram colando sacos cheios de areia no convés superior, dizendo que eles continham o que Pigmaleão estava necessitando urgentemente. Ao chegar no canal entre Uchu e Tiro, Elissa começou a clamar por seus esposo falecido, fazendo gestos dramáticos. Pediu a ele que recebesse de volta o ouro que havia guardado para ela, pois estava manchado de sangue. Seus servos, que estavam esperando essa deixa, passaram a jogar no mar os sacos de areia. Os marinheiros de Pigmaleão ficaram olhando aquilo horrorizados. Aquelas eram as riquezas que eles haviam sido encarregados de buscar e que agora jaziam no fundo do canal. Ao chegarem à ilha, fizeram a tripulação dos navios cair na segunda armadilha. Dezoito jovens, prontas para serem defloradas no templo de Astartéia de Pafos, encontravam-se na praia e jogaram-se nos braços dos marinheiros fugitivos. Eram moças dispostas até a desistir da cerimônia normal nesses casos, para com eles viajarem para onde bem entendessem. E como os sublevados já tinham entrementes sido informados de que o ouro ainda se encontrava a bordo, sentiram-se suficientemente munidos para dar continuação á fuga. Essas foram as primeiras iniciativas do empreendimento chamado Cartago. AFRODITE – No livro Teogonia, do escritor grego Hesíodo, conta-se que certa noite, quando se encontrava justamente no leito de Géia, a mãe terra, foi surpreendido durante o enlace amoroso, por seu filho Cronos, que, atracando-se em luta com ambos, castrou o pai com uma foice. A seguir jogou no mar o membro assim cortado, que ficou boiando nas águas por muito tempo. Mas como não se tratava de carne igual à carne comum dos mortais, conseguiu cumprir suas finalidades, quando uma nuvem de espuma alvacenta começou a se formar em volta daquele pedaço de carne imortal e dela surgu uma mulher que foi conduzida pelas ondas na direção de Chipre. Ela alcançou terra firme nas cercanias de Pafos, atual cidade de Kitima. Nessa localidade, conta-se que surge uma beldade de cabelos cor de fogo, desnuda, que sai das águas e sobe para a praia com movimentos delicados, como estivesse ensaiando alguns passos de dança. Também nessa localidade, em túmulos de pedra fooram encontrados entre os achados um ídolo que acentuava grandemente a área triangular do sexo feminino. Por volta de 1200 a.C., os fenícios ali chegaram e começaram a realizar os ritos vinculados ao culto de Aschera-Astartéia, a deusa que mais tarde os gregos chamariam de Afrodite. Isso é confirmado por Heródoto ao mencionar que foram os fenícios que criaram o seu santuário na ilha de Chipre. Embora pertencesse aos doze maiorias da hierarquia celeste grega, Afrodite continuou sendo sempre a pequena prostuta que pode seduzir qualquer homem que lhe apraz e que, por isso, pode causar frequentemenete consideráveis malefícios. Ela também era chamada “Porné”, isso até o dia em que conseguiu finalmente dividir-se em duas personalidades. Sob o nome de Afrodite-Urânia ela tornou-se a grande mãe do céu, severa. Celevrava-se o seu culto com oferendas de flores e de incenso. A Afrodite vulgar eram ofertados animais do sexo másculo. Diante dos seus altares as sacerdotisas copulavam com jovens adeptos e as mulheres honradas entregavam-se aos peregrinos. Ares era o indômito amante de Afrodite. Ela também foi alvo da paixão de Pigmaleão, herói do conto de fadas da bela Galatéia. Ele aparece na qualidade de um rei cipriota, cuja paixão por Afrodite era tão intensa que chega a pintar um retrato da mulher amada, com o qual tenta manter relações sexuais. A deusa do amor fica tão impressionada com isso que se transforma num ídolo de marfim, totalmente entregue a ele. Já de novo no papel de Galatéia, ela lhe deu dois filhos. AS AFRODÍSIAS E A ILHA DE CITERA – Era o local onde também ocorriam prostituição nos templos e cerimônias orgiásticas. As afrodisias eram cultos divinos realizados em lugares de peregrinação e que se realizam todos os anos em Pafos, no mês de abril. Ali realizavam0se feiras, cuja maior atração eram as escravas cipriotas, famosas pela sua arte de amar. Além disso, faziam-se também competições, corridas com archotes, banhos à noite no mar, comilanças, leituras de obras poéticas, e, no interior do tempo, cerimônias de defloração das jovens. Os rapazes, por sua vez, recebiam também as suas primeiras lições práticas dos jogos amorosos, ministradas por sacerdotisas experimentadas e prostitutas a serviço do tempo. Quando voltavam, recebiam de presente de confirmação, um pequeno falo e um torrão de sal lembrando que a deusa tinha sido gerada no mar. As mulheres casadas recebiam menos atenção do que as solteiras, tanto que se concentravam em passar o tempo untando a pedra branca que representava a imagem de Astrate-Afrodite, famosa em toda região do Mediterrâneo. O RAPTO DE EUROPA – Europa era uma beldade fenícia que fora seequestrada por um touro de aspecto maravilhoso, testa branca como a neve, pele alvacenta, de enorme barriga e pequenos chifres que mais pareciam pedras preciosas. Esse touro era Zeus que se apaixonara por Europa, a fim de que assim, escapando à vigilância da sua mulher, pudesse se aproximar de Europa e trazê-la para Creta, onde ainda hoje há quem mostre o lugar em que ganhou a praia. Afirma-se que fica nas proximidades de Gortyn, no litoral sul da ilha. Todo turista que aí chega é conduzido ao bosque em que o lascivo deus estuprou a bela moça. AS FENÍCIAS DE EURÍPEDES – Tragédia escrita por volta de 411 aC, sobre a maldição anunciada pelo deus Ares no Oráculo de Apolo, comunicada por Cadmo, bisavô de Laio, de que ele não poderia ter filho homem. Mas cego de desejo, casou-se com Jocasta a quem lhe deu o filho Édipo. Temendo a maldição, despachou a criança na encosta do cume do monte Citéron que foi achada pelos pastores e levada ao rei Pólibo que dela cuidou juntamente com sua esposa. Quando já crescido, Édipo foi ao Oráculo de Apolo, encontrando Laio. Eles se desentenderam e o jovem matou-o. Nessa ocasião, a Esfinge acometia cruelmente toda Tebas, levando Creonte, irmão de Jocasta, a oferecer a coroa e a sua irmã a quem pudesse decifrar os enigmas da malévola: “O que é? O que é? Decifra-me ou te devoro”. Foi aí que Édipo enfrentou a Esfinge, decifrou seu enigma e a derrotou, casando-se, inocentemente, com sua própria Jocasta e dela teve 4 filhos, os meninos Etéocles e Polinices e as meninas, Ismene e Antígona. E quando Édipo descobriu que tivera filhos e irmãos com sua mãe, enlouqueceu pela desventura, perfurando seus próprios olhos e amaldiçoou os filhos que se matariam num duelo pelo palácio. Os dois irmãos, temendo que os deuses cumprissem esta maldição paterna, convencionaram que o mais novo, Polinices, deixasse a pátria pelo período de um ano, e que o trono ficasse co  Etéocles. Após esse período, ele voltaria para o revezamento do poder, com iguais direitos. Só que passado esse prazo, Etéocles se recusou a entregar o palácio, expulsando novamente Polinices da pátria. Desarvorado, Polinices juntou-se ao rei Ádrasto, de Argos, e reuniu muitos soldados para enfim invadir Tebas e tomar o seu trono devido. Jocasta sobrevive ao tomar conhecimento que é mãe e esposa ao mesmo tempo de Édipo, porque seu primeiro marido Laio não deu a devida atenção às advertências dos deuses, de que não deviam ter filhos. Os seus dois filhos homens, Polinice e Etéocles, se enfrentam em sangrenta disputa pelo trono. Ela apela aos sentimentos dos filhos, sofrendo com o ódio mortal no coração deles que se negam um ao outro pela ambição de poder. Não havendo paz, os dois perecem golpeados pelas espadas empunhadas por cada um. Ela, então, suicida-se. Antígona, desesperada, voltou ao palácio para contar a seu pai, Édipo, as tragédias que haviam ocorrido. Édipo recebeu a notícia com muita dor. Creonte, destruído por ter perdido o filho, soube que também perdera a irmã, e que o rei Etéocles e seu irmão Polinices já não mais existiam. Com isso, sendo assim o novo rei, expôs as determinações que Etéocles havia transmitido a ele: Antigona deveria se casar com seu filho Hêmon, Édipo deveria ser expulso da pátria, e o corpo de Polinices não deveria ser sepultado e sim entregue às aves carniceiras. Antígona ficou revoltada com a decisão e disse que iria enterrar o seu irmão. Creonte decretou a morte de Antígona, caso ela consumasse este feito. Édipo, mandado para o exílio, foi acompanhado por Antígona e, em seus momentos finais, refletiu que ele, um simples mortal, mesmo tendo derrotado a feroz Esfinge, tendo sido um herói para Tebas e feito só coisas boas, foi incapaz de mudar o seu destino, não tendo domínio sobre sua vida, estando vulnerável apenas a acatar as decisões dos deuses. FONTES BIBLIOGRÁFICAS: ALVES, Manuel dos Santos. As fenícias de Eurípedes: Uma paráfrase de Cândido Lusitano. UC. 2012. EURÍPIDES. Ifigênia em Aulis; As fenícias; As bacantes. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1993. HARDEM, Donald. Os fenícios. Libsoa: Verbo, 1980. HERM, Gerhard. A civilização dos fenícios. Rio de Janeiro: Otto Pierre, 1979. ROMMILLY, J. de. A tragédia grega. Lisboa: Edições 70, 1997. SALVADOR, Evandro Luis. Mito, narrativa e audiência no monólogo d’As Fenícias de Eurípides. NEArco, Revista Eletrônica de Antiguidade, 2012. ______. Tradução da tragédia “As Fenícias” de Eurípides e ensaio sobre o prólogo (vv. 1-201) e o primeiro episódio (vv. 261-637). Campinas: UNICAMP, 2010. SCHULER, Donaldo. Eurípides: as fenícias. Porto Alegre: LP&M,. 2005. SNELL, B. A cultura grega e as origens do pensamento europeu. São Paulo: Perspectiva: 2001. Veja mais


Veja mais:


Veja mais sobre:
A comilança do Zé Corninho, Oscar Wilde, Leila Pinheiro, Henri Lebasque, Jacob Matham, A psyche japonesa, Psicossomática & a Psicologia da dor aqui.

E mais:
As ingresias de Robimagaive, Gaston Bachelard, Chiquinha Gonzaga, Fausto Wolff, António Ramos Rosa, Fafy Siqueira, Subindo a Ladeira, Alehandro Agresti, Marina Glezer, Rita Hayworth Michael John Angel & Educação aqui.
Aristóteles, Giordano Bruno, Edward Morgan Forster, Michelangelo Antonioni, Gino Severini, Zimbo Trio, Ana Lago de Luz, Eduardo Semerijan, Daria Halprin, Malcolm Pasley & a imparcialidade do juiz aqui.
Tolinho & Bestinha: Quando o mundo fica pequeno pros andejos de cabeça inchada aqui.
A poesia de Valéria Tarelho aqui.
Till Lindemann, Joe Wehner, Chagas Lourenço, Educação no Brasil, O capital intelectual, As políticas públicas & desenvolvimento sustentável, Arte-terapia & Dificuldades de aprendizagem aqui.
Educação, afetividade, transversalidade & homossexualidade aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora parabenizando o Tataritaritatá.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 
 

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...