sábado, janeiro 07, 2017

GATO ESCALDADO PRA SE ENTURMAR É UM PÉ NA FRENTE E OUTRO ATRÁS.


GATO ESCALDADO PRA SE ENTURMAR É UM PÉ NA FRENTE E OUTRO ATRÁS - Imagem: The Street Enters the House (1911), do pintor e escultor do Futurismo italiano Umberto Boccioni (1882-1916) - Nunca me enquadrei em nada, sempre um peixe fora d’água. Na escola primária eu era o mais novo e isso até os anos do ginasial, sempre caçula. Como não havia ninguém na minha idade, nada de patota, turminha ou clube que fosse, não conseguia me arranchar em trupe que fosse. Um ou outro que eu podia privar da amizade e que duraram até o tempo do colegial quando casei aos quinze. Como comecei a trabalhar aos dez, quando virei moleque namorador, escapulia aqui e ali dos namoricos até me enclausurar de vez e passar a ser um sujeito caseiro metido às leituras, audições musicais e bebericagens ilimitadas. Alguns outros desenturmados que faziam comigo temporárias duplas ou trios, nada em definitivo; excetuavam-se os mais afinados com a música, literatura ou teatro que, no meio de idas e vindas, com esses mantive amizades um tanto duradouras, mas nada que se diga assim de firme. Entre Palmares e Recife eu escapulia dos grupos, tendo oportunidade de me associar, por exemplo, com a turma da Bagaço, um grupo teatral palmarense – o Terra -, um partido político que entrei porque tinha a perspectiva socialista e, como não vingou, dele saí como quem foi ali e não voltou mais e etc e tal. Recebia convites praquilo ou praqueloutro, nunca mantendo assiduidade a nada, sempre chegando atrasado ou prometendo chegar, fato que me levou a ser tratado por farrapeiro. Evidente que procurava atender a todos os convites, porém quando tomava pé do que se tratava, percebia que não tinha nada a ver comigo, apenas mais um número na composição e pra coisas que eu jamais seria compatível. Sempre fui avesso a formalidades, condição adquirida na minha primeira relação empregatícia no cartório do meu pai: eu saía antes de chegar. Depois fui bancário e quase morria de tédio, tendo de voltar pros afazeres familiares. Aí virei radialista, coisa mais a ver comigo. Entretanto, por conta das oligarquias que comandam a imprensa brasileira, virei voluntário free lancer, atuando aqui e ali em emissoras, revistas e jornais, não antes passar por experiências de executivo nas áreas automobilística e alimentícia, razão pela qual, depois dessas últimas, me tornei integrado ao mercado informal da economia brasileira: mais um pro batalhão de reserva desse Brasilzão véio, arrevirado e de porteira escancarada. Melhor assim: se é pra me matar de trabalhar, melhor pra mim mesmo. Assim fiz e toda vez que procuro me envolver com relacionamentos grupais, nunca dá certo. Esse desenlace, acho, se deve pela minha maneira de cair de cabeça e vestir a camisa 100% em tudo, quando dos outros só conseguia detectar blocos do eu sozinho e autoritarismo, me dá isso, faz aquilo e haja cacunda pra muitos descarados se atreparem. Comigo mais não, cara pálida. Ou eu não tinha ainda aprendido a lidar comigo mesmo e os outros, ou não era sociável o suficiente, reduzindo-me a um ditador descarado que nunca me dei conta. Por isso devo ser uma companhia para lá de desagradável, sempre desconfortável e cheio de pernas porque papo aqui e ali com quem quer que seja, quase inevitavelmente ocorre a rota de colisão. Não que eu me mantenha firme em posições, sou flexível além do possível – penso eu com todas as vírgulas -, porém tem certas coisas que não dá pra fazer concessão num mundo repleto de trampolinagens e cafajestadas – sei do lado que a corda arrebenta na hora do quiprocó, experiência fala mais alto. Além do mais, dois bicudos não se beijam e remédio de doido é outro na porta, talvez as pessoas não estejam dispostas a ser tão malucas como eu sou de cara lisa, nem prontas para riscos de loucuras ainda não descobertas. E para evitar isso, prefiro manter a minha paz e a dos outros, não me metendo mais do que o permitido e dialogando até perceber o fim da paciência alheia. Fico na minha, avesso a tudo que seja hierárquico, exclusivista ou excludente. Sou da mundiça, afianço, do tipo de leitor que traça sem critérios prévios e sem papas na língua, curto as experiências e fotografo com a minha feiúra tudo que tiver pela frente; se valeu, depois vejo no crivo do pente fino; senão, lata de lixo é pra isso mesmo: coisas imprestáveis. No mais, vamos aprumar a conversa & tataritaritatá! .© Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.


Curtindo o talento musical da pianista sul coreana Sonya Bach.

Veja mais sobre:
Quando te vi na Crônica de amor por ela, Marques Rebelo, Eduardo Giannetti, Luzilá Gonçalves, Francis Poulenc, William Shakespeare, Patrícia Petibon, Anatol Rosenfeld, Anésia Pinheiro Machado, Marcela Rafea, Franz von Bayros, Asztalos Gyula & Magda Zallio aqui.

E mais:
Marguerite Duras & Todo dia é dia da mulher aqui.
Pagu – Patrícia Galvão & Todo dia é dia da mulher aqui.
Serenar na Crônica de amor por ela, Dinah Silveira de Queiroz, Jacques Prévert, Validivar, Paulo Santoro, Arieta Corrêa, Wong Kar-Wai, Manuel Puig, Peter Greenaway, Elisete Retter, Shirley Kwan, Agi Strauss, A educação e seus problemas & Lilian Pimentel aqui.
A árvore de Humberto Maturana & Francisco Varela, Darel Valença Lins, Luiz Melodia, Terra Oca & Lady Francisco aqui.
Debussy, Pierre Bonnard, Laurindo Almeida, Carl Rogers, Emily Greene Balch & Pós-Modernidade aqui.
Projeto Tataritaritatá aqui.
Educação, Sexualidade & Orientação Sexual aqui.
Big Shit Bôbras: Ói nois aqui traveiz aqui.
Big Shit Bôbras: o despranaviado geral aqui.
A campanha do Doro Presidente aqui.
Tolinho & Bestinha: Quando Bestinha enfiou-se na bronca da vida e num teve quem desse jeito aqui.
O que deu, deu; o que não deu, só na outra aqui.
Aprendi a voar nas páginas de um livro aqui.
Canção de quem ama além da conta aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: MARIANA BELTRAME
A arte da fotógrafa Mariana Beltrame.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Nude fom behind, do pintor e escultor do Futurismo italiano Umberto Boccioni (1882-1916)
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


KRISHNAMURTI, MILLÔR, CELSO FURTADO, JOSEPH CAMPBELL, BARBOSA LIMA SOBRINHO, GILVAN LEMOS, RIO UNA & MARQUINHOS CABRAL

MARQUINHOS CABRAL: DESDE MENINO SOLTO NA BURAQUEIRA – A gente aprontou muitas e tantas no quintal lá de casa e nos cômodos da casa dele ...